A COMEMORAÇÃO

 BÍBLIA ONLINE

BÍBLIA ONLINE (Traduções comparativas)

BÍBLIA ONLINE (Em vários idiomas)

Menu temático de artigos bíblicos

Pode escolher seu idioma preferido

(O artigo em português abaixo)

Shqiptar   Deutsch  English   العربية    հայերեն  اردو  беларускі  বাঙালি

Български  bosanski   Català  中国   한국의  

Hrvatski  Español  Dansk  Eesti  Suomalainen

Français  ქართული  ελληνικά  ייִדיש  עברי   

हिन्दी     Magyar   Indonesia  Icelandic  Italiano

日本の   Jawa  Қазақ  ខ្មែរ  ລາວ  Latvijas  Lietuvos

Монгол  Македонски   Moldovenesc   Crnogorski 

Nederlands  नेपाली  Norsk  ਪੰਜਾਬੀ 

فارسی    Polski  Português  Românesc 

Pусский  Cрпски  Slovenský  Slovenski 

Svenska  Tagalog  मराठी  ગુજરાતી  ଓଡିଆ

മലയാളം   ಕನ್ನಡ  தமிழ்  සිංහල తెలుగు   český    ไทย     Türk  Yкраїнський  Tiếng việt

Some dialects spoken in Africa

A CELEBRAÇÃO DA COMEMORAÇÃO DA MORTE DE CRISTO

"Cristo, o nosso cordeiro pascoal, já foi sacrificado"

(1 Coríntios 5:7)

Clique no link para ver o resumo do artigo, se faz favor

A data da próxima comemoração da morte de Jesus Cristo será

DOMINGO, 2 DE ABRIL DE 2023, depois do pôr do sol

 

O método bíblico para determinar a data da celebração da memória da morte de Jesus Cristo é o mesmo que o da Páscoa da Bíblia. 14 de Nisã (mês do calendário bíblico), o décimo quarto dia após a lua nova (sendo o primeiro dia do mês de Nisã) (Êxodo 12:18). A "noite" corresponde ao começo do dia de 14 Nisã. Na Bíblia, o dia começa após o pôr do sol, a "noite" ("E veio uma noite e chegou uma manhã: primeiro dia" (Gênesis 1: 5)). Isso significa que quando uma tabela astronômica lunar menciona uma lua cheia, o 8 de abril ou lua nova no 23 de abril, é o período entre as duas noites do 7 ou 22 de abril, após do pôr do sol e na manhã de 8 ou 23 de abril, antes do nascer do sol, quando a lua muda (http://pgj.pagesperso-orange.fr/calendar.htm (em francês)).

 

O Salmo 81:1-3 (da Bíblia) nos permite entender, sem nenhuma dúvida, que o primeiro dia da lua nova é o completo desaparecimento da lua: "Toquem a buzina na lua nova, Na lua cheia, no dia da nossa festividade" (veja abaixo, a explicação completa)*. Com base nesse cálculo, a data da próxima comemoração da morte de Jesus Cristo será DOMINGO, 2 DE ABRIL DE 2023, depois do pôr do sol.


* Este texto (Salmos 81:1-3) menciona poeticamente "a lua nova" da data de 1 de Etanim (Tisri) quando tocava a buzina (Números 10:10; 29: 1). Ele menciona "a lua cheia" de 15 de Etanim (Tisri), o tempo da "festividade" alegre (ver versículos 1,2 e Deuteronômio 16:15). Com base na tabela astronômica lunar, a observação é a seguinte: Quando consideramos que a lua nova é seu desaparecimento completo (sem quarto), em todos os casos, o dia 15 do mês lunar é a da primeira lua cheia observável e a da lua cheia astronômica. No caso em que a lua nova é considerada sendo a observação do primeiro quarto (como o primeiro dia do mês), na maioria dos casos, a primeira lua cheia observável e a lua cheia astronômica correspondem à noite de 12, 13 ou 14 do mês e, mais raramente, o 15 do mês. Isso significa que, neste caso, que no dia 15 do mês, em quase todos os casos, a lua começa sua fase descendente (não é mais uma lua cheia observável)... Conseqüentemente, sem nenhuma dúvida, devemos considérar como o primeiro dia do mês, como a lua nova, o desaparecimento completo da lua (e não o primeiro quarto), de acordo com a Bíblia (Salmo 81:1-3).

