Español                                   English                                   Français

BÍBLIA ONLINE

BÍBLIA ONLINE (Traduções comparativas)

BÍBLIA ONLINE (Em vários idiomas)

Menu temático de artigos bíblicos

(O artigo "A esperança da vida eterna", clique no link)

Pode escolher seu idioma preferido

English  Español  Português  Français  Català  Românesc  Italiano  Deutsch 

Polski  Magyar  Hrvatski  Slovenský  Slovenski  český  Shqiptar  Nederlands 

Svenska  Norsk  Suomalainen  Dansk  Icelandic  Lietuvos  Latvijas  Eesti 

ქართული  ελληνικά  հայերեն  Kurd  اردو  Azərbaycan  Türk  العربية  فارسی  עברי  ייִדיש

Pусский  Yкраїнський  Македонски  Български  Монгол  беларускі  Қазақ  Cрпски 

Swahili Hausa Afrikaans Igbo Xhosa Yoruba Zulu Malagasy አማርኛ Somali

हिन्दी  नेपाली  বাঙালি  ਪੰਜਾਬੀ  मराठी  ગુજરાતી  മലയാളം  ଓଡିଆ  ಕನ್ನಡ  தமிழ்  සිංහල తెలుగు  

中国  ไทย  ខ្មែរ  ລາວ  Tiếng việt  日本の  한국의 

Tagalog  Indonesia  Jawa  Myanmar

A comemoração da morte de Jesus Cristo acontecerá na terça-feira, 12 de abril de 2022, após o pôr do sol. Onde e como?

O ensino primário da Bíblia

(Hebreus 6:1-3)

As frases em azul fornecem explicações bíblicas adicionais e detalhadas. Basta clicar no hiperlink em azul. Os artigos bíblicos são escritos principalmente em quatro línguas: português, francês, espanhol e inglês

INTRODUÇÃO

“Por esta razão, agora que temos abandonado a doutrina primária a respeito do Cristo, avancemos à madureza, não lançando novamente um alicerce, a saber, o arrependimento de obras mortas e a fé para com Deus, o ensino de batismos e a imposição das mãos, a ressurreição dos mortos e o julgamento eterno. E isto faremos, se Deus permitir” (Hebreus 6:1-3)

A carta de Paulo aos cristãos hebreus mostra que existe uma "doutrina primária a respeito do Cristo" e também da Bíblia como um todo. A seguir, haverá uma apresentação desse importante ensino para a compreensão da Bíblia como um todo (A madureza espiritual).

Deus tem um nome: (YHWH) Jeová (Isaías 42:8)

Jesus Cristo, o filho de Jeová Deus, fez conhecer o Nome e a Fama de seu Pai: “Pai, glorifica o teu nome.” Saiu, portanto, uma voz do céu: “Eu tanto o glorifiquei como o glorificarei de novo" (João 12:28). “E eu lhes tenho dado a conhecer o teu nome e o hei de dar a conhecer, a fim de que o amor com que me amaste esteja neles e eu em união com eles” (João 17:26). Na oração do Nosso Pai, que muitos conhecem, o primeiro pedido feito a Deus é o seguinte: "Portanto, ores assim: 'Nosso Pai nos céus, santificado seja o teu nome" (Mateus 6:9). Nesta oração modelo, descobrimos que Cristo declina os pedidos feitos a Deus, por ordem de importância. Portanto, como Jesus Cristo, devemos considerar o Nome Divino, Jeová, como sagrado e integrá-lo na nossa relação pessoal com Deus, mas também no ministério da Palavra, a pregação das Boas Novas e no ensino bíblico para torná-lo conhecido (Mateus 24:14; 28:19,20).

Jeová é o único Deus verdadeiro que devemos adorar

(Apocalipse 4:11)

"Digno és, Jeová, sim, nosso Deus, de receber a glória, e a honra, e o poder, porque criaste todas as coisas e porque elas existiram e foram criadas por tua vontade" (Apocalipse 4:11)

Jesus Cristo, o Filho de Deus disse ser é a seu Pai que devemos prestar um serviço sagrado: "Jesus disse-lhe então: “Vai-te, Satanás! Pois está escrito: ‘É a Jeová, teu Deus, que tens de adorar e é somente a ele que tens de prestar serviço sagrado’" (Mateus 4:10).

Jesus Cristo, o Filho de Deus, disse que devemos amar seu Pai com toda a nossa força de vida: “Instrutor, qual é o maior mandamento na Lei?” Disse-lhe: “‘Tens de amar a Jeová, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua mente.’ Este é o maior e primeiro mandamento" (Mateus 22:33-38).

Jesus Cristo, o Filho de Deus, disse que só teremos a vida eterna se fizermos a vontade de seu Pai: “Nem todo o que me disser: ‘Senhor, Senhor’, entrará no reino dos céus, senão aquele que fizer a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: ‘Senhor, Senhor, não profetizamos em teu nome e não expulsamos demônios em teu nome, e não fizemos muitas obras poderosas em teu nome?’ Contudo, eu lhes confessarei então: Nunca vos conheci! Afastai-vos de mim, vós obreiros do que é contra a lei" (Mateus 7:21-23).

Jeová é o único Deus verdadeiro e ele não é uma trindade

Jeová Deus é o Pai de Jesus Cristo: "Ouvistes que eu vos disse: Vou embora e venho [de volta] a vós. Se me amásseis, alegrar-vos-íeis de que vou embora para o Pai, porque o Pai é maior do que eu" (João 14:28). Jesus Cristo (Yehoshuah Mashiah) é o Filho de Jeová Deus: "Em resposta, Simão Pedro disse: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivente"" (Mateus 16:16). O espírito santo é a força ativa que vem de Jeová, da qual ele pode dar uma parte a cada uma de suas criaturas, visíveis e invisíveis: "E línguas, como que de fogo, tornaram-se-lhes visíveis e se distribuíram, e sobre cada um deles assentou-se uma" (Atos 2:3).

Temos de orar apenas ao Pai, a Jeová Deus (YeHoWaH Elohim)

(Mateus 6: 9-13)

Jesus Cristo, em sua oração-modelo, mostrou claramente que devemos dirigir nossas orações apenas a seu Pai: “Portanto, tendes de orar do seguinte modo: “Nosso Pai nos céus, santificado seja o teu nome. Venha o teu reino. Realize-se a tua vontade, como no céu, assim também na terra. Dá-nos hoje o nosso pão para este dia; e perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós também temos perdoado aos nossos devedores. E não nos leves à tentação, mas livra-nos do iníquo”” (Mateus 6:9–13).

Portanto, não devemos dirigir nossas orações ao Filho, Jesus Cristo. Não devemos dirigir nossas orações à “virgem Maria” e não devemos dirigir nossas orações aos “santos”, por a oração ser um ato de adoração que só é devido a Jeová Deus, o Pai e Criador de todas as coisas (Apocalipse 4:11; Mateus 4:10).

Jesus Cristo (Yehoshuah Mashiah) é o Filho de Jeová Deus (YHWH Elohim)

(Mateus 16:13-20)

“Tendo então chegado às regiões de Cesaréia de Filipe, Jesus foi perguntar a seus discípulos: “Quem dizem os homens ser o Filho do homem?” Disseram: “Alguns dizem João Batista, outros, Elias, ainda outros, Jeremias ou um dos profetas.” Disse-lhes ele: “Vós, porém, quem dizeis que eu sou?” Em resposta, Simão Pedro disse: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivente.” Jesus lhe disse, em resposta: “Feliz és tu, Simão, filho de Jonas, porque [isso] não te foi revelado por carne e sangue, mas por meu Pai, que está nos céus. Também, eu te digo: Tu és Pedro, e sobre esta rocha construirei a minha congregação, e os portões do Hades não a vencerão. Eu te darei as chaves do reino dos céus, e tudo o que amarrares na terra, será a coisa amarrada nos céus, e tudo o que soltares na terra, será a coisa solta nos céus.”  Advertiu, então, severamente os discípulos que não dissessem a ninguém que ele era o Cristo" (Mateus 16:13-20).

Jesus Cristo (Yehoshuah Mashiah), o Filho, o Logos, não é Jeová Deus

(YHWH Elohim), o Pai (João 1:1-3)

“No princípio era a Palavra, e a Palavra estava com o Deus, e a Palavra era um deus. Este estava no princípio com o Deus. Todas as coisas vieram à existência por intermédio dele, e à parte dele nem mesmo uma só coisa veio à existência" (João 1:1-3). A leitura de todo o capítulo 1, mostra em toda a lógica que o Pai é uma pessoa espiritual distinta do Filho, chamado o "Logos" ou porta-voz de Deus. Nesta tradução (Tradução do Novo Mundo) está escrito "a Palavra era um deus", o que significa que o Verbo era de origem divina.

Em muitas outras traduções estão escritos, "a Palavra era Deus", obviamente implicando que as duas pessoas espirituais fundiriam em uma. No entanto, esta interpretação do texto não concorda com o contexto do versículo 1, onde está escrito: "a Palavra estava com o Deus". Se a Palavra ou o Logos estavam "com" Deus, fica claro que os dois espíritos, Deus e o Logos, são duas pessoas espirituais distintas.

Jeová Deus (YHWH Elohim), o Pai e Jesus Cristo (Yehoshuah Mashiah), o Filho, o Logos, estão unidos em seu propósito

“Eu e o Pai somos um” (João 10:30)

A expressão "ser um" com outra pessoa (ou grupo) expressa unidade de propósito e ação. Numa das suas últimas orações escritas no Evangelho de João, pouco antes da sua morte, eis o pedido que fez ao Pai, a respeito dos seus discípulos: “Faço solicitação, não somente a respeito destes, mas também a respeito daqueles que depositam fé em mim por intermédio da palavra deles; a fim de que todos sejam um, assim como tu, Pai, estás em união comigo e eu estou em união contigo, para que eles também estejam em união conosco, a fim de que o mundo acredite que me enviaste” (João 17:20,21). É o próprio Jesus Cristo quem dá a explicação do fato que está em união com o Pai: “como tu, Pai, estás em união comigo e eu estou em união contigo”. Além disso, naquela mesma última noite, para insistir nesta unidade completa com seu Pai, Jesus disse: “Quem me tem visto, tem visto também o Pai”: “Filipe disse-lhe:“ Senhor, mostra-nos o Pai, e isso basta para nós. "Filipe disse-lhe: “Senhor, mostra-nos o Pai, e isso chega para nós.”  Jesus disse-lhe: “Tenho estado tanto tempo convosco e ainda não vieste a conhecer-me, Filipe? Quem me tem visto, tem visto também o Pai. Como é que dizes: ‘Mostra-nos o Pai’? Não acreditas que eu esteja em união com o Pai e que o Pai esteja em união comigo? As coisas que vos digo não falo da minha própria iniciativa; mas o Pai, que permanece em união comigo, está fazendo as suas obras. Acreditai-me que estou em união com o Pai e que o Pai está em união comigo; senão, acreditai por causa das próprias obras” (João 14:8-11,20,21).

Jesus Cristo é o único caminho para poder obter a vida eterna

“Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim”

(João 14:6)

Jeová Deus, o Pai, fez de Jesus Cristo, o Filho, uma pessoa essencial para obter a aprovação divina e a vida eterna. Numa conversa com um instrutor da Lei, Nicodemos (Em João 3), Jesus Cristo explicou que para obter a vida eterna, era essencial ter fé no sacrifício da sua vida humana sem pecado, para o perdão dos nossos pecados e no futuro, a obtenção da vida eterna: “Porque Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho unigênito, a fim de que todo aquele que nele exercer fé não seja destruído, mas tenha vida eterna. (...) Quem exerce fé no Filho tem vida eterna; quem desobedece ao Filho não verá a vida, mas o furor de Deus permanece sobre ele” (João 3:16,36).

Na expressão “Quem exerce fé no Filho tem vida eterna”, mostra que não haver solução intermediária para o homem: seja desobediência ou falta de fé neste sacrifício de Cristo, haverá destruição. Em caso de obediência e fé no sacrifício de Jesus Cristo, haverá vida eterna.

O segundo ponto, em relação ao sacrifício de Cristo: quem tem fé no sacrifício de Cristo, deve comemorar uma vez por ano a sua morte, no 14 de nisã do calendário judaico (entre março e abril): “Tomou também um pão, deu graças, partiu-o e deu-lho, dizendo: “Isto significa meu corpo que há de ser dado em vosso benefício. Persisti em fazer isso em memória de mim.” Do mesmo modo também o copo, depois de terem [tomado] a refeição noturna, dizendo: “Este copo significa o novo pacto em virtude do meu sangue, que há de ser derramado em vosso benefício” (Lucas 2219,20).

Todos os discípulos de Cristo, que obedecem a Jeová Deus e seu Filho Jesus Cristo (depois de examinar a consciência 1 Coríntios 11:28), podem participar do pão e do vinho, representando sucessivamente o corpo e o sangue de Cristo (seja qual for a esperança cristã de vida eterna (no céu ou na terra)).

Jesus Cristo tem toda a autoridade

"E Jesus, aproximando-se, falou-lhes, dizendo: “Foi-me dada toda a autoridade no céu e na terra""

(Mateus 28:18)

O texto acima mostra que Jeová Deus, o Pai, deu toda a autoridade a seu Filho Jesus Cristo, no céu e na Terra. No entanto, aquela autoridade será devolvida ao Pai pelo Filho no final dos mil anos de seu reinado: "A seguir, o fim, quando ele entregar o reino ao seu Deus e Pai, tendo reduzido a nada todo governo, e toda autoridade e poder. Pois ele tem de reinar até que Deus lhe tenha posto todos os inimigos debaixo dos seus pés. Como último inimigo, a morte há de ser reduzida a nada. Pois Deus “lhe sujeitou todas as coisas debaixo dos pés”. Mas, quando diz que ‘todas as coisas foram sujeitas’, é evidente que se excetua aquele que lhe sujeitou todas as coisas. Mas, quando todas as coisas lhe tiverem sido sujeitas, então o próprio Filho também se sujeitará Àquele que lhe sujeitou todas as coisas, para que Deus seja todas as coisas para com todos” (1 Coríntios 15: 24-28).

Atualmente Jesus Cristo foi entronizado Rei nos céus, do Reino de Deus e reina no meio dos seus inimigos, conforme Salmos 2: “Nesse tempo lhes falará na sua ira E os perturbará no seu ardente desagrado, Dizendo: “Eu é que empossei o meu rei Em Sião, meu santo monte.” Cite eu o decreto de Jeová; Ele me disse: “Tu és meu filho; Hoje eu me tornei teu pai. Pede-me, para que eu te dê nações por tua herança E os confins da terra por tua propriedade” (Salmos 2:5-8; Apocalipse (Apocalipse) 12:10).

É o atual Rei Jesus Cristo que julgará as nações pouco antes da Grande Tribulação, conforme a Mateus 7:21-23 e 25:33-46. É o Rei Jesus Cristo que atuará como “o homem cujos quadris havia o tinteiro de secretário”, que marcará na testa todos os humanos que sobreviverão à Grande Tribulação, de acordo com a profecia de Ezequiel 9:1-4. É Jeová Deus, o Pai, quem delega este direito de vida e morte sobre todos os humanos, àquele "homem cujos quadris havia o tinteiro de secretário". Segundo a profecia de Daniel 12:1 e Apocalipse 19:11-21, é o Rei Jesus Cristo quem vai liderar a destruição da Grande Tribulação, apoiada por milhões de anjos. Isso também está escrito no Salmo 2: “Tu as quebrantarás com um cetro de ferro, Espatifá-las-ás como se fossem um vaso de oleiro” (Salmo 2:9). Obviamente, em face desse Rei celestial, o Salmo 2 conclui com esta exortação feita a todos os humanos, antes que estourasse a Grande Tribulação: “E agora, ó reis, usai de perspicácia; Deixai-vos corrigir, ó juízes da terra. Servi a Jeová com temor E jubilai com tremor.  Beijai ao filho, para que Ele não se ire E não pereçais [no] caminho, Pois a sua ira se acende facilmente. Felizes todos os que se refugiam nele” (Salmos 2: 10-12).

Após a Grande Tribulação, o reinado de 1.000 anos do Rei Jesus Cristo na Terra começará, acompanhado pelos 144.000 reis e sacerdotes celestiais (Apocalipse 5:10; 7:1-8; 14:1-5; 20).

O espírito santo é a força ativa de Deus

“A força ativa de Deus movia-se por cima da superfície das águas”

(Gênesis 1:2)

O espírito santo, conforme está escrito no texto de Gênesis (acima), é uma força ativa que vem de Deus. A expressão "força ativa de Deus" pode muito bem ser traduzida como o poder do espírito (weruah) de Deus. A palavra "ruah" sendo traduzida como "espírito" ou "vento".

Ao lermos todos os textos bíblicos que se relacionam com a força ativa de Deus, entendemos dois pontos importantes. Primeiro, o espírito santo, ou a força ativa de Deus, tem uma função múltipla ou polivalente. Em segundo lugar, o espírito santo absolutamente não é uma pessoa, mas uma força ou poder impessoal (como o sol, o vento e a água), que vêm de Deus.

