Español                                   English                                   Français

BÍBLIA ONLINE

BÍBLIA ONLINE (Traduções comparativas)

BÍBLIA ONLINE (Em vários idiomas)

A profecia de Zacarias

A profecia de Zacarias foi escrita em 518 EAC, em Jerusalém

"Eu te louvo publicamente, Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste essas coisas dos sábios e dos intelectuais, e as revelaste aos pequeninos"

(Mateus 11:25)

Introdução

Segundo Jesus Cristo, é Deus quem decide a quem revela o significado de sua Palavra. Na profecia de Daniel, está escrito que Deus dá o entendimento ao perspicaz (Daniel 12:3,10). Para entender a profecia de Zacarias, devemos pedir a Deus, por seu Filho Jesus Cristo. Se tivermos bons motivos, Deus nos dará a entender sua mente por intermédio de seu Filho Jesus Cristo: “Pois “quem chegou a conhecer a mente de Jeová, para poder instruí-lo”? Mas nós temos a mente de Cristo" (1 Coríntios 2:16). Compreender essa profecia é vital porque nos permitirá entender como nos preparar antes, durante e depois da Grande Tribulação. O tema geral da profecia de Zacarias é a preservação do povo de Deus durante este evento, e como Ele vai efiná-lo para a vida eterna: “E eu farei esse um terço passar pelo fogo; Eu os refinarei como se refina a prata E os provarei como se prova o ouro. Eles invocarão o meu nome, E eu lhes responderei. Vou dizer: ‘Eles são o meu povo’, E eles dirão: ‘Jeová é o nosso Deus" (Zacarias 13:9).

Como o apóstolo Paulo apontou, não é fácil entender a mente de Jeová, precisamos da ajuda amorosa de Jesus Cristo (1 Coríntios 2:16). Para usar a expressão da profecia de Daniel, esta pesquisa é feita de tentativa e erro (Daniel 12:4b). Como Jesus Cristo disse, com perseverança marcada por bons motivos, podemos chegar a esse entendimento. Embora as explicações bíblicas sejam apresentadas com o espírito e o método mais objetivos possíveis, o leitor às vezes verá os verbos "parece que" ou "parece", para expressar uma forte probabilidade com prudência e modéstia (Miquéias 6:8). Essas expressões também expressam que, a qualquer momento, o entendimento da mente de Jeová requer ajustes, talvez retificações que serão feitas, se necessário, o mais rápido possível, mantendo o curso para o entendimento e pesquisa objetiva da verdade de Deus (Provérbios 4:18; João 17:17). Uma profecia só é útil se a entendermos de antemão, portanto, parece óbvio que se Jeová Deus mandou registrar profecias, mesmo de forma enigmática, elas são escritas com o propósito de serem entendidas antecipadamente com o propósito de seu povo se preparar para o seu "dia", para sobreviver na esperança da vida eterna (Zacarias 14: 7). Este é o propósito das explicações bíblicas apresentadas. As explicações desta profecia serão classificadas por temas centrados nos enigmas proféticos de Zacarias.

O cavaleiro com o cavalo vermelho entre as murtas

"“Tive uma visão de noite. Havia um homem montado num cavalo vermelho, e ele estava parado entre as murtas no desfiladeiro; e atrás dele havia cavalos vermelhos, castanhos e brancos.” (…) E o homem que estava parado entre as murtas disse: “Esses são os que Jeová enviou para percorrer a terra.” E eles disseram ao anjo de Jeová que estava entre as murtas: “Percorremos a terra e vimos que a terra inteira está tranquila e em paz”"

(Zacarias 1:8,10,11)

Esse primeiro enigma profético parece estar no ato 1 da cena 1, de uma peça profética, da qual há o resumo e o final revelado da história, mas de forma enigmática. É por isso que o exame do livro de Zacarias será feito com foco na resolução dos enigmas.

A situação parece verdadeiramente dramática para estas murtas: estão num abismo, isto é, numa situação comparável à morte ou à inatividade total. O cavaleiro entre as murtas é um anjo que parece agir com benevolência para com elas. Este anjo com um cavalo vermelho, está acompanhado por outros cavaleiros de montarias vermelhas, castanhas e brancas. Essas três cores parecem corresponder aos três cores das murtas: o vermelho, o castanho e o branco que a compõem. O que é este campo de murta em uma situação desesperadora de quase morte? O que as cores das murtas representam? Que os cavalos representam com as cores das murtas? O que os cavaleiros fizeram ao circularem por toda a terra para que ela ficasse "tranquila e em paz"?

Lendo Zacarias 1:12, entende-se imediatamente a que as murtas em situação desesperadora correspondem: "Em vista disso, o anjo de Jeová disse: “Ó Jeová dos exércitos, até quando negarás tua misericórdia a Jerusalém e às cidades de Judá, com as quais ficaste indignado por esses setenta anos?”” (Zacarias 1:12). As murtas representam "Jerusalém e as cidades de Judá". No entanto, essa resposta levanta outra questão: as murtas e os cavaleiros que parecem agir a seu favor têm três cores, mas existem apenas duas partes da resposta. Supondo que, para encontrar o terceiro elemento no livro de Zacarias, a que cores eles corresponderão simbolicamente? Antes de buscar a resposta em todo o livro de Zacarias, daremos um resumo muito condensado da história bíblica de Israel porque há muitas alusões históricas. O primeiro sendo o dos "setenta anos" de indignação de Jeová, visivelmente contra essas "murtas" em situação crítica.

Os "setenta anos" de indignação, de Jeová contra seu povo

"Em vista disso, o anjo de Jeová disse: “Ó Jeová dos exércitos, até quando negarás tua misericórdia a Jerusalém e às cidades de Judá, com as quais ficaste indignado por esses setenta anos?”"

(Zacarias 1:12)

Em 1513 AC, Deus fez um pacto com Israel, por meio do mediador Moisés (Deuteronômio 4:23). Ao ler os livros bíblicos históricos  dos Juízes, até 2 Crônicas, fica evidente que as 10 tribos de Israel (após a divisão), e as tribos de Benjamim e Judá, representadas por Jerusalém, não respeitaram o pacto (Zacarias 1:2-6). Tanto é assim, que Jeová, na profecia de Ezequiel 23, como comparou as duas nações a prostitutas: Oolá (Samaria) e Oolibá (Jerusalém) (todo o livro bíblico de Oséias (Oséias), é uma descrição semelhante da Infidelidade conjugal de Israel para com seu dono e marido, Jeová Deus). Neste capítulo, Jeová descreve vividamente as infidelidades dessas duas nações. Portanto, Jeová Deus usaria seus respectivos "amantes" para puni-las severamente: a Assíria destruiria Samaria e deportaria seus habitantes (Oolá). Babilônia faria o mesmo com Judá e Jerusalém (Oolibá): seria destruída e seus habitantes deportados para a Babilônia por setenta anos (Jeremias 25:11,12). Embora vindo do Levante (leste), os exércitos babilônios são como vindos do Norte, que é a rota mais fácil para atacar Israel (pela Assíria) e Judá (Jerusalém) (Zacarias) 2:6; 6:6,8 (Babilônia); 10: 8-12 (Assíria)).

O enigma das murtas ilustra a situação desesperadora em que se encontram Judá e Jerusalém: em um abismo comparável à morte definitiva. A profecia de Ezequiel 37, a respeito da visão da planície coberta com ossos humanos, é outra descrição da situação de Judá e Jerusalém. No entanto, essa profecia descreve a ressurreição geral de Israel, Judá e Jerusalém como uma nação (Zacarias 9:11-17; 10:8-12). Portanto, dada esta informação, entendemos melhor o significado da resposta de Jeová em Zacarias 1:13-17: “Com palavras bondosas e consoladoras, Jeová respondeu ao anjo que falava comigo. Então o anjo que falava comigo me disse: “Proclame: ‘Assim diz Jeová dos exércitos: “Tenho zelo de Jerusalém e de Sião, um grande zelo. Estou indignado, muito indignado com as nações que se sentem seguras; pois, quando me indignei apenas um pouco, elas aumentaram a calamidade.”’ “Portanto, assim diz Jeová: ‘“Voltarei a Jerusalém com misericórdia, e a minha casa será reconstruída nela”, diz Jeová dos exércitos, “e a corda de medir será estendida sobre Jerusalém”.’ “Proclame ainda: ‘Assim diz Jeová dos exércitos: “Minhas cidades novamente transbordarão de coisas boas; e Jeová novamente consolará Sião e voltará a escolher Jerusalém”’”".