***

- A Páscoa é o modelo dos requisitos divinos para a celebração do memorial da morte de Cristo: "Essas coisas são uma sombra do que viria, mas a realidade pertence ao Cristo" (Colossenses 2:17). "Pois, visto que a Lei tem uma sombra das coisas boas que viriam, mas não a própria realidade" (Hebreus 10: 1) (O SENTIDO DA LEI).

- Somente os circuncisos podiam celebrar a Páscoa: "Se um estrangeiro que mora entre vocês quiser celebrar a Páscoa para Jeová, todos os do sexo masculino da casa dele deverão ser circuncidados. Só então ele poderá se aproximar para participar da celebração, e ele se tornará como um israelita de nascimento. Mas nenhum incircunciso pode comer dela" (Êxodo 12:48).

- Os cristãos não estão mais sob a obrigação de circuncisão física. Sua circuncisão é espiritual: "Agora purifiquem o seu coração e deixem de ser tão obstinados" (purifiquem: circuncidem o prepúcio do) (Deuteronômio 10:16, Atos 15:19,20,28,29 "Decreto apostólico", Romanos 10:4 "Cristo é o fim da Lei").

- A circuncisão espiritual do coração significa obediência a Deus e a seu Filho Jesus Cristo: "De fato, a circuncisão só tem valor se você guarda a Lei; mas, se você é transgressor da Lei, a sua circuncisão se tornou incircuncisão. Portanto, se um incircunciso guardar as justas exigências da Lei, não será a incircuncisão dele considerada como circuncisão? E aquele que é fisicamente incircunciso, ao cumprir a Lei, julgará a você, que é transgressor da Lei apesar de ter o código escrito e a circuncisão. Porque não é judeu quem o é por fora, nem é a circuncisão algo feito por fora, na carne. Mas judeu é quem o é no íntimo, e a sua circuncisão é a do coração, por espírito, e não por um código escrito. O louvor dessa pessoa vem de Deus, não de homens" (Romanos 2:25-29) (DOUTRINAS BÁSICAS).

- A incircuncisão espiritual representa a desobediência a Deus e a seu Filho Jesus Cristo: "Homens obstinados e incircuncisos no coração e nos ouvidos, vocês sempre resistem ao espírito santo. Assim como os seus antepassados fizeram, vocês também fazem. A qual dos profetas os seus antepassados não perseguiram? Sim, mataram os que anunciaram antecipadamente a vinda do Justo, cujos traidores e assassinos vocês se tornaram agora, vocês, que receberam a Lei conforme transmitida por anjos, mas não a guardaram" (Atos 7:51-53) (DOUTRINAS BÁSICAS (Proibido pela Bíblia)).

- A circuncisão espiritual do coração é necessária para a participação na comemoração da morte de Cristo (qualquer seja a esperança cristã (celestial ou terrestre)): "Primeiro, que o homem examine e aprove a si mesmo, e só então coma do pão e beba do cálice" (1 Coríntios 11:28).

- O cristão deve fazer um exame de consciência antes de participar na comemoração da morte de Cristo. Se ele considera que ele tem uma consciência pura diante de Deus, que ele tem a circuncisão espiritual, então ele pode participar na comemoração da morte de Cristo (qualquer seja a esperança cristã (celestial ou terrestre)) (RESSURREÇĀO NOS CEUS; RESSURREÇĀO NA TERRA; A GRANDE MULTIDÃO).

- A recomendação explícita de Cristo, de comer simbolicamente sua "carne" e seu "sangue", é um convite a todos os cristãos fiéis, para que comam "pães sem fermento", que representa sua "carne" e bebam da copa, representando o seu "sangue":

