ENGLISH                             ESPAÑOL                           FRANÇAIS

BÍBLIA ONLINE

BÍBLIA ONLINE (Traduções comparativas)

BÍBLIA ONLINE (Em vários idiomas)

Menu temático de artigos bíblicos

As frases azuis indicam explicações bíblicas adicionais e detalhadas. Basta clicar no hiperlink azul. Os artigos bíblicos são escritos principalmente em quatro idiomas:

português, francês, espanhol e inglês

 VÍDEO DA VISÃO DO APÓSTOLO JOĀO DA NOVA JERUSALÉM

APOCALIPSE 21:10-21

Escrito em Inglês

(SE FAZ FAVOR, CLIQUE SOBRE A LIGAÇÃO PARA VER O VÍDEO)

A Nova Jerusalém

"Vi um novo céu e uma nova terra, pois o céu anterior e a terra anterior tinham passado, e o mar já não existia. Vi também a cidade santa, a Nova Jerusalém, descendo do céu, da parte de Deus, e preparada como noiva adornada para o seu marido. Então ouvi uma voz alta do trono dizer: “Veja! A tenda de Deus está com a humanidade; ele residirá com eles, e eles serão o seu povo. O próprio Deus estará com eles. Ele enxugará dos seus olhos toda lágrima, e não haverá mais morte, nem haverá mais tristeza, nem choro, nem dor. As coisas anteriores já passaram" Apocalipse 21: 1-5).

Obviamente, a "Nova Jerusalém" é bem diferente da "Jerusalém de cima" e da "Jerusalém Celestial". É a esposa do Rei Celestial Jesus Cristo, ou seja, os 144.000 reis e sacerdotes comprados da terra (Apocalipse 5:10; 7:3-8; 14:1-5) .

A "Nova Jerusalém" descerá à terra após a Grande Tribulação, no sentido de que alguns humanos serão ungidos como príncipes e outros como sacerdotes terrestres. A grande multidão que sobreviver, como um todo, representa os levitas ou Filhos de Levi (Isaías 32: 1,2 (Os Príncipes); Ezequiel 44: 3 (O Maioral); 40:46 (Filho de Zadoque, sacerdotes terrestresO Filho de Levi).

A Nova Jerusalém, representa a administração terrestre do Reino de Deus, pelos 144.000 reis e sacerdotes no céu. Aquela administração é descrita como uma cidade simbólica na terra, em relação direta com o céu. Aqui está a descrição:

"Ora, aquele que falava comigo segurava como medida uma cana de ouro, para medir a cidade, e os seus portões, e a sua muralha. E a cidade é quadrada, e o seu comprimento é tão grande como a sua largura. E ele mediu a cidade com a cana, doze mil estádios; o comprimento, e a largura, e a altura dela são iguais. Ele mediu também a sua muralha, cento e quarenta e quatro côvados, segundo a medida de homem, sendo também a de anjo. Ora, a estrutura da sua muralha era de jaspe, e a cidade era de ouro puro, como vidro límpido. E os alicerces da muralha da cidade estavam adornados com toda sorte de pedra preciosa: o primeiro alicerce era jaspe, o segundo, safira, o terceiro, calcedônia, o quarto, esmeralda, o quinto, sardônio, o sexto, sárdio, o sétimo, crisólito, o oitavo, berilo, o nono, topázio, o décimo, crisópraso, o undécimo, jacinto, o duodécimo, ametista. Também, os doze portões eram doze pérolas; cada um dos portões era de uma só pérola. E a rua larga da cidade era ouro puro, como vidro transparente" (Apocalipse 21:15-21).

Antes de entender concretamente o que significa essa medida da cidade e sua descrição, vamos examinar as dimensões:

É um cubo de doze mil estádios de lado, pela sua altura, comprimento e largura (12000x185 (m)=2220 (km)). Um cubo tem seis faces, se raciocinarmos em área, o que não é o caso, na medida que nos interessa. A medida é expressa em perímetro ou em linhas paralelas horizontais e verticais:

- Base do cubo: quatro lados do mesmo comprimento.

- Parte superior do cubo: quatro lados do mesmo comprimento.

- Altura do cubo: quatro lados do mesmo comprimento.

Assim, o total das linhas é doze. Uma linha reta são doze mil estádios. Temos a seguinte igualdade: Doze mil estádios multiplicados por doze é igual a cento e quarenta mil. Temos exatamente essa igualdade em Apocalipse 7:4-8, daí sua conexão com Apocalipse 21:15-17 (Veja o simbolismo dos números na Bíblia).