Vejamos as funções múltiplas do papel do espírito santo que vêm de Deus. Em Gênesis 1:1 está escrito: "No princípio Deus criou os céus e a terra". O primeiro versículo da Bíblia resume a criação do universo material e da terra (os céus e a terra), que os cientistas calcularam ter cerca de 13 bilhões de anos. A partir do versículo 2, e na continuação dos capítulos 1 e 2, há o relato do arranjo de Deus do planeta Terra para permitir a vida microbiana, vegetal, animal e humana, ao longo de um período de várias dezenas de milhares de anos, dividida em seis períodos ou "dias" (na Bíblia a palavra dia não tem apenas uma duração de 24 horas, mas pode se referir a um período, uma época, mais ou menos longa). Assim, o versículo 2, que menciona a ação da força ativa de Deus, ou o espírito santo, está inscrito tanto na criação do universo com o planeta terra quanto em seu arranjo para permitir a vida. Jeová Deus usa o espírito santo para criar.

Jesus Cristo usava a força ativa de Deus, o espírito santo para realizar milagres

(Lucas 8:42-48)

No relato do milagre ocorrido sem ele saber, Jesus Cristo dá uma informação importante: “Enquanto ia, as multidões o comprimiam. E uma mulher, por doze anos padecendo dum fluxo de sangue, que não conseguira cura da parte de ninguém, aproximou-se por detrás e tocou na orla de sua roupa exterior, e o seu fluxo de sangue parou instantaneamente. De modo que Jesus disse: “Quem foi que me tocou?” Quando todos o negavam, Pedro disse: “Preceptor, as multidões te rodeiam e apertam.” Contudo, Jesus disse: “Alguém me tocou, pois percebi que poder saiu de mim.” Vendo que não passara despercebida, a mulher veio trêmula e prostrou-se diante dele, e revelou perante todo o povo a causa pela qual o tocara e como fora curada instantaneamente. Mas ele lhe disse: “Filha, a tua fé te fez ficar boa; vai em paz.”" (Lucas 8:42-48). Como resultado desse milagre, Jesus Cristo percebeu algo nele: "Alguém me tocou, pois percebi que poder saiu de mim". Aquela informação bíblica nos permite compreender plenamente que Jesus Cristo realizava milagres com o poder do espírito santo que ele tinha, mas cada vez que ele fazia um milagre, parte dessa força estava saindo dele.

Jesus Cristo transferiu uma parte importante da força ativa de Deus, o espírito santo, para seus doze apóstolos

(Mateus 10)

Ao conceder uma parte significativa da força ativa de Deus, o espírito santo, aos seus doze apóstolos, Jesus Cristo deu-lhes a capacidade de fazer milagres: "A estes doze enviou Jesus, dando-lhes as seguintes ordens: “Não vos desvieis para a estrada das nações, e não entreis em cidade samaritana; mas, ide antes continuamente às ovelhas perdidas da casa de Israel. Ao irdes, pregai, dizendo: ‘O reino dos céus se tem aproximado.’ Curai doentes, ressuscitai mortos, tornai limpos os leprosos, expulsai demônios. De graça recebestes, de graça da” (Mateus 10:5-8).

O dom do espírito santo, que Jesus Cristo deu aos seus apóstolos, era gratuito. Portanto, o ministério da Palavra, era para ser (deve ser) totalmente gratuito, sem qualquer obrigação financeira ou dízimo, por parte daqueles que se beneficiariam das bênçãos da operação do espírito santo.

O derramamento do espírito santo no Pentecostes de 33 EC,

O nascimento da Congregação Cristã

"E línguas, como que de fogo, tornaram-se-lhes visíveis e se distribuíram, e sobre cada um deles assentou-se uma"

(Atos 2:3)

Aqui está parte do relato daquele evento muito importante: "Então, estando em progresso o dia [da festividade] de Pentecostes, todos eles estavam juntos no mesmo lugar, e, repentinamente, ocorreu do céu um ruído, bem semelhante ao duma forte brisa impetuosa, e encheu toda a casa onde estavam sentados. E línguas, como que de fogo, tornaram-se-lhes visíveis e se distribuíram, e sobre cada um deles assentou-se uma, e todos eles ficaram cheios de espírito santo e principiaram a falar em línguas diferentes, assim como o espírito lhes concedia fazer pronunciação. Acontece que moravam em Jerusalém judeus, homens reverentes, de toda nação das debaixo do céu. Assim, ao ocorrer este som, a multidão ajuntou-se e estava desnorteada, porque cada um os ouvia falar no seu próprio idioma. Deveras, ficaram assombrados e começaram a perguntar-se, dizendo: “Pois quê! não são galileus todos estes que estão falando? E, no entanto, como é que ouvimos cada um de nós o seu próprio idioma em que nascemos? Partos, e medos, e elamitas, e os habitantes de Mesopotâmia, e Judéia, e Capadócia, Ponto e [o distrito da] Ásia, e Frígia, e Panfília, Egito e as partes da Líbia, do lado de Cirene, e os residentes temporários de Roma, tanto judeus como prosélitos, cretenses e árabes, nós os ouvimos falar em nossas línguas sobre as coisas magníficas de Deus.” Sim, todos ficaram assombrados e estavam em perplexidade, dizendo um ao outro: “Que denota esta coisa?” No entanto, diversos mofaram deles e começaram a dizer: “Estão cheios de vinho doce.” Mas, Pedro pôs-se de pé com os onze, levantou a sua voz e fez-lhes a seguinte pronunciação: “Homens da Judéia e todos vós, habitantes de Jerusalém, seja isso conhecido por vós e dai ouvidos às minhas declarações. Estes, de fato, não estão embriagados, como supondes, pois é a terceira hora do dia. Ao contrário, isto é o que foi dito por intermédio do profeta Joel: ‘“E nos últimos dias”, diz Deus, “derramarei do meu espírito sobre toda sorte de carne, e vossos filhos e vossas filhas profetizarão, e os vossos jovens terão visões e os vossos anciãos terão sonhos” (Atos 2).

O dom do espírito santo que possibilitava os milagres

(Atos 5:12-16)

No relato de Atos dos Apóstolos, capítulos 2, após o derramamento do espírito santo, os discípulos tiveram o dom milagroso de pregar as boas novas em línguas estrangeiras. No entanto, ao lermos o conjunto do relato em Atos, percebemos que esse dom do espírito santo os dava a capacidade de realizar os mesmos milagres que Jesus Cristo fazia. Considere três relatos de Atos: "Além disso, por intermédio das mãos dos apóstolos continuavam a ocorrer muitos sinais e portentos entre o povo; e todos eles estavam de comum acordo na colunata de Salomão. Verdadeiramente, nem um só dos outros tinha a coragem de se juntar a eles; não obstante, o povo os afamava. Mais do que isso, os crentes no Senhor continuavam a ser acrescidos, multidões [deles], tanto de homens como de mulheres; de modo que traziam para fora os doentes, até mesmo às ruas largas, e os deitavam ali em pequenas camas e macas, a fim de que, quando Pedro estivesse passando, pelo menos a sua sombra caísse sobre alguns deles.  Também a multidão das cidades em volta de Jerusalém afluía, trazendo os doentes e os afligidos por espíritos impuros, e todos eles eram curados” (Atos 5:12-16).

O apóstolo Pedro cura um coxo: “Ora, Pedro e João estavam subindo ao templo para a hora da oração, a nona hora, e certo homem, coxo desde a madre de sua mãe, estava sendo carregado, e o punham diariamente perto da porta do templo, chamada Bela, a fim de pedir dádivas de misericórdia dos que entravam no templo. Quando ele avistou Pedro e João entrando no templo, começou a solicitar, para obter dádivas de misericórdia. Mas Pedro, junto com João, fitou os olhos nele e disse: “Olha para nós.” De modo que ele fixou a sua atenção neles, esperando obter deles alguma coisa. No entanto, Pedro disse: “Não possuo prata nem ouro, mas o que tenho é o que te dou: Em nome de Jesus Cristo, o nazareno, anda!” Com isto o segurou pela mão direita e o levantou. As solas dos seus pés e os ossos dos seus tornozelos foram instantaneamente feitos firmes; e, pulando, pôs-se em pé, e começou a andar, e entrou com eles no templo, andando, e pulando, e louvando a Deus. E todo o povo avistava-o andando e louvando a Deus. Além disso, começaram a reconhecê-lo, que este era o homem que costumava sentar-se [pedindo] dádivas de misericórdia no Portão Belo do templo, e ficaram cheios de assombro e de êxtase com o que lhe tinha acontecido” (Atos 3:1-10).

O apóstolo Pedro ressuscita Dorcas: "Mas, havia em Jope certa discípula de nome Tabita, que, traduzido, significa Dorcas. Ela abundava em boas ações e nas dádivas de misericórdia que fazia. Mas, aconteceu que naqueles dias ela adoeceu e morreu. De modo que a banharam e deitaram num quarto de andar superior. Ora, visto que Lida era perto de Jope, quando os discípulos ouviram que Pedro estava naquela cidade, mandaram a ele dois homens para [lhe] suplicarem: “Por favor, não hesites em vir ter conosco.” Em vista disso, Pedro levantou-se e foi com eles. E, ao chegar, conduziram-no para cima ao quarto de andar superior; e todas as viúvas apresentaram-se a ele chorando e mostrando muitas roupas interiores e roupas exteriores que Dorcas costumava fazer enquanto estava com elas. Mas Pedro pôs a todos para fora, e, dobrando os joelhos, orou, e, voltando-se para o corpo, disse: “Tabita, levanta-te!” Ela abriu os olhos, e, avistando Pedro, sentou-se. Dando-lhe a mão, ele a levantou e chamou os santos, e as viúvas, e a apresentou viva. Isto se tornou conhecido em toda a Jope, e muitos ficaram crentes no Senhor. Ele ficou muitos dias em Jope com um certo Simão, que era curtidor” (Atos 9:36-42).

Alguns cristãos atualmente têm o dom de realizar milagres ou curas milagrosas, até mesmo ressurreições?

Em sua primeira carta aos cristãos de Corinto no capítulo 12, o apóstolo Paulo escreveu que na congregação cristã Deus concede vários dons do espírito santo, entre os quais estão os "dons de curar" (1 Coríntios 12:4-11). Portanto, em toda a "lógica", deve-se esperar ver muitos casos de curas milagrosas, e até mesmo ressurreições, nas congregações cristãs. Mas os fatos são teimosos: não há. O que aconteceu? A resposta bíblica será em várias partes. Alguns relatos específicos dos milagres de Cristo e dos apóstolos serão analisados ​​para descobrir que a definição bíblica de "cura" é o equivalente de "recreação", uma palavra bíblica encontrada em Mateus 19:28. O outro aspecto importante será entender o propósito desses milagres, ou seja, o credenciamento de Deus como enviado ou Cristo, ou como um grupo ou congregação aprovado por Deus. Finalmente, o último ponto importante, se alguns cristãos afirmam fazer "milagres", é importante entender se eles são da mesma natureza dos da época de Cristo ou dos apóstolos. Além disso, veremos que para Jesus Cristo nos últimos dias haveria indivíduos nas congregações que alegariam fazer milagres para desencaminhar os "escolhidos" (Mateus 24:24).

As curas feitas por Jesus Cristo e os apóstolos eram "recreações"

As doenças e deficiências, sejam virais, bacterianas ou relacionadas a acidentes da vida, podem deixar consequências irreversíveis no corpo humano: mão seca, provavelmente uma deformação hereditária ou genética (Lucas 6:6-11), cegueira, por acidente ou herança genética (Mateus 9:27-31; Lucas 18:35-42), surdez e deficiência das habilidades motoras da fala (Marcos 7:31-37), a lepra, uma doença causada por um bacilo (Mycobacterium leprae) que causa danos ao o sistema nervoso periférico, pele e várias partes do corpo (Marcos 1:40-42; Lucas 17:11-19). Todas essas curas milagrosas, e muitas mais (João 21:25), exigiam até mesmo uma "recriação" parcial da parte do corpo humano afetada pela doença ou seus efeitos físicos posteriores.

A ressurreição de Lázaro, o amigo de Jesus Cristo, foi particularmente espetacular e exigiu uma recriação significativa, mesmo parcial, de seu corpo para que voltasse à vida (João 11:30-44). O relato nos informa que Lázaro já estava morto há quatro dias. Quando Jesus Cristo pediu que se abrisse o túmulo, Marta, a irmã do falecido, objetou: "Senhor, ele já deve estar cheirando, porque já faz quatro dias", o que mostra que o corpo de Lázaro estava começando a se decompor. A ressurreição de Lázaro foi uma recriação parcial de seu corpo humano (palingénesia (em grego) (Mateus 19:28)). Portanto, é evidente que aquelas curas milagrosas por "recriação", hoje não existem mais nas congregações cristãs.

A simplicidade e o realismo dos relatos dos milagres

"Aproximaram-se-lhe então grandes multidões, trazendo coxos, aleijados, cegos, mudos e muitos outros, e quase que os lançavam aos seus pés, e ele os curava; de modo que a multidão ficou pasmada de ver os mudos falar, e os coxos andar, e os cegos ver, e glorificavam o Deus de Israel"

(Mateus 15:30,31)

Ao ler os vários relatos de curas milagrosas na Bíblia, geralmente são simples e concisos. Às vezes, parecem indicar que Jesus Cristo estava considerando os sentimentos da pessoa que ele iria curar. Jesus Cristo tinha grande discernimento do que seus interlocutores pensavam (Mateus 9:2-8; Lucas 5: 17-26 “E Jesus, sabendo os seus pensamentos, disse: “Por que imaginais coisas iníquas nos vossos corações?"”). O que era verdade para eles também era verdade para alguns dos doentes que ele iria curar. Por exemplo, a respeito da cura de um cego de nascença, em João capítulo 9:1-7, Jesus Cristo cobriu seus olhos com um pouco de barro que umedeceu com sua saliva e ordenou-lhe, sem o acompanhar, que fosse lavar seus olhos na piscina de Siloé. Por outro lado, o relato do evangelho de Marcos 8:22-25, para a cura de outro cego, está escrito que os habitantes de uma aldeia, trazem um cego até ele. Jesus Cristo, pegando-o pela mão, leva-o para fora da aldeia. Ele realiza um processo de cura gradual, em duas etapas, para restaurar a sua visão, de modo que a pessoa cega provavelmente não sofra dum choque emocional.

Outro relato da cura de um surdo-mudo é muito comovente: “Voltando então das regiões de Tiro, passou por Sídon para o mar da Galiléia, subindo através das regiões de Decápolis. Ali lhe trouxeram um surdo com um impedimento na fala, e suplicaram-lhe que pusesse a sua mão sobre ele. E ele o levou à parte, separado da multidão, e pôs os seus dedos nos ouvidos do homem, e, depois de cuspir, tocou na língua dele. E, com um olhar para o céu, suspirou profundamente e disse-lhe: “Efatá”, isto é: “Abre-te.” Ora, sua faculdade de ouvir foi aberta e o impedimento de sua língua foi solto, e começou a falar normalmente. Com isso os advertiu que a ninguém o dissessem; mas, quanto mais os advertia, tanto mais o proclamavam. Deveras, estavam ficando assombrados de maneira mais extraordinária, dizendo: “Todas as coisas ele tem feito bem. Faz até os surdos ouvir e os mudos falar”" (Marcos 7:31-37).

O fato de Jesus Cristo estar conduzindo este homem para fora da multidão, mostra que ele entende que talvez tenha medo do tumulto e da agitação das pessoas ansiosas para descobrir se de algum modo o curará. Esse homem surdo e mudo está completamente aprisionado num silêncio interior absoluto. A multidão o apresenta a Jesus, a quem ele não conhece e que não sabe, o que vai fazer com ele. Assim, a descrição dos gestos da sua cura, é talvez uma forma que Jesus Cristo tem, de fazer este homem compreender o que faz, isto é, curá-lo ("pôs os seus dedos nos ouvidos") com a ajuda de Deus ("olhar para o céu").

Os únicos relatos de milagres em que há gritos e convulsões, é quando Jesus Cristo confronta demônios que se tomaram posse  de certos seres humanos, às vezes causando ataques epilépticos muito violentos (o que não significa que a epilepsia seja uma doença a ser atribuída ao demonismo. O relato do evangelho descreve a epilepsia como uma das consequências da possessão, que pode ter outras, como uma força humana extraordinária ou dons de adivinhação) (Mateus 8:28-34; 17:14-20; Lucas 4:31-37). No entanto, a maioria dos relatos bíblicos de milagres são simples e concisos.

Os dons de curas milagrosas eram uma acreditação divina de que a pessoa ou o grupo de pessoas tinha a aprovação de Deus e o Espírito Santo

“Rabi, sabemos que tu, como instrutor, tens vindo de Deus; pois, ninguém pode realizar esses sinais que tu realizas, a menos que Deus esteja com ele”

(João 3:2)

Foi um professor da Lei, honesto e sincero, chamado Nicodemos, quem disse essas palavras. Da mesma forma, quando os apóstolos realizaram tais sinais, não houve dúvida para os observadores de que eles tinham o espírito santo: "Além disso, por intermédio das mãos dos apóstolos continuavam a ocorrer muitos sinais e portentos entre o povo; e todos eles estavam de comum acordo na colunata de Salomão" (Atos 5:12-16). No entanto, alguns dos fariseus na presença de Cristo chegaram ao ponto de contestar essa evidência. Vamos ler a resposta de Cristo:

"Trouxeram-lhe então um homem possesso de demônio, cego e mudo, e ele o curou, de modo que o mudo falava e via. Ora, todas as multidões ficaram simplesmente arrebatadas e começaram a dizer: “Não é este talvez o Filho de Davi?” Ouvindo isso, os fariseus disseram: “Este não expulsa os demônios senão por meio de Belzebu, o governante dos demônios.” Conhecendo os pensamentos deles, disse-lhes: “Todo reino dividido contra si mesmo cai em desolação, e toda cidade ou casa dividida contra si mesma não permanece. Do mesmo modo, se Satanás expulsa a Satanás, ele ficou dividido contra si mesmo; como permanecerá então o seu reino? Ainda mais, se eu expulso os demônios por meio de Belzebu, por meio de quem os expulsam os vossos filhos? É por isso que eles serão os vossos juízes. Mas, se é por meio do espírito de Deus que eu expulso os demônios, o reino de Deus vos tem realmente alcançado. Ou como pode alguém invadir a casa dum homem forte e apoderar-se de seus bens móveis, a menos que primeiro amarre o homem forte? E depois saqueará a casa dele. Quem não está do meu lado é contra mim, e quem comigo não ajunta, espalha" (Mateus 12:22-30).