"Eu sou o pão da vida. Seus antepassados comeram o maná no deserto, no entanto morreram. Este é o pão que desce do céu, para que todo aquele que comer dele não morra. Eu sou o pão vivo que desceu do céu. Se alguém comer deste pão, viverá para sempre; de fato, o pão que eu darei é a minha carne a favor da vida do mundo.” Então os judeus começaram a discutir entre si, dizendo: “Como este homem pode nos dar sua carne para comer?” Assim, Jesus lhes disse: “Digo-lhes com toda a certeza: A menos que comam a carne do Filho do Homem e bebam o seu sangue, vocês não têm vida em si mesmos. Quem se alimenta da minha carne e bebe o meu sangue tem vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia, pois a minha carne é verdadeiro alimento, e o meu sangue é verdadeira bebida. Quem se alimenta da minha carne e bebe o meu sangue permanece em união comigo, e eu em união com ele. Assim como o Pai, que vive, me enviou e eu vivo por causa do Pai, assim também aquele que se alimenta de mim viverá por causa de mim. Este é o pão que desceu do céu. Não é como quando os seus antepassados comeram e mesmo assim morreram. Quem se alimentar deste pão viverá para sempre" (João 6:48-58) (CRISTO - SALVAÇÃOCRISTO - COMEMORAÇÃO; O REI JESUS CRISTO).

- Portanto, todos os cristãos fiéis, seja qual for sua esperança, celestial ou terrestre, são obrigados a tomar o pão sem fermento e o vinho da comemoração da morte de Cristo, é um mandamento de Cristo: "Assim, Jesus lhes disse: “Digo-lhes com toda a certeza: A menos que comam a carne do Filho do Homem e bebam o seu sangue, vocês não têm vida em si mesmos. (...) Assim como o Pai, que vive, me enviou e eu vivo por causa do Pai, assim também aquele que se alimenta de mim viverá por causa de mim" (João 6:53,57).

- A comemoração da morte de Cristo deve ser celebrada apenas entre fiéis seguidores de Cristo: "Portanto, meus irmãos, quando se reunirem para essa ceia, esperem uns pelos outros" (1 Coríntios 11:33) (NA CONGREGAÇÃO).

- Se você deseja participar na "comemoração da morte de Cristo" e não é cristão, você deve ser batizado, sinceramente desejando obedecer aos mandamentos de Cristo: "Portanto, vão e façam discípulos de pessoas de todas as nações, batizando-as em nome do Pai, e do Filho, e do espírito santo, ensinando-as a obedecer a todas as coisas que lhes ordenei. E saibam que eu estou com vocês todos os dias, até o final do sistema de coisas" (Mateus 28: 19,20) (O BATISMO SALVA).

Como celebrar a comemoração da morte de Jesus Cristo?

"Persistam em fazer isso em memória de mim"

(Lucas 22:19)

A comemoração da morte de Jesus Cristo deve ser celebrada da mesma forma como a Páscoa, apenas entre circuncisão espiritual entre os cristãos fiéis, congregação ou família (Êxodo 12:48; Hebreus 10:1; Colossenses 2:17; 1 Coríntios 11:33). Após a celebração da Páscoa, Jesus Cristo estabeleceu o padrão para a futura celebração da lembrança de sua morte (Lucas 22:12-18). O podemos ler nestas passagens bíblicas, evangelhos:

- Mateus 26:17-35.

- Marcos 14:12-31.

- Lucas 22:7-38.

- João capítulo 13 a 17.

Há o momento da celebração da Páscoa (João 13:1-3). A transição entre este evento ea introdução da nova celebração, que agora substituir a Páscoa: a comemoração da morte de Cristo como o Cordeiro de Deus "que tira o pecado do mundo" (João 1:29-36; Colossenses 2:17, Hebreus 10:1).

Durante essa transição, Jesus Cristo lavou os pés dos doze apóstolos. Foi um ensinamento pelo exemplo: ser humildes uns aos outros (João 13:4-20). No entanto, este evento não deve ser considerado como um ritual para praticar antes da comemoração (compare João 13:10 e Mateus 15:1-11). A narrativa nos informa que depois disso, Jesus Cristo colocou "a sua capa". Portanto, devemos estar adequadamente vestidos (João 13:10a,12 compare com Mateus 22:11-13). A propósito, no lugar da execução de Jesus Cristo, os soldados levaram as roupas que ele usava naquela noite. O relato de João 19:23,24 nos informa que Jesus Cristo usava uma "túnica que não tinha costura, pois era tecida de alto a baixo". Os soldados nem se atreveram a rasgá-lo. Isso nos faz entender que Jesus Cristo usava roupas de qualidade, consistente com a importância do evento. Sem estabelecer regras não escritas na Bíblia, exercitaremos o bom senso de como nos vestir (Hebreus 5:14).

