ENGLISH                            ESPAÑOL                           FRANÇAIS

BÍBLIA ONLINE

BÍBLIA ONLINE (Traduções comparativas)

BÍBLIA ONLINE (Em vários idiomas)

O NOME REVELADO DE DEUS

JEOVÁ

"Eu certamente me magnificarei, me santificarei e me darei a conhecer diante dos olhos de muitas nações; e terão de saber que eu sou Jeová"

(Ezequiel 38:23)

Fica claro que Deus deseja que seu Nome, Jeová (YHWH) seja conhecido e revelado. Jesus Cristo, o filho de Jeová Deus, tornou conhecido o Nome de seu Pai: "Pai, glorifica o teu nome.” Então veio uma voz do céu: “Eu já o glorifiquei e o glorificarei de novo"" (João 12:28). "Eu tornei o teu nome conhecido a eles, e o tornarei conhecido, para que o amor com que me amaste esteja neles, e eu em união com eles" (João 17:26). Na Oração-Modelo do Senhor Jesus Cristo, que muitos conhecem, o primeiro pedido feito a Deus é: "“Portanto, orem do seguinte modo: “‘Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome"" (Mateus 6:9) Quando examinamos cuidadosamente essa oração, descobrimos que há uma ordem de importância dos pedidos feitos a Deus. Portanto, como Jesus Cristo, devemos considerar o Nome Divino, Jeová, como sagrado e integrá-lo em nosso relacionamento pessoal com Deus, mas também no ministério da Palavra, na pregação das Boas Novas e no ensino da Bíblia para torná-lo conhecido (Mateus 24:14; 28:19,20).

(Jesus Cristo nos ensinou que devemos orar apenas a seu Pai, Jeová Deus)

Alguns dirão que Jesus Cristo não usou o nome de Jeová como parte de seus ensinamentos, nem mesmo em suas orações, nos quatro evangelhos. Isso não significa que ele não pronunciou o Nome Divino. Por exemplo, quando ele foi à sinagoga de Nazaré para anunciar que havia sido ungido por seu Pai para realizar seu ministério terrestre, está escrito: "Então ele foi para Nazaré, onde tinha sido criado, e, segundo o seu costume no dia de sábado, entrou na sinagoga e se levantou para ler. Assim, foi-lhe entregue o rolo do profeta Isaías, e ele abriu o rolo e achou o lugar onde estava escrito: “O espírito de Jeová está sobre mim, porque Ele me ungiu para declarar boas novas aos pobres. Enviou-me para proclamar liberdade aos cativos e recuperação da visão aos cegos, para dar livramento aos esmagados, para pregar o ano aceitável de Jeová.” Com isso, enrolou o rolo, entregou-o de volta ao assistente e se sentou; e os olhos de todos na sinagoga estavam atentamente fixos nele. Então ele começou a lhes dizer: “Hoje se cumpriu essa passagem das Escrituras que vocês acabam de ouvir" (Lucas 4:16-21). O texto bíblico que Jesus Cristo leu em Isaías 61:1, contém o Nome Divino, Jeová. O que significa que Jesus Cristo não hesitou em usar o Nome Divino, Jeová, como parte de uma leitura pública da Bíblia.

(Jesus Cristo é o único caminho que leva a vida eterna)

É pronunciado como está escrito

Algumas pessoas pensam que a pronúncia do Nome Divino foi perdida e que não podemos mais usá-la com vocalização exata. Na profecia de Ezequiel 38:23, Jeová anuncia que seu Nome será conhecido por toda a Terra, especialmente na época da grande tribulação. Portanto, é evidente que Deus manteve seu nome, assim como sua Palavra, a Bíblia, para que possamos conhecê-lo agora. Algumas informações históricas e técnicas relacionadas ao Nome Divino são baseadas em um libro intitulado "Uma História do Nome Divino" - (L'Harmattan (edição francesa)), escrita pelo Senhor Gerard Gertoux, um erudito em hebraico. Esta informação relativa ao Nome Divino é suportada por várias centenas de referências como fontes históricas. A introdução deste livro, nas páginas 9 e 10, resume muito bem todo esse trabalho de pesquisa histórica sobre o Nome Divino. Poderíamos chamá-lo: não há mistério:

"Antes de tudo, escrever o nome de Deus não é um problema: é o nome de quatro letras que YHWH chamado de Tetragrama. Como pronunciar um nome assim? Os dicionários ou enciclopédias indicam que Yahweh é uma vocalização incerta, e que Jeová é uma vocalização incorreta vindo de uma má leitura. Por incrível que possa parecer, esta última afirmação é deliberadamente falsa, mas esse erro grave foi denunciado por eruditos em hebraico de todas as religiões, incluindo a apoio do Vaticano (Congregação da Propaganda), mas sem resultado.