Logicamente Jesus Cristo voltou contra eles esta acusação gratuita dos fariseus com esta simples pergunta: "Ainda mais, se eu expulso os demônios por meio de Belzebu, por meio de quem os expulsam os vossos filhos?". No entanto, Jesus Cristo não considerou essa acusação inofensiva, muito pelo contrário. Jesus Cristo dou este aviso para serem levados muito a sério; tenha cuidado para não pecar contra o espírito santo: "Por esta razão, eu vos digo: Toda sorte de pecado e blasfêmia será perdoada aos homens, mas a blasfêmia contra o espírito não será perdoada. Por exemplo, quem falar uma palavra contra o Filho do homem, ser-lhe-á perdoado; mas quem falar contra o espírito santo, não lhe será perdoado, não, nem neste sistema de coisas, nem no que há de vir" (Mateus 12:31,32).

Os dons milagrosos cessarão

“Mas, quer haja [dons de] profetizar, serão eliminados; quer haja línguas, cessarão; quer haja conhecimento, será eliminado”

(1 Coríntios 13:8)

Jesus Cristo concedeu a habilidade de fazer milagres principalmente aos doze Apóstolos (Mateus 10:5-8). Eles podiam passá-los para outros discípulos (Atos 6:6). No entanto, não há nada na Bíblia, e particularmente no relato dos Atos, que indique que os discípulos (que não eram dos doze Apóstolos) pudessem passar esses dons milagrosos do espírito santo a outros discípulos. Assim, com a morte de todos os apóstolos, esses dons de fazer milagres gradualmente desapareceram das congregações cristãs (Mateus 13:25 "Enquanto os homens dormiam").

De acordo com Malaquias 2:15, estamos no período do que resta do espírito, sendo a oração quando pedimos a Deus seu espírito santo para perseverar até o fim (Mateus 24:13; 21:22,36; Lucas 11:13). Podemos ter o que resta do espírito santo neste mundo escurecido espiritualmente, lendo regularmente a Bíblia, sendo um depósito do espírito santo, e aplicando-a em nossas vidas diariamente (2 Pedro 1:20,21).

Na noite antes da sua morte, Jesus Cristo disse que doravante, o que identificaria os discípulos de Cristo não seria mais a capacidade de fazer milagres, mas pelo amor fraternal que haveria nas congregações: “Eu vos dou um novo mandamento, que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos amei, que também vos ameis uns aos outros. 35 Por meio disso saberão todos que sois meus discípulos, se tiverdes amor entre vós” (João 13:34,35). O apóstolo Paulo expressa a ideia semelhante à de Cristo para identificar aqueles que pertencem a Cristo, que teriam o que resta do espírito santo, pelo seu fruto: “Por outro lado, os frutos do espírito são amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, brandura, autodomínio. Contra tais coisas não há lei. Além disso, os que pertencem a Cristo Jesus pregaram na estaca a carne com as suas paixões e desejos" (Gálatas 5:22-24). O discípulo Tiago os designa como aqueles que manifestam a sabedoria de cima: “Mas a sabedoria de cima é primeiramente casta, depois pacífica, razoável, pronta para obedecer, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade, sem hipocrisia. Além disso, o fruto da justiça tem a sua semente semeada sob condições pacíficas para os que fazem paz” (Tiago 3:17,18).

O pecado contra o espírito santo que não tem perdão

"Por esta razão, eu vos digo: Toda sorte de pecado e blasfêmia será perdoada aos homens, mas a blasfêmia contra o espírito não será perdoada. Por exemplo, quem falar uma palavra contra o Filho do homem, ser-lhe-á perdoado; mas quem falar contra o espírito santo, não lhe será perdoado, não, nem neste sistema de coisas, nem no que há de vir"

(Mateus 12:31,32)

O pecado contra o espírito santo é uma atitude obstinada contra a força ativa de Deus e, mais geralmente, contra seu propósito. Quem quer, que peca contra o espírito santo pratica o pecado de uma forma teimosa. Jesus Cristo, quando na terra, apontou que alguns da classe religiosa dos fariseus haviam pecado contra o espírito santo: "Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! porque percorreis o mar e a terra seca para fazer um prosélito, e, quando se torna tal, fazeis dele objeto para a Geena duas vezes mais do que vós mesmos. (...) Serpentes, descendência de víboras, como haveis de fugir do julgamento da Geena?" (Mateus 23:15,33). O Geena era a lixeira ao sul de Jerusalém, fora das muralhas, que simbolizava a destruição completa e, nas palavras de Cristo, uma morte sem ressurreição.

Como alguns pecaram contra o espírito santo? O discípulo Estevão resumiu muito bem o processo espiritual: "Homens obstinados e incircuncisos nos corações e ouvidos, vós sempre resistis ao espírito santo; assim como fizeram os vossos antepassados, também vós fazeis. A qual dos profetas foi que os vossos antepassados não perseguiram? Sim, mataram os que faziam anúncio antecipado a respeito da vinda do Justo, cujos traidores e assassinos vós vos tornastes agora, vós, os que recebestes a Lei, conforme transmitida por anjos, mas não a guardastes” (Atos 7:51-53).

Os líderes religiosos dos tempos de Jesus, viram as manifestações milagrosas do Espírito Santo por meio das muitas curas e ressurreições realizadas por Jesus Cristo. Por exemplo, após a ressurreição de Lázaro, o relato do evangelho de João, nos informa que os fariseus procuravam matar não apenas Jesus Cristo, mas também Lázaro (João 11:45-53 (a decisão de matar Jesus); João 12:10 (A decisão de matar Lázaro)). No contexto das palavras de Cristo sobre o pecado contra o espírito santo, os fariseus disseram que Jesus realizava milagres com o espírito do diabo, o que representava uma blasfêmia contra a força ativa de Deus, o espírito santo (Mateus 12:22-30). Aqueles a pecar contra o Espírito Santo são pessoas profundamente más.

Como evitar esse extremo? O apóstolo Paulo dá a resposta: "Sendo que agora pusestes de lado a falsidade, falai a verdade, cada um de vós com o seu próximo, porque somos membros que se pertencem uns aos outros. Ficai furiosos, mas não pequeis; não se ponha o sol enquanto estais encolerizados, nem deis margem ao Diabo. O gatuno não furte mais, antes, porém, trabalhe arduamente, fazendo com as mãos bom trabalho, a fim de que tenha algo para distribuir a alguém em necessidade. Não saia da vossa boca nenhuma palavra pervertida, mas a que for boa para a edificação, conforme a necessidade, para que confira aos ouvintes aquilo que é favorável. Também, não contristeis o espírito santo de Deus, com que fostes selados para um dia de livramento por meio de resgate" (Efésios 4: 25-30).

Portanto, não se deve contristar o espírito santo, ou seja, não se envolver em conduta contrária aos mandamentos bíblicos. Aqueles que podem estar acostumados a se envolver nessa má conduta, o próximo passo seria "resistir" ao espírito santo como os fariseus faziam. Alguns podem se perguntar, com temor legítimo, se pecaram contra o espírito. Como saber? Temos de ser tranquilizados enquanto permanecemos vigilantes neste assunto.

É Deus quem julga através de seu Filho Jesus Cristo quanto a quem pecou contra o espírito santo. É interessante reler e ponderar o relato do filho pródigo (Lucas 16:11-23). Jesus Cristo retrata a misericórdia de Deus na aparência de um pai que pacientemente permite que seu filho siga seu caminho, que vai desde uma atitude fundamentalmente má até aquela que leva ao arrependimento. Esta ilustração mostra como Jeová Deus está pronto para detectar o menor indício de arrependimento de modo a perdoar (1 Reis 18:13 (Jeová viu algo bom no coração do filho de Jeroboão (um rei mau))). Alguns humanos ficam com a consciência carregada pelos muitos pecados que cometeram, alguns deles extremamente graves. O fato de a consciência reagir e nos condenar por nossas más ações, causando grande tristeza, é uma pista importante de que o irreversível não foi alcançado do ponto de vista de Deus.

Na verdade, há uma tristeza que leva ao arrependimento: "Por isso, mesmo que eu vos tenha entristecido com a minha carta, não o deploro. Embora eu o tenha no princípio deplorado, (vejo que aquela carta vos entristeceu, embora por pouco tempo,) agora me alegro, não porque fostes entristecidos, mas porque fostes entristecidos até o arrependimento; pois fostes entristecidos de modo piedoso, para que não sofrêsseis dano em algo devido a nós. Porque a tristeza de modo piedoso produz arrependimento para a salvação que não se há de deplorar; mas, a tristeza do mundo produz a morte. Pois, esta mesma coisa, a de serdes entristecidos de modo piedoso, eis que grande seriedade produziu em vós, sim, a vossa reabilitação, sim, indignação, sim, temor, sim, saudade, sim, zelo, sim, o endireitamento do errado! Demonstrastes em todo sentido que sois castos neste assunto" (2 Coríntios 7:8-11; Isaías 1:18 "Vinde, pois, e resolvamos as questões entre nós”, diz Jeová. “Embora os vossos pecados se mostrem como escarlate, serão tornados brancos como a neve; embora sejam vermelhos como pano carmesim, tornar-se-ão como a lã"").

No entanto, estejamos constantemente vigilantes quanto ao uso da nossa linguagem, porque é com ela que este pecado irreversível pode ser cometido, segundo Jesus Cristo: “Pois é pelas tuas palavras que serás declarado justo e é pelas tuas palavras que serás condenado" (Mateus 12:33-37; compare com Mateus 5:22 "Ao passo que quem disser: ‘Tolo desprezível!’, estará sujeito à Geena ardente""). Ao longo do Capítulo 3 da Carta do Discípulo Tiago, se descreve o bom e o mau uso da língua. Neste capítulo, de forma pictórica, Tiago mostra também que é com a língua que se pode cometer este pecado imperdoável: “Ora, a língua é um fogo. A língua constitui um mundo de injustiça entre os nossos membros, pois mancha todo o corpo e incendeia a roda da vida natural, e é incendiada pela Geena” (Tiago 3:6). Manifestemos la sabedoria de cima para nos protegermos espiritualmente de cometer o irreparável do ponto de vista de Deus e de seu Filho Jesus Cristo, a quem confiou o julgamento: “Mas a sabedoria de cima é primeiramente casta, depois pacífica, razoável, pronta para obedecer, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade, sem hipocrisia. 18 Além disso, o fruto da justiça tem a sua semente semeada sob condições pacíficas para os que fazem paz" (Tiago 3:17,18).

A bíblia é a palavra de deus

"Toda a Escritura é inspirada por Deus e proveitosa para ensinar, para repreender, para endireitar as coisas, para disciplinar em justiça,  a fim de que o homem de Deus seja plenamente competente, completamente equipado para toda boa obra"

(2 Timóteo 3:16,17)

A Bíblia é inspirada por Deus: "Pois, acima de tudo, vocês sabem que nenhuma profecia das Escrituras se origina de interpretação pessoal. Porque a profecia nunca foi produzida pela vontade do homem, mas os homens falaram da parte de Deus conforme eram movidos por espírito santo" (2 Pedro 1:20,21). Quarenta pessoas participaram da redação da Bíblia.

A leitura da Bíblia nos permite conhecer melhor o pensamento de Jeová e o de Cristo: "Pois “quem chegou a conhecer a mente de Jeová, para poder instruí-lo”? Mas nós temos a mente de Cristo" (1 Coríntios 2:16). Nós permite ter boas relações com Jeová Deus e Seu Filho Jesus Cristo, instalado como Rei do Reino de Deus celestial por Seu Pai (Salmos 2). O conhecimento de Deus e de Cristo pode permitir-nos obter a vida eterna: "Isto significa vida eterna: que conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e àquele que tu enviaste, Jesus Cristo" (João 17:3).

Ler a Bíblia nos permite ter bons pensamentos (Filipenses 4:6-9). Ler a Bíblia permite memorizar algumas passagens essenciais, a fim de encontrar mais facilmente os princípios bíblicos que nos guiarão em nossas decisões. De maneira mais geral, a leitura diária da Bíblia nos permite obter as bênçãos de Deus e uma melhor qualidade de vida, na medida em que as aplicamos em nossas vidas: "Contudo, tornem-se cumpridores da palavra, e não apenas ouvintes, enganando-se com raciocínios falsos. Porque, se alguém é ouvinte da palavra e não cumpridor, é semelhante a um homem que olha seu próprio rosto num espelho. Pois ele olha para si mesmo, vai embora e logo esquece como ele é. Mas aquele que examina com cuidado a lei perfeita que pertence à liberdade, e continua nela, tornou-se não um ouvinte que facilmente se esquece, mas um cumpridor da obra; e ele será feliz no que faz" (Tiago 1:22-25, Salmo 1:2,3).

O Reino de Deus é um Governo Celestial

"Venha o teu Reino"

(Mateus 6:9)

Este governo celestial de Deus foi estabelecido no céu em 1914, e cujo Rei é Jesus Cristo acompanhado por 144.000 reis e sacerdotes que constituem a "Nova Jerusalém", a noiva de Cristo: "E eu vi um novo céu e uma nova terra; pois o céu anterior e a terra anterior tinham passado, e o mar já não é. Vi também a cidade santa, Nova Jerusalém, descendo do céu, da parte de Deus, e preparada como noiva adornada para seu marido. Com isso ouvi uma voz alta do trono dizer: “Eis que a tenda de Deus está com a humanidade, e ele residirá com eles e eles serão os seus povos. E o próprio Deus estará com eles. E enxugará dos seus olhos toda lágrima, e não haverá mais morte, nem haverá mais pranto, nem clamor, nem dor. As coisas anteriores já passaram" (Apocalipse 21:1-4).

O Governo Celestial de Deus acabará com o atual governo humano durante a Grande Tribulação e se estabelecerá na Terra: “E nos dias daqueles reis o Deus do céu estabelecerá um reino que jamais será arruinado. E o próprio reino não passará a qualquer outro povo. Esmiuçará e porá termo a todos estes reinos, e ele mesmo ficará estabelecido por tempos indefinidos” (Daniel 2:44).

A morte é o oposto da vida

"Porque você é pó e ao pó voltará"

(Gênesis 3:19)

É o próprio Deus quem a define. Comparando Gênesis 2:17 com 3:19, onde está escrito que se Adão desobedecesse ao mandamento do fruto proibido, ele certamente morreria. Finalmente, Adão desobedeceu. Está escrito no julgamento de Deus contra Adão e sua esposa: “No suor do seu rosto comerá pão, até que você volte ao solo, pois dele foi tirado. Porque você é pó e ao pó voltará" (Gênesis 3:19). Portanto, a morte é o oposto da vida e o retorno à inexistência (Salmo 146:3,4; Eclesiastes 3:19,20; 9:5,10). Jeová Deus, em seu julgamento, evoca o retorno ao pó que é mais geralmente designado na Bíblia por uma expressão de lugar simbólico como Seol (hebraico) ou Hades (grego), ou mesmo o "mar" onde muitos humanos morreram (Apocalipse 20:13). Portanto, não é difícil entender e admitir este simples ponto de ensino bíblico, a morte é a inexistência absoluta. A alma morre e o espírito ou a energia vital desaparece: “Não confiem nos príncipes Nem nos filhos dos homens, que não podem trazer salvação. Seu espírito sai, e eles voltam ao solo; Nesse mesmo dia os seus pensamentos se acabam" (Salmo 146:3,4).

A vida eterna no céu e na terra

Haverá uma ressurreição terrestre que começará após a grande tribulação. Jesus Cristo a predisse profeticamente: "Não vos maravilheis disso, porque vem a hora em que todos os que estão nos túmulos memoriais ouvirão a sua voz e sairão, os que fizeram boas coisas, para uma ressurreição de vida, os que praticaram coisas ruins, para uma ressurreição de julgamento" (João 5:28,29; Atos 24:15). Os justos serão ressuscitados para a vida eterna, enquanto os injustos serão julgados com base em seu comportamento durante o reinado de 1000 anos (e não com base em seu comportamento anterior): "E eu vi um grande trono branco e o que estava sentado nele. De diante dele fugiam a terra e o céu, e não se achou lugar para eles.  E eu vi os mortos, os grandes e os pequenos, em pé diante do trono, e abriram-se rolos. Mas outro rolo foi aberto; é o rolo da vida. E os mortos foram julgados pelas coisas escritas nos rolos, segundo as suas ações. E o mar entregou os mortos nele, e a morte e o Hades entregaram os mortos neles, e foram julgados individualmente segundo as suas ações" (Apocalipse 20:11-13).