Embora Jeová aplicasse uma disciplina extremamente dolorosa, o restante do relato profético mostrará como Ele exercerá misericórdia com seu povo. Primeiro, Jeová Deus anuncia que as nações que causaram a devastação do seu povo Judá, Israel e Jerusalém, prestarão contas.

Os quatro chifres das nações prestam contas

“Então levantei os olhos e vi quatro chifres. E perguntei ao anjo que falava comigo: “O que são esses chifres?” Ele respondeu: “Esses são os chifres que dispersaram Judá, Israel e Jerusalém”"

(Zacarias 1:18,19)

Os chifres são a expressão da soberania, seja de Deus ou exercida pelos homens. Os "quatro chifres" parecem aludir ao simbolismo daqueles encontrados nos quatro ângulos do altar do templo em Jerusalém, representando a soberania de Jeová pelo poder dos chifres do touro (Êxodo 27:2). Obviamente, os "quatro chifres" que espalharam Judá, Israel e Jerusalém, representam a soberania rival das nações que trabalharam como artesãos que operaram a calamidade do povo de Deus (Zacarias 1:20; Salmos 94:20). O livro de Zacarias mostra de diferentes maneiras como esses "quatro chifres" serão responsabilizados na época da grande tribulação, sempre no contexto histórico bíblico de Judá, Israel e Jerusalém: ""Venham! Venham! Fujam da terra do norte”, diz Jeová. “Pois eu espalhei vocês pelos quatro ventos dos céus”, diz Jeová. “Venha, Sião! Fuja, você que mora com a filha de Babilônia. Pois assim diz Jeová dos exércitos, aquele que, depois de ter sido glorificado, me enviou às nações que saqueavam vocês: ‘Aquele que toca em vocês, toca na menina do meu olho. Pois agora sacudirei o punho contra eles, e eles se tornarão despojo para os seus próprios escravos.’ E vocês certamente saberão que Jeová dos exércitos me enviou" (Zacarias 2:6-9; 12:7-9; 14:3).

Parece que Zacarias 1:19, revela o que correspondem às três cores diferentes dos cavalos, que agem para vingar as murtas, o povo de Deus. A cor vermelha representa Judá, a cor castanha, Israel, a cor branca, Jerusalém. Os cavaleiros vingadores das murtas são evidentemente anjos que causam uma praga em toda a terra, porque, de acordo com a profecia, os cavalos simbolizam a praga (Zacarias 14:15). Aquele que comanda essa cavalaria é o cavaleiro com cavalo vermelho, um arcanjo (líder dos anjos) que zela pelas murtas (Êxodo 23:20). Isso significa que a cor vermelha (Judá) simboliza a soberania de Deus por meio da realeza. A cor branca (Jerusalém) simboliza a soberania de Deus por meio do sacerdócio. A cor castanha representa Israel como um todo. A profecia de Zacarias explica como Deus terá misericórdia de seu povo presente, antes, durante e depois da grande tribulação, usando o relato histórico da tribo de Judá, das 12 tribos de Israel e de Jerusalém, na época de seu retorno de exílio da Babilônia para Jerusalém. A frase pronunciada pelos cavaleiros depois de ter circulado por toda a terra, é a descrição da terra depois da grande tribulação: "Percorremos a terra e vimos que a terra inteira está tranquila e em paz" (Zacarias 1:11).

Os quatro carros saindo entre as duas montanhas de cobre

“Então levantei novamente os olhos e vi quatro carros de guerra que vinham de entre dois montes, e os montes eram de cobre. O primeiro carro era puxado por cavalos vermelhos, e o segundo carro por cavalos pretos. O terceiro carro era puxado por cavalos brancos, e o quarto carro por cavalos pintados e malhados"

(Zacarias 6:1-3)

O que representam as duas montanhas de cobre? Sempre considerando o mesmo contexto histórico e geográfico bíblico, as explicações do anjo ajudam a resolver esse enigma. A solução parece ser encontrada um pouco mais adiante na profecia: “Jeová sairá para guerrear contra essas nações, como quando ele luta num dia de batalha. Naquele dia seus pés estarão sobre o monte das Oliveiras, que fica diante de Jerusalém, ao leste; e o monte das Oliveiras será partido ao meio, de leste a oeste, formando um vale muito grande; metade do monte se moverá para o norte, e metade para o sul" (Zacarias 14:3,4).

As duas montanhas representam as duas montanhas sobre as qual Jerusalém foi construída: ao norte está o Monte Moriá, onde estava o templo de Jerusalém, e ao sul, o Monte Sião, onde estava a residência real do Rei Davi. Assim, Jerusalém, por meio dessas duas montanhas, simboliza a soberania de Jeová Deus por meio da realeza (Judá), o Monte Sião, e a soberania por meio do sacerdócio, o Monte Moriá (Jerusalém). O cobre simboliza o metal com o qual os utensílios foram feitos no pátio do templo santuário, particularmente o altar de cobre com os quatro chifres (Êxodo 27:2; 2 Reis 16:14).

Os "quatro" carros parecem significar a expressão da soberania de Deus pela guerra (os carros) (contra os quatro chifres das nações), durante a grande tribulação, nos quatro pontos cardeais, com um simbolismo preciso, o quarto circulando em todos a terra (Zacarias 6:5-7). O fato de que não haja nenhuma explicação ser dada para a presença do primeiro carro com os cavalos vermelhos, sugere que é o mesmo cavaleiro que está à frente, no enigma das murtas (Zacarias 1:7,8). Os dois enigmas são semelhantes, mas não completamente idênticos em simbolismo.

A grande tribulação é descrita como um sacrifício planetário organizado pelos quatro carros que parecem representar os quatro chifres do altar de cobre (em retaliação contra os quatro chifres rivais das nações (Zacarias 1:18,19)). O simbolismo do sacrifício planetário é confirmado pelo livro do Apocalipse, onde Jesus Cristo é representado como um rei sacerdote em Apocalipse 19:11-21 (o versículo 13 menciona que sua roupa está manchado com sangue, o que simboliza sua instalação como sumo sacerdote (Êxodo 29:21; Apocalipse 14:18-20)). Esta representação do rei sacerdote coroado é corroborada pelo que está escrito em Zacarias: "Você deve pegar prata e ouro, fazer uma coroa e colocá-la na cabeça do sumo sacerdote Josué, filho de Jeozadaque" (Zacarias 6:11 ; 3:1.8 (sumo sacerdote)).

As cores preto e branco do segundo e terceiro carro não parecem ter uma correspondência simbólica em todo o livro de Zacarias. Parece ser uma indicação simples de duas cores diferentes para duas direções diferentes. Os cavalos pretos, ao norte, os brancos (que seguem os pretos ("para além")), em direção à beira-mar, a oeste. Por outro lado, a indicação da direção dos cavalos pintados e malhados, permite entender o que isso pode representar. Permanecendo no contexto do livro de Zacarias, vejamos a que correspondem esses três pontos cardeais mencionados (norte, oeste e sul) (Zacarias 6:5-7). Os cavalos pretos partiram para o norte em retaliação contra a Assíria, que atacou Israel, e a Babilônia, que atacou Judá e Jerusalém (Zacarias 6:10; 10:11). O cavalos brancos indo para o grande mar em retaliação contra Tiro, Sídon e as cidades da Filístia. Finalmente, os cavalos pintados e malhados, ao sul, Egito (Zacarias 2:7-9; Zacarias 9: 1-8; 10: 8-12).

A propósito, Apocalipse 16:16 alude a este "norte", pela expressão "Armagedom", que obviamente é a planície de Megido, sendo a via de acesso do norte, para os exércitos para atacar Israel, o povo de Deus. Essa expressão enigmática é a representação da hostilidade de todas as nações unidas contra o Cordeiro, o Rei Jesus Cristo, pouco antes da grande tribulação. Essa hostilidade contra o povo de Deus também é ilustrada na profecia de Ezequiel, de Gogue de Magogue (capítulos 38 e 39). Nesse caso, trata-se de uma coalizão militar para exterminar o povo de Deus, oriundo dos territórios das nações descendentes de Jafé (vindo do norte) e outra de Cão (vindo do sul). Essas profecias ilustram a situação extremamente vulnerável, próxima ao extermínio do povo de Deus, pouco antes da grande tribulação (Zacarias 14:1,2; Ezequiel 39:11,12).

Os cavalos malhados, variegados, que se dirigem para o sul, Egito, parecem evocar marcas de furúnculos na pele, ou pior, a peste bubônica, que deixa manchas circulares na pele. Esses cavalos malhados, variegados devem percorrer por toda à terra (Êxodo 9:9; Zacarias 14:12).