A unidade de comprimento é um estádio romano (185 metros). Neste caso, um estádio é igual ao ministério terrestre (a corrida devidamente completada na terra) de um cristão com esperança celestial (ver 1 Coríntios 9:24-27 (o vencedor da corrida (no estádio romano) recebia uma coroa (veja o versículo 25, comparado com Apocalipse 2:9; 3:11)); 2 Timóteo 4:7; veja Apocalipse 14:20). Os 144.000 estádios representam o perímetro total do cubo ou da cidade. Isso significaria que a medição representaria a preparação de uma construção de uma cidade ou sua construção concluída no presente caso. Mas também por sua altura vertiginosa, as relações com Jeová, do céu com a terra, a Nova Jerusalém agindo como um cordão umbilical. No entanto, esta medida também expressa um julgamento durante o reinado milenar feito com base na "lei do templo" escrita nos "rolos" mencionados em Apocalipse 20:12 (Ezequiel 43:10-13: Este texto liga a medida de a casa com a "lei do templo", como a Nova Jerusalém).

A medida do muro é expressa apenas por sua altura, muito pequena em comparação com a altura geral da própria cidade, ou seja, 144 côvados, uma medida de homem, ou seja, de anjo, segundo o Apocalipse. O milhar é substituído pelo côvado (referindo-se a 144.000), que é uma medida do comprimento humano (o comprimento de um antebraço, até o cotovelo). O muro tem doze portas, mas sua altura é doze vezes doze côvados. São várias as formas de demonstrar que será impossível passar por esta parede sem autorização, tanto pela sua extensão, pelo número de portas vigiadas, como pela sua altura.

O próprio muro e sua altura podem representar a réplica terrestre da Nova Jerusalém enviada por Deus (veja Apocalipse 21:1-4); os 144.000 nos céus representam o cubo de 12.000 estádios, enquanto a muralha representaria a parte terrena da cidade, sua fundação ou base, os muros e portões atuando como proteção. O muro não tem razão de existir exceto na terra porque aqueles que devem ser mantidos temporariamente fora (antes de sua destruição) são seres humanos ou no máximo espíritos confinados nas proximidades da terra (Apocalipse 12:13; 22:15).

A tenda de Deus mencionada em Apocalipse 21:3 está associada à descida da Nova Jerusalém à terra. Seria lógico pensar que representa a parte inferior, ou a base da cidade na terra, o muro, uma estrutura de proteção para a cidade na terra. A tenda de Deus na terra, como vimos acima, poderia constituir um grupo de humanos ao serviço da adoração de Jeová. Deve ser representado por príncipes e sacerdotes terrestres. Em Apocalipse 7:15 é mencionado que a tenda de Deus estará sobre a Grande Multidão, o que implica que este grupo estará diretamente subordinado aos príncipes e sacerdotes terrestres na administração da aadoração de Jeová e no governo da terra.

A medição da Nova Jerusalém é comparável à do Templo Santuário, realizada pelo apóstolo João (Apocalipse 11:1,2). A medição do templo santuário, realizada pelo apóstolo João, parece indicar que as normas divinas escritas na Bíblia, devem ser aplicadas, dentro do recinto deste templo santuário, ou seja, a congregação cristã. O fato de ser João, um humano, que faz a medição, indica que esses padrões cristãos são mantidos pelo trabalho pastoral dos sacerdotes ou supervisores das congregações cristãs. Isso é confirmado em Apocalipse 2 e 3, quando o glorificado Jesus Cristo dá suas instruções, às vezes muito severas, aos sete anjos humanos encarregados das sete congregações.

Assim, aquelas duas medidas representam um julgamento (Mateus 7:2 (Jesus compara o julgamento a uma medida) e Amós 7:7-9 (Jeová compara seu julgamento ao uso dum prumo)). Jesus Cristo em Mateus 19:28 descreveu o período de "recriação" ou ressurreição terrena como um julgamento geral de toda a humanidade sendo ressuscitada. No entanto, no caso da Nova Jerusalém, desta vez é um anjo que mede com a medida dum anjo. Desta vez, no paraíso terrestre, serão medidas certamente aplicadas por humanos, sob a supervisão direta de anjos.