Apenas 144.000 humanos irão para o céu com Jesus Cristo: "E eu vi, e eis o Cordeiro em pé no monte Sião, e com ele cento e quarenta e quatro mil, que têm o nome dele e o nome de seu Pai escrito nas suas testas" (Apocalipse 7:3-8; 14:1-5). A Grande Multidão mencionada em Apocalipse 7:9-17, são humanos que sobreviverão à Grande Tribulação e viverão para sempre no Paraíso Terrestre: “Depois destas coisas eu vi, e, eis uma grande multidão, que nenhum homem podia contar, de todas as nações, e tribos, e povos, e línguas, em pé diante do trono e diante do Cordeiro, trajados de compridas vestes brancas; e havia palmas nas suas mãos. (...) Eu lhe disse assim imediatamente: “Meu senhor, és tu quem sabes.” E ele me disse: “Estes são os que saem da grande tribulação, e lavaram as suas vestes compridas e as embranqueceram no sangue do Cordeiro” (Apocalipse 7:9,14).

O Paraíso será terrestre: "Eis que a tenda de Deus está com a humanidade, e ele residirá com eles e eles serão os seus povos. E o próprio Deus estará com eles. E enxugará dos seus olhos toda lágrima, e não haverá mais morte, nem haverá mais pranto, nem clamor, nem dor. As coisas anteriores já passaram" (Isaías 11,35,65; Apocalipse 21:1- 5).

Estamos vivendo nos últimos dias deste sistema de coisas

“Dize-nos: Quando sucederão estas coisas e qual será o sinal da tua presença e da terminação do sistema de coisas?”

(Mateus 24:3)

A explicação de Mateus 24 nos permite entender melhor quando ocorre o período de destruição de Babilônia a Grande, seguido pela grande tribulação que durará apenas um dia, de acordo com a profecia de Zacarias 14:7 ("dia único"). A pergunta dos discípulos segue uma declaração surpreendente de Cristo sobre o templo em Jerusalém: "Em vista disso, ele lhes disse: “Não estão vendo todas estas coisas? Eu lhes digo a verdade: De modo algum ficará aqui pedra sobre pedra sem ser derrubada" (Mateus 24:2). No versículo 3, citado acima, informa que Jesus Cristo e os discípulos estavam no Monte das Oliveiras, a leste da cidade de Jerusalém, com vista para o Monte do Templo. Então, “estão vendo todas estas coisas?”, sugere a vista panorâmica de toda a cidade velha e do templo abaixo.

Na pergunta em Mateus 24:3, há três palavras importantes que nos permitem entender seu significado e a resposta de Cristo: O "sinal" (σημαίνω (sēmeion) (Concordância de Strong (G4591)), que tem o senso de indicação por "coisas que acontecerão". O "sinal" refere-se a dois grupos de acontecimentos, descritos por Cristo: eventos que mostram que Cristo está presente e que ele começou a reinar nos céus (desde 1914) (Mateus 24:4-14 e 24:23- 28). O "sinal" da proximidade do fim e do próprio fim (Mateus 24: 15-22 ("sinal" centrado na cidade de Jerusalém) e Mateus 24:29 até 25:46).

Portanto, a pergunta é baseada em eventos futuros que mostram que estamos bem durante o tempo da presença de Cristo e o fim iminente desse sistema de coisas. A resposta de Cristo tem duas partes principais. Esse fim é simplesmente a grande tribulação mencionada em Mateus 24:21,22. Os acontecimentos, que anunciam a proximidade deste fim, são descritos em Mateus 24:15-22, com respeito à resposta centrada em Jerusalém e Mateus 24:29, relacionados aos eventos mundiais, que levarão à vinda de Cristo, descrito em Mateus 24:30,31 e 25:31-33. Pode ser considerada a segunda parte importante da resposta de Cristo (a primeira sendo centrada no sinal de sua presença).

A grande tribulação será o fim deste sistema de coisas

"Pois então haverá grande tribulação, tal como nunca ocorreu desde o princípio do mundo até agora, não, nem tampouco ocorrerá de novo"

(Mateus 24:21)

Que é a grande tribulação? Para simplificar, este é o momento em que Jeová Deus, por meio de seu Filho Rei Jesus Cristo, porá um fim a esse sistema de coisas (Apocalipse 14:15-20; 19:11-21). Outras profecias bíblicas se referem à Grande Tribulação como o Dia de Jeová: "Tocai a buzina em Sião e dai um grito de guerra no meu santo monte. Fiquem agitados todos os habitantes da terra; pois está chegando o dia de Jeová, pois está perto! É um dia de escuridão e de trevas, dia de nuvens e de densas trevas, como a luz da alva difundida sobre os montes" (Joel 1:15; 2:1,2; ver também Amós 5:18-21; Obadias 15; Sofonias, capítulos 1 e 2:1-4; Zacarias, capítulos 12, 13, 14).

Quanto tempo durará a Grande Tribulação? Após uma leitura cuidadosa de todos os textos proféticos que mencionam o "Dia de Jeová" ou a "Grande Tribulação", pode-se dizer sem nenhuma dúvida que esse dia durará apenas UM DIA. Os textos proféticos mais claros da sua duração são, o de Zacarias e o do livro do Apocalipse, que descrevem o Dia de Jeová como um dia, ou a única data de um dia: "Será um dia único, que ficará conhecido como o dia que pertence a Jeová. Não haverá dia nem haverá noite; e ao anoitecer haverá luz" (Zacarias 14:7).

Somente este texto mostra que é um dia de 24 horas, não um período, porque está escrito que, na hora do dia, não será dia nem noite, e que na hora de noite haverá luz. No entanto, o texto mais explícito é o do livro do Apocalipse, onde este dia está associado a uma data no calendário judaico. Em Apocalipse 11:18 está escrito: "Mas as nações ficaram iradas, e veio tua própria ira, e veio o tempo determinado para os mortos serem julgados e para recompensar os teus escravos, os profetas, bem como os santos e os que temem o teu nome, tanto os pequenos como os grandes, e para arruinar os que arruínam a terra" (Apocalipse 11:18). Este texto refere-se ao tempo da Grande Tribulação, quando Deus "arruinará aqueles que arruínam a terra". No entanto, o que é ainda mais interessante é que o versículo 19 repete esse tempo de maneira enigmática, como Dia de Jeová ou da Grande Tribulação: "Então o santuário do templo de Deus no céu foi aberto, e viu-se a Arca do seu pacto no santuário do seu templo. E houve relâmpagos, vozes, trovões, um terremoto e forte granizo" (Apocalipse 11:19).

Por que Deus permite sofrimento e maldade?

Deus permitiu a maldade para responder ao desafio de Satanás, o diabo sobre a legitimidade da soberania de Deus (Gênesis 3:1-6). Deus permitiu o sofrimento a fim de responder às acusações do diabo sobre a integridade dos seres humanos (Jó 1:7-12; 2:1-6). Não é Deus quem causa o sofrimento, apenas o permite (Tiago 1:13). O sofrimento é o resultado de quatro fatores principais: Satanás, o diabo pode ser o responsável (mas não sempre) (Jó 1:7-12; 2:1-6). O sofrimento é o resultado da nossa condição geral de pecador e descendente de Adão, resultando assim na velhice, as doenças e a morte (Romanos 6:23, 5:12). O sofrimento pode ser o resultado de más decisões humanas (da nossa parte ou (possivelmente) de outras pessoas). Devido à nossa pecaminosidade herdada de Adão não tomamos sempre boas decisões(Deuteronômio 32:5; Romanos 7:19). O sofrimento pode ser o resultado do ‘tempo e o imprevisto”, que faz com que a pessoa está no lugar errado no momento errado (Eclesiastes 9:11). O destino não é um ensino bíblico. Não estamos “destinados" para fazer o bem ou o mal. Temos o livre arbítrio dado por Deus, somos nós quem decidimos fazer o “bem" ou o "mal" (Deuteronômio 30:15).

Quem é Satanás, o diabo?

Jesus Cristo descreveu o diabo de forma muito concisa: “Ele foi um assassino quando começou, e não permaneceu na verdade, porque nele não há verdade. Quando ele fala a mentira, está fazendo o que lhe é próprio, porque é um mentiroso e o pai da mentira” (João 8:44). Satanás, o diabo, não é a abstração do mal, mas uma pessoa espiritual real (Mateus 4:1-11). Da mesma forma, os demônios são também anjos que se tornaram rebeldes que seguiram o exemplo do diabo (Gênesis 6:1-3; Judas versículo 6: “E os anjos que não mantiveram sua posição original, mas abandonaram sua própria morada correta, ele reservou, em correntes eternas e em densa escuridão, para o julgamento do grande dia").

Quando está escrito ele "não permaneceu na verdade", isso mostra que Deus criou aquele anjo sem pecado e sem qualquer traço de maldade em seu coração e no início de sua vida, tinha um “bom nome” (Eclesiastes 7:1a). Porém, ele não perseverou em sua integridade, ele cultivou o orgulho em seu coração, e com o tempo ele se tornou “diabo”, que significa caluniador, e Satanás, oponente. Seu antigo e "bom nome" e sua antiga boa reputação, foram substituídos por um nome vergonhoso: Satanás o diabo. Na profecia de Ezequiel (capítulo 28), contra o orgulhoso rei de Tiro, é claramente aludido ao orgulho do anjo que se tornou "diabo" e "Satanás": ​​"Você era o modelo da perfeição, Cheio de sabedoria e perfeito em beleza. Você estava no Éden, jardim de Deus. Estava adornado com todo tipo de pedras preciosas: Rubi, topázio, jaspe, crisólito, ônix, jade, safira, turquesa e esmeralda; E os engastes e suportes delas eram feitos de ouro. Tudo isso foi preparado no dia em que você foi criado. Eu o designei como o querubim protetor, o ungido. Você estava no monte santo de Deus e andava por entre pedras de fogo. Você era íntegro nos seus caminhos desde o dia em que foi criado Até que se achou injustiça em você" (Ezequiel 28:12-15). Por seu ato de injustiça no Éden, ele se tornou um "mentiroso" que causou a morte de todos os descendentes de Adão (Gênesis 3; Romanos 5:12). Atualmente, é Satanás, o diabo, que governa o mundo: “Agora este mundo está sendo julgado; agora será expulso o governante deste mundo” (João 12:31; Efésios 2:2; 1 João 5:19).

Satanás, o diabo, será destruído para sempre: "O Deus que dá paz esmagará em breve a Satanás debaixo dos pés de vocês" (Gênesis 3:15; Romanos 16:20).

Como agradar a deus

"Ele te informou, ó homem terreno, sobre o que é bom. E o que é que Jeová pede de volta de ti senão que exerças a justiça, e ames a benignidade, e andes modestamente com o teu Deus?"

(Miquéias 6:8)

Temos que pensar em nosso comportamento pessoal e no nosso relacionamento com Deus. Quando temos uma amizade, como parte desse relacionamento, prestamos atenção para termos um comportamento que esteja em harmonia com ela. Esta parte do estudo da Bíblia será baseada no comportamento humano que agrada e não agrada a Deus. Depois, no artigo baseado na madureza cristã, veremos como sempre melhorar esse relacionamento muito importante com Jeová Deus e seu Filho Jesus Cristo.

Existem comportamentos que Jeová Deus e seu Filho Jesus Cristo condenam. É importante conhecê-los e fazer gradualmente as mudanças necessárias para agradar a Deus e a seu Filho. A atitude de Jesus Cristo para com os pecadores que viveram nos dias dele, nos ajuda a entender melhor como Jeová Deus, seu Pai, é misericordioso e paciente. Jesus Cristo se esforçou com compaixão para ajudar os pecadores a voltar ao caminho justo de Deus. Tomemos vários exemplos que mostram sua compaixão, sua paciência e sua firmeza.

No Evangelho de Lucas (19:1-10), Jesus Cristo chega a Jericó e há uma grande multidão para recebê-lo. E naquela multidão está um homem de pequeno tamanho, tentando ver aquele famoso Jesus. Então ele sobe numa árvore que está no caminho. Zaqueu é um cobrador de impostos conhecido pela sua desonestidade. Quando Jesus chega à sua altura, levanta a cabeça e diz a Zaqueu, para surpresa de todos, que vem comer em sua casa. O relato acrescenta que as pessoas são chocadas com o fato de Jesus ter ido comer em casa dum homem tão pecador. No final do relato está escrito por que Jesus fez isso. Depois de Zaqueu ter anunciado que se arrependia dos seus pecados e iria reparar concretamente os resultados deles, Jesus diz: "Pois o Filho do homem veio buscar e salvar o que estava perdido" (Lucas 19:10).

O evangelho de Mateus (9:9-13), nos informa que Jesus escolheu Mateus, um cobrador de impostos, como apóstolo para segui-lo. Para sua despedida, é provável que tenha organizado uma refeição com seus agora colegas de trabalho, segundo o que está escrito: “Então, passando mais adiante, Jesus viu um homem chamado Mateus sentado na coletoria de impostos, e disse-lhe: “A seguir, passando dali para diante, Jesus avistou um homem chamado Mateus, sentado na coletoria, e disse-lhe: “Sê meu seguidor.” Em conseqüência disso, este se levantou e o seguiu. Mais tarde, enquanto estava recostado à mesa, na casa, eis que vieram muitos cobradores de impostos e pecadores, e começaram a recostar-se com Jesus e seus discípulos.  Vendo isso, porém, os fariseus começaram a dizer aos discípulos dele: “Por que é que o vosso instrutor come com os cobradores de impostos e os pecadores?” Ouvindo-os, ele disse: “As pessoas com saúde não precisam de médico, mas sim os enfermos. Ide, pois, e aprendei o que significa: ‘Misericórdia quero, e não sacrifício.’ Pois eu não vim chamar os que são justos, mas pecadores.””.

Um último exemplo: O Evangelho de João capítulo 4 nos informa que Jesus estava muito cansado e se sentou perto de um poço para descansar. Uma mulher samaritana se aproximou do poço para tirar água. Jesus iniciou a conversa com ela. Durante aquela conversa espiritual, Jesus disse á mulher que ele era o Cristo, algo que raramente fazia (João 4:26). Então Jesus deu-lhe uma grande honra ao lhe dizer isso. Porém, no versículo 18 desse mesmo capítulo, podemos ler que aquela mulher vivia no pecado, pois estava com um homem sem ser casada (João 4:18). Destes três exemplos, entre outros, vemos que Jesus Cristo não hesitava em estar com pecadores para encorajá-los a seguir o caminho reto de Deus. Com isso em mente, as seguintes recomendações bíblicas foram escritas.

O insulto, o ódio e o assassinato são proibidos

Jesus Cristo proibiu formalmente o ódio, o insulto e o homicídio: “Ouvistes que se disse aos dos tempos antigos: ‘Não deves assassinar; mas quem cometer um assassínio terá de prestar contas ao tribunal de justiça.’ No entanto, digo-vos que todo aquele que continuar furioso com seu irmão terá de prestar contas ao tribunal de justiça; mas, quem se dirigir a seu irmão com uma palavra imprópria de desprezo terá de prestar contas ao Supremo Tribunal; ao passo que quem disser: ‘Tolo desprezível!’, estará sujeito à Geena ardente" (Mateus 5: 21-22).

Jesus Cristo mostrou como evitar esse extremo, tentando ao máximo resolver os conflitos de personalidade: "Se tu, pois, trouxeres a tua dádiva ao altar e ali te lembrares de que o teu irmão tem algo contra ti, deixa a tua dádiva ali na frente do altar e vai; faze primeiro as pazes com o teu irmão, e então, tendo voltado, oferece a tua dádiva" (Mateus 5:23,24).

Também neste mesmo capítulo, Jesus Cristo disse de amar nossos inimigos (Mateus 5:38-48). O verbo "amar", neste contexto, deve ser entendido no sentido de amor atencioso, sem necessariamente ser marcado pelo afeto para com o nosso inimigo. Por exemplo, quando alguém nos insulta ou se comporta mal conosco, o amor baseado nos princípios bíblicos nos impedirá de responder ao insulto com insulto ou ódio com ódio. Desse modo, o círculo vicioso do ódio pelo ódio será quebrado, pelo círculo virtuoso solicitado por Jesus Cristo: quer dizer responder ao ódio do nosso inimigo, pelo autocontrole, pelo amor baseado no decoro, nos bons modos, na boa educação e bom senso (Gálatas 5:22,23 "o fruto do espírito santo"). Talvez essa forma de agir o incentive a mudar de atitude conosco.

Durante sua prisão, que o levaria à morte, Jesus Cristo proibiu o uso de armas, nem mesmo para defendê-lo ou defender sua causa: “Jesus disse-lhe então: “Devolve a espada ao seu lugar, pois todos os que tomarem a espada perecerão pela espada"" (Mateus 26:52). O assassinato e o homicídio são proibidos, tanto por motivos pessoais, quanto por patriotismo religioso ou estatal. Esta declaração de Cristo é um lembrete do que está escrito na profecia de Isaías: "E ele certamente fará julgamento entre as nações e resolverá as questões com respeito a muitos povos. E terão de forjar das suas espadas relhas de arado, e das suas lanças, podadeiras. Não levantará espada nação contra nação, nem aprenderão mais a guerra” (Isaías 2:4).

Deixar de aprender a guerra pressupõe obviamente não praticar esportes de combate nem as artes marciais, mesmo aquelas marcadas pela propaganda religiosa, que consistiria em dizer ser para fins "defensivos". Transformar um corpo humano numa "arma defensiva" pode rapidamente se tornar "numa arma ofensiva" que pode ferir e até matar... Os cristãos não devem se divertir assistindo ou olhando esportes violentos e filmes que exaltam a violência gratuita. Isso é completamente detestável aos olhos de Jeová Deus: "O próprio Jeová examina tanto o justo como o iníquo, E Sua alma certamente odeia a quem ama a violência" (Salmos 11:5).