O Renovo é Yehohshúa Mashiah

“‘Assim diz Jeová dos exércitos: “Eis o homem cujo nome é Renovo. Ele brotará do seu próprio lugar e construirá o templo de Jeová. É ele que construirá o templo de Jeová e é ele que assumirá a majestade. Ele se sentará no seu trono e governará, e será também sacerdote no seu trono, e haverá um acordo pacífico entre os dois. E a coroa ficará no templo de Jeová em memória de Helém, Tobias, Jedaías e Hem, filho de Sofonias. E os que estão longe virão para participar na construção do templo de Jeová.” E vocês terão de saber que Jeová dos exércitos me enviou a vocês. Isso acontecerá, se realmente escutarem a voz de Jeová, seu Deus’”

(Zacarias 6:12-15)

Quem é Yehohshúa Mashiah? (Josué na tradução portuguesa) A pessoa mais famosa do mundo: Jesus Cristo (Yehohshúa: transliteração em grego Iêsous e em latim Jesus. Nome hebraico Mashiah, traduzido para o grego Kristos (Cristo em português)). O templo reconstruído pelo "Renovo" não é uma obra arquitetônica, mas espiritual. O novo templo espiritual seria composto por várias pessoas, incluindo o "Renovo", Yehohshúa Mashiah, a pedra angular, tanto rei quanto sumo sacerdote (Mateus 21:42). Quando Jeová Deus transferiu o "Renovo" para o ventre de Maria, a virgem judia, o anjo Gabriel lhe disse o seguinte: "E agora você ficará grávida e dará à luz um filho, e deve lhe dar o nome de Jesus. Ele será grande e será chamado Filho do Altíssimo, e Jeová Deus lhe dará o trono de Davi, seu pai, e ele será Rei sobre a casa de Jacó para sempre, e não haverá fim do seu Reino" (Lucas 1:31-33). Ao comparar as palavras do anjo Gabriel com a profecia de Zacarias 6:12-14, não há dúvida de que o Renovo é Yehohshúa Mashiah (Jesus Cristo).   

A profecia de Zacarias mostra que a pedra angular deste edifício espiritual viria da descendência de Zorobabel: "‘Ouça, por favor, ó sumo sacerdote Josué, você e seus companheiros, que se sentam diante de você, pois esses homens servem como um sinal: Estou trazendo meu servo chamado Renovo. Vejam a pedra que coloquei diante de Josué! Nessa única pedra há sete olhos; e eu vou gravar uma inscrição nela’, diz Jeová dos exércitos, ‘e num só dia vou tirar a culpa dessa terra’” (Zacarias 3:8,9; 4: 6,7). Esta “única pedra”, Yehohshúa Mashiah, realmente veio da linhagem real de Zorobabel (Mateus 1:12,13; Lucas 3:27). Zorobabel foi quem reconstruiu o templo em Jerusalém após o retorno do povo Israel do exílio para a Babilônia (Zacarias 4: 8). É descrito como aquele por quem virá a “pedra de remate” (Zacarias 4:7). Finalmente é descrito também entre as duas oliveiras, os dois ungidos, parece óbvio que ele é uma figura profética de Jeová Deus, por meio de quem surge o Renovo, a "pedra de remate" (Zacarias 4).

O anjo Gabriel não menciona a função de rei-sumo sacerdote do Renovo. É o apóstolo Paulo quem o fará mais tarde: “Como ele diz também em outra passagem: “Você é sacerdote para sempre à maneira de Melquisedeque.” (…) porque ele foi designado por Deus como sumo sacerdote à maneira de Melquisedeque" (Hebreus 5:6,10; Salmos 110:4). Quem foi Melquisedeque? Um rei (de Salém) e um sacerdote: "E Melquisedeque, rei de Salém, trouxe pão e vinho; ele era sacerdote do Deus Altíssimo" (Gênesis 14:18).

O Renovo entrou na Jerusalém no 10 de nisã 33 EC, como rei, herdeiro permanente da promessa de Deus ao rei Davi e seus descendentes (da qual Yehohshúa Mashiah fazia parte), da permanência de seu reinado (2 Samuel 7:16; Mateus 1:1-16; Lucas 3:23-38)): "Alegre-se muito, ó filha de Sião. Grite em triunfo, ó filha de Jerusalém. Veja! Seu rei está vindo a você. Ele é justo e traz salvação, É humilde e vem montado num jumento, Num jumentinho, filhote de uma jumenta" (Zacarias 9:9; Mateus 21:6-10).

Como Yehohshúa Mashiah (Jesus Cristo) mencionou, quando ele estava na terra, o Renovo, a "pedra de remate", a "pedra angular" do templo espiritual reconstruído, foi rejeitada pelos construtores, ou instrutores da nação de Israel: “Jesus lhes disse: “Vocês nunca leram nas Escrituras: ‘A pedra que os construtores rejeitaram, essa se tornou a principal pedra angular. Isso procede de Jeová e é maravilhoso aos nossos olhos’? É por isso que lhes digo: O Reino de Deus será tirado de vocês e será dado a uma nação que produza os seus frutos" (Mateus 21:42,43; Salmo 118:22 ) Yehohshúa Mashiah (Jesus Cristo) notificou aos seus ouvintes que doravante o relacionamento especial de Deus com Israel chegaria ao fim, de acordo com a profecia de Daniel 9:27a: "Ele manterá em vigor o pacto para muitos por uma semana; e na metade da semana fará cessar o sacrifício e a oferta”. O quebre do pacto também foi anunciado na profecia de Zacarias no capítulo 11, por causa do desprezo do povo de Israel, para com Deus e seu Filho: “Portanto, peguei o meu bastão chamado Bondade e o cortei em pedaços, quebrando o pacto que eu havia feito com todos os povos" (Zacarias 11:10). Dependendo do contexto, o pacto “feito com todos os povos”, se refere às 12 tribos de Israel, pois Deus não concluiu nenhum pacto especial com todas as nações, mas apenas com as 12 tribos de Israel (A palavra hebraica "עַם" ('am) traduzida como "povo" pode ter o significado (dependendo do contexto) de "tribo" (Strong's Concordance H5971)).

Pelas razões explicadas em detalhes em Mateus 23, Yehohshúa Mashiah (Jesus Cristo) disse o seguinte: “Jerusalém, Jerusalém, que mata os profetas e apedreja os que lhe são enviados . . . Quantas vezes eu quis ajuntar seus filhos, assim como a galinha ajunta seus pintinhos debaixo das asas! Mas vocês não quiseram. 38 Agora a sua casa ficará abandonada’” (Mateus 23:37,38). Os instrutores que rejeitaram a "pedra angular", condenaram Yehohshúa Mashiah (Jesus Cristo) à morte no 14 de nisã, 33 EC, em Jerusalém (Mateus 26:66). Este desprezo pelo Pai, Jeová e seu Filho, Yehohshúa Mashiah, é ilustrado em Zacarias: "E eu disse a eles: “Se acharem melhor assim, paguem o meu salário; mas, se não, não paguem.” E eles pagaram o meu salário, 30 peças de prata. Então Jeová me disse: “Lance-o no tesouro — o grandioso valor com que me avaliaram.” Portanto, peguei as 30 peças de prata e as lancei no tesouro da casa de Jeová. Depois cortei em pedaços o meu segundo bastão, chamado União, rompendo a fraternidade entre Judá e Israel" (Zacarias 11:12-14: Mateus 26:14; "30 peças de prata", sendo o preço de um escravo (Êxodo 21:32)). Não é de admirar que Jeová tenha decidido "quebrar" seu relacionamento especial com as 12 tribos de Israel na terra.