A ideia de julgamento da humanidade, expressa por Jesus Cristo, destaca-se simbolicamente pela presença das doze pedras preciosas na entrada de cada uma das doze portas da cidade, permitindo ou impedindo a entrada na cidade. O que significa? Cada um dos portões tem a inscrição duma das doze tribos de Israel, isso parece aludir às doze tribos de Apocalipse 7:4-8, portanto os 144.000. Os portões dão acesso às árvores da vida ou não (Compare Apocalipse 22 :2,13,19 com Gênesis 3:24). Agora, em Mateus 19:28, Jesus Cristo disse que os 144.000 seriam estabelecidos como juízes das 12 tribos de Israel. Portanto, parece lógico que esses portões representem a autoridade dos 144.000 para julgar quem será digno de entrar na cidade ou não. Visto que esses portões fazem parte do muro, é lógico pensar que são os príncipes e sacerdotes terrestres, que notificarão na terra o que os 144.000 terão decidido no céu (eles mesmos supervisionados pelos doze apóstolos (Mateus 19:28)) (Veja Mateus 18:15-17 e depois 18-20). Príncipes e sacerdotes terrestres são referidos respectivamente na profecia de Ezequiel 40-48 como "maioral" (príncipe) e filhos de Zadoc (sacerdotes terrenos).

A presença dum anjo em cada porta, os doze anjos, parece os descrever como os executores dos julgamentos de Deus (Apocalipse 7:1,2; 12:7; 14:18-20; ver também Mateus 13:41,49). Os julgamentos de Deus serão decididos pelos 144.000 no céu, notificados pelos príncipes e sacerdotes na terra e efetivamente aplicados pelos anjos. Isso explicaria também que a medida é feita por um anjo, à medida do homem (aplicada aos humanos (cana)), ou seja, de anjo (aplicada pelos anjos (o ouro simboliza a matéria celeste que cobria todos os móveis do Santo e Santíssimo no templo santuário)) (Apocalipse 21:15-17).

A muralha é construída de jaspe (Apocalipse 21:18). Essa indicação nos ajuda a entender que o brilho da pedra de jaspe reflete com muita precisão a glória de Deus. Da mesma forma, o brilho dominante da Nova Jerusalém é o jaspe (compare Apocalipse 4:3, (a cor dominante que emana do trono é o jaspe) com 21:11 (a cor dominante que emana da Nova Jerusalém é o jaspe)). O brilho do jaspe poderia simbolizar a glória da soberania de Deus, expressa pelo domínio da Nova Jerusalém na terra.

O que poderia significar a presença das doze pedras preciosas? Elas representam os doze nomes dos apóstolos, que são paralelos ao fato de que nas portas estão inscritos os doze nomes das tribos de Israel. Portanto, é necessário fazer a ligação nesses doze nomes das tribos de Israel, que constituíram a base desta nação, para saber o que essas pedras preciosas representam concretamente. O texto que obviamente parece resolver o enigma, é Êxodo 28:15-21 onde está escrito sobre o peitoral do julgamento:

"E tens de fazer o peitoral do julgamento com o trabalho de bordador. Fá-lo-ás como a feitura do éfode. Fá-lo-ás de ouro, de linha azul e de lã tingida de roxo, e de fibras carmíneas, e de linho fino retorcido. Deve ser quadrado quando dobrado, de um palmo de comprimento e de um palmo de largura. E tens de guarnecê-lo com uma montagem de pedras, havendo quatro fileiras de pedras. Uma fileira de rubi, topázio e esmeralda é a primeira fileira. E a segunda fileira é de turquesa, safira e jaspe. E a terceira fileira é de pedra de lesem, ágata e ametista. E a quarta fileira é de crisólito, e ônix, e jade. Deve haver encaixes de ouro nas suas montagens. E as pedras devem ser segundo os nomes dos filhos de Israel, as doze segundo os seus nomes. Devem ser em gravuras de sinete, cada uma segundo o seu nome, para as doze tribos".

Assim, as doze pedras preciosas do fundamento do muro devem provavelmente aludir ao "peitoral do julgamento", que de fato era o fundamento da justiça divina na terra. O nome das pedras preciosas é diferente para alguns, porque diferentes dos nomes das doze tribos de Israel. Mais concretamente, em Mateus 19:28, quando Jesus Cristo diz que os 144.000 julgarão as 12 tribos terrestres de Israel, ele está se dirigindo especificamente aos doze apóstolos. Isso significaria que são particularmente os doze apóstolos no céu que serão responsáveis ​​pelo julgamento, que atuarão como juízes supremos, notificando aos 144.000 no céu, atuando como portões no muro, que devem ser impedidos ou permitir a entrada na cidade. (Efésios 2:20-21).