O roubo e a mentira são proibidos

Quanto ao furto, eis o mandamento bíblico: "O gatuno não furte mais, antes, porém, trabalhe arduamente, fazendo com as mãos bom trabalho, a fim de que tenha algo para distribuir a alguém em necessidade" (Efésios 4:28). E quanto à mentira, está escrito: "Não estejais mentindo uns aos outros. Desnudai-vos da velha personalidade com as suas práticas" (Colossenses 3:9).

É importante entender o ponto de vista de Deus sobre o roubo e a mentira. Quando Adão e Eva pecaram por impulso da tentação do diabo, houve a mentira do diabo e o roubo do fruto que pertencia a Deus, por Adão e Eva (Gênesis capítulo 3). Em relação a este relato bíblico, Jesus Cristo associou a mentira do diabo com o homicídio: “Vós sois de vosso pai, o Diabo, e quereis fazer os desejos de vosso pai. Esse foi um homicida quando começou, e não permaneceu firme na verdade, porque não há nele verdade. Quando fala a mentira, fala segundo a sua própria disposição, porque é um mentiroso e o pai da mentira” (João 8:44). Por meio dessa mentira do diabo, o pecado entrou no mundo por meio da desobediência do primeiro homem, Adão. O resultado foi que a morte se estendeu espiritual e geneticamente a todos os seus descendentes (Romanos 5:12; 6:23). Para esta situação que parecia sem nenhuma esperança para toda a humanidade, era necessário que Jeová Deus, o Pai, consentisse na morte em sacrifício de seu amado Filho, Jesus Cristo (Yehoshuah Mashiah), para salvar a humanidade (João 3:16,36).

Com aquela perspectiva, entendemos melhor, as palavras de Jesus Cristo, quando liga a mentira ao homicídio, no caso do diabo, mas também para os seus filhos terrestres, que procuravam constantemente matá-lo (João 5:18; 7:1). Às vezes, alguns dizem que existem "pequenas" e "grandes" mentiras. O problema é que a "necessidade" e a escala da seriedade das mentiras costumam ser definidas pelos próprios mentirosos. Porém, para voltar à ideia importante, é necessário conhecer o ponto de vista de Deus sobre o assunto por meio dos relatos bíblicos. Uma simples afirmação de Cristo mostra que é um erro estabelecer tal escala de gravidade: “Quem é fiel no mínimo, é também fiel no muito, e quem é injusto no mínimo, é também injusto no muito" (Lucas 16:10). Isso pode ser ilustrado pelo exemplo de Ananias e Safira, sua esposa, que venderam sua propriedade para dar o dinheiro à congregação cristã nos dias dos apóstolos. No entanto, o registro nos informa que eles retiveram parte do dinheiro da venda para si mesmos, enquanto levavam os apóstolos a acreditar que eles haviam dado tudo. O resultado é que Deus os condenou à morte por dizerem tal mentira (Atos 5:1-11). A observação bíblica é simples: mentir pode ter consequências desastrosas não só para as vítimas, mas também para os próprios mentirosos.

O decreto apostólico de Jerusalém

(Atos 15)

Sempre permanecendo no registro da conduta cristã, é apropriado perguntar se os cristãos devem praticar a lei dada a Moisés ou a Torá. O objetivo desta assembleia apostólica, mencionada em Atos 15, era responder à importante questão, se os cristãos estavam então e agora, sob a autoridade da constituição legislativa dada por Deus a Moisés, à nação de Israel há quinze séculos. Todas essas leis dadas no Monte Sinai são chamadas de Torá pelo povo judeu. Embora a Torá também inclua o livro de Gênesis, os Dez Mandamentos e as centenas de outras leis, estão escritos nos livros de Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio. A resposta será em várias partes, apresentadas da maneira mais simples possível, favorecendo a concisão para permitir um bom entendimento. Deve-se primeiro entender que o propósito da Lei; foi o dobro.

1 - A Lei conduziu a Cristo (Gálatas 3: 24,25)

O propósito da Lei dada a Israel era preparar o povo para a vinda do Messias. A Lei ensinou a necessidade de libertação, com resgate, da condição pecaminosa da humanidade (representada pelo povo de Israel): "É por isso que, assim como por meio de um só homem o pecado entrou no mundo, e a morte por meio do pecado, e desse modo a morte se espalhou por toda a humanidade, porque todos haviam pecado . . . Pois o pecado já existia no mundo antes da Lei, mas, quando não há lei, ninguém é acusado de cometer pecados" (Romanos 5:12,13).

A Lei de Deus trouxe à luz a condição pecaminosa de toda a humanidade, representada na época pelo povo de Israel: "O que diremos então? Será que a Lei é pecado? Certamente que não! Na verdade, eu não teria conhecido o pecado se não fosse a Lei. Por exemplo, eu não teria conhecido a cobiça se a Lei não dissesse: “Não cobice.” Mas o pecado, aproveitando-se da oportunidade dada pelo mandamento, produziu em mim todo tipo de cobiça, pois sem lei o pecado estava morto. De fato, antes, sem lei, eu estava vivo. No entanto, ao chegar o mandamento, o pecado voltou a viver, mas eu morri. E o mandamento que era para levar à vida, descobri que levava à morte. Pois o pecado, aproveitando-se da oportunidade dada pelo mandamento, me seduziu e, por meio deste, me matou. Assim, a Lei em si mesma é santa, e o mandamento é santo, justo e bom" (Romanos 7: 7-12).

Portanto, a Lei era um preceptor ou instrutor que levava a Cristo: "A Lei, portanto, tornou-se o nosso tutor, conduzindo a Cristo, para que fôssemos declarados justos por meio da fé. Mas, agora que chegou a fé, não estamos mais debaixo de um tutor" (Gálatas 3: 24,25). A lei perfeita de Deus mostrou a necessidade de sacrifício que leva à redenção do transgressor humano por causa de sua fé (não por obras da lei). Este sacrifício seria o de Cristo: "assim como o Filho do Homem veio, não para ser servido, mas para servir e dar a sua vida como resgate em troca de muitos" (Mateus 20: 28).

2 - A lei é uma sombra profética das boas coisas que estão por vir (Hebreus 10:1)

A lei tem um valor profético que nos permite compreender o pensamento de Deus (por meio de Jesus Cristo) sobre o futuro: “Pois, visto que a Lei tem uma sombra das boas coisas vindouras, mas não a própria substância das coisas" (Hebreus 10: 1; 1 Coríntios 2:16). É Jesus Cristo quem fará essas "coisas boas" se tornarem realidade: "Pois estas coisas são sombra das coisas vindouras, mas a realidade pertence ao Cristo" (Colossenses 2:17). Uma das realidades mais conhecidas da lei em Cristo é a ordem para celebrar a Páscoa em 14 de nisã (do calendário bíblico judaico), que então se tornou a celebração da lembrança da morte sacrificial de Cristo na mesma data (capítulo do Êxodo 12; Lucas 22:14-20).

Duas declarações precisas de Cristo, fazem-nos compreender que a nação de Israel da época, era o modelo ou protótipo da humanidade futura no paraíso terrestre: "Jesus disse-lhes: “Deveras, eu vos digo: Na recriação, quando o Filho do homem se assentar no seu glorioso trono, vós, os que me seguistes, também estareis sentados em doze tronos, julgando as doze tribos de Israel"” (Mateus 19:28). "No entanto, vós sois os que ficastes comigo nas minhas provações; e eu faço convosco um pacto, assim como meu Pai fez comigo um pacto, para um reino, a fim de que comais e bebais à minha mesa, no meu reino, e vos senteis em tronos para julgar as doze tribos de Israel" (Lucas 22:28-30). Os dois textos que mencionam as 12 tribos de Israel representam a humanidade futura no paraíso terrestre, composta pela grande multidão que terá sobrevivido à grande tribulação (Apocalipse 7:9-17) e aos ressuscitados terrestres (João 5:28, 29; Atos 24:15).

Entender esta correspondência entre o valor enigmático das instruções da lei e sua realidade espiritual ou física, permite-nos decifrar o significado das profecias de EzequielZacarias ou do livro do Apocalipse. Por exemplo, na lei, os sacerdotes no templo, deviam queimar incenso, o livro do Apocalipse nos explica que representa as orações dos santos (Apocalipse 5:8; 8:4). Um último exemplo, entre outros, no santo do santuário do templo, havia candelabros. No livro de Apocalipse, os sete candelabros, representam as sete congregações cristãs (Apocalipse 1:12-20). Assim, a lei é a sombra ou a prefiguração profética de realidades que se cumprem em todas as congregações cristãs e que se cumprirão de forma muito mais importante para toda a humanidade no futuro paraíso terrestre, sob a administração do Reino de Deus (Ezequiel 40-48).

As outras ovelhas

"E tenho outras ovelhas, que não são deste aprisco; a estas também tenho de trazer, e elas escutarão a minha voz e se tornarão um só rebanho, um só pastor"

(João 10:16)

Ao lermos cuidadosamente João 10: 1-16, notamos que o tema central é a identificação do Messias como um verdadeiro pastor para seus discípulos, as ovelhas.

Em João 10:1 e João 10:16, está escrito: “Digo-vos em toda a verdade: Quem não entra pela porta no aprisco das ovelhas, mas galga por outro lugar, esse é um ladrão e saqueador. (...) E tenho outras ovelhas, que não são deste aprisco; a estas também tenho de trazer, e elas escutarão a minha voz e se tornarão um só rebanho, um só pastor". Este “aprisco” representa o território onde pregava Jesus Cristo, a Nação de Israel, no contexto da lei mosaica: “A estes doze enviou Jesus, dando-lhes as seguintes ordens: “Não vos desvieis para a estrada das nações, e não entreis em cidade samaritana; mas, ide antes continuamente às ovelhas perdidas da casa de Israel” (Mateus 10:5,6). "Em resposta, ele disse: “Não fui enviado a ninguém senão às ovelhas perdidas da casa de Israel”" (Mateus 15:24). Este aprisco é também a "casa de Israel".

Em João 10:1-6 está escrito que Jesus Cristo se apresentou diante da porta do recinto. Aconteceu na época de seu batismo. O "porteiro" foi João Batista (Mateus 3:13). Ao se batizar Jesus se tornou o Cristo. João Batista abriu a porta para ele e testificou que Jesus é o Cristo e o Cordeiro de Deus: "Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!" (João 1:29-36).

Em João 10:7-15, embora (permanecendo) no mesmo tema messiânico, Jesus Cristo usa outra ilustração ao se designar como a "Porta", o único lugar de acesso da mesma forma que João 14:6: "Jesus disse-lhe: “Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim"”. O tema principal do assunto ainda é Jesus Cristo como Messias. Do versículo 9, da mesma passagem (ele muda a ilustração novamente), ele se designa como o pastor que pasta suas ovelhas, fazendo-as "entrar ou sair" para alimentá-las. O ensino é centrado nele e em como ele cuida de suas ovelhas. Jesus Cristo diz ser o pastor excelente que dará a vida pelos seus discípulos e ama as suas ovelhas (ao contrário do pastor contratado que não arrisca a vida pelas ovelhas que não lhe pertencem). Novamente, o ponto central do ensino de Cristo é Ele mesmo como um pastor que se sacrificará por suas ovelhas (Mateus 20:28).

João 10:16-18: “E tenho outras ovelhas, que não são deste aprisco; a estas também tenho de trazer, e elas escutarão a minha voz e se tornarão um só rebanho, um só pastor. É por isso que o Pai me ama, porque entrego a minha alma, a fim de recebê-la de novo. Ninguém a tirou de mim, mas eu a entrego de minha própria iniciativa. Tenho autoridade para a entregar e tenho autoridade para a receber de novo. O mandamento a respeito disso recebi de meu Pai".

Lendo esses versículos, considerando o contexto dos anteriores, Jesus Cristo anuncia uma ideia revolucionária na época, de que sacrificaria sua vida não só em benefício de seus discípulos judeus (no aprisco), mas também em favor de outros discípulos que não fariam parte deste aprisco de Israel. A prova disso é que a última ordem que ele dá aos seus discípulos, a respeito da pregação, é esta: “Sereis testemunhas de mim tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até à parte mais distante da terra" (Atos 1:8). É precisamente durante o batismo de Cornélio que as palavras de Cristo em João 10:16 começaram a ser realizadas (veja o relato histórico de Atos capítulo 10).

Assim, as "outras ovelhas" de João 10:16 se aplicam aos cristãos não judeus na carne. Em João 10: 16-18 é descrita a unidade na obediência das ovelhas ao Pastor Jesus Cristo. Ele também falou de todos os seus discípulos em seus dias como um "pequeno rebanho": "Não temas, pequeno rebanho, porque vosso Pai aprovou dar-vos o reino" (Lucas 12:32). No Pentecostes de 33 E.C., os discípulos de Cristo eram apenas 120 (Atos 1:15). No restante do relato de Atos, lemos que seu número será de alguns milhares (Atos 2:41 (3.000 almas); Atos 4:4 (5.000)). Seja como for, os novos cristãos, quer no tempo de Cristo, como no dos apóstolos, representavam um "pequeno rebanho" em relação à população geral da nação de Israel e depois com as outras nações da época.

A decisão dos apóstolos

"Por isso, a minha decisão é não afligir a esses das nações, que se voltam para Deus, mas escrever-lhes que se abstenham das coisas poluídas por ídolos, e da fornicação, e do estrangulado, e do sangue. (...) Pois, pareceu bem ao espírito santo e a nós mesmos não vos acrescentar nenhum fardo adicional, exceto as seguintes coisas necessárias: de persistirdes em abster-vos de coisas sacrificadas a ídolos, e de sangue, e de coisas estranguladas, e de fornicação. Se vos guardardes cuidadosamente destas coisas, prosperareis. Boa saúde para vós!"

(Atos 15:19,20,28,29)

Assim, os cristãos não estão mais sob a autoridade da lei mosaica, pois como o apóstolo Paulo escreveu sob inspiração, Cristo é o fim da lei: "Porque Cristo é o fim da Lei, para que todo aquele que exercer fé possa ter justiça" (Romanos 10:4). Portanto, conforme o contexto de Atos 15, os cristãos não estão mais sob o pacto da circuncisão ou outras obrigações legais, como o sábado (Atos 7:8 (circuncisão); Colossenses 2:16 (sábado)). No entanto, é importante repetir este ponto de ensino do Cristianismo, se não estamos mais sob a letra da lei dada a Moisés, estamos sob o espírito simbólico e espiritual ou significado da lei. De modo que se o cristão não está mais sob a obrigação da circuncisão na carne, do sábado ou do dízimo, ele permanece, como no passado, sob a obrigação do significado espiritual dessas leis. O que isso significa concretamente no comportamento do cristão?

A circuncisão espiritual: foi o próprio Moisés quem a definiu: "Agora purifiquem o seu coração e deixem de ser tão obstinados" (Deuteronômio 10: 16, "purifiquem" (circuncidem o prepúcio do seu coração)). A circuncisão na carne significava o que corresponde atualmente a circuncisão espiritual do coração, sendo ele mesmo uma fonte de vida, a obediência a Deus: "Proteja, acima de tudo, o seu coração, pois dele procedem as fontes da vida" (Provérbios 4:23). A incircuncisão espiritual é a desobediência a Deus e a seu Filho Jesus Cristo, como observou o discípulo Estevão: "Homens obstinados e incircuncisos no coração e nos ouvidos, vocês sempre resistem ao espírito santo" (Atos 7:51-53). O coração simbólico sendo o interior espiritual do humano, o prepúcio simbólico, é o elemento impuro a ser retirado, que são os maus motivos, o mau raciocínio: "No entanto, tudo o que sai da boca vem do coração, e essas coisas tornam o homem impuro. Por exemplo, do coração vêm raciocínios maus, assassinatos, adultérios, imoralidade sexual, roubos, falsos testemunhos, blasfêmias. Essas são as coisas que tornam o homem impuro" (Mateus 15: 18-20). Assim, o apóstolo Paulo resume muito bem a questão relativa à circuncisão ou incircuncisão na carne: "Alguém já era circuncidado quando foi chamado? Que não desfaça a circuncisão. Alguém era incircunciso quando foi chamado? Não seja circuncidado. A circuncisão não significa nada, e a incircuncisão não significa nada; o que importa é a obediência aos mandamentos de Deus" (1 Coríntios 7:18,19).

O sábado espiritual: obviamente todo ser humano deve descansar. No entanto, essa necessidade natural não é mais regida pela lei, mas pelo bom senso e pelas conveniências pessoais ou familiares. Como está escrito em Colossenses 2:16, se um cristão deseja guardar um "sábado" ou uma "lua nova", que era outra forma de sábado, ele pode fazê-lo pessoalmente, sem ser julgado. Mas o oposto também é verdadeiro: aquele mesmo cristão não deve julgar aqueles que não fazem como ele, e muito menos não deve impor a uma congregação inteira a obrigação de um sábado semanal que não tenha fundamento cristão. O apóstolo Paulo diz que o sábado espiritual é entrar no descanso de Deus, o que significa a sua aprovação: “Porque o homem que entrou no descanso de Deus descansou também das suas próprias obras, assim como Deus das suas. Façamos, portanto, o máximo para entrar naquele descanso, para que ninguém caia no mesmo exemplo de desobediência” (Hebreus 4:10,11).