"Assim diz Jeová dos exércitos: ‘Naqueles dias, dez homens de todas as línguas das nações agarrarão, sim, agarrarão firmemente a túnica de um judeu, dizendo: “Queremos ir com vocês, pois ouvimos que Deus está com vocês”"

(Zacarias 8:23)

“Vocês adoram o que não conhecem; nós adoramos o que conhecemos, porque a salvação se origina dos judeus” (João 4:22). Jeová Deus usou seu relacionamento especial com Israel para planejar a salvação eterna de toda a humanidade. Abraão, Isaque e Jacó são os fundadores dessa nação (Mateus 8:11). O homem Jesus Cristo, um judeu, é a principal descendência de Abraão, por meio dele as nações serão abençoadas (Gálatas 3:16). Embora esta relação especial tenha acabado com Israel, Jeová continua a amar o povo judeu, como todas as nações, que ele criou porque Deus não é parcial: “Em vista disso, Pedro começou a falar; ele disse: “Agora eu entendo claramente que Deus não é parcial, mas, em toda nação, ele aceita aquele que o teme e faz o que é direito” (Atos 10:34,35; 17:26). Não obstante, a profecia de Zacarias mostra que Jeová fará com que a menção de Israel, Jerusalém e Judá seja eterna entre todas as nações: "Grite de alegria, ó filha de Sião; pois estou chegando, e vou residir no seu meio”, diz Jeová. “Naquele dia muitas nações se unirão a Jeová e se tornarão meu povo; e eu vou residir com você.” E você terá de saber que Jeová dos exércitos me enviou a você.  Jeová tomará posse de Judá como sua porção no solo sagrado, e ele voltará a escolher Jerusalém. Fique toda a humanidade em silêncio perante Jeová, porque, da sua santa morada, ele está tomando ação" (Zacarias 2:10-13; capítulo 8; Ezequiel 40-48).

Porém, sua nação agora é espiritual, é "o Israel de Deus": "Que haja paz e misericórdia sobre todos os que vivem de acordo com essa regra, sim, sobre o Israel de Deus" (Gálatas 6:16). O Reino de Deus, a noiva de Cristo, a "Nova Jerusalém", governará a terra: "Vi também a cidade santa, a Nova Jerusalém, descendo do céu, da parte de Deus, e preparada como noiva adornada para o seu marido. Então ouvi uma voz alta do trono dizer: “Veja! A tenda de Deus está com a humanidade; ele residirá com eles, e eles serão o seu povo. O próprio Deus estará com eles. Ele enxugará dos seus olhos toda lágrima, e não haverá mais morte, nem haverá mais tristeza, nem choro, nem dor. As coisas anteriores já passaram”” (Apocalipse 21:2-4). De acordo com a profecia de Zacarias, a Jerusalém atual será destruída por um terremoto durante a grande tribulação (Zacarias 14:3-5). Jesus Cristo repetiu esta importante informação em Mateus 24:2: “Em vista disso, ele lhes disse: “Não estão vendo todas estas coisas? Eu lhes digo a verdade: De modo algum ficará aqui pedra sobre pedra sem ser derrubada”.

O Reino de Deus na terra governará as "doze tribos de Israel", isto é, a grande multidão que terá sobrevivido à grande tribulação e os ressuscitados terrestres: "Jesus lhes disse: “Eu lhes garanto: Na recriação, quando o Filho do Homem se sentar no seu trono glorioso, vocês que me seguiram se sentarão em 12 tronos e julgarão as 12 tribos de Israel” (Mateus 19:28; João 5:28,29; Apocalipse 7:9-17).

O rolo voador

"Levantei novamente os olhos e vi um rolo voando. 2 E o anjo me perguntou: “O que você está vendo?” Respondi: “Vejo um rolo voando, que tem 20 côvados de comprimento e 10 côvados de largura””

(Zacarias 5:1,2)

O rolo voador é uma proclamação, antes da grande tribulação, do fim deste sistema de coisas. Representa a pregação das boas novas: "E estas boas novas do Reino serão pregadas em toda a terra habitada, em testemunho a todas as nações, e então virá o fim" (Mateus 24:14). Como pode ser que as “boas” novas do reino possam se tornar, ao mesmo tempo, uma “maldição” para os “ladrões impunes” de hoje (Zacarias 5:3,4; 12:1-6)?

Foi Jesus Cristo quem o explicou. Oficialmente, antes de começar a pregar as "boas novas", Jesus Cristo mostrou para quais categorias de humanos essas notícias são "boas": “O espírito de Jeová está sobre mim, porque Ele me ungiu para declarar boas novas aos pobres. Enviou-me para proclamar liberdade aos cativos e recuperação da visão aos cegos, para dar livramento aos esmagados, para pregar o ano aceitável de Jeová.” (Lucas 4:18,19). Então, essa notícia é "boa", para os "pobres", os "cativos", os "cegos", os "esmagados", ou seja, aqueles que realmente sofrem por causa desse sistema de coisas (compare com Ezequiel 9:4).

Jesus Cristo explicou vividamente por que essa proclamação é "boa" para os pobres e uma "maldição" para os outros, na ilustração do "homem rico e do mendigo Lázaro" (Leia Lucas 16:19-31). Lázaro, o mendigo, representa o povo do tempo de Cristo, como ovelhas sem pastor: "Vendo as multidões, sentia pena delas, porque eram esfoladas e jogadas de um lado para outro como ovelhas sem pastor" (Mateus 9:36). Quando Jesus Cristo começou a pregar as boas novas do reino, ele trouxe uma mudança na condição espiritual, do povo sem pastor (Lázaro, o mendigo), e dos pastores que não alimentavam espiritualmente este povo (O rico). Essas mudanças espirituais são simbolizadas pelas respectivas mortes do mendigo e do rico. Assim, a pregação de Jesus Cristo teve dois efeitos opostos: bênção divina e aprovação para os "pobres", os "cativos", os "cegos", os "esmagados" e a condenação divina para a classe dominante política e religiosa (compare Lucas 4:18,19 (bênção) e Mateus 23 (maldição)). A maldição das boas novas no sistema de Satanás é simbolizada pelas pragas das sete trombetas e das sete tigelas, no livro de Apocalipse (Apocalipse 8:7 a 15:8 (as pragas das sete trombetas); Apocalipse 16:1 em 22:21 (o fim) (as pragas das sete tigelas)). Por meio da proclamação da boa nova, "a mulher e a efa" são enviados a Sinar, como é?

Jeová Deus purifica o sacerdócio e seu povo

“E ele me mostrou o sumo sacerdote Josué de pé diante do anjo de Jeová, e Satanás estava de pé à direita dele para se opor a ele. O anjo de Jeová disse então a Satanás: “Que Jeová o censure, ó Satanás, sim, que Jeová, que escolheu Jerusalém, o censure! Não é este homem um pedaço de madeira tirado do fogo?”"

(Zacarias 3:1,2)

Jeová é um Deus lento em irar-se e abundante em misericórdia, ele terá misericórdia de quem ele tiver misericórdia (Êxodo 33:19; 34:6). É evidente que após 70 anos de exílio na Babilônia, a adoração verdadeira passou por uma permeação dos costumes ou ensinamentos babilônicos (Zacarias 1:12). Jeová mostrou compreensão e misericórdia para com o sumo sacerdote Josué. Mesmo assim, ele fez questão de que a situação não continuasse indefinidamente, porque Jeová é um Deus santo: “Josué estava usando vestes imundas, e estava de pé diante do anjo. O anjo disse aos que estavam de pé diante dele: “Tirem dele as vestes imundas.” Depois disse a ele: “Veja, removi de você o seu erro, e você será vestido com vestes finas.” Então eu disse: “Seja colocado um turbante limpo na cabeça dele.” E eles puseram o turbante limpo na cabeça dele e o vestiram com as vestes; e o anjo de Jeová estava por perto. O anjo de Jeová declarou então a Josué: “Assim diz Jeová dos exércitos: ‘Se você andar nos meus caminhos e cumprir suas responsabilidades diante de mim, servirá como juiz na minha casa e cuidará dos meus pátios; e eu lhe darei pleno acesso entre esses que estão aqui diante de mim.’” (Zacarias 3:3-7).

Esta purificação do sacerdócio e do povo de Deus também é simbolizada pelo fato de que Jerusalém é "medida", isto é, que deve estar dentro dos critérios divinos de santidade para reivindicar a eternidade: “Ele respondeu: “Vou medir Jerusalém para ver qual é a sua largura e o seu comprimento”'” (Zacarias 2:2; 3:5-7). Medir uma cidade como Jerusalém ou o santuário do templo, de acordo com Apocalipse 11:2, significa cumprir os padrões de santidade de Jeová Deus, tanto dentro como fora da congregação cristã. O fato de o anjo, em Apocalipse 11:2, pedir ao apóstolo João para "medir", significa que Jesus Cristo instruiu os anciãos, os mordomos da congregação cristã a julgar ou medir, a fim de manter a pureza na congregação (Mateus 18:18). Jesus Cristo predisse que haveria vários séculos de apostásia que permeariam o Cristianismo (Mateus 13:24-30, 37-43). A consequência é que o sacerdócio cristão e seu ensino são, ainda hoje, imbuídos de práticas e ensinamentos babilônicos, como feriados pagãos como o Natal, a Páscoa (diferente da Páscoa judaica), O Dia dos Santos, e também os ensinamentos pagãos como a Adoração mariana, a adoração idólatra dos santos, a trindade, a imortalidade da alma, o inferno de fogo, a adoração da cruz que trona em muitas congregações cristãs... Todos esses ensinamentos pagãos de origem babilônica ou greco Romana, não tem lugar na adoração verdadeira (João 4:23,24).

