A VISÃO DO TEMPLO DE EZEQUIEL
A ADMINISTRAÇÃO MUNDIAL DO REINO DE DEUS
PARTE 3

A MEDIÇÃO DO TEMPLO: OS MORTOS RESSUSCITADOS JUSTOS NA TERRA

NÃO SERÃO JULGADOS

"Não fiquem admirados com isso, pois vem a hora em que todos os que estão nos túmulos memoriais ouvirão a voz dele e sairão: os que fizeram coisas boas, para uma ressurreição de vida; e os que praticaram coisas ruins, para uma ressurreição de julgamento”

(João 5:28,29)

É óbvio que Abraão terá a ressurreição da vida, e sua boa reputação herdada de suas boas ações passadas o seguirá para a eternidade no Paraíso Terrestre

Jesus Cristo nos informa que haverá duas categorias de ressurreições na terra: a ressurreição da vida para os justos e a ressurreição do juízo para os injustos: “E eu tenho esperança em Deus, esperança que esses homens também têm, de que haverá uma ressurreição tanto de justos como de injustos” (Atos 24:15).

No entanto, a pergunta lógica é esta: na Parte 2 deste estudo sobre a ressurreição terrestre, foi explicado, da Bíblia, que os mortos não seriam julgados em suas ações passadas, mas segundo a obediência ou não, às novas instruções divinas (novos rolos) (Apocalipse 20: 4,11-15). Por conseguinte, essa interpretação parece contradizer as declarações de Cristo e do apóstolo Paulo, que designam a ressurreição de Justos e Injustos. Isto deixa entender que os mortos serão julgados de acordo com suas ações passadas (Quando ressuscitados, serão selecionados em duas categorias, Justos e Injustos). Como entender essa diferença?

Quanto à misericórdia de Deus, a Bíblia faz a diferença entre, por um lado, que Deus perdoa defensivamente os pecados, permitindo assim, que o pecador possa continuar vivendo ou a ressurreição. Por outro lado, o fato Deus permitir, em parte, assumir as consequências dessas ações passadas, como reputação, boa ou ruim. Tomemos um exemplo bíblico concreto: os pecados graves do rei Davi, especialmente os que foram cometidos com Bate-Seba (2 Samuel 12: 1-14).

Seu pecado grave foi perdoado, o que permitiu que o rei David e Bate-Seba fossem mantidos vivos. No entanto, Jeová Deus fez com que Davi e Bate-Seba suportassem as consequências desses pecados: a morte da criança e eventos que desgraçariam severamente o rei Davi e sua família (2 Samuel 12: 10-12). Adicione a essas consequências assumidas, que Jeová Deus teve os atos vergonhosos do rei Davi transcritos em sua Palavra, a Bíblia, de modo que, quando Davi se levantar novamente, no paraíso terrestre, ele também terá que se explicar com o marido enganado e assassinado, Urias.

Com respeito aos mortos ressuscitados, serão aplicados os mesmos princípios gerais da Misericórdia Divina: o perdão absoluto dos pecados passados sob a lei da propiciação pela morte do pecador por causa das consequências da herança do pecado de Adão ( Romanos 5:12, 6:23). A Misericórdia de Deus pela aplicação dos benefícios do Resgate (do sacrifício de Cristo), Jeová Deus autorizará a ressurreição dos mortos, justos e injustos.

No entanto, as expressões Justo e Injusto, indicam que a reputação, boa ou má, das ações passadas dos ressuscitados irá segui-la. Tomemos exemplos positivos de futuros personagens fiéis que serão ressuscitados, que podem ser lidos em Hebreus 11: Abel, Enoque, Noé, Abraão, Sara, Jacó, José, Moisés... É óbvio que estes ressuscitados terão a ressurreição em vista da vida, e sua boa reputação herdada de suas boas ações passadas os seguirá para a eternidade no Paraíso Terrestre. Quanto aos injustos, suas ações passadas os seguirão como reputação, no tempo de seu julgamento. Se o seu julgamento é, para a vida, essa reputação do passado desaparecerá pelos efeitos das boas ações feitas no paraíso. Voltando a Hebreus 11 e 12, trata-se do irmão gêmeo de Jacó, Esaú, que é descrito como um homem que não possui espiritualidade (Hebreus 12:16). É óbvio que, na ressurreição dos injustos, Esaú terá que provar a si mesmo para fazer esquecer a reputação do passado como um homem de pouca sagacidade.

É óbvio que, na ressurreição dos injustos, Esaú terá que provar a si mesmo para fazer esquecer a reputação do passado como um homem de pouca sagacidade

Como entender que o Ressuscitado Justo não será julgado, enquanto o livro de Apocalipse está escrito que todos os mortos serão julgados com base nos novos rolos?