O dízimo espiritual: Não há registro nos Atos dos Apóstolos e nas cartas inspiradas, mostrando a obrigação de um dízimo para os cristãos. É uma questão de recolher dinheiro para ajudar outros irmãos e irmãs cristãos que estavam visivelmente em grande dificuldade material. "Agora, quanto à coleta que é para os santos, assim como dei ordens às congregações da Galácia, fazei do mesmo modo também vós. Todo primeiro dia da semana, cada um de vós, na sua própria casa, ponha algo de lado, em reserva, conforme tiver prosperado, para que, quando eu chegar, não se façam então as coletas" (1 Coríntios 16:1,2). É óbvio que aquela coleta de dinheiro foi feita com base em doações voluntárias e sem obrigação imposta por ninguém. Fica claro que todo cristão consciencioso deve contribuir para os custos financeiros da congregação, mas isso deve permanecer um ato voluntário. Portanto, o dízimo espiritual está mais relacionado ao desejo de dar o melhor a Deus, ainda está relacionado a um coração generoso (Malaquias 3:10).

Jesus Cristo disse sobre uma viúva que havia dado muito pouco dinheiro: “Porque todos estes lançaram neles dádivas do que lhes sobrava, mas esta [mulher], de sua carência, lançou [neles] todo o seu meio de vida” (Lucas 21:1-4). Outra mulher que deu um "vaso de alabastro cheio de óleo perfumado" com um valor estimado de 300 denários, um ano de salário, Jesus Cristo disse: "Ela fez o que pôde" (Marcos 14:3-9). Esta é a definição do dízimo espiritual: "fazer o que podemos" por Deus e Seu Filho Jesus Cristo e nosso próximo.

Toda a Escritura é inspirada por Deus e proveitosa para ensinar

(2 Timóteo 3:16,17)

Os três exemplos acima demonstram ser necessário ler a lei dada a Moisés (Em Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio) (a Torá), de modo a compreender as instruções simples e gerais dos apóstolos na conclusão do concílio de Jerusalém. Além disso, o apóstolo Paulo, um verdadeiro conhecedor da lei dada a Moisés, escreveu que todos os escritos (bíblicos) são úteis para nos ensinar: "Toda a Escritura é inspirada por Deus e proveitosa para ensinar, para repreender, para endireitar as coisas, para disciplinar em justiça, a fim de que o homem de Deus seja plenamente competente, completamente equipado para toda boa obra” (2 Timóteo 3:16,17). As instruções dos apóstolos são de três categorias principais que serão explicadas com relação ao que está escrito na lei dada a Moisés:

1 - A adoração exclusiva a Deus, principalmente no que é proibido: “abstenham das coisas poluídas por ídolos”.

2 - O valor sagrado da vida e do sangue, que na lei dada a Moisés, estava intimamente associado a adoração a Deus, no seu valor propiciatório. A instrução apostólica diz que não se deve comer sangue e de não comer carne que não seja sangrada de maneira adequada: “abstenham de sangue, e de coisas estranguladas”.

3 - Ser santo diante de Deus, pelo seu comportamento, principalmente no aspecto da moralidade: “Abstenham-se da fornicação”.

A adoração exclusiva a Jeová Deus

Foi Jesus Cristo (Yehoshuah Mashiah) quem disse que devemos adorar seu Pai Jeová Deus (Yehowah Elohim): "É a Jeová, teu Deus, que tens de adorar e é somente a ele que tens de prestar serviço sagrado" (Mateus 4:10). É simplesmente um lembrete do primeiro dos dez mandamentos: "Eu sou Jeová, teu Deus, que te fiz sair da terra do Egito, da casa dos escravos. Não deves ter quaisquer outros deuses em oposição à minha pessoa" ( Êxodo 20:2,3).

Foi Jesus Cristo (Yehoshuah Mashiah) que disse que devemos adorar seu Pai Jeová Deus (Yehowah Elohim), sem uma imagem esculpida ou objeto de adoração, como cruzes, imagens, estátuas e medalhas, à efígie de Cristo ou da Virgem Maria e outros "santos" ou outros deuses pagãos: "Não obstante, vem a hora, e agora é, quando os verdadeiros adoradores adorarão o Pai com espírito e verdade, pois, deveras, o Pai está procurando a tais para o adorarem. Deus é Espírito, e os que o adoram têm de adorá-lo com espírito e verdade” (João 4:23,24). Ele apenas lembrou a segunda parte do primeiro mandamento, que condena a idolatria em todas as suas formas: "Não deves fazer para ti imagem esculpida, nem semelhança de algo que há nos céus em cima, ou do que há na terra embaixo, ou do que há nas águas abaixo da terra. Não te deves curvar diante delas, nem ser induzido a servi-las, porque eu, Jeová, teu Deus, sou um Deus que exige devoção exclusiva" (Êxodo 20:4,5).

É novamente Jesus Cristo (Yehoshuah Mashiah), que falou de "verdadeiros adoradores", o que supõe que para estar nesta categoria de "verdadeiros" adoradores devemos adorar seu Pai, Jeová Deus (Yehowah Elohim) de acordo com a "verdade" escrita na Bíblia (João 17:17).

Como podemos entender a expressão "as coisas poluídas por ídolos" em nossos dias modernos? São "coisas" em relação com práticas religiosas contrárias à Bíblia, como, por exemplo a celebração de festas com raízes pagãs, como o Natal, o Ano Novo, a Páscoa (não confundir com a Páscoa judaica), Halloween, o Dia dos Santos (para falar apenas dos mais celebrados no mundo ocidental). A lista dessas festas pagãs não é completa.

Práticas religiosas que a Bíblia condena: “Não se ponham em jugo desigual com descrentes. Pois que afinidade a justiça tem com o que é contra a lei? Ou o que a luz tem em comum com a escuridão? Além disso, que harmonia há entre Cristo e Belial? Ou o que o crente tem em comum com o descrente? E que acordo há entre o templo de Deus e os ídolos? Pois nós somos templo de um Deus vivente, como Deus disse: “Residirei entre eles e andarei entre eles, e eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo.” “‘Portanto, saiam do meio deles e separem-se’, diz Jeová, ‘e parem de tocar em coisa impura’”; “‘e eu os acolherei’”. “‘E eu me tornarei pai para vocês, e vocês se tornarão filhos e filhas para mim’, diz Jeová, o Todo-Poderoso.”” (2 Coríntios 6:14-18).

Podem ser rituais religiosos antes do abate ou do consumo de uma carne. Obviamente, como escreveu o apóstolo Paulo sob inspiração, o cristão deve exercer o bom senso e o discernimento, sem comprometer ao mesmo tempo a sua consciência: “Comam de tudo o que se vende no açougue, sem fazer perguntas por causa da sua consciência, pois “a Jeová pertence a terra e tudo o que nela há”. Se algum descrente os convidar para uma refeição, e vocês quiserem ir, comam de tudo o que se puser diante de vocês, sem fazer perguntas por causa da sua consciência. Mas, se alguém lhes disser: “Isso é algo oferecido em sacrifício”, não comam, por causa daquele que lhes disse isso e por causa da consciência. Não me refiro à sua própria consciência, mas à da outra pessoa. Pois, por que a minha liberdade deveria ser julgada pela consciência de outro? Se eu dou graças quando participo de uma refeição, por que serei criticado por causa daquilo pelo qual dou graças?” (1 Coríntios 10:25-30).

O apóstolo Paulo recordou a segunda parte do primeiro mandamento: "Portanto, meus amados, fugi da idolatria" (1 Coríntios 10,14). “Ahora bien, las obras de la carne son manifiestas, y son: fornicación, inmundicia, conducta relajada, idolatría, práctica de espiritismo” (Gálatas 5:19-21). Parar de praticar a idolatria significa destruir ou se livrar de qualquer objeto ou imagem em conexão com alguma forma de adoração idólatra, cruzes, estátuas para fins religiosos (Mateus 7:13-23). O cristão não deve praticar o espiritismo em suas várias formas, a adivinhação, a magia, a astrologia... E destruir todos os objetos relacionados ao ocultismo (Atos 19:19,20).

O valor sagrado da vida e do sangue

O decreto apostólico em Atos 15 repete a firme decisão de Jeová Deus a respeito da vida e do sangue humanos. Na lei dada a Moisés, Deus proíbe formalmente o consumo de sangue e o assassinato. Desde a era pós-diluviana, cerca de 800 anos antes da Lei Mosaica, essas proibições formais de consumir sangue e o assassinato, foram repetidas: "Todo animal movente que está vivo pode servir-vos de alimento. Como no caso da vegetação verde, deveras vos dou tudo. Somente a carne com a sua alma — seu sangue — não deveis comer. E, além disso, exigirei de volta vosso sangue das vossas almas. Da mão de cada criatura vivente o exigirei de volta; e da mão do homem, da mão de cada um que é seu irmão exigirei de volta a alma do homem. Quem derramar o sangue do homem, pelo homem será derramado o seu próprio sangue, pois à imagem de Deus fez ele o homem" (Gênesis 9:3-6). Aquela lei sobre a vida e o sangue humanos foi feita durante o pacto entre Jeová Deus e Noé e sua família, representando a nova humanidade após o dilúvio universal. Portanto, a lei sobre a vida e o sangue diz respeito a todas as nações.

O mandamento foi repetido sob a lei mosaica: “Quanto a qualquer homem da casa de Israel ou algum residente forasteiro que reside no vosso meio, que comer qualquer espécie de sangue, eu certamente porei minha face contra a alma que comer o sangue, e deveras o deceparei dentre seu povo” (Levítico 17:10). Depois de repetir esta proibição, desta vez Jeová explicou por que Ele absolutamente não queria que o sangue fosse consumido: "Pois a alma da carne está no sangue, e eu mesmo o pus para vós sobre o altar para fazer expiação pelas vossas almas, porque é o sangue que faz expiação pela alma nele. Foi por isso que eu disse aos filhos de Israel: “Nenhuma alma vossa deve comer sangue e nenhum residente forasteiro que reside no vosso meio deve comer sangue” (Levítico 17:11,12). O sangue tem um valor expiatório e só poderia ser usado para os sacrifícios (de animais limpos) que simbolizavam a restituição da vida a Deus, naquele momento, no altar de sacrifícios. Aquela restituição de vida era simbolizada pelo derramamento de sangue na terra, de um animal cuja carne ia ser consumida: “Somente não deveis comer o sangue. Deves derramá-lo na terra como água” (Deuteronômio 12:16).

A lei mosaica tinha um procedimento legislativo para o vingador do sangue, para mostrar que, aos olhos de Deus, tanto o homicídio voluntário que o homicídio involuntário representava um ato muito sério. Em primeiro lugar, deve ser especificado que não estamos mais, como cristãos, sob este procedimento legal porque Cristo é o fim da lei (Romanos 10:4). É proibido aos cristãos aplicar este processo judicial de vingança porque agora cabe exclusivamente a Deus aplicá-lo. No entanto, essas disposições legais nos permitem entender melhor o pensamento de Deus a respeito do valor sagrado da vida e do sangue (1 Coríntios 2:16).

Para Deus, o homicídio voluntário e involuntário é um ato de grande gravidade. Na antiga lei mosaica, havia a lei do vingador do sangue. Naturalmente, não estamos mais, como cristãos, sob a autoridade desse conjunto de leis. No entanto, podemos aprender com o modo de pensar de Deus sobre o valor sagrado da vida humana: "Escolham cidades convenientes para lhes servir como cidades de refúgio, para onde deve fugir o homicida que matar alguém sem querer. Essas cidades servirão de refúgio para vocês contra o vingador do sangue, para que o homicida não morra antes de comparecer perante a assembleia para julgamento. As seis cidades de refúgio que vocês providenciarão servirão para isso. Vocês providenciarão três cidades deste lado do Jordão e três cidades na terra de Canaã para servir como cidades de refúgio. Essas seis cidades servirão de refúgio para os israelitas, para o residente estrangeiro e para o colono entre eles, a fim de que aquele que matar alguém sem querer fuja para lá" (Números 35:11-15).

Versículos 16-29, está escrito sobre as disposições que permitiam ao homicídio encontrar proteção nessas cidades de refúgio. Nos versículos 22 a 25, está escrito que um tribunal decidiria se era um homicídio voluntário ou não. No caso de homicídio involuntário, se o permitia ficar na cidade de refúgio para se proteger do vingador de sangue até a morte do sumo sacerdote. Mesmo que essa disposição fosse misericordiosa, era muito severa, porque de fato, era, por assim dizer, em prisão domiciliar (cidade de refúgio), talvez até o fim de sua vida, porque ele tinha que esperar pela morte do sumo sacerdote. No caso de um assassino, o vingador de sangue, o parente mais próximo da vítima, poderia matá-lo sem incorrer em uma culpa de sangue diante de Deus (versículo 19-21).

Como cristãos, não estamos mais sob esse procedimento legal porque Cristo é o fim da Lei (Romanos 10:4). No entanto, essas disposições legais nos permitem entender melhor o pensamento de Deus sobre o valor sagrado da vida e do sangue humano (1 Coríntios 2:16). O cristão não pode mais se vingar, principalmente usando a violência: "Não retribuam a ninguém mal com mal. Preocupem-se com o que é bom aos olhos de todas as pessoas. Se possível, no que depender de vocês, sejam pacíficos com todos. Não se vinguem, amados, mas deem lugar à ira; pois está escrito: “‘A vingança é minha; eu retribuirei’, diz Jeová.” Mas, “se o seu inimigo estiver com fome, dê-lhe algo para comer; se ele estiver com sede, dê-lhe algo para beber; pois, fazendo isso, você amontoará brasas vivas sobre a cabeça dele”. Não se deixe vencer pelo mal, mas continue vencendo o mal com o bem" (Romanos 12:17-21).

Visto que Jeová Deus associa intimamente o valor sagrado do sangue com a dimensão sagrada da vida humana, proibindo o homicídio, portanto, Deus proíbe o derramamento de sangue em nome da Pátria e em seu Nome: “Jesus disse-lhe então: “Devolve a espada ao seu lugar, pois todos os que tomarem a espada perecerão pela espada"” (Mateus 26:52). “Então lhes disse ele: “Portanto, pagai de volta a César as coisas de César, mas a Deus as coisas de Deus” (Mateus 22:21).

"Ele fará julgamento entre as nações E resolverá as questões referentes a muitos povos. Eles transformarão as suas espadas em arados, E as suas lanças em podadeiras. Nação não levantará espada contra nação, Nem aprenderão mais a guerra" (Isaías 2:4). Obviamente, não aprender mais a guerra significa não praticar a la vez, esportes de combate ou artes marciais, mesmo com propaganda religiosa, o que seria dizer que é para um propósito "defensivo". Transformar um corpo humano em uma "arma defensiva" pode rapidamente se tornar em "uma arma ofensiva" que poderia machucar e até matar... Os cristãos não devem se deliciar com espetáculos ou filmes violentos que exaltam a violência gratuita. Isso é completamente detestável para Jeová Deus: "Jeová examina tanto os justos como os maus, Ele odeia quem ama a violência" (Salmos 11:5).

Jeová Deus proíbe a vingança de sangue, pois doravante esta vingança, se for para ser exercida, pertence a Ele: "E clamaram em alta voz, dizendo: "E gritaram com voz alta, dizendo: “Até quando, Soberano Senhor, santo e verdadeiro, abster-te-ás de julgar e vingar o nosso sangue dos que moram na terra?”" (Apocalipse 6:10). “Não vos vingueis, amados, mas cedei lugar ao furor; pois está escrito: “A vingança é minha; eu pagarei de volta, diz Jeová"” (Romanos 12:19). Deus exercerá a vingança do sangue inocente na grande tribulação por meio do Rei Jesus Cristo (Apocalipse 19:11-21).

O corpo humano é um templo espiritual

O apóstolo Paulo e também o apóstolo Pedro enfatizaram que, em nível individual, o corpo humano representa um templo espiritual para adorar a Deus: "Vocês não sabem que são templo de Deus e que o espírito de Deus mora em vocês? Se alguém destruir o templo de Deus, Deus o destruirá; pois o templo de Deus é santo, e vocês são esse templo" (1 Coríntios 3:16,17). "Mas, enquanto estou nesta tenda, acho certo despertá-los por meio de lembretes, sabendo que em breve minha tenda será removida, como o nosso Senhor Jesus Cristo deixou claro para mim" (2 Pedro 1:13,14).

É proibido colocar a vida em perigo desnecessariamente e a dos outros. O cristão deve abster-se de praticar esportes perigosos, que podem causar ferimentos, até a morte do imprudente e a de outros (por exemplo, a vida dos socorristas que viriam ajudá-lo), o que constituiria uma culpa de sangue aos olhos de Deus: "A pessoa prudente vê o perigo e se esconde, mas os inexperientes vão em frente e sofrem as consequências" (Provérbios 27:12).

Pode-se acrescentar que uma atitude descuidada, como dirigir um veículo perigosamente, que não só poderia nos colocar em perigo, mas também pôr em risco a vida de outras pessoas, mesmo que involuntariamente, causar feridas mortais, o que poderia constituir uma culpa de sangue aos olhos de Deus: "Se você construir uma casa nova, também deve fazer um parapeito para o seu terraço, a fim de que a culpa de sangue não recaia sobre os da sua casa, se alguém cair dele" (Deuteronômio 22: 8; Êxodo 21:29). Mesmo que não estejamos mais sob a lei mosaica, portanto não possamos aplicar tal sentença, essa lei mostra o ponto de vista de Deus sobre a negligência assassina…

Na introdução, vimos que o corpo humano é um templo que temos de cuidar (1 Coríntios 3:16, 2 Pedro 1:13,14, Romanos 12:1). Portanto, o suicídio é proibido. Além disso, todas as formas de uso de drogas que destroem o corpo e seu funcionamento, e que causa uma dependência física, são proibidos. A Bíblia condena o excesso de álcool e não o seu consumo moderado. Ela também condena os excessos de mesa: "Não esteja entre os que bebem muito vinho, Entre os que se empanturram de carne" (Provérbios 23:20 a condenação do excesso; 1 Timóteo 5:23: a moderação no consumo de vinho).