Em Apocalipse 21:22 está escrito: "E não vi templo nela, pois Jeová Deus, o Todo-poderoso, é o seu templo, também o Cordeiro o é". A Nova Jerusalém na terra não precisará dum edifício visível ou dum lugar designado para o templo santuário de Jeová e Jesus Cristo (aludindo à presença de um templo na antiga Jerusalém terrena). Eles mesmos servirão como templo santuário, Jesus Cristo sendo o Santo (veja Apocalipse 1:12-16) e Jeová, o Santíssimo (Apocalipse 11:19).

A JERUSALÉM “NÃO PISADA”

“Jerusalém será pisada pelas nações até se cumprirem os tempos determinados das nações”

(Lucas 21:24)

Era “pisada”, a Jerusalém nos tempos quando Jesus Cristo estava na terra ?

Se pode responder que não, por várias razões importantes: a primeira é que, quando a profecia de Daniel capítulo 4, dos 7 tempos de despedimento temporário do rei de Babiônia, não quis dizer que a cidade de Babilônia era "pisada" ou deixou de ser uma potência mundial, naquele tempo. Da mesma maneira, o destrono, em 607 AEC, da dinastia davídica, não quis dizer que a cidade de Jerusalém não seria restaurada, após 70 anos de devastação, no que representava, a cidade do "grande Rei", no tempo de Jesus Cristo (Daniel 9:2; Mateus 5:35).

A segunda razão é que, uma vez que em 607 AEC, Jerusalém foi "pisada" durante 70 anos, mas depois, foi reconstruída com seu templo após a 537 AEC, em cumprimento da profecia de Daniel capítulo 9: “Você deve saber e entender o seguinte: depois de se emitir a ordem para restaurar e reconstruir Jerusalém, até a vinda do Messias, o Líder, haverá 7 semanas e também 62 semanas. Ela será restaurada e reconstruída, com praça pública e fosso, mas em tempos de aflição” (Daniel 9:25). Foi o rei Artajerjes quem deu a ordem para a reconstrução de Jerusalém em 455 AEC. Nos livros de Esdras e Neemias, há as narrações da reconstrução de Jerusalém e seu templo e, bem como todas a reorganização da adoração e administração da cidade de Jerusalém.

A terceira razão é que a Jerusalém na época da vinda de Jesus Cristo não devia ser "pisada" porque, naquele tempo tinha que cumprir-se a profecia de Zacarias, em 10 de Nisã, 33 EC: “Jubila grandemente, ó filha de Sião. Brada em triunfo, ó filha de Jerusalém. Eis que vem a ti o teu próprio rei. Ele é justo, sim, salvo; humilde, e montado num jumento, sim, num animal plenamente desenvolvido, filho de jumenta” (Zacarias 9:9). O cumprimento: “Dizei à filha de Sião: ‘Eis que o teu Rei está vindo a ti, de temperamento brando e montado num jumento, sim, num jumentinho, descendência dum animal de carga” (Mateus 21:5). A profecia da entrada em Jerusalém, do Cristo Rei, em 33 EC, tinha que cumprir-se numa Cidade “restaurada, reconstruída” (Daniel 9:25).

Cual é o significado da declaração do Cristo: “Jerusalém será pisada pelas nações até se cumprirem os tempos determinados das nações”? O contexto da profecia de Lucas 21: 20-24 é o anúncio da futura destruição de Jerusalém em cumprimento da profecia de Daniel 9:26 b e 27b: “E a cidade e o lugar santo serão arruinados pelo povo de um líder que há de vir. E o fim disso será pela inundação. E até [o] fim haverá guerra; o que foi determinado são desolações. (...) E sobre a asa de coisas repugnantes haverá um causando desolação; e até a exterminação derramar-se-á a coisa determinada também sobre aquele que jaz desolado”.

Como estava escrito na profecia de Daniel 9:2 que Jerusalém seria "devastada" ou “pisada” durante 70 anos e depois reconstruída (Daniel 9:25), Jesus Cristo indicava que a destruição de Jerusalém (que ocorreria em 70 EC), em cumprimento de Daniel 9:26 b e 27b, esta vez: “Jerusalém será pisada pelas nações até se cumprirem os tempos determinados das nações” (e não apenas 70 anos).

