Español                                   English                                   Français

A LEITURA DA BÍBLIA

BÍBLIA ONLINE

BÍBLIA ONLINE (Traduções comparativas)

BÍBLIA ONLINE (Em vários idiomas)

 

"Mas seu prazer está na lei de Jeová, E ele lê a Sua lei em voz baixa dia e noite. Ele será como uma árvore plantada junto a correntes de água, Uma árvore que dá fruto na sua estação E cuja folhagem não murcha. Tudo o que ele fizer será bem-sucedido"

(Salmos 1:2,3)

INTRODUÇÃO

A Bíblia é inspirada por Deus: "Toda a Escritura é inspirada por Deus e proveitosa para ensinar, para repreender, para endireitar as coisas, para disciplinar em justiça, a fim de que o homem de Deus seja plenamente competente, completamente equipado para toda boa obra" (2 Timóteo 3: 16,17). "Pois, acima de tudo, vocês sabem que nenhuma profecia das Escrituras se origina de interpretação pessoal. 21 Porque a profecia nunca foi produzida pela vontade do homem, mas os homens falaram da parte de Deus conforme eram movidos por espírito santo" (2 Pedro 1:20,21). Quarenta pessoas participaram da redação da Bíblia.

A leitura da Bíblia nos permite conhecer melhor o pensamento de Jeová e o de Cristo: "Pois “quem chegou a conhecer a mente de Jeová, para poder instruí-lo”? Mas nós temos a mente de Cristo" (1 Coríntios 2:16). Nós permite ter boas relações com Jeová Deus e Seu Filho Jesus Cristo, instalado como Rei do Reino de Deus celestial por Seu Pai (Salmos 2). O conhecimento de Deus e de Cristo pode permitir-nos obter a vida eterna: "Isto significa vida eterna: que conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e àquele que tu enviaste, Jesus Cristo" (João 17:3).

(Os ensinamentos básicos da Bíblia)

Ler a Bíblia nos permite ter bons pensamentos (Filipenses 4:6-9). Ler a Bíblia permite memorizar algumas passagens essenciais, a fim de encontrar mais facilmente os princípios bíblicos que nos guiarão em nossas decisões. De maneira mais geral, a leitura diária da Bíblia nos permite obter as bênçãos de Deus e uma melhor qualidade de vida, na medida em que as aplicamos em nossas vidas: "Contudo, tornem-se cumpridores da palavra, e não apenas ouvintes, enganando-se com raciocínios falsos. Porque, se alguém é ouvinte da palavra e não cumpridor, é semelhante a um homem que olha seu próprio rosto num espelho. Pois ele olha para si mesmo, vai embora e logo esquece como ele é. Mas aquele que examina com cuidado a lei perfeita que pertence à liberdade, e continua nela, tornou-se não um ouvinte que facilmente se esquece, mas um cumpridor da obra; e ele será feliz no que faz" (Tiago 1:22-25, Salmo 1:2,3).

Algumas informações a serem conhecidas para poder avançar na leitura da Bíblia

Algumas pessoas preferem ler a Bíblia de maneira segundo a ordem dos 66 livros. Outros preferem uma leitura bíblica temática. Podemos usar os dois modos de ler a Bíblia. De qualquer modo, para aproveitar melhor a leitura, existem informações que nos permitirão usar a Bíblia de maneira mais direcionada. A subdivisão de cada um dos 66 livros da Bíblia, em capítulos e versículos, torna possível localizar rapidamente as passagens bíblicas mencionadas. Por exemplo, Salmos 1:2,3: o nome do livro bíblico "Salmos", capítulo 1, versículos 2 e 3. Se a referência bíblica não estiver citada em um artigo bíblico, poderá procurá-la na Bíblia para verificar a precisão do ensino da Bíblia (Atos 17:11).

A Bíblia é um livro que foi escrito durante um período de mais de 1600 anos, do século 16 AC, até o final do primeiro século DC. Os 39 livros foram escritos antes da vinda de Jesus Cristo na terra, em hebraico e aramaico. Esta primeira parte da Bíblia é comumente referida como o Antigo Testamento ou as Escrituras Hebraicas. A segunda parte da Bíblia, composta por 27 livros, é chamada de Novo Testamento ou Escrituras Gregas Cristãs.

