Español                                   English                                   Français

BÍBLIA ONLINE

BÍBLIA ONLINE (Traduções comparativas)

BÍBLIA ONLINE (Em vários idiomas)

As frases em azul (entre dois parágrafos) fornecem explicações bíblicas adicionais e detalhadas. Basta clicar no link em azul. Os artigos bíblicos são escritos principalmente em quatro idiomas: português, francês, espanhol e inglês

O respeito pelo valor sagrado da vida

"Façamos o homem à nossa imagem, segundo a nossa semelhança"

(Gênesis 1:26)

Deus criou o homem

à sua imagem

O homem e a mulher foram criados à imagem de Deus: "Então Deus disse: “Façamos o homem à nossa imagem, segundo a nossa semelhança, e que eles tenham domínio sobre os peixes do mar, sobre as criaturas voadoras dos céus, sobre os animais domésticos, sobre toda a terra e sobre todo animal rasteiro que se move sobre a terra.” E Deus criou o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou. Além disso, Deus os abençoou e Deus lhes disse: “Tenham filhos e tornem-se muitos; encham e dominem a terra; tenham domínio sobre os peixes do mar, sobre as criaturas voadoras dos céus e sobre toda criatura vivente que se move sobre a terra" (Gênesis 1:26-28). Foi à imagem espiritual de Deus que foram criados, ou seja, com a capacidade divina de "criar" a vida (no caso deles com a procriação), tendo filhos, mas também para administrar a terra, as vidas vegetais, animais e humanas, tudo com a ajuda de Deus. A ação do homem e da mulher estaria à imagem de Deus, imbuída de amor e sabedoria (1 Coríntios 13:1).

Como o homem e a mulher estão à imagem de Deus, um ato de homicídio voluntário, mesmo involuntário, é um pecado contra a imagem espiritual de Deus. Quem causa a morte de outro ser humano, do ponto de vista expiatório, deve pagar por isso com a sua própria vida. Foi isso que Jeová Deus deixou claro para Noé e sua família, após o dilúvio, ao sair da arca: "Além disso, vou exigir uma prestação de contas pelo sangue, a vida, de vocês. Vou exigir de cada animal uma prestação de contas; e vou exigir de cada homem uma prestação de contas pela vida do seu irmão. Quem derramar o sangue do homem, pelo homem será derramado o seu próprio sangue, pois Deus fez o homem à sua imagem. 7 Quanto a vocês, tenham filhos e tornem-se muitos; multipliquem-se abundantemente na terra e tornem-se numerosos" (Gênesis 9:5,6).

O vingador do sangue

Para Deus, o homicídio voluntário e involuntário é um ato de grande gravidade. Na antiga lei mosaica, havia a lei do vingador do sangue. Naturalmente, não estamos mais, como cristãos, sob a autoridade desse conjunto de leis. No entanto, podemos aprender com o modo de pensar de Deus sobre o valor sagrado da vida humana:

"Escolham cidades convenientes para lhes servir como cidades de refúgio, para onde deve fugir o homicida que matar alguém sem querer. Essas cidades servirão de refúgio para vocês contra o vingador do sangue, para que o homicida não morra antes de comparecer perante a assembleia para julgamento. As seis cidades de refúgio que vocês providenciarão servirão para isso. Vocês providenciarão três cidades deste lado do Jordão e três cidades na terra de Canaã para servir como cidades de refúgio. Essas seis cidades servirão de refúgio para os israelitas, para o residente estrangeiro e para o colono entre eles, a fim de que aquele que matar alguém sem querer fuja para lá" (Números 35:11-15).

Versículos 16-29, está escrito sobre as disposições que permitiam ao homicídio encontrar proteção nessas cidades de refúgio.

Nos versículos 22 a 25, está escrito que um tribunal decidiria se era um homicídio voluntário ou não. No caso de homicídio involuntário, se o permitia ficar na cidade de refúgio para se proteger do vingador de sangue até a morte do sumo sacerdote. Mesmo que essa disposição fosse misericordiosa, era muito severa, porque de fato, era, por assim dizer, em prisão domiciliar (cidade de refúgio), talvez até o fim de sua vida, porque ele tinha que esperar pela morte do sumo sacerdote. No caso de um assassino, o vingador de sangue, o parente mais próximo da vítima, poderia matá-lo sem incorrer em uma culpa de sangue diante de Deus (versículo 19-21).