 A “JERUSALÉM CELESTIAL” E A “JERUSALÉM DE CIMA” NENHUMA DIFERENÇA

“Mas, vós vos chegastes a um Monte Sião e a uma cidade do Deus vivente, a Jerusalém celestial, e a miríades de anjos, 23 em assembléia geral, e à congregação dos primogênitos que foram alistados nos céus, e a Deus, o Juiz de todos, e às vidas espirituais dos justos que foram aperfeiçoados, 24 e a Jesus, o mediador dum novo pacto, e ao sangue da aspersão, que fala melhor do que o [sangue] de Abel” (Hebreus 12:22-24).

“Mas a Jerusalém de cima é livre, e ela é a nossa mãe. 27 Porque está escrito: “Regozija-te, ó mulher estéril, que não dás à luz; irrompe e grita alto, ó mulher que não tens dores de parto; pois os filhos da desolada são mais numerosos do que [os] daquela que tem marido” (Gálatas 4:26,27).

As duas expressões Bíblia, Hebreus 12: 22,23 "Jerusalém celeste" com Gálatas 4: 26,27 "Jerusalém acima", não há diferença: as duas expressões bíblicas representam Deus com Cristo e aqueles que vão reinar com ele juntos com os anjos nos céus.

A "Jerusalém de cima" ou a "Jerusalém celestial" é a "mulher" de Gênesis 3:15: "E porei inimizade entre você e a mulher, e entre o seu descendente e o descendente dela. Este esmagará a sua cabeça, e você ferirá o calcanhar dele" (Gênesis 3:15).

A "Jerusalém de cima" ou a "Jerusalém celestial" é a "mulher" que dá à luz um "filho" em Apocalipse 12: "Viu-se então um grande sinal no céu: uma mulher estava vestida com o sol; a lua estava debaixo dos seus pés, e na cabeça dela havia uma coroa de 12 estrelas. Ela estava grávida e clamava nas suas dores e na sua agonia de dar à luz. (...) E ela deu à luz um filho, um menino, que pastoreará todas as nações com vara de ferro. O filho dela lhe foi então subitamente tirado e levado para Deus e para o seu trono" (Apocalipse 12:1-6). Esse "filho" representa tanto Jesus Cristo como Rei Celestial entronizado, como o Reino de Deus, com os 144.000 reis e sacerdotes mencionados em Apocalipse 7:3-8 e 14:1-5.

Dada toda essa informação bíblica, entendemos que a "Jerusalém de cima" ou a "Jerusalém celestial" representa a família celestial de Deus, que está associada a Ele como Sua noiva (Isaías 54: 1) (A promessa de Deus).

A destruição da atual Jerusalém

“Não observais todas estas coisas? Deveras, eu vos digo: De modo algum ficará aqui pedra sobre pedra sem ser derrubada”

(Mateus 24:2)

A primeira realização da destruição da antiga Jerusalém

“Não observais todas estas coisas? Deveras, eu vos digo: De modo algum ficará aqui pedra sobre pedra sem ser derrubada”
(Mateus 24:2)

A profecia da destruição de Jerusalém é realizada em duas etapas. A primeira realização (não concluída) é a destruição do templo e a devastação da cidade de Jerusalém em 70 EC (não mencionada na Bíblia) (exceto nos versículos 21 e 22 que mencionam a grande tribulação sobre Jerusalém que será, internacional). Essa primeira conquista é baseada na profecia de 70 semanas de anos, de Daniel capítulo 9: 24-27, que anunciava o fim da aliança especial de Deus com o Israel terrestre (versículo 27a). Esse período de 70 semanas terminou em 36 (De nossa era), quando o oficial Cornélio foi batizado, quando Jeová Deus voltou sua atenção para todas as nações. A partir de então, o relacionamento especial de Deus com a nação terrestre de Israel havia terminado definitivamente (Atos 10). Atualmente, a cidade da antiga Jerusalém foi reconstruída, mas não tem mais o status de capital mundial da adoração de Jeová (Ver Mateus 23:38 "Agora a sua casa ficará abandonada"). Esta antiga Jerusalém será substituída por uma Nova Jerusalém celestial que governará toda a terra (Apocalipse 21:1-4) (O SINAL DO FIM).