Então Jesus Cristo dispensou o traidor Judas Iscariotes. Isso mostra que a comemoração deve ser celebrada somente entre os cristãos fiéis (Mateus 26:20-25, Marcos 14:17-21, João 13:21-30, a história de Lucas nem sempre é cronológica, mas "em ordem lógica" (Veja Lucas 22:19-23 e Lucas 1: 3 "escrevê-las para o senhor em ordem lógica" (1 Coríntios 11:28,33)).

A celebração da comemoração é descrita com muita simplicidade: "Ao continuarem a comer, Jesus pegou um pão e, depois de proferir uma bênção, partiu-o e deu aos discípulos, dizendo: “Peguem, comam. Isto representa o meu corpo.” E, pegando um cálice, ele deu graças e o deu a eles, dizendo: “Bebam dele, todos vocês, pois isto representa o meu ‘sangue do pacto’, que será derramado em benefício de muitos, para o perdão de pecados. Eu lhes digo, porém: Eu de modo algum beberei novamente deste produto da videira até aquele dia em que beberei vinho novo com vocês, no Reino do meu Pai.” Por fim, depois de cantarem louvores, saíram para o monte das Oliveiras" (Mateus 26:26-30). Jesus Cristo explicou o motivo dessa celebração, o significado de seu sacrifício, o pão sem fermento representa o símbolo de seu corpo sem pecado e o cálice, símbolo de seu sangue. Ele pediu que seus discípulos comemorassem a memória de sua morte todos os anos em 14 de nisã (Lucas 22:19).

O Evangelho de João nos informa sobre o ensinamento de Cristo após essa celebração, provavelmente do versículo 13:31 ao versículo 16:30. Depois disso, Jesus Cristo fez uma oração que pode ser lida em João capítulo 17. O relato de Mateus 26:30 nos informa: "Por fim, depois de cantarem louvores, saíram para o monte das Oliveiras". É provável que cantaram os louvores após a oração de Jesus Cristo.

Como fazer?

Baseado neste modelo deixado por Cristo: A celebração deve ser organizada por uma pessoa, um ancião, um pastor, um sacerdote da congregação cristã. Se a celebração acontece em um quadro familiar, é o chefe da família cristã que deve celebrá-la. Se não houver homem, mas somente mulheres cristãs, a irmã em Cristo que organizará a celebração deve ser escolhida dentre as mulheres idosas (Tito 2:3). Ela terá que cobrir a cabeça (1 Coríntios 11:2-6).

Aquele que organizar a celebração, decidirá o ensino bíblico nesta circunstância baseada na história dos Evangelhos, talvez os lendo e comentando-os. Uma oração final dirigida a Jeová Deus será pronunciada. Depois disso, cânticos podem ser cantados em louvor a Jeová Deus e em homenagem ao seu Filho Jesus Cristo.

Quanto ao pão, a variedade de cereal não é mencionada, no entanto, deve ser feito sem fermento (Como preparar pão sem fermento (vídeo) (francês)). No respeito ao vinho, em alguns países, é possível que os cristãos fiéis não possam obtê-lo. Neste caso excepcional, os anciãos decidirão como substituí-lo da maneira mais apropriada com base na Bíblia (João 19:34). Jesus Cristo mostrou que em certas situações excepcionais, decisões excepcionais podem ser tomadas e que a misericórdia de Deus se aplicará nessa circunstância (Mateus 12:1-8).

Não há indicação bíblica da duração precisa da celebração. Portanto, é aquele que organizará este evento que mostrará bom juízo, assim como Cristo terminou esta reunião especial. O único ponto importante da Bíblia sobre o momento deste evento é que o memorial da morte de Jesus Cristo deve ser celebrado "entre as duas noitinhas", de 14 de nisã. Após o pôr do sol de 13 a 14 de nisã, e o nascer do sol. Foi nesse momento que Jesus Cristo fez essa celebração. João 13:30 nos informa que quando Judas Iscariotes partiu, pouco antes da celebração, "Era noite".