O aborto é um homicídio contra o feto e a criança por nascer

O aborto voluntário de um embrião ou feto é estritamente proibido. De acordo com o que está escrito na Bíblia, a criança a nascer, no útero, tem sua própria individualidade, desde a concepção, seja na forma de embrião ou feto: "Teus olhos até mesmo me viram quando eu era um embrião; Todas as partes dele estavam escritas no teu livro Com respeito aos dias em que foram formadas, Antes de existir qualquer uma delas" (Salmo 139:16). A tradução usada da Bíblia, é a "Tradução do Novo Mundo (TMN)", usa a palavra "embrião". A comparação com outras traduções confirmam a precisão desta palavra. A "Bíblia Interlinear Hebraica" (OT), baseada no Westminster Codex Leningrad Codex com vogais, a traduz como "embrião". Outras traduções usam a expressão mais literal de "substância incompleta", de acordo com KJV e "substância não formada", de acordo com a YLT, o que confirma a exatidão da palavra "embrião". Não há dúvida de que o texto hebraico descreve o bebê por nascer, desde sua concepção, sendo, nesta altura, um "embrião".

Aqui está o que lemos na Lei mosaica, a respeito de agressão, até acidental, de uma mulher grávida: "Se homens brigarem e ferirem uma mulher grávida, e ela der à luz prematuramente, mas não houver um acidente fatal, aquele que causou o acidente pagará a indenização imposta pelo marido da mulher; ele a pagará por meio dos juízes. Mas, se houver um acidente fatal, se dará vida por vida" (Êxodo 21:22,23). Esta lei não fixa um número mínimo de semanas de gestação. Considera que tal acidente, em caso de aborto, é um homicídio comprovado contra a criança. O uso de pílulas para aborto é um ato de aborto voluntário. A Bíblia não proíbe o controle de natalidade, decidido pelo casal (não devem provocar um aborto).

O cristão respeita o valor expiatório do sangue

O cristão deve comer apenas a carne de um animal devidamente sangrado. Ele não deve comer a carne de um animal estrangulado cujo sangue permaneceu em seu corpo. Ele não deve comer morcela, estufado de carne marinada em sangue (civet), alimentos industriais que contêm sangue, como plasma.

Segundo o decreto apostólico, a proibição do consumo de sangue foi repetida (Atos 15:19,20,28,29). Este decreto se aplica diretamente à proibição de alimentos com sangue e também ao uso terapêutico do sangue: como transfusão de sangue ou transfusão de plasma, plaquetas, glóbulos vermelhos e brancos. Existem alternativas médicas à transfusão? Sim. No entanto, esses produtos devem estar disponíveis na parte do mundo em que vive. Para isso, deve conversar com seu médico, cirurgião ou anestesista, que pode ajudá-lo dessa maneira. Você pode obter ajuda de um cristão maduro na congregação, que pode fornecer informações sobre substitutos para transfusão de sangue disponível onde mora. Ele pode ajudá-lo a se preparar para a entrevista com o anestesista que deve estar envolvido na cirurgia. Se o anestesista ou cirurgião se recusar a operar sem uma transfusão de sangue, o cristão maduro poderá informar ou dar um nome de um cirurgião, anestesista ou hospital que aceitaria operar sem transfusão de sangue.

Deus perdoa ao arrependimento sincero

A história do rei Manassés, que derramou muito sangue, é uma demonstração de até que ponto a misericórdia de Jeová pode ser aplicada ao arrependimento sincero. Na narrativa bíblica, está escrito sobre as más ações do rei Manassés: "Manassés também derramou muito sangue inocente, até encher Jerusalém de uma extremidade à outra. Além disso, ele cometeu o pecado de levar Judá a pecar e fazer o que era mau aos olhos de Jeová" (2 Reis 21:16). Por causa de suas más ações, Deus o puniu: "Jeová falava a Manassés e ao seu povo, mas eles não prestavam atenção. Assim, Jeová fez vir contra eles os chefes do exército do rei da Assíria; eles capturaram Manassés com ganchos, prenderam-no com duas correntes de cobre e o levaram a Babilônia" (2 Crônicas 33:10,11). No entanto, por mais incrível que seja, esse rei acabou se arrependendo sinceramente de suas más ações e obtendo a misericórdia de Jeová: "Na sua aflição, ele implorou o favor de Jeová, seu Deus, e se humilhou profundamente diante do Deus dos seus antepassados. Manassés orava a Ele, e Ele se comoveu com as suas súplicas e o seu pedido de favor, e o trouxe de volta para Jerusalém, para o seu reinado. Então Manassés reconheceu que Jeová é o verdadeiro Deus" (2 Crônicas 33:12,13). Qual é a razão para este exemplo bíblico?

Muitos homens e mulheres cometeram erros irreversíveis, como matar muitos humanos (no contexto de conflito) ou participar de abortos, às vezes até tarde. Muitos deles pensam que é impossível que Deus os perdoe. Acrescente a isso um profundo sentimento de remorso e indignidade. A Bíblia descreve à imensa misericórdia de Jeová: "Venham, pois, e resolvamos as questões entre nós”, diz Jeová. “Embora os seus pecados sejam como escarlate, Serão tornados brancos como a neve; Embora sejam vermelhos como pano carmesim, Se tornarão como a lã" (Isaías 1:18). Este versículo é especialmente dirigido àqueles homens e mulheres que se arrependem sinceramente diante de Deus, pedindo perdão: Deus perdoa o arrependimento sincero com base no precioso sangue de Jesus Cristo: "Meus filhinhos, eu lhes escrevo estas coisas para que vocês não cometam pecado. Contudo, se alguém cometer um pecado, temos um ajudador junto ao Pai: Jesus Cristo, um justo. E ele é um sacrifício propiciatório pelos nossos pecados; contudo, não apenas pelos nossos, mas também pelos do mundo inteiro" (1 João 2: 1,2). Além disso, Jeová Deus ressuscitará os milhões de mortos vítimas de muitos genocídios (João 5:28,29). O que é irreversível para o homem não é para Deus (Mateus 19:26 "para Deus todas as coisas são possíveis").

É possível que, mesmo que a misericórdia de Deus se aplique ao arrependimento sincero, um sentimento de remorso e indignidade continue a assediá-los. No entanto, eles devem saber que Deus é maior que corações: "Por meio disso saberemos que nos originamos da verdade e tranquilizaremos o nosso coração diante dele sempre que o nosso coração nos condenar, porque Deus é maior do que o nosso coração e sabe todas as coisas. Amados, se o nosso coração não nos condena, temos confiança ao falar com Deus, e tudo o que pedimos recebemos dele, porque estamos obedecendo aos seus mandamentos e fazendo o que é agradável aos seus olhos" (1 João 3:19-22).

"Alegra-te com a esposa da tua mocidade"

(Provérbios 5:18)

Jeová Deus criou o homem e a mulher com a capacidade de procriar a vida, através da sexualidade, como parte do pacto matrimonial feito por Deus entre um homem e uma mulher, selado diante de Deus e dos homens: "E Deus passou a criar o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou; macho e fêmea os criou. Ademais, Deus os abençoou e Deus lhes disse: “Sede fecundos e tornai-vos muitos, e enchei a terra, e sujeitai-a, e tende em sujeição os peixes do mar, e as criaturas voadoras dos céus, e toda criatura vivente que se move na terra”” (Gênesis 1:27,28). Quando Deus uniu o primeiro casal, Adão e Eva, pedindo-lhes que tivessem filhos, eles tiveram que fazer sexo. Assim, o fruto proibido, mencionado em Gênesis 2:17, não representava as relações sexuais devidamente autorizadas por Deus, no âmbito do casamento entre o homem e a mulher.

A Bíblia descreve a sexualidade com muita franqueza e delicadeza. Descreve a primeira fase da sedução entre um homem e uma mulher. Por exemplo, quando Deus apresentou Eva a seu marido Adão, diante de tanta beleza, ele pronunciou um poema para defini-la: “O homem disse então: “Esta, por fim, é osso dos meus ossos E carne da minha carne. Esta será chamada Mulher, Porque do homem foi esta tomada"” (Gênesis 2:23). Os versículos 24 e 25 descrevem a lei do casamento entre um homem e uma mulher como um relacionamento sagrado, e o mais íntimo na relação humana: “Por isso é que o homem deixará seu pai e sua mãe, e tem de se apegar à sua esposa, e eles têm de tornar-se uma só carne. E ambos continuavam nus, o homem e a sua esposa, contudo, não se envergonhavam” (Gênesis 2:24,25).

O livro do Cântico de Salomão descreve o amor preliminar, antes do casamento, entre um jovem pastor apaixonado pela Sulamita, em simultâneo, ela, apaixonada por ele. Esse amor preliminar pode ser selado por um noivado que representa uma promessa de casamento, mas que não permite as relações sexuais. Aqui está parte do diálogo poético e romântico entre a Sulamita e seu noivo pastor: “Sou uma moça preta, mas linda, ó filhas de Jerusalém, como as tendas de Quedar, contudo, como os panos de tenda de Salomão. Não olheis para mim, porque sou trigueira, pois o sol me avistou. Os filhos de minha própria mãe zangaram-se comigo; designaram-me guardiã dos vinhedos, embora eu não guardasse o meu vinhedo, aquele que era meu. “Conta-me, ó tu a quem a minha alma tem amado, onde pastoreias, onde fazes o rebanho deitar-se ao meio-dia. Por que é que eu me devia tornar igual a uma mulher que se cobre de luto, entre as greis dos teus associados?” “Se tu mesma não sabes, ó mais bela entre as mulheres, sai tu mesma nas pegadas do rebanho e apascenta tuas cabritinhas junto aos tabernáculos dos pastores.” “Comparei-te a uma égua minha nos carros de Faraó, ó companheira minha. Lindas são as tuas faces entre as tranças de cabelo, teu pescoço num colar de contas. Nós te faremos argolinhas de ouro, junto com botõezinhos de prata.” “Enquanto o rei está à sua mesa redonda, meu próprio nardo está dando a sua fragrância. Como bolsa de mirra é para mim o meu querido; passará a noite entre os meus peitos. Como cacho de hena é para mim o meu querido, entre os vinhedos de En-Gedi.” “Eis que és bela, ó companheira minha! Eis que és bela! Teus olhos são [os das] pombas.”  “Eis que és belo, meu querido, também agradável. Também, o nosso divã é de folhagem. As vigas de nossa grandiosa casa são cedros, nossos caibros são juníperos” (Cânticos de Salomão 1:5-17).

O Cântico de Salomão é uma excelente descrição desse amor preliminar que mergulha o homem e a mulher numa forma de êxtase que eles não podem imaginar que não seja eterno. Obviamente esta relação evolui, solidifica-se com o noivado, por uma maior cumplicidade, uma amizade, que desejam, pela força do amor mútuo, concretizar-se através do pacto permanente do matrimônio.

Uma vez casados, Jeová Deus, o Criador do casamento, permite que se alegrem mutuamente: “Bebe água da tua própria cisterna e filetes de água do meio do teu próprio poço. Porventura se deviam espalhar teus mananciais portas afora, tuas correntes de água nas próprias praças públicas? Que mostrem ser somente para ti e não para os estranhos contigo. Mostre-se abençoada a tua fonte de água e alegra-te com a esposa da tua mocidade, gama amável e encantadora cabra-montesa. Inebriem-te os seus próprios seios todo o tempo. Que te extasies constantemente com o seu amor” (Provérbios 5:15-19).

O apóstolo Paulo, exortou os casais que desejam proteger o seu casamento, a não se privarem desta intimidade, sempre de comum acordo: “E tenha cada mulher o seu próprio marido.  O marido renda à esposa o que lhe é devido; mas, faça a esposa também o mesmo para com o marido. A esposa não exerce autoridade sobre o seu próprio corpo, mas sim o seu marido; do mesmo modo, também, o marido não exerce autoridade sobre o seu próprio corpo, mas sim a sua esposa. Não vos priveis um ao outro [disso], exceto por consentimento mútuo, por um tempo designado, para que possais devotar tempo à oração e possais ajuntar-vos novamente, a fim de que Satanás não vos tente pela vossa falta de comedimento” (1 Coríntios 7:2-5). Este texto mostra que a sexualidade dentro de um casal, imbuída de amor, compreensão, comunicação, pode revelar-se fonte de proteção quanto à permanência do pacto matrimonial (particularmente para aquele ou aquela que falte de autodomínio).

No entanto, é óbvio que a sexualidade é apenas um condimento de toda a relação do homem e da mulher. Ainda assim, o apóstolo Paulo resumiu o que esse relacionamento geral equilibrado entre um homem e uma mulher deve ser no casamento: “Estai sujeitos uns aos outros, no temor de Cristo. As esposas estejam sujeitas aos seus maridos como ao Senhor, porque o marido é cabeça de sua esposa, assim como também o Cristo é cabeça da congregação, sendo ele salvador deste corpo. De fato, assim como a congregação está sujeita ao Cristo, também as esposas estejam sujeitas aos seus maridos, em tudo. Maridos, continuai a amar as vossas esposas, assim como também o Cristo amou a congregação e se entregou por ela, para que a santificasse, purificando-a com o banho de água por meio da palavra, a fim de que apresentasse a congregação a si mesmo em todo o seu esplendor, não tendo nem mancha nem ruga, nem qualquer dessas coisas, mas para que fosse santa e sem mácula. Deste modo, os maridos devem estar amando as suas esposas como aos seus próprios corpos. Quem ama a sua esposa, ama a si próprio, pois nenhum homem jamais odiou a sua própria carne; mas ele a alimenta e acalenta, assim como também o Cristo faz com a congregação, porque somos membros de seu corpo. “Por esta razão deixará o homem seu pai e [sua] mãe e se apegará à sua esposa, e os dois se tornarão uma só carne.” É grande este segredo sagrado. Agora estou falando com respeito a Cristo e à congregação. Não obstante, também cada um de vós, individualmente, ame a sua esposa como a si próprio; por outro lado, a esposa deve ter profundo respeito pelo seu marido” (Efésios 5:21-33).

Honrar do nosso pai e da nossa mãe e cuidar da nossa família

“Filhos, sede obedientes aos vossos pais em união com o Senhor, pois isto é justo: “Honra a teu pai e a tua mãe”, que é o primeiro mandado com promessa: “Para que te vá bem e perdures por longo tempo na terra.” E vós, pais, não estejais irritando os vossos filhos, mas prossegui em criá-los na disciplina e na regulação mental de Jeová" (Efésios 6:1-4).

O que Jesus Cristo pensa sobre divórcio e novo casamento

(Mateus 19:3-9)

"E vieram ter com ele fariseus, decididos a tentá-lo, e disseram: “É lícito que um homem se divorcie de sua esposa por qualquer motivo?” Em resposta, ele disse: “Não lestes que aquele que os criou desde [o] princípio os fez macho e fêmea, e disse: ‘Por esta razão deixará o homem seu pai e sua mãe, e se apegará à sua esposa, e os dois serão uma só carne’? De modo que não são mais dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus pôs sob o mesmo jugo, não o separe o homem.” Disseram-lhe: “Então, por que prescreveu Moisés que se desse um certificado de repúdio e que ela fosse divorciada?” Ele lhes disse: “Moisés, por causa da dureza dos vossos corações, vos fez a concessão de vos divorciardes de vossas esposas, mas este não foi o caso desde o princípio. Eu vos digo que todo aquele que se divorciar de sua esposa, exceto em razão de fornicação, e se casar com outra, comete adultério”" (Mateus 19:3-9).

Assim, o divórcio e o novo casamento, só são permitidos com base de fornicação, ou seja, práticas sexuais que a Bíblia condena, como o adultério, a homossexualidade e outras práticas sexuais perversas. O que rompe os laços do casamento são a morte do cônjuge e a fornicação, geralmente o adultério. É claro que, em casos de adultério, o divórcio não é automático. O cônjuge ofendido pode perdoar. Neste caso, com mútuo acordo, a vida conjugal pode continuar. Nessa situação, o cônjuge anteriormente ofendido não poderá reconsiderar biblicamente sua decisão (se assim for (quando não houver outra constatação de adultério), não poderia se casar novamente). No caso duma reincidência com a constatação de adultério, e desta vez o cônjuge ofendido não perdoara, ele pode se divorciar e se casar novamente. Para aqueles que fariam o cálculo perverso de recorrer ao adultério, ou a manipulação para expor seu cônjuge ao adultério, usando a expressão de Cristo (pela greve sexual sem qualquer motivo, a fim de expor ao adultério, o cônjuge em necessidade), a fim de romper os vínculos sagrados do matrimônio, contando então com a misericórdia de Deus para ser perdoado, errariam: "O matrimônio seja honroso entre todos e o leito conjugal imaculado, porque Deus julgará os fornicadores e os adúlteros" (Hebreus 13:4).