Embora os cristãos sinceros têm ignorado essa situação por séculos, é importante que purifiquemos a maneira como adoramos a Deus e servimos a Jesus Cristo, removendo gradualmente todas as formas de práticas espirituais indesejadas aos olhos de Deus. Essa purificação da adoração verdadeira foi ilustrada pelo enigma da mulher e a efa.

A mulher e a efa

"“É o recipiente de uma efa que vem surgindo.” E acrescentou: “Essa é a aparência deles em toda a terra.” Então eu vi que a tampa redonda de chumbo foi levantada, e havia uma mulher sentada dentro do recipiente (o efa). 8 Ele disse: “Esta é a Maldade.” E ele a empurrou de volta para dentro do recipiente e depois tampou com força a boca do recipiente com o peso de chumbo"

(Zacarias 5:7,8)

A efa é uma unidade de medida para quantificar farinha ou cereais. Obviamente, no enigma, a mulher está dentro de um recipiente de uma efa, feito para medir a quantidade de farinha, com uma tampa de chumbo sobre ela, para ser enviada diretamente para Sinar, na Babilônia. Parece que para que ela não voltara, se fez uma casa para ela, para que ela ficara lá. Além disso, essa mulher é chamada de "Iniqüidade", por quê? O símbolo da mulher pode ser explicado pelo tipo de adoração que é prestado, ou seja, a uma divindade feminina. Ela poderia representar aquela divindade, a “Rainha do Céu”.

Na verdade, as mulheres israelitas que haviam caído em apostásia, faziam pão para aquela "Rainha do céu": “Os filhos apanham lenha, os pais acendem o fogo, e as esposas sovam a massa para fazer bolos de oferenda à Rainha do Céu; e eles derramam ofertas de bebida a outros deuses para me ofender" (Jeremias 7:18). A efa em questão parece ser uma unidade de medida na forma de um vaso com cobertura de chumbo (Levítico 19:36). Na época da história bíblica de Israel, antes do exílio na Babilônia, a nação de Israel havia caído em apostásia. A mulher e a efa, simboliza a confecção de pães sacrificais para a rainha do céu (quantificada em efa, antiga unidade de medida da farinha, nos tempos bíblicos). O fato de que uma capa de chumbo foi colocada na efa e a mulher enviada a Sinar (onde ficava Babilônia, o berço da falsa adoração), mostra que dali em diante Jeová Deus não toleraria mais a permeação da verdadeira adoração, através da falsa adoração babilônica, Ele o enviaria a Sinar, o lugar onde ele deveria estar (Zacarias 5:9-11).

As “duas mulheres com asas de cegonha” que levam “a mulher e a efa”, parecem ilustrar este princípio escrito em Apocalipse 22:11: “Quem estiver fazendo injustiça, faça ainda injustiça; e o imundo torne-se ainda imundo; mas o justo faça ainda justiça e o santo seja ainda santificado”. A imagem poderia ser sarcástica em relação a esta divindade, da qual anjos fêmeos a seu serviço, com asas de cegonha, um animal impuro, a levam para onde deveria estar, na Babilônia, construindo uma casa, ou um templo para ficar lá para sempre (Levítico 11:19).

Os instrutores cristãos atuais, também devem remover de seus ensinos, os falsos ensinamentos babilônicos e greco-romanos, o que são a trindade, a imortalidade da alma, o inferno de fogo, o purgatório, a adoração dos santos, a adoração da cruz e livrar as congregações cristãs de todas as representações pagãs... De acordo com a profecia de Zacarias, o não fazer isso será considerado um ato de "maldade" (Zacarias 5:8; 10: 1-3; 13: 1-3): "Se, pois, alguém sabe fazer o que é justo e, no entanto, não o faz, é um pecado para ele" (Tiago 4:17).

Os dois ungidos

"Esses são os dois ungidos que estão de pé ao lado do Senhor de toda a terra"

(Zacarias 4:14)

Zacarias 4:1-10 representa um candelabros que representa Zorobabel como aquele que reconstruiria o templo em Jerusalém, pela força do espírito de Jeová: "E ele me disse: “Esta é a palavra de Jeová a Zorobabel: ‘“Não por força militar nem por poder, mas por meu espírito”, diz Jeová dos exércitos. Quem é você, ó grande montanha? Diante de Zorobabel você se tornará uma planície. E ele trará a pedra de remate em meio aos gritos: “Como é maravilhosa! Como é maravilhosa!”’”” (Zacarias 4:6,7).

O relato profético de Zacarias capítulo 4:11-14, os “dois ungidos” parecem ser os mesmos de Apocalipse 11: “Farei as minhas duas testemunhas profetizar por 1.260 dias vestidas com pano de saco.” Elas são simbolizadas pelas duas oliveiras e pelos dois candelabros, e estão em pé diante do Senhor da terra” (Apocalipse 11:3,4). Ao ler atentamente o livro de Apocalipse, percebemos que são Moisés e Elias, que apareceu em visão ao lado de Cristo, durante a transfiguração (Marcos 9:1-8).

Os dois representantes Moisés e Elias, são duas pessoas, mas também duas congregações (candelabros) que organizam a pregação mundial no período anterior à grande tribulação (Mateus 24:14). No livro de Zacarias (5:1,2) e no Apocalipse, essa pregação é descrita como uma praga contra sistema de Satanás é simbolizada pelas pragas das sete trombetas e das sete tigelas, no livro de Apocalipse (Apocalipse 8:7 a 15:8 (as pragas das sete trombetas); Apocalipse 16:1 em 22:21 (o fim) (as pragas das sete tigelas)).

A primeira testemunha, Moisés, é o representante da congregação dos cristãos que têm a chamada celestial e que totalizará 7.000 para completar o grupo de 144.000, pouco antes da grande tribulação (Apocalipse 7:3-8, "144.000"; 11 :13, "7000"). A segunda testemunha, Elias, é o representante da congregação dos humanos que sobreviverão à grande tribulação para viver eternamente na terra (Apocalipse 7:9-17 "a grande multidão"; 11:13 "as demais ficaram com medo e deram glória ao Deus do céu"). Esta congregação de santos celestiais é representada pela mulher perseguida na terra por Satanás, o diabo (Apocalipse 12:13-17a). A congregação dos santos terrestres representa "o restante da descendência dela" (Apocalipse 12:17b).

São os dois ungidos, homens reais? Não há indicação em contrário. De qualquer maneira, somente Jeová e Jesus Cristo sabem disso (e possivelmente ambos envolvidos), e no máximo eles devem ser reconhecidos por sua respectiva congregação (Mateus 17:12 "eles não o reconheceram").

Os falsos profetas têm vergonha de sua visão

"Naquele dia cada um dos profetas ficará envergonhado da sua visão ao profetizar; e eles não vestirão um manto oficial de pelo para enganar outros"

(Zacarias 13:4)

As ideologias humanas políticas, econômicas, financeiras e religiosas, proclamadas e reforçadas por "profecias" que profetizavam um glorioso amanhã, trouxeram toda a humanidade e o planeta Terra à beira da ruína (Zacarias 11:4- 6,15-17; Apocalipse 11:18b). Como Jesus Cristo profetizou, se aqueles dias não fossem abreviados, nenhum humano sobreviveria (Mateus 24:22). Esta situação irreversível, levando a humanidade a um extermínio gradual, a longo prazo, é o resultado daqueles ideólogos e seus seguidores que implementaram decisões políticas, econômicas, financeiras e religiosas desastrosas para a humanidade e a Terra. Fica claro, esses profetas políticos, econômicos, financeiros e religiosos, não só se expressam cada vez menos, nos meios de comunicação, mas se envergonham de suas profecias que não se cumpriram, e que levaram ao desastre, toda a humanidade. Eles se escondem tirando suas roupas oficiais de profetas: “E cada um deles dirá: ‘Não sou profeta. Sou agricultor, porque um homem me comprou como escravo quando eu era jovem.’ 6 E, se alguém lhe perguntar: ‘Que ferimentos são esses entre os seus ombros?’, ele responderá: ‘Fui ferido na casa dos meus amigos’”” (Zacarias 13:5,6). O mundo em geral está, por assim dizer, sem “pastor que foi ferido”até a morte"", Jesus Cristo. Jeová promete que este rebanho abandonado, a atual humanidade mal administrada, será curada no futuro paraíso terrestre, por intermédio do Rei Jesus Cristo: “Ó espada, desperte contra o meu pastor, Contra o homem que é meu companheiro”, diz Jeová dos exércitos. “Fira o pastor, e que o rebanho seja espalhado; E voltarei a mão contra os insignificantes” (Zacarias 13:7; Mateus 26:31).