As Escrituras Hebraicas

Têm três partes principais:

1 - A parte histórica consiste em 17 livros bíblicos, de Gênesis ao Livro de Ester. A história começa com a criação do universo, bilhões de anos atrás (Gênesis 1:1); o planejamento do planeta Terra para permitir a vida vegetal, animal e humana em seis períodos de vários milhares de anos (Gênesis 1:2-2:24). O relato do capítulo 3 de Gênesis é o do ataque do diabo contra à soberania de Deus, Adão e Eva associados a essa rebelião e seu respectivo julgamento (Gênesis 3).

(Desde 1914, Satanás, o diabo, foi expulso do céu com demônios na terra, de acordo com Apocalipse 12: 9)

(Desde 1914, Jesus Cristo foi entronizado no céu, de acordo com Apocalipse 11:15) O entendimento da profecia de Daniel, capítulo 4, possibilita a obtenção do ano de 1914)

(O FIM DO PATRIOTISMO: Jesus Cristo é atualmente Rei nos Céus, no meio de seus inimigos (Salmos 2). O Rei Jesus Cristo quebrará o governo sem o Deus das Nações, na grande tribulação)

Gênesis 3:15 é a promessa de Deus, que é o tema central da Bíblia: "E porei inimizade entre você e a mulher, e entre o seu descendente e o descendente dela. Este esmagará a sua cabeça, e você ferirá o calcanhar dele". O entendimento dessa profecia fornece uma boa visão geral da articulação da história da Bíblia e de suas profecias. O pacto com Abraão, a criação do povo de Israel, o reinado davídico, torna possível entender progressivamente esse enigma bíblico. Esta parte histórica termina com o retorno do povo de Israel à Palestina após 70 anos de exílio na Babilônia (Os Livros de Neemias e Esdras).

Nesta parte histórica, há o que constitui o pacto da Lei, do livro de Êxodo ao livro de Deuteronômio, intercalado com narrativas históricas dos israelitas durante os 40 anos de peregrinação no ermo. Para ter uma boa ideia geral do espírito desse conjunto de leis, leia os capítulos 20-23 de Êxodo.

(A PROMESSA DE DEUS: a explicação detalhada da profecia de Gênesis 3:15)

(Os cristãos não são mais debaixo a autoridade da lei concedida a Moisés (Romanos 10: 4). No entanto, a Lei mosaica tem uma dimensão profética, de acordo com as palavras inspiradas do apóstolo Paulo (Colossenses 2:17, Hebreus 10:1). Como isso é realizado na congregação cristã?)

2 - A parte poética consiste em 5 livros bíblicos, que vão de Jó ao Cântico de Salomão. O livro de Jó fornece outra informação muito importante sobre o desafio do diabo contra à soberania de Deus mencionada no capítulo 3 de Gênesis. Nos capítulos 1 e 2 de Jó, entendemos que o desafio do diabo também é respeito à integridade do ser humano diante às provações: "Mas Satanás disse a Jeová: “Pele por pele. O homem dará tudo o que tem pela sua vida. Mas agora, levanta a mão e atinge seus ossos e sua carne, e com certeza ele te amaldiçoará na tua própria face" (Jó 2:4,5). O relato do livro nos informa que Jeová Deus permitiu, durante certo tempo, que o diabo fizesse com que Jó sofresse, sem permitir que ele o provocasse a sua morte. Essa permissão do mal tornou possível dar uma resposta moral ao desafio do diabo: Jó permaneceria inculpe diante de Deus, mesmo em provações terríveis, neste caso, diretamente provocadas pelo diabo? A fé de Jó foi vitoriosa, e ele permaneceu integro, dando glória a Deus: "Até eu morrer não renunciarei à minha integridade!" (Jó 27: 5). Jeová Deus recompensou a integridade de Jó (Jó 42:10-17, Tiago 5:11). Gênesis 3 e o livro de Jó nos permitem entender melhor as questões espirituais da permissão divina temporária, da iniquidade no mundo.