Como cristãos, não estamos mais sob esse procedimento legal porque Cristo é o fim da Lei (Romanos 10:4). No entanto, essas disposições legais nos permitem entender melhor o pensamento de Deus sobre o valor sagrado da vida e do sangue humano (1 Coríntios 2:16). O cristão não pode mais se vingar, principalmente usando a violência: "Não retribuam a ninguém mal com mal. Preocupem-se com o que é bom aos olhos de todas as pessoas. Se possível, no que depender de vocês, sejam pacíficos com todos. Não se vinguem, amados, mas deem lugar à ira; pois está escrito: “‘A vingança é minha; eu retribuirei’, diz Jeová.” Mas, “se o seu inimigo estiver com fome, dê-lhe algo para comer; se ele estiver com sede, dê-lhe algo para beber; pois, fazendo isso, você amontoará brasas vivas sobre a cabeça dele”. Não se deixe vencer pelo mal, mas continue vencendo o mal com o bem" (Romanos 12:17-21).

O corpo humano é um templo espiritual

O apóstolo Paulo e também o apóstolo Pedro enfatizaram que, em nível individual, o corpo humano representa um templo espiritual para adorar a Deus:

"Vocês não sabem que são templo de Deus e que o espírito de Deus mora em vocês? Se alguém destruir o templo de Deus, Deus o destruirá; pois o templo de Deus é santo, e vocês são esse templo" (1 Coríntios 3:16,17).

"Mas, enquanto estou nesta tenda, acho certo despertá-los por meio de lembretes, sabendo que em breve minha tenda será removida, como o nosso Senhor Jesus Cristo deixou claro para mim" (2 Pedro 1:13,14).

Se o corpo humano é como um templo espiritual para adorar a Deus, é óbvio que a vida que anima esse "templo" é sagrada. Esta vida é representada pelo sangue: "Porque a alma da carne está no sangue" (Levítico 17:11). A palavra alma significa que "a vida" está no sangue. Jeová pede que todos cuidem deste templo: "Peço-lhes, pois, irmãos, pelas misericórdias de Deus, que apresentem seus corpos [como] um sacrifício vivo, santo, aceitável a Deus: um serviço sagrado a seus razão "(Romanos 12: 1). Este corpo foi concebido, desde o início, para um serviço sagrado a Deus, ou seja, para se conformar ao plano que ele havia originalmente previsto na época da criação de Adão e Eva (Gênesis 1:26 -28). Portanto, devemos manter esse corpo em um estado de "santidade", de acordo com a vontade de Deus. Também veremos que devemos não apenas cuidar da integridade física e espiritual do nosso corpo e da nossa vida, mas também não prejudicar a dos outros. Examinaremos certos princípios que nos permitirão respeitar melhor o aspecto sagrado da vida e do sangue.

O respeito pela integridade do corpo humano

O nosso corpo e a do nosso próximo

O primeiro mandamento baseado no amor a Deus e no amor ao próximo é a base fundamental de todos os princípios que governam o valor sagrado da vida: "Desses dois mandamentos dependem toda a Lei e os Profetas" (Mateus 22:37-40).

O ódio é proibido: "Todo aquele que odeia o seu irmão é assassino, e vocês sabem que a vida eterna não permanece em nenhum assassino" (1 João 3:15). O assassinato é proibido, seja por motivos pessoais, o por patriotismo religioso ou estatal: "Então Jesus lhe disse: "Jesus lhe disse então: “Devolva a espada ao seu lugar, pois todos os que tomarem a espada morrerão pela espada"" (Mateus 26:52).

(O fim do patriotismo)

É proibido colocar a vida em perigo desnecessariamente e a dos outros. O cristão deve abster-se de praticar esportes perigosos, que podem causar ferimentos, até a morte do imprudente e a de outros (por exemplo, a vida dos socorristas que viriam ajudá-lo), o que constituiria uma culpa de sangue aos olhos de Deus: "A pessoa prudente vê o perigo e se esconde, mas os inexperientes vão em frente e sofrem as consequências" (Provérbios 27:12).