A segunda realização da destruição final da antiga Jerusalém

durante a grande tribulação

"Portanto, quando vocês virem a coisa repugnante que causa desolação, da qual falou Daniel, o profeta, estar num lugar santo (que o leitor use de discernimento), então, os que estiverem na Judeia fujam para os montes"
(Mateus 24:15,16)

A futura destruição da atual Jerusalém durante a grande tribulação, anunciada profeticamente por Jesus Cristo, também é confirmada na profecia de Zacarias: "Jeová sairá para guerrear contra essas nações, como quando ele luta num dia de batalha. Naquele dia seus pés estarão sobre o monte das Oliveiras, que fica diante de Jerusalém, ao leste; e o monte das Oliveiras será partido ao meio, de leste a oeste, formando um vale muito grande; metade do monte se moverá para o norte, e metade para o sul. Vocês fugirão para o vale dos meus montes, pois o vale dos montes se estenderá até Azel. Vocês terão de fugir, assim como fugiram por causa do terremoto nos dias de Uzias, rei de Judá. E Jeová, meu Deus, virá, e todos os santos estarão com ele" (Zacarias 14:3-5).

Do mesmo modo que esta profecia menciona que os santos fugiram de Jerusalém para salvar suas vidas, então Jesus Cristo recomendou aos santos que fugissem da cidade antes da futura grande tribulação: "Portanto, quando vocês virem a coisa repugnante que causa desolação, da qual falou Daniel, o profeta, estar num lugar santo (que o leitor use de discernimento), então, os que estiverem na Judeia fujam para os montes. O homem que estiver no terraço não desça para tirar da sua casa os bens, e o homem que estiver no campo não volte para apanhar sua capa. Ai das mulheres grávidas e das que amamentarem naqueles dias! Persistam em orar para que a sua fuga não ocorra no inverno nem no sábado; pois então haverá grande tribulação, como nunca ocorreu desde o princípio do mundo até agora, não, nem ocorrerá de novo" (Mateus 24:15-21).

"Portanto, quando vocês virem a coisa repugnante que causa desolação, da qual falou Daniel, o profeta, estar num lugar santo (que o leitor use de discernimento)", essa profecia teve seu primeiro cumprimento (não mencionado na Bíblia), no ano 66 da nossa era. O general romano Céstio Galo, durante o primeiro sítio contra Jerusalém, entrou parcialmente em Jerusalém, destruindo parte da parede externa do grande templo. No entanto, por razões inexplicáveis, Céstio Galo saiu sem completar o sítio contra Jerusalém. Essa situação inédita permitiu que os cristãos de Jerusalém (os santos) fugissem dela antes de sua destruição no ano 70, pelo general romano Tito.

A segunda realização ocorreu hoje, pouco antes da futura grande tribulação mencionada em Daniel 12:1 e Mateus 24:21. Na profecia do rei do norte e do rei do sul, está escrito que o rei do sul, a presente potência mundial, instalaria suas "tendas reais" em Jerusalém, um lugar sagrado, pouco antes da grande tribulação: "Armará suas tendas reais entre o grande mar e o monte santo da Terra Gloriosa; e chegará ao seu fim, e não haverá quem o ajude" (Daniel 11:45). O cumprimento desta profecia bíblica ocorreu em 14 de maio de 2018, durante a inauguração dos "tendas reais" do rei do sul, a embaixada americana em Israel, localizada exatamente ao pé do "monte santo da Terra Gloriosa", e entre o "grande mar" (o mar Mediterrâneo). Esta é a pista que mostra que estamos muito próximos da grande tribulação, de acordo com o fim da profecia de Daniel dos dois reis e também com a convergente da profecia de Jesus Cristo:

"Naquele tempo se levantará Miguel, o grande príncipe que está de pé a favor do povo a que você pertence. E haverá um tempo de aflição como nunca houve, desde que começou a existir nação até aquele tempo. Naquele tempo seu povo escapará, todo aquele que se achar inscrito no livro" (Daniel 12:1).

"pois então haverá grande tribulação, como nunca ocorreu desde o princípio do mundo até agora, não, nem ocorrerá de novo" (Mateus 24:21).

O próprio fato de Jesus Cristo mencionar a grande tribulação, a partir da localização geográfica da atual Jerusalém, mostra que o dia e a hora do início desse dramático evento planetário vai começar a partir do seu fuso horário (Hora UTC + 2) (Mateus 24:2,21; Zacarias 14:3-5) (OS DOIS REIS (Última parte das explicações bíblicas)).