O livro poético dos Salmos nos permite ver exemplos de orações que podem ser dirigidas a Deus (Salmos 141:2). Este livro bíblico também tem uma dimensão profética. Existem profecias a respeito do Messias (Salmos 2, a entronização celestial do rei Jesus Cristo, 22 as circunstâncias da morte sacrificial de Cristo, 45 o casamento celestial do rei Jesus Cristo com sua esposa real, a Nova Jerusalém (144000) (Apocalipse 19: 7,8; ​​21: 2)). Profecias sobre o futuro paraíso terrestre (Salmos 37, 46, 72).

(Jesus Cristo deu conselhos muito específicos sobre a oração)

(A humanidade estará livre das conseqüências do pecado (Romanos 5: 12,13))

O livro de Provérbios contém recomendações para ter boas relações com Deus, com os humanos em geral e dentro da família. O livro de Eclesiastes mostra que uma existência humana sem Deus é vão. Para dar sentido à sua existência, é essencial obedecer a Deus (Eclesiastes 12:13,14). A construção deste livro bíblico é estranha porque é preciso ler o final deste livro para entender, em uma primeira leitura, sua mensagem geral.

3 - A parte profética consiste em 17 livros bíblicos, de Isaías até Malaquias. É impossível resumir de maneira muito condensada o conteúdo desses livros. A soma das informações históricas e bíblicas é simplesmente astronômica. Existem profecias messiânicas sobre o povo de Israel, Jerusalém, os povos ao seu redor, o fim dos tempos, o Dia de Jeová (a Grande Tribulação), a sucessão das potências mundiais, o futuro paraíso terrestre...

Nesta parte profética, existem os três primeiros livros que são mais importantes em número de capítulos: Isaías, Jeremias (associado ao livro de Lamentações) e Ezequiel. Em Isaías 53, existem profecias messiânicas relacionadas às circunstâncias da morte sacrificial de Cristo. Em Isaías 11, 35, 65, há uma descrição profética encorajadora do futuro paraíso terrestre. Em Ezequiel 38 e 39, há a profecia sobre Gogue de Magogue, que precede a grande tribulação. Em Ezequiel 40-48, há uma descrição profética da futura administração do Reino de Deus na Terra.

(A profecia de Ezequiel 40-48 descreve simbolicamente a administração terrestre do Reino de Deus)

(A profecia de Ezequiel 40-48 descreve simbolicamente o papel dos príncipes que administrarão a vinda dos ressuscitados terrestres, mas também a adoração a Jeová, fora do templo espiritual)

(A profecia de Ezequiel 40-48 descreve simbolicamente o papel dos sacerdotes terrestres (os filhos de Zadoc), que lidarão diretamente com a administração da adoração a Jeová, no templo espiritual (Eles representarão o povo através da oração, eles ensinarão, julgarão os ressuscitados injustos (João 5: 28, 29))

Em seguida, vêm os livros proféticos em menor número de capítulos, de Daniel a Malaquias. No entanto, seu poder profético é tão importante quanto os três primeiros. A profecia de Daniel é espiritualmente muito poderosa. Além disso, grande parte das profecias de Jesus Cristo a respeito de Jerusalém, o fim deste sistema de coisas, é essencialmente baseada nas profecias de Daniel dos capítulos 9, 11 e 12 de Daniel (Mateus 24, Marcos 13 e Lucas 21).

(A profecia de Daniel, "dos dois reis", detalha os dramáticos eventos que ocorreram e ocorrem no Oriente Médio, o que levará à grande tribulação (Daniel 11-12: 1))

(A profecia de Daniel, capítulo 8, que anunciou centenas de anos antes, o advento de Alexandre o Grande, descreve antecipadamente a face e a atitude do último rei do poder mundial, que vai faze frente ao rei Jesus Cristo durante a grande tribulação)

As profecias do dia de Jeová, a grande tribulação, do livro de Zacarias, associadas aos livros de Joel, Amós, Naum, Habacuque e Sofonias, fornecem informações muito precisas sobre o tempo da grande tribulação, o que acontecerá e o que temos de fazer para sobreviver.