O Dia de Jeová

"Será um dia único, que ficará conhecido como o dia que pertence a Jeová. Não haverá dia nem haverá noite; e ao anoitecer haverá luz"

(Zacarias 14:7)

A GRANDE TRIBULAÇÃO ACONTECERÁ NUM ÚNICO DIA

Depois de ler atentamente todos os textos proféticos que mencionam o “Dia de Jeová” ou a “Grande Tribulação”, pode-se dizer sem dúvida que este dia durará apenas UM DIA.

O texto profético mais claro sobre a sua duração é o de Zacarias e o livro do Apocalipse, os quais descrevem o Dia de Jeová como um dia, ou a única data de um dia: "Será um dia único, que ficará conhecido como o dia que pertence a Jeová. Não haverá dia nem haverá noite; e ao anoitecer haverá luz" (Zacarias 14:7,20).

Um texto de Zacarias sobre a profecia do Renovo, mostra que Jeová eliminará o pecado da terra em um dia (Zacarias 3:8,9). Quando Jeová removia o pecado (a falha) na terra de Israel? No Dia da Expiação, no 10 de Etanim (Tisri): "Isto será um decreto permanente para vocês: no sétimo mês, no dia dez do mês, vocês devem afligir a si mesmos e não devem fazer nenhum trabalho, quer o israelita, quer o estrangeiro que mora entre vocês. Nesse dia se fará expiação por vocês, para declará-los puros. Vocês ficarão puros de todos os seus pecados perante Jeová. É um sábado de completo descanso para vocês; e vocês devem afligir a si mesmos. É um decreto permanente” (Levítico 16:29-31). Essas duas passagens de Zacarias mostram que a grande tribulação acontecerá num único dia de 24 horas.

O livro do Apocalipse é o mais explícito a respeito deste dia de 10 Ethanim (Tisri). Em Apocalipse 11:18 está escrito: "Mas as nações se iraram, e veio a tua ira, e o tempo determinado para que os mortos sejam julgados, o tempo para dar a sua recompensa aos teus escravos, os profetas, e aos santos e aos que temem o teu nome, pequenos e grandes, e para arruinar os que arruínam a terra ”(Apocalipse 11,18). Este texto alude ao tempo da Grande Tribulação, quando Deus “arruinará aqueles que arruínam a terra”. Porém, o que é ainda mais interessante é que o versículo 19 repete desta vez de forma enigmática, a evocação do Dia de Jeová ou da Grande Tribulação, no 10 de Etanim (Tisri): “E o templo-santuário de Deus que está no céu foi aberto, e a arca de sua aliança foi vista em seu santuário-templo. E houve relâmpagos e vozes e trovões e um terremoto e um grande granizo "(Apocalipse 11:19). O versículo 19 tem duas partes principais: a primeira pela visão da Arca da Aliança, a data de um único dia. Na verdade, Jeová Deus não permitia que a Arca da Aliança ficasse visível (para o Sumo Sacerdote) em qualquer dia que não fosse o 10 de Etanim (Tisri) (Levítico 16:2,29). A segunda parte do versículo 19 é a descrição simbólica da Grande Tribulação. O 10 de Etanim (Tisri), corresponde à celebração dramática do Dia da Expiação, cujo procedimento é descrito no capítulo 16 de Levítico.

O livro de Zacarias dá uma precisão única, que não se repete em nenhum outro livro bíblico, a respeito da característica do 10 de Etanim (Tisri), da grande tribulação: “Isso acontecerá no verão e no inverno” (Zacarias 14:8b). Antes de tudo, é necessário especificar o significado da palavra "inverno" nesta profecia. De acordo com a Concordância de Strong, a transliteração da palavra hebraica "chreph" (H2779), no uso bíblico, significa: colheita colhida significando (implicitamente) a estação de outono (e começo de inverno); figurativamente, a maturidade da idade. Assim, neste texto, a palavra "inverno", segundo o contexto da profecia, significa "no outono", isto é, começo do inverno. Esta informação bíblica importante indica que neste dia do 10 de Etanim (Tisri) (mês do calendário bíblico), da grande tribulação, corresponderá à passagem do solstício de verão, ao equinócio de outono (início do inverno na Bíblia), 22 de setembro após o pôr do sol (verão) e, ao mesmo tempo, o dia 23 de setembro (outono "inverno").

A profecia de Zacarias indica precisamente a atitude que temos de ter durante a grande tribulação, ao descrever este dia como sendo de lamentação: “Derramarei sobre a casa de Davi e sobre os habitantes de Jerusalém o espírito de favor e de súplica; e eles olharão para aquele que traspassaram e o lamentarão como lamentariam um filho único; e eles chorarão amargamente por ele como chorariam por um filho primogênito. Naquele dia será grande o lamento em Jerusalém, como o lamento em Hadadrimom, na planície de Megido" (Zacarias 12:10,11). As lamentações "de Hadadrimon no vale-planície de Megido", aludem ao duelo decretado em Jerusalém, após a morte do Rei Josias, na batalha de Megido perto de "Hadadrimon", contra o Faraó Neco. O duelo nacional, decretado em Jerusalém, foi organizado pelo profeta Jeremias (2 Reis 23:29,30; 2 Crônicas 35:24,25).

Aquelas lamentações serão devida tristeza causada pela morte sacrificial de Cristo na terra (14 de Nisã, 33 EC), especialmente do Pai no céu, que testemunhou a morte de seu filho, para salvar uma parte importante da humanidade, a grande multidão, durante a grande tribulação (Apocalipse 7:9,14). Também é especificado que esta lamentação geral será acompanhada de uma abstinência sexual: "E esta terra lamentará, cada família lamentará sozinha: a família da casa de Davi sozinha, e suas mulheres sozinhas; a família da casa de Natã sozinha, e suas mulheres sozinhas" (Zacarias 12:12-14). A expressão repetida "mulheres sozinhas", refere-se à abstinência sexual.

A terceira parte da humanidade sobreviverá à grande tribulação

“E terá de acontecer em toda a terra”, é a pronunciação de Jeová, “que duas partes nela serão decepadas e expirarão; e quanto à terceira parte, será deixada sobrar nela. E eu certamente levarei a terceira parte através do fogo; e eu realmente os refinarei como se refina a prata e os examinarei como se examina o ouro. Ela, da sua parte, invocará o meu nome, e eu, da minha parte, lhes responderei. Vou dizer: ‘É meu povo’, e ela, por sua vez, dirá: ‘Jeová é meu Deus’”

(Zacarias 13:8,9)

A palavra traduzida do hebraico "haarèts", traduzida como "país", dependendo do contexto pode significar "terra" ou planeta terra, e este é o caso desta profecia sobre a grande tribulação mundial (Zacarias 1:10,11; 5:3; 6:7; 12:3; 14:9,17). Nessa declaração, Deus divide a humanidade em "três partes". No início, alguém pensaria que seriam três “partes" (H6310 Strong’s Concordance: “פֶּה” (peh)) iguais, ou três “terços” (H7992 Strong’s Concordance “שְׁלִישִׁי” (sheliyshiy)). No texto hebraico, trata-se, de fato, de duas primeiras partes (peh) e da terceira (sheliyshiy), conforme o contexto desta frase, terceira “parte”. O que significa que essas três partes da humanidade, não são necessariamente a mesma quantidade de humanos. Para descobrir a que correspondem as três “partes” da humanidade, é preciso olhar para a dramática celebração do Dia da Expiação, o 10 de Etanim (Tisri).

Embora a profecia de Zacarias não faça a conexão direta entre o "Dia de Jeová" e o "Dia da Expiação", ela o faz de forma enigmática. Um texto de Zacarias sobre a profecia do Renovo, mostra que Jeová tirará o pecado da terra num dia (Zacarias 3:8,9; 14:7). Quando Jeová removia a falha na terra de Israel? No Dia da Expiação, o 10 de Etanim (Tisri) (Levítico 16). Aquele dia era uma celebração da Santidade de Jeová: "Naquele dia estarão inscritas nas sinetas dos cavalos estas palavras: ‘A santidade pertence a Jeová!" (Zacarias 14:20 compare com Êxodo 28:36,37 e Levítico 16: 4 "O turbante" que onde estava escrito, "A Santidade pertence a Jeová"). Portanto, as "três partes" em questão referem-se aos três animais usados ​​na primeira fase dos sacrifícios expiatórios que se referem às três "partes da humanidade".