Este nome YHWH é lido sem dificuldade porque é pronunciado como está escrito, ou de acordo com suas letras, para citar a expressão do Talmude. De fato, até 70 dC, os sumos sacerdotes lêem no dia do Iom Kipur, Dia de Expiação, a bênção de Números 6:24-27, pronunciando o Nome YHWH de acordo com suas letras, ou seja, como ele está escrito. Na verdade, esse nome é até o mais fácil de ler de toda a Bíblia, pois são quatro vogais, como lembra Flavius ​​Josephus. A questão de saber quais vogais acompanham as letras YHWH é absurda, porque as vogais massoréticas só apareceram pelo menos no século VI dC. Antes disso, os nomes hebraicos foram vocalizados através das três letras Y, W, H, como os escritos de Qumran (Pergaminhos do Mar Morto), confirmaram amplamente. A letra Y é lida I (ou Ê), a letra W: Û (ou O) e a letra H: A no final das palavras. Por exemplo, "YH" é lido "IA", "YHWDH" é lido literalmente "IHUDA" (Judá). Se o nome não continha vogais, a vogal "a" era inserida; assim YSHQ é lido: ISaHaQ (Isaac), YRWSLYM: IRÛSaLIM (Jerusalém); etc. O nome "YHWH" é lido IHUA (Iua). Para ouvir melhor a letra H (quase inaudível), poderíamos adicionar um "e" mudo, para que o nome YHWDH seja lido literalmente IH-Û-DA se torne I-eH-Û-DA, o equivalente exato do nome hebraico Yehuda. Essa ligeira melhora dá ao nome YHWH a pronúncia I-Eh-Û-A (Ieua), o equivalente à pontuação massorética YeHoWaH. Essa coincidência é notável; providencial se alguém crer que Deus cuidou de seu Nome (visivelmente sem o conhecimento dos copistas)" ("Uma história do Nome Divino ", páginas 9 e 10). Teremos a oportunidade de retornar a outras informações convergentes da vocalização do Nome Divino, Jeová, por um exame dos nomes "teofóricos" hebraicos e aramaicos da Bíblia (contendo o tetragrammaton, parcial ou totalmente).

"Eu Me Tornarei O Que Eu Decidir Me Tornar"

(Êxodo 3:14)

A resposta geralmente fornece o significado da pergunta ou sugere-a implicitamente. A respeito da identidade de Jeová, Moisés pergunta o que ele deve dizer aos seus irmãos israelitas:

"Mas Moisés disse ao verdadeiro Deus: “Suponhamos que eu vá aos israelitas e lhes diga: ‘O Deus dos seus antepassados me enviou a vocês’, e eles me perguntem: ‘Qual é o nome dele?’ O que devo dizer a eles?”" (Êxodo 3:13).

A pergunta parece estranha porque sugere que os israelitas teriam esquecido o próprio nome de Deus de seus antepassados (Abraão, Isaac e Jacó), depois de várias centenas de anos no Egito. Mas, no contexto do livro de Êxodo, os israelitas temiam e sabiam do nome de Jeová. Por exemplo, mais de oitenta anos antes, em relação às parteiras hebreias que se recusavam a matar os recém-nascidos hebreus, do sexo masculino, de acordo a ordem do faraó, a história acrescenta que elas temiam a Jeová (Êxodo 4:17). O próprio Moisés conhecia Jeová, o Deus de seus antepassados ​​(Hebreus 11:23-28). Portanto, sua vocalização exata não era um problema.

Para entender, implicitamente, o significado das duas perguntas de Moisés, é necessário examinar a definição da palavra hebraica (שֵׁם) "shem", traduzida por "nome": "uma denominação, como marca ou memorial da individualidade, honra, autoridade, caráter (personagem) implicitamente" (Corcondância de Strong (H8034)). Dada a resposta de Jeová (no contexto bíblico) e a definição de "shem" (nome), entendemos que esse é o nome ligado a um memorial de ações passadas que constituiria sua reputação:

"Deus disse então a Moisés: “Eu Me Tornarei O Que Eu Decidir Me Tornar.” E acrescentou: “Isto é o que você deve dizer aos israelitas: ‘“Eu Me Tornarei” me enviou a vocês.’” Então Deus disse mais uma vez a Moisés: “Isto é o que você deve dizer aos israelitas: ‘Jeová, o Deus dos seus antepassados, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó me enviou a vocês.’ Esse é o meu nome para sempre, e é assim que serei lembrado de geração em geração" (Êxodo 3:14,15).