Jeová Deus estabeleceu a lei sobre a celebração da Páscoa: "O sacrifício da Festividade da Páscoa não deve ser guardado da noite para o dia" (Êxodo 34:25). Por quê? A morte do cordeiro pascoal devia ocorrer "entre as duas noitinhas". A morte de Cristo, o Cordeiro de Deus, foi decretada por "julgamento", também "entre as duas noitinhas", antes de o amanhecer "antes que o galo cantar": "O sumo sacerdote rasgou então suas vestes, dizendo: “Ele blasfemou! Que necessidade temos ainda de testemunhas? Vejam! Agora vocês ouviram a blasfêmia. Qual é a opinião de vocês?” Eles responderam: “Ele merece morrer”. (...) E imediatamente um galo cantou. E Pedro se lembrou do que Jesus tinha dito: “Antes de o galo cantar, você me negará três vezes"" (Mateus 26: 65-75). Assim, a morte do cordeiro pascoal, foi seguida pela morte por julgamento do cordeiro de Deus, Jesus Cristo, "em nome da lei", "entre as duas noitinhas" (Salmos 94:20 "em nome da lei, trama a desgraça"; João 1: 29-36; Colossenses 2:17; Hebreus 10: 1). 

As outras ovelhas

"E tenho outras ovelhas, que não são deste aprisco; a estas também tenho de trazer, e elas escutarão a minha voz e se tornarão um só rebanho, um só pastor"

(João 10:16)

Ao lermos cuidadosamente João 10: 1-16, notamos que o tema central é a identificação do Messias como um verdadeiro pastor para seus discípulos, as ovelhas.

Em João 10:1 e João 10:16, está escrito: “Digo-vos em toda a verdade: Quem não entra pela porta no aprisco das ovelhas, mas galga por outro lugar, esse é um ladrão e saqueador. (...) E tenho outras ovelhas, que não são deste aprisco; a estas também tenho de trazer, e elas escutarão a minha voz e se tornarão um só rebanho, um só pastor". Este “aprisco” representa o território onde pregava Jesus Cristo, a Nação de Israel, no contexto da lei mosaica: “A estes doze enviou Jesus, dando-lhes as seguintes ordens: “Não vos desvieis para a estrada das nações, e não entreis em cidade samaritana; mas, ide antes continuamente às ovelhas perdidas da casa de Israel” (Mateus 10:5,6). "Em resposta, ele disse: “Não fui enviado a ninguém senão às ovelhas perdidas da casa de Israel”" (Mateus 15:24). Este aprisco é também a "casa de Israel".

Em João 10:1-6 está escrito que Jesus Cristo se apresentou diante da porta do recinto. Aconteceu na época de seu batismo. O "porteiro" foi João Batista (Mateus 3:13). Ao se batizar Jesus se tornou o Cristo. João Batista abriu a porta para ele e testificou que Jesus é o Cristo e o Cordeiro de Deus: "Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!" (João 1:29-36).

Em João 10:7-15, embora (permanecendo) no mesmo tema messiânico, Jesus Cristo usa outra ilustração ao se designar como a "Porta", o único lugar de acesso da mesma forma que João 14:6: "Jesus disse-lhe: “Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim"”. O tema principal do assunto ainda é Jesus Cristo como Messias. Do versículo 9, da mesma passagem (ele muda a ilustração novamente), ele se designa como o pastor que pasta suas ovelhas, fazendo-as "entrar ou sair" para alimentá-las. O ensino é centrado nele e em como ele cuida de suas ovelhas. Jesus Cristo diz ser o pastor excelente que dará a vida pelos seus discípulos e ama as suas ovelhas (ao contrário do pastor contratado que não arrisca a vida pelas ovelhas que não lhe pertencem). Novamente, o ponto central do ensino de Cristo é Ele mesmo como um pastor que se sacrificará por suas ovelhas (Mateus 20:28).

João 10:16-18: “E tenho outras ovelhas, que não são deste aprisco; a estas também tenho de trazer, e elas escutarão a minha voz e se tornarão um só rebanho, um só pastor. É por isso que o Pai me ama, porque entrego a minha alma, a fim de recebê-la de novo. Ninguém a tirou de mim, mas eu a entrego de minha própria iniciativa. Tenho autoridade para a entregar e tenho autoridade para a receber de novo. O mandamento a respeito disso recebi de meu Pai".

Lendo esses versículos, considerando o contexto dos anteriores, Jesus Cristo anuncia uma ideia revolucionária na época, de que sacrificaria sua vida não só em benefício de seus discípulos judeus (no aprisco), mas também em favor de outros discípulos que não fariam parte deste aprisco de Israel. A prova disso é que a última ordem que ele dá aos seus discípulos, a respeito da pregação, é esta: “Sereis testemunhas de mim tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até à parte mais distante da terra" (Atos 1:8). É precisamente durante o batismo de Cornélio que as palavras de Cristo em João 10:16 começaram a ser realizadas (veja o relato histórico de Atos capítulo 10).