“Vi então um grande trono branco e Aquele que estava sentado nele (...). Vi os mortos, os grandes e os pequenos, em pé diante do trono, e rolos foram abertos. Mas outro rolo foi aberto: era o rolo da vida. Os mortos foram julgados pelas coisas escritas nos rolos, segundo as suas ações” (Apocalipse 20:10,11).

Obviamente, este texto sugere que os ressuscitados serão julgados com base dos novos rolos.

No entanto, Jesus Cristo, e também o apóstolo Paulo, sob inspiração, deixaram entender que o Ressuscitado Justo não será julgado:

“Digo-lhes com toda a certeza: Quem ouve as minhas palavras e acredita naquele que me enviou tem vida eterna, e não será julgado, mas passou da morte para a vida” (João 5:24).

“Mulheres receberam seus mortos pela ressurreição, mas outros foram torturados porque não aceitaram um livramento, para poderem alcançar uma ressurreição melhor” (Hebreus 11:35). Compreensivelmente, a "Ressurreição Melhor", leva à vida eterna, ao contrário das que ocorreram no passado, e cujos ressuscitados morreram (com o tempo) das consequências do pecado Adão (1 Reis 17 22; 2 Reis 4:34; Romanos 5: 12).

A narrativa profética de Apocalipse 20: 11-15 é uma descrição mundial, global, feita na sua totalidade. Seja, que o propósito geral da ressurreição mundial será um julgamento de toda a população ressuscitada, até no final de 1000 anos. Esse entendimento é colocar em perspetiva com a descrição de um futuro julgamento mundial, feito por Jesus Cristo em Mateus: “Jesus lhes disse: “Eu lhes garanto: Na recriação, quando o Filho do Homem se sentar no seu trono glorioso, vocês que me seguiram se sentarão em 12 tronos e julgarão as 12 tribos de Israel” (Mateus 19:28). Além disso, os Justos terão de se conformar, como os Ressuscitados Injustos às novas instruções divinas, nos Novos Rolos, e neste sentido, estarão sob a administração deste "julgamento" mundial de 1000 anos.

Conforme estudado na Parte 2 deste tema, o termo "Juízo" pode ter o significado de "escrutinar", "examinar" uma pessoa: “No entanto, o homem espiritual examina todas as coisas, mas ele mesmo não é examinado (Grego: "anacrino": não julgado) por nenhum home” (1 Coríntios 2:15). Nesse caso, o Justo Ressuscitado não será "examinado" ou "julgado" num nível individual. Na sua ressurreição, o Nome do Justo Ressuscitado será inscrito diretamente no Rolo da Vida (Apocalipse 20:12). Enquanto os Ressuscitados injustos terão que ser "examinado" antes terem os seus nomes inscritos no Rolo da Vida (no caso da sua obediência) (Apocalipse 20: 11-15). Nós entendemos, de acordo com a Bíblia, que o termo "julgar" pode ter o significado geral de "governar, administrar" uma nação, que aplica muito bem às palavras de Cristo em Mateus 19: 28 e a descrição de Apocalipse 20 : 4, 11-15 (Juízes 12: 8-13).

Na Parte 4 desta série de estudos bíblicos sobre a profecia de Ezequiel capítulo 40-48, veremos mais detalhadamente o Julgamento do Ressuscitado injusto, e responderemos a algumas perguntas interessantes: os mortos ressuscitados terão diretamente um corpo sem pecado, sem defeito? No caso de terem um corpo sem pecado, como será compatível com o fato, durante os mil anos, muitos injustos cometerem erros ou pecados involuntários sem envelhecer e morrer (Romanos 6: 23a))?

“Quanto aos mortos serem levantados, vocês não leram no livro de Moisés, no relato sobre o espinheiro, que Deus lhe disse: ‘Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó’? Ele é Deus, não de mortos, mas de vivos” (Marcos 12:26,27).

A ADMINISTRAÇÃO TERRESTRE DO REINO DE DEUS DESCRITA NA PROFECIA DE EZEQUIEL – PARTE 1

A ADMINISTRAÇÃO TERRESTRE DO REINO DE DEUS - PARTE 2: A MEDIÇÃO DO TEMPLO: O JULGAMENTO MUNDIAL DE 1000 ANOS DOS FUTUROS RESSUSCITADOS TERRESTRES

MENU PRINCIPAL

É óbvio que o Profeta Daniel terá a ressurreição da vida, e sua boa reputação herdada de suas boas ações passadas o seguirá para a eternidade no Paraíso Terrestre