A última parte da resposta de Jeová torna possível entender a implicação da pergunta de Moisés: "é assim que serei lembrado de geração em geração". A pergunta "qual é o seu nome?" Deve ser entendida da seguinte maneira: "qual é a sua "fama"", o "qual é o memorial "das ações (passadas) associadas ao seu nome"". E sua resposta, "Eu Me Tornarei O Que Eu Decidir Me Tornar", deve ser posta em perspectiva em relação à ideia dos israelitas e provavelmente de Moisés (criado na corte do Faraó), como segue: para cada deus, seu nome e seu poder ou poder milagroso. O "Eu Me Tornarei", também implica que Moisés queria saber o que dizer sobre o poder milagroso associado ao nome de Jeová.

Assim, quando Jeová Deus fala do seu nome como um "memorial", significa que a pergunta de Moisés sobre o nome era: O que direi aos israelitas a respeito do poder do seu nome e das ações extraordinárias associadas a ele? a este nome (Memorial)? A pergunta de Moisés, referente ao Nome Divino, está inscrita na capacidade de ação do Deus Verdadeiro, que reside no poder de seu Nome. No entanto, a resposta de Jeová é muito boa: no Egito, cada deus tinha um nome associado a um poder de ação muito preciso. Assim, em sua resposta: "Eu Me Tornarei O Que Eu Decidir Me Tornar", Jeová não desejava (e não deseja) que a inteligência humana tranque seu Nome apenas em uma habilidade extraordinária de realizar milagres. No relato de Êxodo 4:1-9, está escrito que Jeová fez quatro milagres, mostrando sua capacidade de criação, transformando o bastão de Moisés em uma serpente e fazendo dele um bastão. Ou fazendo a mão de Moisés ter lepra (destruição) e curá-la (recreação). Por meio dessas duas séries de dois milagres, Jeová Deus ilustrava sua onipotência portanto, somente suas ações extraordinárias revelariam o memorial de seu nome. "Eu Me Tornarei", significa que é a ação empreendida por Deus que daria o significado espiritual do seu nome, de "quem é".

Da etimologia científica de um nome ao seu sentido espiritual

Na Bíblia, um nome hebraico ou aramaico tem um significado etimológico intrínseco que qualquer pessoa que fala essas línguas, pode entender. No entanto, a essa etimologia científica é adicionada uma significância (ou mensagem) espiritual bíblica que explica o significado desse nome, sua autoridade, sua missão. Veja vários exemplos conhecidos:

- Jesus: etimologia científica: Yeshua ou Yehoshua em hebraico significa "Jeová é salvação". A mensagem ou significado espiritual de seu nome: "Ele salvará seu povo dos pecados deles" (Mateus 1:21).

- Noé: etimologia científica: descanso. O significado espiritual de seu nome: consolo: "Este nos trará consolo, aliviando-nos do nosso trabalho e do esforço doloroso das nossas mãos, causados pelo solo que Jeová amaldiçoou" (Gênesis 5:29).

- Israel: etimologia científica: luta com Deus. O significado espiritual de seu nome: Lute e persevere com Deus e com os homens: "Seu nome não será mais Jacó, mas sim Israel, pois você lutou com Deus e com homens e por fim saiu vencedor" (Gênesis 32:28).

- Barnabé (nome de origem aramaica): etimologia científica: Filho da profecia. O significado espiritual de seu nome: Filho da consolação: "Assim fez José, a quem os apóstolos chamavam de Barnabé (que traduzido significa “filho do consolo”)" (Atos 4:36).

Aqui está a explicação encontrada em "Uma história do Nome Divino" (página 41), sobre essas discrepâncias entre a etimologia científica de um nome e seu significado espiritual ou mensagem bíblica:

"Podemos notar o "abismo" que separa esses dois tipos de etimologias: em vez de tentar fazê-las coincidir, devemos lembrar que a explicação dessas diferenças é sempre a mesma: o objetivo das definições bíblicas é fornecer uma mensagem religiosa. Acima de tudo, qual seria o sentido de explicar a um hebreu o significado de um nome hebraico? Assim, é óbvio para um hebreu que o nome Noé significa cientificamente "descanso", mas o versículo de Gênesis 5:29 nos informa que esse "descanso" significará biblicamente "um consolo", porque Noé iria desempenhar um papel profético consolador.