Os sacrifícios expiatórios (e não as ofertas queimadas (ofertas totais)), três animais estavam envolvidos: um touro e dois cabritos, três animais (Leia Levítico 16). Dos três animais que deviam ser sacrificados de maneira expiatória, os primeiros dois foram de fato (o touro e o primeiro cabrito), enquanto o terceiro foi poupado (o cabrito para Azazel). Agora é importante saber a quem correspondem esses três animais (dois sacrificados e um poupado):

O touro que morria fazia expiação para Arão e sua casa, ou pelo sacerdócio (Levítico 16:6,11). A classe sacerdotal que morrerá para ser instantaneamente ressuscitada no céu, no início da grande tribulação, é a morte dos 7000, mencionada no Apocalipse: "Naquela hora ocorreu um grande terremoto; caiu um décimo da cidade, 7.000 pessoas foram mortas pelo terremoto, e as demais ficaram com medo e deram glória ao Deus do céu” (Apocalipse 11:13). A queda “do décimo da cidade santa”, representa o grupo de 144.000 reis e sacerdotes, suplementados pela morte e ressurreição instantâneas dos 7.000 santos celestiais, no início do Dia de Jeová, a grande tribulação (1 Tessalonicenses 4:17).

O segundo animal, o cabrito sacrificado no dia da expiação, representa a segunda parte da humanidade que perecerá durante a grande tribulação (Levítico 16:5,15). O sacrifício deste segundo animal, é representado de uma forma bastante aterrorizante em Apocalipse 14:18-20 e 19:11-21, nesta passagem Jesus Cristo glorificado é representado como um rei e sumo sacerdote, como o "Renovo" (Zacarias 6:11-13).

O terceiro animal que deveria ter sido sacrificado é finalmente poupado: o cabrito para Azazel: "Arão lançará sortes sobre os dois bodes, uma sorte para Jeová e a outra sorte para Azazel. Arão apresentará o bode que for designado por sorte para Jeová e fará dele uma oferta pelo pecado. Mas o bode designado por sorte para Azazel deve ser trazido vivo perante Jeová para se fazer expiação sobre ele, a fim de que possa ser enviado ao deserto, para Azazel" (Levítico 16:8-10). Obviamente, este "cabrito para Azazel", representa a grande multidão que sobreviverá à grande tribulação, ou "as demais" da "cidade santa" que dá glória a Deus após a morte dos 7.000 santos celestiais: "as demais ficaram com medo e deram glória ao Deus do céu” (Apocalipse 7:9-17; 11:13). Esse entendimento, dá um vislumbre da alegre possibilidade de que mais de um terço da humanidade poderia sobreviver à grande tribulação, ou vários bilhões de pessoas que representariam a "grande multidão", só Deus e Jesus Cristo sabem com certeza, porque está escrito que a grande multidão não pode ser contado (Zacarias 14:10,11).

Para um número tão grande de pessoas sobreviver à grande tribulação, parece óbvio que um número significativo de pessoas não-cristãs sobreviverão à grande tribulação, esta observação é consistente com o contexto da profecia de Zacarias (bem como a profecia de Ezequiel)? Sim.

"Todos os que restarem de todas as nações que vierem contra Jerusalém subirão de ano em ano para se curvar diante do Rei, Jeová dos exércitos, e para celebrar a Festividade das Barracas"

(Zacarias 14:16)

Este texto mostra sem sombra de dúvida que Jeová, depois da grande tribulação, terá poupado uma parte importante da humanidade que simbolicamente "vierem contra Jerusalém" ou não teriam feito parte desta cidade santa (num primeiro tempo). Por outro lado, na profecia de Ezequiel capítulos 40 a 48, Jeová repreende alguns levitas, uma parte significativa da grande multidão, que terá sobrevivido à grande tribulação dessa maneira: "Mas os levitas que se afastaram de mim quando Israel se desviou de mim para seguir seus ídolos repugnantes sofrerão as consequências do seu erro. E eles se tornarão servos no meu santuário para supervisionar os portões do templo e para servir no templo. Abaterão a oferta queimada e o sacrifício para o povo, e ficarão diante do povo para servi-lo. Visto que o serviram perante seus ídolos repugnantes e se tornaram para a casa de Israel uma pedra de tropeço que os levou a pecar, eu levantei minha mão contra eles em juramento’, diz o Soberano Senhor Jeová, ‘e eles sofrerão as consequências do seu erro. Não se aproximarão de mim para servir como meus sacerdotes, nem se aproximarão de nenhuma das minhas coisas sagradas nem das coisas santíssimas. Sofrerão sua vergonha por causa das coisas detestáveis que fizeram. Mas eu os encarregarei das responsabilidades para com o templo, para cuidar do serviço realizado ali e de todas as coisas que se devem fazer nele’" (Ezequiel 44:10-14).

Parece que há uma convergência entre o texto de Zacarias 14:16, que menciona pessoas que sobreviveram à grande tribulação quando vieram "contra Jerusalém" e os levitas que "seguiram seus ídolos repugnantes" (Ezequiel 44:10). Jesus Cristo fez uma declaração importante que mostra que o pecado involuntário, nem sempre acarreta a morte espiritual: “Jesus lhes disse: “Se vocês fossem cegos, não seriam culpados de pecado. Mas, como vocês dizem: ‘Nós vemos’, seu pecado permanece” (João 9:41). Jesus Cristo fala de cegueira espiritual não intencional, cujo pecado não é contado. Muitas pessoas hoje estão numa cegueira espiritual involuntária, de acordo com este texto, muitas delas poderiam se beneficiar da misericórdia de Deus, no dia da grande tribulação.

É interessante notar, sempre de acordo com esta mesma profecia de Ezequiel, como os Filhos de Zadoque são descritos, em contraste com os levitas não sacerdotais: “Quanto aos sacerdotes levíticos, os filhos de Zadoque, que cuidaram das responsabilidades para com o meu santuário quando os israelitas se desviaram de mim, eles se aproximarão de mim para me servir, e ficarão diante de mim para me oferecer a gordura e o sangue’, diz o Soberano Senhor Jeová.  ‘São eles que entrarão no meu santuário; eles se aproximarão da minha mesa para me servir e cuidarão de suas responsabilidades para comigo" (Ezequiel 44:15,16). Obviamente, os filhos de Zadoque que poderão se aproximar de Jeová, como sacerdotes no santuário espiritual, serão cristãos fiéis e perspicazes que atuaram bem em seu ministério cristão, no antigo sistema de coisas, "quando os israelitas se desviaram" de Deus, e terão sobrevivido à grande tribulação (Mateus 24:45,46; 25:21,22).

Esse entendimento, à primeira vista, parece não concordar com a visão da grande multidão que sobrevive à grande tribulação e que em sua totalidade tem fé no valor expiatório do sacrifício de Cristo (Apocalipse 7:9,14). Essa diferença é facilmente resolvida por uma informação importante dada na profecia de Zacarias, a respeito dessa terceira parte poupada. Está escrito: "E eu certamente levarei a terceira [parte] através do fogo; e eu realmente os refinarei como se refina a prata e os examinarei como se examina o ouro. Ela, da sua parte, invocará o meu nome, e eu, da minha parte, lhes responderei. Vou dizer: ‘É meu povo’, e ela, por sua vez, dirá: ‘Jeová é meu Deus.’”” (Zacarias 13:9; Malaquias 3:2-4). Quando esse refinamento importante deve ocorrer para continuar vivendo no paraíso? De acordo com a profecia de Zacarias e Apocalipse (11:19), o Dia de Jeová será no 10 de Etanim (Tisri). De acordo com a profecia de Ezequiel 39:12-14, haverá uma purificação da terra de sete meses, de 10 de Tisri (Etanim) a 10 de nisã (com o mês intercalar Veadar). Parece óbvio que é neste período que Jeová vai "refinar seu povo", de modo a prepará-lo para a vinda à terra da Nova Jerusalém no 10 de nisã, após a grande tribulação.