Pode-se acrescentar que uma atitude descuidada, como dirigir um veículo perigosamente, que não só poderia nos colocar em perigo, mas também pôr em risco a vida de outras pessoas, mesmo que involuntariamente, causar feridas mortais, o que poderia constituir uma culpa de sangue aos olhos de Deus: "Se você construir uma casa nova, também deve fazer um parapeito para o seu terraço, a fim de que a culpa de sangue não recaia sobre os da sua casa, se alguém cair dele" (Deuteronômio 22: 8; Êxodo 21:29). Mesmo que não estejamos mais sob a lei mosaica, portanto não possamos aplicar tal sentença, essa lei mostra o ponto de vista de Deus sobre a negligência assassina…

Na introdução, vimos que o corpo humano é um templo que temos de cuidar (1 Coríntios 3:16, 2 Pedro 1:13,14, Romanos 12:1). Portanto, o suicídio é proibido. Além disso, todas as formas de uso de drogas que destroem o corpo e seu funcionamento, e que causa uma dependência física, são proibidos. A Bíblia condena o excesso de álcool e não o seu consumo moderado. Ela também condena os excessos de mesa: "Não esteja entre os que bebem muito vinho, Entre os que se empanturram de carne" (Provérbios 23:20 a condenação do excesso; 1 Timóteo 5:23: a moderação no consumo de vinho).

(O ensino básico da Bíblia - O que é proibido na Bíblia (Parte 2))

"Ele fará julgamento entre as nações E resolverá as questões referentes a muitos povos. Eles transformarão as suas espadas em arados, E as suas lanças em podadeiras. Nação não levantará espada contra nação, Nem aprenderão mais a guerra" (Isaías 2:4). Obviamente, não aprender mais a guerra significa não praticar a la vez, esportes de combate ou artes marciais, mesmo com propaganda religiosa, o que seria dizer que é para um propósito "defensivo". Transformar um corpo humano em uma "arma defensiva" pode rapidamente se tornar em "uma arma ofensiva" que poderia machucar e até matar... Os cristãos não devem se deliciar com espetáculos ou filmes violentos que exaltam a violência gratuita. Isso é completamente detestável para Jeová Deus: "Jeová examina tanto os justos como os maus, Ele odeia quem ama a violência" (Salmos 11:5).

O aborto voluntário de um embrião ou feto é estritamente proibido. De acordo com o que está escrito na Bíblia, a criança a nascer, no útero, tem sua própria individualidade, desde a concepção, seja na forma de embrião ou feto: "Teus olhos até mesmo me viram quando eu era um embrião; Todas as partes dele estavam escritas no teu livro Com respeito aos dias em que foram formadas, Antes de existir qualquer uma delas" (Salmo 139:16). A tradução usada da Bíblia, é a "Tradução do Novo Mundo (TMN)", usa a palavra "embrião". A comparação com outras traduções confirmam a precisão desta palavra. A "Bíblia Interlinear Hebraica" (OT), baseada no Westminster Codex Leningrad Codex com vogais, a traduz como "embrião". Outras traduções usam a expressão mais literal de "substância incompleta", de acordo com KJV e "substância não formada", de acordo com a YLT, o que confirma a exatidão da palavra "embrião". Não há dúvida de que o texto hebraico descreve o bebê por nascer, desde sua concepção, sendo, nesta altura, um "embrião".

Aqui está o que lemos na Lei mosaica, a respeito de agressão, até acidental, de uma mulher grávida: "Se homens brigarem e ferirem uma mulher grávida, e ela der à luz prematuramente, mas não houver um acidente fatal, aquele que causou o acidente pagará a indenização imposta pelo marido da mulher; ele a pagará por meio dos juízes. Mas, se houver um acidente fatal, se dará vida por vida" (Êxodo 21:22,23). Esta lei não fixa um número mínimo de semanas de gestação. Considera que tal acidente, em caso de aborto, é um homicídio comprovado contra a criança. O uso de pílulas para aborto é um ato de aborto voluntário. A Bíblia não proíbe o controle de natalidade, decidido pelo casal (não devem provocar um aborto).

Em questões médicas, a eutanásia é um homicídio. Qual é a diferença entre eutanásia e cuidados paliativos?

A definição de eutanásia: ato intencional de proporcionar a alguém uma morte indolor para aliviar o sofrimento causado por uma doença incurável ou dolorosa (Wikipédia "Eutanásia").

A definição dos cuidado paliativos: Baseados no princípio bioético da autonomia do paciente através do consentimento informado, possibilitando que ele tome suas próprias decisões, no princípio da beneficência e da não maleficência, os Cuidados Paliativos desenvolvem o cuidado ao paciente visando à qualidade de vida e à manutenção da dignidade humana no decorrer da doença, na morte e no período de luto. O Cuidado Paliativo nunca pode estar isolado da cadeia de serviços de saúde que caracterizam a atenção global ao paciente (ver a definição OMS 2002).