Assim, as "outras ovelhas" de João 10:16 se aplicam aos cristãos não judeus na carne. Em João 10: 16-18 é descrita a unidade na obediência das ovelhas ao Pastor Jesus Cristo. Ele também falou de todos os seus discípulos em seus dias como um "pequeno rebanho": "Não temas, pequeno rebanho, porque vosso Pai aprovou dar-vos o reino" (Lucas 12:32). No Pentecostes de 33 E.C., os discípulos de Cristo eram apenas 120 (Atos 1:15). No restante do relato de Atos, lemos que seu número será de alguns milhares (Atos 2:41 (3.000 almas); Atos 4:4 (5.000)). Seja como for, os novos cristãos, quer no tempo de Cristo, como no dos apóstolos, representavam um "pequeno rebanho" em relação à população geral da nação de Israel e depois com as outras nações da época.

Temos de estar unidos como Jesus Cristo pediu a seu Pai

"Eu peço não somente por estes, mas também por aqueles que depositam fé em mim por meio das palavras deles, para que todos sejam um, assim como tu, Pai, estás em união comigo e eu estou em união contigo, para que eles também estejam em união conosco, a fim de que o mundo acredite que tu me enviaste" (João 17:20,21).

Os sentimentos do Pai pelo Filho

“Eles olharão para aquele que traspassaram e o lamentarão como lamentariam um filho único; e eles chorarão amargamente por ele como chorariam por um filho primogênito”

(Zacarias 12:10)

"Ele foi desprezado e evitado pelos homens, Era um homem que sofreria a dor e que estava familiarizado com a doença.Era como se o seu rosto estivesse escondido de nós.Ele foi desprezado e não o levamos em conta. Na verdade, ele mesmo carregou as nossas doenças E levou sobre si as nossas dores. Mas nós o considerávamos afligido, golpeado por Deus e atribulado.  No entanto, ele foi traspassado pelas nossas transgressões, Foi esmagado pelos nossos erros. Ele sofreu punição para que tivéssemos paz; E, por causa das suas feridas, fomos curados. Todos nós andávamos como ovelhas perdidas, Cada um de nós seguia o seu próprio caminho;E Jeová fez com que os erros de todos nós recaíssem sobre ele.  Ele foi oprimido e deixou-se atribular, Mas não abriu a boca.Foi levado como um cordeiro ao abate, Como uma ovelha que fica em silêncio diante dos seus tosquiadores;E ele não abriu a boca"

(Isaías 53:3-7)

Obviamente, é Jeová Deus (YHWH Elohim), o Pai, quem inspirou profeticamente estas palavras registradas pelos profetas Zacarias e Isaías, a respeito da morte de Jesus Cristo (Yehoshuah Mashiah), o Filho. Ao meditar neste texto, podemos entender que é o depósito dos sentimentos do Pai sobre as circunstâncias que precederam e terminaram na morte sacrificial de Jesus Cristo, o Filho. O que se segue é uma meditação sobre os sentimentos de Jeová Deus, por meio de uma série de perguntas retóricas ou reflexões pessoais, sobre as circunstâncias que levaram e culminaram na morte de seu Filho Unigênito.

Quais foram os sentimentos do Pai ao ver seu Filho profundamente entristecido e angustiado, pouco antes das longas horas de sofrimento que iria sofrer até a morte?

“Ao sair, ele foi, como de costume, para o monte das Oliveiras, e os discípulos também o seguiram. Quando chegaram ao lugar, ele lhes disse: “Persistam em orar, para que não caiam em tentação.” E ele se afastou deles à distância de um arremesso de pedra, ajoelhou-se e começou a orar, dizendo: “Pai, se tu quiseres, afasta de mim este cálice. Contudo, ocorra não a minha vontade, mas a tua.” Apareceu-lhe então um anjo do céu e o fortaleceu. Mas ele ficou tão angustiado que orou ainda mais intensamente; e o seu suor se tornou como gotas de sangue que caíam no chão. Quando ele se levantou depois de orar e se dirigiu aos discípulos, encontrou-os adormecidos, exaustos de tristeza" (Lucas 22:39-45).