Em Ezequiel 40:1,2, é na data de 10 de nisã, que o profeta teve a visão da cidade e do templo na terra, que será o início da administração terrestre do Reino de Deus. Esta visão corresponde à descrição da descida da Nova Jerusalém à Terra, a partir de 10 de nisã (Apocalipse 21:1-4). Podemos dizer que a visão de Apocalipse 7:9,14, da grande multidão que sobrevive à grande tribulação, é datada de 10 de nisã, em comparação com o texto de João 12:12-16: “No dia seguinte, a grande multidão que tinha ido à festividade soube que Jesus estava chegando a Jerusalém. Então, pegaram folhas de palmeiras e saíram ao encontro dele, e começaram a gritar: “Salva, rogamos-te! Bendito é aquele que vem em nome de Jeová! Bendito é o Rei de Israel!””. Se compararmos este texto com Apocalipse 7:9, a semelhança é impressionante. Qual é a evidência de que em João 12:12-16, Jesus Cristo realmente entrou como rei ungido, a Jerusalém no 10 de nisã? Um texto que descreve o mesmo evento nos informa que imediatamente depois, Jesus Cristo expulsou do templo os mercadores que vendiam animais para a Páscoa (Mateus 21:10,11). Quando os israelitas tinham que comprar o cordeiro pascal? No 10 de nisã: “Diga a toda a assembleia de Israel: ‘No dia dez deste mês, cada um deve pegar um cordeiro para a sua família, um cordeiro por casa” (Êxodo 12:3).

A descrição do julgamento pelo Rei Jesus Cristo em Mateus 7:21-23 e 25:31-46 é principalmente dirigida à congregação cristã, porque nas duas passagens indicadas, as pessoas que têm um julgamento de condenação parecem conhecer Jesus Cristo (Mateus 7:22; 25:44). Os critérios gerais para julgar toda a humanidade, cristã e não cristã, parecem resumidos nas palavras de Jeová em Ezequiel 9:4: “Jeová disse a ele: “Percorra a cidade, percorra Jerusalém, e marque com um sinal a testa dos homens que suspiram e gemem por causa de todas as coisas detestáveis que estão sendo feitas na cidade”” (Compare com Tiago 4:4). No entanto, esta destruição e preservação seletiva de toda a humanidade também é descrita por Jesus Cristo: “Dois homens estarão então no campo; um será levado e o outro será abandonado. Duas mulheres estarão moendo no moinho manual; uma será levada e a outra será abandonada. Portanto, mantenham-se vigilantes, porque vocês não sabem em que dia virá o seu Senhor" (Mateus 24:40-42) (um em cada dois sobreviverá (repetido duas vezes por Jesus Cristo)).

Regozijemo-nos da grande misericordia de Jeová

"vou declarar diante de ti o nome de Jeová; e vou favorecer ao que eu favorecer e vou ter misericórdia de quem eu tiver misericórdia"

(Êxodo 33:19)

Assim se cumprirá a declaração da misericórdia de Jeová sobre os muitos que sobreviverão à grande tribulação: “Eu mesmo farei toda a minha bondade passar diante da tua face e vou declarar diante de ti o nome de Jeová; e vou favorecer ao que eu favorecer e vou ter misericórdia de quem eu tiver misericórdia” (Êxodo 33:19). A situação será comparável à de humanos injustos que serão ressuscitados quando não conheciam totalmente a vontade de Deus no antigo sistema de coisas (Atos 24:15).

Jesus Cristo deu uma imagem da misericórdia de Deus na ilustração do “filho pródigo”, de um Pai com o olhar dirigido para a volta do seu filho, sempre pronto a perdoar e a facilitar o arrependimento do pecador em vista para lhe conceder a vida eterna: "Enquanto ainda estava longe, o seu pai o avistou e teve pena, e correu e lançou-se-lhe ao pescoço e o beijou ternamente” (Lucas 15:11-32). Jesus Cristo mostrou que o seu Pai aceitaria a sabedoria prática dos humanos para lhes dar misericórdia: "E o seu amo elogiou o mordomo, embora [fosse] injusto, porque agiu com sabedoria prática; pois os filhos deste sistema de coisas são mais sábios, em sentido prático, para com a sua própria geração, do que os filhos da luz” (Lucas 16:1-8). Jesus Cristo mostrou que seu Pai mostraria sua misericórdia no último momento, ilustrando os trabalhadores da décima primeira hora (Mateus 20:1-16).

Em duas das ilustrações, O Filho Pródigo e os Trabalhadores da Décima Primeira Hora, Jesus Cristo mostrou que alguns humanos lamentariam a misericórdia de Deus para com os humanos salvos no último momento. Alguns pensariam que teriam "vencido" pelas "obras" feitas ao longo de muitos anos, uma recompensa muito maior do que aquela dada aos pecadores que se arrependeram no último momento: "Então, quando os primeiros chegaram, concluíram que receberiam mais, mas eles também receberam o pagamento de um denário cada um. Após recebê-lo, começaram a reclamar contra o proprietário e disseram: ‘Esses últimos homens trabalharam só uma hora; ainda assim o senhor os igualou a nós, que suportamos o fardo do dia e o calor intenso!’ Mas ele disse, em resposta, a um deles: ‘Amigo, não lhe faço nenhuma injustiça. Você não concordou comigo em um denário? Pegue o que é seu e vá. Eu quero dar a esse último o mesmo que a você. Não tenho o direito de fazer o que quero com as minhas próprias coisas? Ou você ficou com inveja porque eu fui bom com eles?’ Desse modo, os últimos serão primeiros; e os primeiros, últimos”” (Lucas 15: 25-31; Mateus 20: 9-16).

Nos capítulos 7 e 8 de Zacarias, Jeová incentiva seus servos a servi-lo com amor e sem formalidade espiritual, desprovido de sentimentos como o amor a Deus e à humanidade: “Diga a todo o povo desta terra e aos sacerdotes: ‘Quando vocês jejuavam e lamentavam no quinto e no sétimo mês, durante 70 anos, era realmente para mim que jejuavam? E, quando comiam e bebiam, não era para vocês mesmos que comiam e bebiam? Não deviam vocês obedecer às palavras que Jeová proclamou por meio dos antigos profetas, enquanto Jerusalém e as cidades ao seu redor estavam habitadas e em paz, e enquanto o Neguebe e a Sefelá estavam habitados?’” (Zacarias capítulo 7; 1 Coríntios 13:1-8). Jeová Deus pede sinceridade e amor a Ele e aos Seus princípios contidos em Sua Palavra, a Bíblia: “Recebi novamente a palavra de Jeová dos exércitos: “Assim diz Jeová dos exércitos: ‘O jejum do quarto mês, o jejum do quinto mês, o jejum do sétimo mês e o jejum do décimo mês serão ocasiões de exultação e alegria para a casa de Judá — festividades alegres. Portanto, amem a verdade e a paz’" (Zacarias 8:18,19).

À medida que o julgamento se aproxima para cada um de nós que decidirá do nosso futuro eterno, pouco antes da Grande Tribulação, Jesus Cristo tem recomendado a humildade, a modéstia e a justa auto-estima. Jesus Cristo usou várias ilustrações, como o cobrador de impostos arrependido e o fariseu orgulhoso, ou o convidado da festa de casamento que buscava o primeiro lugar, para mostrar a importância de não ter uma opinião muito elevada de nós mesmos, especialmente quando oramos. Em relação a esta última ilustração, aqui está o que está escrito: "Prosseguiu então a contar aos convidados uma ilustração, ao notar como eles escolhiam os lugares mais destacados para si mesmos, dizendo-lhes: “Quando fores convidado por alguém para uma festa de casamento, não te deites no lugar mais destacado. Talvez ele tenha convidado ao mesmo tempo alguém mais distinto do que tu, e aquele que te convidou venha com ele e te diga: ‘Deixa este homem ter o lugar.’ Então principiarás com vergonha a ocupar o lugar mais baixo. Mas, quando fores convidado, vai e recosta-te no lugar mais baixo, para que, quando vier o homem que te convidou, te diga: ‘Amigo, vai mais para cima.’ Então terás honra na frente de todos os que contigo foram convidados. Porque todo aquele que se enaltecer será humilhado, e aquele que se humilhar será enaltecido”” (Lucas 14:7-11; Romanos 12:3).

Portanto, regozijemo-nos na misericórdia de Deus para com "os filhos pródigos", "os cobradores de impostos arrependidos", "os trabalhadores da décima primeira hora", que sobreviverão à grande tribulação, considerando-nos sinceramente, como o último dos humanos dignos desta misericórdia de Deus e de Cristo (Lucas 18:9-14).