Cabe ao paciente cristão e sua família, dependendo de sua situação médica, determinar o que seria a eutanásia ativa e os cuidados paliativos. Eles podem ser ajudados por cristãos maduros a entender melhor os princípios bíblicos envolvidos, sem ter que intervir diretamente na decisão do paciente cristão e de sua família: "Mas o alimento sólido é para as pessoas maduras, para aqueles que pelo uso têm sua capacidade de discernimento treinada para saber distinguir tanto o certo como o errado" (Hebreus 5:14). "Sem orientação perita, o povo cai, Mas com muitos conselheiros há bons resultados" (Provérbios 11:14).

Deus perdoa ao arrependimento sincero

A história do rei Manassés, que derramou muito sangue, é uma demonstração de até que ponto a misericórdia de Jeová pode ser aplicada ao arrependimento sincero. Na narrativa bíblica, está escrito sobre as más ações do rei Manassés: "Manassés também derramou muito sangue inocente, até encher Jerusalém de uma extremidade à outra. Além disso, ele cometeu o pecado de levar Judá a pecar e fazer o que era mau aos olhos de Jeová" (2 Reis 21:16). Por causa de suas más ações, Deus o puniu: "Jeová falava a Manassés e ao seu povo, mas eles não prestavam atenção. Assim, Jeová fez vir contra eles os chefes do exército do rei da Assíria; eles capturaram Manassés com ganchos, prenderam-no com duas correntes de cobre e o levaram a Babilônia" (2 Crônicas 33:10,11). No entanto, por mais incrível que seja, esse rei acabou se arrependendo sinceramente de suas más ações e obtendo a misericórdia de Jeová: "Na sua aflição, ele implorou o favor de Jeová, seu Deus, e se humilhou profundamente diante do Deus dos seus antepassados. Manassés orava a Ele, e Ele se comoveu com as suas súplicas e o seu pedido de favor, e o trouxe de volta para Jerusalém, para o seu reinado. Então Manassés reconheceu que Jeová é o verdadeiro Deus" (2 Crônicas 33:12,13). Qual é a razão para este exemplo bíblico?

Muitos homens e mulheres cometeram erros irreversíveis, como matar muitos humanos (no contexto de conflito) ou participar de abortos, às vezes até tarde. Muitos deles pensam que é impossível que Deus os perdoe. Acrescente a isso um profundo sentimento de remorso e indignidade. A Bíblia descreve à imensa misericórdia de Jeová: "Venham, pois, e resolvamos as questões entre nós”, diz Jeová. “Embora os seus pecados sejam como escarlate, Serão tornados brancos como a neve; Embora sejam vermelhos como pano carmesim, Se tornarão como a lã" (Isaías 1:18). Este versículo é especialmente dirigido àqueles homens e mulheres que se arrependem sinceramente diante de Deus, pedindo perdão: Deus perdoa o arrependimento sincero com base no precioso sangue de Jesus Cristo: "Meus filhinhos, eu lhes escrevo estas coisas para que vocês não cometam pecado. Contudo, se alguém cometer um pecado, temos um ajudador junto ao Pai: Jesus Cristo, um justo. E ele é um sacrifício propiciatório pelos nossos pecados; contudo, não apenas pelos nossos, mas também pelos do mundo inteiro" (1 João 2: 1,2). Além disso, Jeová Deus ressuscitará os milhões de mortos vítimas de muitos genocídios (João 5:28,29). O que é irreversível para o homem não é para Deus (Mateus 19:26 "para Deus todas as coisas são possíveis").

É possível que, mesmo que a misericórdia de Deus se aplique ao arrependimento sincero, um sentimento de remorso e indignidade continue a assediá-los. No entanto, eles devem saber que Deus é maior que corações: "Por meio disso saberemos que nos originamos da verdade e tranquilizaremos o nosso coração diante dele sempre que o nosso coração nos condenar, porque Deus é maior do que o nosso coração e sabe todas as coisas. Amados, se o nosso coração não nos condena, temos confiança ao falar com Deus, e tudo o que pedimos recebemos dele, porque estamos obedecendo aos seus mandamentos e fazendo o que é agradável aos seus olhos" (1 João 3:19-22).

(Jesus Cristo é o único caminho para a salvação eterna)