Jesus Cristo ficou profundamente angustiado sabendo da tristeza que Deus sentiria, vendo o que os homens iriam infligir a ele. Deus enviou um anjo para confortar seu Filho muito entristecido e angustiado, antes de abandoná-lo à morte nas mãos de Satanás, o diabo, e seus filhos humanos.

Como se sentiu o Pai ao ver seu Filho ser tratado com desrespeito, insultado, esbofeteado, alguns cuspindo nele: “Qual é a sua opinião?” Eles responderam: "“Qual é a opinião de vocês?” Eles responderam: “Ele merece morrer.” Cuspiram-lhe então no rosto e o esmurraram. Outros o esbofetearam, dizendo: “Profetize-nos, ó Cristo. Quem bateu em você?”" (Mateus 26:66-68).

A frase "Profetize-nos, ó Cristo. Quem bateu em você?", sugere que eles tinham vendado Jesus Cristo quando bateram e cuspiram nele.
Quais foram os sentimentos do Pai quando viu que o povo preferiu libertar um criminoso, em vez de seu Filho? Como o Pai se sentiu quando viu seu Filho açoitado, e depois insultado e espancado pelos soldados?

"Ele soltou então Barrabás, porém mandou que Jesus fosse chicoteado e o entregou para ser morto na estaca. Os soldados do governador levaram Jesus para a residência do governador e reuniram em volta dele todo o grupo de soldados. Depois de despi-lo, puseram nele um manto escarlate; trançaram uma coroa de espinhos e a puseram na cabeça dele, bem como uma cana na sua mão direita. E, ajoelhando-se diante dele, zombaram dele, dizendo: “Salve, Rei dos judeus!” Então cuspiram nele, pegaram a cana e começaram a lhe bater na cabeça. Por fim, depois de terem zombado dele, tiraram-lhe o manto e puseram de volta nele suas roupas, e o levaram para ser pregado na estaca" (Mateus 27:26-31).

A flagelação causou grande perda de sangue, o que resultou uma anemia de Jesus Cristo, consequentemente ele não tinha mais forças para carregar a estaca, ao contrário dos outros dois criminosos que o acompanhavam: "Ao saírem, encontraram um homem de Cirene chamado Simão. Obrigaram esse homem a prestar serviço carregando a estaca" (Mateus 27:32).

Como o Pai se sentiu quando viu os soldados romanos pregando as mãos e os pés do seu Filho para pendurar o seu corpo? É muito provável que Jesus Cristo, naquele momento, tenha pensado nos sentimentos de seu Pai, quando disse: "Pai, perdoa-lhes, pois não sabem o que estão fazendo" (Lucas 23:34). De fato, como um pai pode se sentir, quando alguém ataca o que quer matar seu filho?

Como o Pai se sentiu durante as seis horas de sofrimento, até o momento da morte de seu Filho Unigênito? "E Jesus clamou em alta voz e disse: “Pai, às tuas mãos confio o meu espírito”" (Lucas 23:46).

Jeová Deus, o Pai, retratou profeticamente o sofrimento emocional de Maria, a mãe de Jesus, no momento da morte de seu Filho: "Também, Simeão os abençoou e disse a Maria, a mãe do menino: “Escute, este menino será motivo para a queda e para o levantamento de muitos em Israel, e será um sinal contra o qual falar — e, quanto a você, uma longa espada a atravessará —, a fim de que os raciocínios de muitos corações sejam revelados”” (Lucas 2:34,35).

Esta imagem duma espada atravessar a alma de Maria, para descrever a violência da dor emocional que ela teria após a morte de seu Filho, nos dá uma ideia do profundo sentimento de tristeza que o Pai sentiu. Nesta circunstância, em resposta ao ato mais monstruoso dos humanos, Deus respondeu com o ato mais elevado de seu Amor, dando seu Filho para salvar a humanidade: "Porque Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele exercer fé não seja destruído, mas tenha vida eterna" (João 3:16).

A PROMESSA DE DEUS

POR QUE ?

CRISTO - SALVAÇÃO

O BATISMO SALVA

O REI JESUS CRISTO

AS DOUTRINAS BÁSICAS DA BÍBLIA

O MENU PRINCIPAL

TWITTER

FACEBOOK

FACEBOOK BLOG

Se faz favor, clique na primeira imagem para acessar a apresentação de slide