As Escrituras Cristãs Gregas

Eles têm quatro partes:

1 - Os Evangelhos Mateus, Marcos, Lucas e João relatam a vida de Cristo na terra e, especialmente, seus ensinamentos. Em Mateus dos capítulos 5 a 7, há o sermão do monte. Esse ensinamento muito poderoso, espiritualmente, combina simplicidade na expressão de ideias (geralmente ilustrada com exemplos), com uma profundidade no sentido. Por exemplo, neste sermão, ele começa repetidamente seu raciocínio citando a Lei que todos os israelitas conheciam (não assassine, não cometa adultério, divórcio, promessas feitas a Deus e a homens...), para explicar o princípio que a sustenta. Ele mostrou que, do ponto de vista de Deus, não é tanto a ação que conta, mas, mais importante, a intenção que a precede, especialmente no caso de leis que proíbem assassinato e adultério. O ódio e os insultos muitas vezes precedem o assassinato e, mesmo neste estágio de não realização do assassinato, do ponto de vista de Deus, qualquer pessoa nessa situação é culpada de homicídio. É o mesmo para o adultério, muitas vezes a visão constrói a intenção que pode levar à ação. Para Jesus Cristo, visão e intenção são iguais à ação (mesmo que não sejam concretizadas) (Mateus 5:21-23,27-30).

(A Bíblia condena o ódio contra o próximo, o ódio patriótico e religioso (Ver Ensino da Bíblia (Parte 2: Proibido na Bíblia))

Mateus 24:25, Marcos 13 e Lucas 21 contêm as profecias de Jesus Cristo a respeito do fim deste sistema de coisas.

(Estamos vivendo os últimos dias desse sistema de coisas, que definitivamente acabarão com a grande tribulação)

2 - O livro de Atos dos Apóstolos, é a história do início das congregações cristãs, em Jerusalém, em Samaria e ao redor do Mediterrâneo.

3 - As cartas dos apóstolos e discípulos responsáveis ​​pela administração das várias congregações cristãs, de Romanos a Judas. A maioria das cartas é escrita pelo apóstolo Paulo (de Romanos a Hebreus). É interessante notar que as cartas escritas por Tiago e Judas são escritas pelos dois meio-irmãos de Jesus Cristo (Mateus 13:55, Judas 1 (irmão de Tiago)).

4 - O livro do Apocalipse: É um afresco profético escrito, feito de visões enigmáticas cuja coerência geral reside na resolução dos enigmas proféticos. Somente Deus, por meio de Seu Filho Jesus Cristo, permite compreender (Mateus 11:25). Este livro contém profecias a respeito do fim deste sistema de coisas (como Mateus 24,25, Marcos 13 e Lucas 21) (Apocalipse 6,14,19) e as bênçãos do reinado milenar de Cristo (Apocalipse 21 e 22).

Conclusão sobre a leitura da Bíblia

É muito importante associar nossa leitura da Bíblia à oração. Também é importante lê-lo sem preconceitos religiosos. Muitas vezes, nossa educação religiosa molda nosso entendimento da Bíblia. Essa educação religiosa, mesmo cristã, é frequentemente imbuída de dogmas não bíblicos de origem greco-romana: a imortalidade da alma, o inferno de fogo onde os mortos são torturados, o purgatório, o limbo, a trindade. Antes de cada leitura, devemos pedir a Deus que nos ajude a nos livrar desses preconceitos, a nos libertar espiritualmente para entender a Bíblia com a ajuda de Deus (Mateus 11:25). Jesus Cristo disse: "vocês conhecerão a verdade, e a verdade os libertará" (João 8:32). Essa libertação está em nossa cabeça e no nosso coração simbólico, em nossa capacidade de pensar a Bíblia usando nosso próprio discernimento que nos leva a entender o pensamento de Deus por meio de Cristo (1 Coríntios 2:16). Jesus Cristo ensinou seus apóstolos a pensar por si mesmos para discernir a mente de Deus (compare Mateus 16:23 "os pensamentos de Deus" e Mateus 17:25 "O que acha, Simão?"). É isso que devemos fazer, orando pela ajuda de Deus, lendo a Bíblia e aplicando todos os dias.

A PROMESSA DE DEUS

JEOVÁ O NOME REVELADO

MENU