“Que se abstenham da fornicação”

(Atos 15)

A fornicação inclui o adultério, as relações sexuais fora do casamento (homem/mulher), o homossexualismo masculino e feminino, a zoofilia e todas as formas de práticas sexuais perversas: “Ou será que vocês não sabem que os injustos não herdarão o Reino de Deus? Não se enganem. Os que praticam imoralidade sexual, os idólatras, os adúlteros, os homens que se submetem a atos homossexuais, os homens que praticam o homossexualismo, os ladrões, os gananciosos, os beberrões, os injuriadores e os extorsores não herdarão o Reino de Deus” (1 Coríntios 6:9,10). “O casamento seja honroso entre todos, e o leito conjugal mantido puro, porque Deus julgará os que praticam imoralidade sexual e os adúlteros” (Hebreus 13:4).

A lei mosaica é muito detalhada sobre o que Jeová Deus considera práticas sexuais inaceitáveis. Podemos considerar que a leitura do capítulo 18 de Levítico nos dá uma visão bastante completa do assunto. Dos versículos 6 a 18, há a lista das relações sexuais consideradas incestuosas. Aliás, a lei contra o incesto era uma proteção das crianças contra a pedofilia que é infelizmente generalizada, nas famílias, mas também nas redes criminosas organizadas, seja nos países ocidentais ou mesmo em torno de certos destinos "turísticos". O Rei Jesus Cristo punirá com a maior severidade os criminosos que atacam crianças indefesas, na grande tribulação que se aproxima (Apocalipse 19:11-21). Além disso, a lei contra o incesto protegia o povo de Israel contra casamentos consanguíneos que poderiam resultar na geração de filhos com deficiências genéticas, como cegueira, surdez, retardo mental e muitas outras deficiências hereditárias, uma disfunção genética na concepção ou durante a gestação da mãe...

O versículo 19 proíbe relações sexuais durante o período menstrual da mulher. O versículo 22 condena a homossexualidade. O versículo 23 condena a bestialidade. Nesse mesmo versículo, Jeová Deus acrescenta: "É uma violação daquilo que é natural" (Levítico 18:23b). Esta frase muito curta resume muito bem todas as formas de práticas sexuais desviantes; eles são uma "violação daquilo que é natural" (que os casais, maridos e esposas, exerçam bom discernimento porque Deus julgará até o que é feito na maior privacidade (Hebreus 13:4) "O matrimônio seja honroso entre todos e o leito conjugal imaculado, porque Deus julgará os fornicadores e os adúlteros”). E para aqueles que tentariam se justificar dizendo "não estamos mais sob a lei": esses diferentes aspectos da moral sexual são permanentes, porque o que Jeová considerava detestável sob a lei, permanece assim. Jeová Deus não mudou e não muda, seu modo de pensar é estável, ainda mais sob a presente lei de Cristo que é o que constitui a substância da Lei. Isto é o que está escrito em Malaquias 3:6: "Pois eu sou Jeová; não mudei".

A Bíblia condena a poligamia, cada homem nesta situação que quiser agradar a Deus, deve regularizar a sua situação, ficando apenas com a sua primeira esposa com que se casou (1 Timóteo 3:2 "marido de uma só esposa"). Segundo a Bíblia, a prática da masturbação é proibida: “Façam morrer, portanto, os membros do seu corpo com respeito a imoralidade sexual, impureza, paixão desenfreada, desejos prejudiciais e ganância, que é idolatria” (Colossenses 3:5).

Todas as coisas condenadas pela Bíblia não constam deste estudo bíblico. Os cristãos que têm atingido a maturidade e um bom conhecimento dos princípios bíblicos, fará a diferença entre o "certo" e "errado", mesmo que não for diretamente escrito na Bíblia: “Mas o alimento sólido é para as pessoas maduras, para aqueles que pelo uso têm sua capacidade de discernimento treinada para saber distinguir tanto o certo como o errado” (Hebreus 5:14).

Casus Belli mundial contra a Integridade do Corpo Humano na Guerra Mundial NRBQ (Nuclear, Radiológico, Biológico, Químico)

(Ezequiel 34)

"Filho do homem, profetize contra os pastores de Israel. Profetize aos pastores o seguinte: ‘Assim diz o Soberano Senhor Jeová: “Ai dos pastores de Israel, que só cuidam de si mesmos! Não é do rebanho que os pastores deviam cuidar? Vocês comem a gordura, vestem-se com a lã e abatem o animal mais gordo, mas não cuidam do rebanho. Não fortaleceram as fracas, nem trataram as doentes, nem enfaixaram as que estavam feridas, nem trouxeram de volta as desgarradas, nem foram procurar as perdidas; em vez disso, vocês as dominaram com dureza e tirania. Assim, elas foram espalhadas porque não havia pastor; elas foram espalhadas e se tornaram alimento para todos os animais selvagens. Minhas ovelhas se perderam por todos os montes e por todas as colinas elevadas; minhas ovelhas foram espalhadas por toda a face da terra, sem que ninguém fosse procurá-las, nem fosse buscá-las” (Ezequiel 34:2-6).

O mundo vive atualmente, desde novembro de 2019, de fato, um Casus Belli, uma guerra mundial do tipo NRBQ, contra a integridade do corpo humano dos povos (ovelhas espalhadas). O corpo humano foi criado por Deus e dado como herança divina, para cuidar dele, como um templo em que vivemos e deveria ser habitado pelo espírito de Deus: "Vocês não sabem que são templo de Deus e que o espírito de Deus mora em vocês?" (1 Coríntios 3:16). O nosso corpo e a vida que o anima não pertencem a nenhum estado, nem mesmo a nenhuma entidade religiosa terrestre.

Este Casus Belli mundial contra a integridade do corpo humano, que Deus nos confiou, não é feito com tanques, bombas e canhões. É organizado tendo como contexto o tráfico internacional de vírus militares (saídos dum laboratório do tipo P4 (fabricando oficialmente vírus militares no contexto de guerras do tipo NRBQ)) e com uma propaganda habilmente orquestrada (engenharia social), visando aterrorizar as pessoas ou os povos em geral. O princípio básico desses laboratórios da morte é coletar vírus que são normalmente encontrados na natureza, no reino animal, e são basicamente inofensivos para os humanos; geralmente não são transmissíveis e, se forem, geralmente não são mortais. Esses laboratórios demoníacos trabalham para tornar esses vírus transmissíveis aos humanos por "sequenciamento", um processo extremamente complexo que pode levar vários meses. O objetivo diabólico é obter um "ganho de função", isto é, neste caso de figura, fazer com que este (ou estes) vírus seja mortal para o homem. Ao mesmo tempo, aumentando a letalidade deste vírus militar manufaturado (as referências ou patentes para esses vírus militares podem ser encontradas no NIH GenBank ou em alguns arquivos da OMS (pelo menos duma subsidiária dum, desses países). Aliás, o NIH suprimiu informações dos laboratórios de Wuhan sobre o sequenciamento genético do vírus militar, de acordo com a FOIA do Watchdog (30 de março de 2022)) (O que está acontecendo em Xangai?).

(Crédito Social com Estilo Chinês e a Agenda 2030: a agenda foi adotada pela ONU em setembro de 2015 após dois anos de negociações envolvendo governos e sociedade civil. A Agenda 2030 faz parte de uma ideologia globalista, particularmente nos países da OTAN zona e seus parceiros (Europa Ocidental, Canadá, Austrália e Nova Zelândia...). É nestas áreas do mundo que a ideologia fundamentalista e sectária do "covidismo", que mina a integridade corporal dos povos, se enraizou (A situação em Xangai (China) é uma ilustração disso levado ao extremo e em muitos respeito, pode nos dar um vislumbre futuro desse tipo de ditadura na escala de vários estados unidos, até mesmo do mundo). Situações de “pandemia” global, ou emergência climática, são pretextos prontos para estabelecer uma ditadura, de forma progressiva e oculta, sobre todos os povos. O estabelecimento “voluntário” de “crédito social” na Itália (Bolonha e Roma (final de março de 2022)), é apenas o início deste processo, que faz parte do estabelecimento futuro, latente e perverso, de uma obrigação").

Após a difusão, obviamente "fortuita" (não verificável numa direção como na outra), deste vírus militar letal, segue-se uma campanha da imprensa mundial, que certificará que se trata de um acidente do tipo "fuga", como numa usina nuclear, enquanto um laboratório P4, é um dos lugares mais seguros do mundo. Dirão, por exemplo, que vem do reino animal, sendo uma meia verdade, porque é verdadeiro e falso, portanto falso (verdadeiro + falso = falso). Segue-se uma segunda etapa, essencialmente baseada na engenharia social propagandista, baseada no medo com repetidas mensagens mórbidas e relatos, para assustar as pessoas e primeiro para insistir no fato de que não há remédio médico, nem mesmo nenhuma molécula para poder curar deste vírus militar. A única solução é esperar pela injeção química messiânica que salvará a vida da humanidade.

Este Casus Belli é acompanhado por uma experimentação de terapia gênica em massa em corpos humanos saudáveis, não doentes, em escala internacional, em todos os povos (as ovelhas espalhadas). São produtos químicos injetáveis, de maneira aproximadamente coercitiva (em desafio ao Código de Nuremberg - 1947 (veja os 10 artigos no final da página) (A atual terapia gênica mundial, ainda está oficialmente, em fase de experimentação, portanto, enquadra-se perfeitamente no marco legal do Código de Nuremberg - 1947)). Alguns governantes de nações ou grupos de nações, que ordenam as repetidas injeções desses venenos em corpos humanos saudáveis, têm laços de interesse financeiro conhecidos de todos, diretos ou indiretos.

Este Casus Belli do tipo NRBQ, usa a mídia corrompida pelo dinheiro e coordenada entre si como uma ferramenta de propaganda à la Goebbel (porta-voz do regime nazista de Hitler). É do conhecimento geral a soldo de muitos oligarcas bilionários corruptos, que também influenciam muitos governos (os pastores que só cuidam de si mesmos). O objetivo é de criar uma realidade inventada (surrealidade), de modo a assustar o povo (As ovelhas espalhadas), para desorientá-los psicológica e mentalmente, para fazê-los adotar comportamentos completamente irracionais, por sucessivas decisões contraditórias e mentiras totalmente assumidas. Por meio dessa administração na forma de engenharia social de assédio e tortura mental de longo prazo, esses pastores que só cuidam de si mesmos, obtêm o consentimento por esgotamento nervoso e mental das ovelhas espalhadas, com uma coerção latente (ver Ezequiel 34).

Muitos médicos, enfermeiras, atendentes e empregadas para a limpeza, trabalhando na assistência médica, estiveram na linha de frente para prestar assistência às pessoas afetadas pelo vírus militar. Muitos pagaram por isso com a vida. Jeová Deus e seu Filho, Jesus Cristo, não se esquecerão deles, na hora da ressurreição (Atos 24:15; Hebreus 6:10). Os homens e mulheres corajosos que até agora denunciaram este Casus Belli, pagaram por isso com a vida para alguns, com confinamento solitário e prisão para outros sendo tratados como "conspiradores", termo cunhado, pela CIA em 1965, seguindo a Comissão Warren (relatorio oficial das circunstâncias do assassinato de JFK).

Nesta situação diabólica mundial, que ataca a integridade corporal de homens, mulheres e até, também, infelizmente, das crianças, o que deve fazer o cristão que deseja agradar a Jeová Deus e a seu Filho Jesus Cristo?

Jeová pede a todos que cuidem deste templo: "Portanto, eu lhes suplico, irmãos, pelas compaixões de Deus, que apresentem o seu corpo como sacrifício vivo, santo e aceitável a Deus, prestando assim um serviço sagrado com a sua faculdade de raciocínio" ( Romanos 12:1). Este corpo foi projetado desde o início para um serviço sagrado a Deus, ou seja, para se conformar ao propósito que originalmente pretendia na época da criação de Adão e Eva (Gênesis 1:26-28).

Tomar medicamentos é uma decisão pessoal, pesando os riscos para sua vida. Deve ser feito em um ambiente médico, para ser tratado. Este tratamento não deve ser feito sob coerção governamental ou moral, por exemplo, na estrutura duma congregação. Se fosse esse o caso, essas autoridades governamentais, até espiritual, iriam além do artigo 1 do Código de Nuremberg que proíbe experimentos médicos sob coação (Lembrete: a terapia gênica mundial atual, ainda está oficialmente, em fase experimental, portanto, cai inteiramente no quadro jurídico do Código de Nuremberg - 1947): "O consentimento voluntário do ser humano é absolutamente essencial. Isso significa que as pessoas que serão submetidas ao experimento devem ser legalmente capazes de dar consentimento; essas pessoas devem exercer o livre direito de escolha sem qualquer intervenção de elementos de força, fraude, mentira, coação, astúcia ou outra forma de restrição posterior; devem ter conhecimento suficiente do assunto em estudo para tomarem uma decisão lúcida. (...)” (Extrato do artigo 1 do Código de Nuremberg - 1947).

No contexto atual, os cristãos devem dobrar sua vigilância. Ele deve abster-se de produtos químicos experimentais, especialmente por motivos não relacionados à saúde deles e de seus próprios filhos. Até agora, essas injeções ​​experimentais já causaram a morte de centenas de milhares de pessoas em todo o mundo e deixaram milhares mais gravemente doentes. A maioria dessas injeções de genes é feita por motivos que nada têm a ver com a saúde de adultos e muito menos de crianças; mas sim, sob pretextos não médicos de privilégio, poder ir a restaurantes, boliche ou outros lugares de prazer, justificados por argumentos completamente falaciosos e na forma de chantagem. Outros foram forçados sob pena de perder seus empregos e fonte de renda. O fato de exigir que para ir a um lugar, para que um objeto ou um produto penetre em nosso corpo, não é de forma alguma um ato médico, mas um ato de marcar: como se fosse com os animais, antes de entrar num recinto, é uma violação marcante da dimensão espiritual e sagrada da integridade do corpo humano.

Os pais devem considerar seriamente esta questão, por seus filhos e por eles, em oração para enfrentar esta situação estranha e às vezes angustiante. Os professores da Palavra de Deus devem pensar seriamente, com oração, sobre esta questão porque esta situação não é trivial em espiritualidade bíblica e mais geralmente ética (Romanos 14:12). É perfeitamente normal sentir-se desorientado, perplexo e surpreso ao se deparar com esse ataque extremamente perverso de Satanás, o diabo e seus demônios humanos. Oremos a Jeová Deus, peçamos sua ajuda, Ele é misericordioso. Se pensarmos primeiro que não tomamos a melhor decisão, isso pode acontecer com qualquer pessoa. Jeová Deus vê nossas boas intenções. Sejamos corajosos, confiemos em Jeová Deus e em seu amado Filho Jesus Cristo, e eles nos apoiarão (Provérbios 3:5,6). Não tenhamos medo e sejamos fortes, apoiemos uns aos outros, seja em família, entre amigos ou na congregação, nos amar uns aos outros (João 13:34,35).

Código de Nuremberg – 1947

1.O consentimento voluntário do ser humano é absolutamente essencial. Isso significa que as pessoas que serão submetidas ao experimento devem ser legalmente capazes de dar consentimento; essas pessoas devem exercer o livre direito de escolha sem qualquer intervenção de elementos de força, fraude, mentira, coação, astúcia ou outra forma de restrição posterior; devem ter conhecimento suficiente do assunto em estudo para tomarem uma decisão lúcida. Esse último aspecto exige que sejam explicados às pessoas a natureza, a duração e o propósito do experimento; os métodos segundo os quais o experimento será conduzido; as inconveniências e os riscos esperados; os efeitos sobre a saúde ou sobre a pessoa do participante, que eventualmente possam ocorrer, devido à sua participação no experimento. O dever e a responsabilidade de garantir a qualidade do consentimento repousam sobre o pesquisador que inicia ou dirige um experimento ou se compromete nele. São deveres e responsabilidades pessoais que não podem ser delegados a outrem impunemente.

2.O experimento deve ser tal que produza resultados vantajosos para a sociedade, que não possam ser buscados por outros métodos de estudo, mas não podem ser casuísticos ou desnecessários na sua natureza.

3. O experimento deve ser baseado em resultados de experimentação em animais e no conhecimento da evolução da doença ou outros problemas em estudo; dessa maneira, os resultados já conhecidos justificam a realização do experimento.

4. O experimento deve ser conduzido de maneira a evitar todo sofrimento físico ou mental desnecessários e danos.

5. Não deve ser conduzido qualquer experimento quando existirem razões para acreditar que pode ocorrer morte ou invalidez permanente; exceto, talvez, quando o próprio médico pesquisador se= submeter ao experimento.

6. O grau de risco aceitável deve ser limitado pela importância humanitária do problema que o experimento se propõe a resolver.

7. Devem ser tomados cuidados especiais para proteger o participante do experimento de qualquer possibilidade de dano, invalidez ou morte, mesmo que remota.

8. O experimento deve ser conduzido apenas por pessoas cientificamente qualificadas. O mais alto grau de habilidade e cuidado deve ser requerido de aqueles que conduzem o experimento, através de todos os estágios deste.

9. O participante do experimento deve ter a liberdade de se retirar no decorrer do experimento, se ele chegou a um estado físico ou mental no qual a continuação da pesquisa lhe parecer impossível.

10. O pesquisador deve estar preparado para suspender os procedimentos experimentais em qualquer estágio, se ele tiver motivos razoáveis para acreditar, no exercício da boa fé, habilidade superior e cuidadoso julgamento, que a continuação do experimento provavelmente resulte em dano, invalidez ou morte para o participante.