Alguns pensam que a afirmação de Jeová sobre o seu nome, "Eu Me Tornarei O Que Eu Decidir Me Tornar", deve ser considerada como uma etimologia científica do nome, permitindo ao mesmo tempo, uma vocalização mais exata do Nome (Êxodo 3:14). Essa interpretação tem dois grandes obstáculos:

1 - O próprio Nome, Jeová (YHWH), não possui uma etimologia científica hebraica comprovada. O que parece lógico: dizer que o Nome próprio Jeová teria uma etimologia científica seria um anacronismo que sugeriria que a língua hebraica precederia a existência do Nome Divino. Ora, o Nome está intimamente associado a um Deus eterno que não teve princípio (Gênesis 1: 1)... Além disso, de acordo com as declarações inspiradas do apóstolo Paulo, não parece que nos céus se fale hebraico (1 Coríntios 13:1 "em linguas dos anjos"). É mais lógico pensar que a língua hebraica seria construída em torno do Nome, permitindo que até as crianças possaram o vocalizar com toda  simplicidade (é pronunciado de acordo com suas letras para usar a expressão do Talmude, consistindo nas três consoantes/vogais base para a leitura (YHW) (Matres Lectionis): "Jesus lhes disse: “Sim. Vocês nunca leram o seguinte: ‘Da boca de crianças e de bebês fizeste sair louvor’?" (Mateus 21:16 compare com 11:25).

2 - O contexto do livro de Êxodo mostra que os israelitas sabiam o nome do Deus de seus antepassados ​​(Abraão, Isaac e Jacó) e sua vocalização não apresentava nenhum problema. A resposta de Deus "Eu Me Tornarei O Que Eu Decidir Me Tornar" não é uma etimologia científica de seu Nome (que teria ajudado Moisés a vocalizar melhor o Nome), mas uma mensagem espiritual sobre o "memorial" de seu Nome (Êxodo 3:15).

Existem quatro métodos principais para encontrar a vocalização do Nome e a vocalização dos nomes bíblicos

1 - O método da etimologia: o nome é identificado com a sua etimologia (quando existe). Isso é o mais incerto, porque considera que a etimologia é sistematicamente científica e que é equivalente à etimologia ou mensagem espiritual (que nem sempre é o caso (ver explicações acima)) .

2 - O método de leitura de letras que demonstra que o Nome (YHWH) é lido como está escrito. Consiste nas três letras básicas (consoantes/vogais (YHW) (Matres Lectionis)), permitindo sua leitura (Masters Lectionis (A letra Y é lida I (ou Ê), W: Û (ou O) e H: A no final das palavras) (Veja explicações acima).

3 - O método das testemunhas: consiste em examinar as vogais usadas para os nomes hebraicos traduzidos para o grego, no texto da Septuaginta (a Bíblia traduzida do hebraico para o grego (século II a.C.). Por exemplo: Abraão está escrito na Septuaginta, Abraam. Jesus: Iesus. Noé: Noé. Israel: Israel. Judá: Iouda. Moisés: Môusès. Jerusalém: Ierusalem.

4 - O método do onomástico é o estudo dos nomes hebraicos que contêm completamente o Tetragrammaton (YHWH), ou parcialmente (YH). Os nomes com o Tetragrama (inteiro ou parcialmente), são nomes "teofóricos": "Este último método é o mais confiável, porque os nomes são muito estáveis ​​ao longo do tempo, geralmente muito mais do que as próprias palavras da lingua. Os nomes são de alguma forma uma memória dos sons do passado ou "fonogramas". Além disso, apesar de algumas variações, o idioma hebraico era muito estável por um longo período de tempo, por exemplo, as cartas hebraicas de El Amarna datadas do século XIV aC, ainda pode ser entendido por um israelense moderno. Para que se possa reconstruir um nome com uma taxa de confiança muito alta se o nome a ser encontrado for preservado em vários outros nomes e, nesse sentido, o nome divino é extremamente favorecido pois, foi integrado a centenas de nomes, sendo a única dificuldade evitar confundir o grande nome YHWH (Jeremias 44: 26) com o pequeno YH (Salmos 68:4)" (Uma história do Nome, página 45) (YHWH: Jeová, YH: Jah (diminutivo do Nome)).

Conclusão sobre a pronúncia do nome divino

"Fora da vocalização massorética, existem vários métodos para encontrar como se pronunciam os nomes no primeiro século d.C. A etimologia bíblica (que, na verdade, é um ensino religioso), em essência científica, não se usa. Os três outros métodos, por outro lado, dão resultados concordantes. No caso do Tetragrammaton, esses três métodos sucessivamente fornecem as três pronúncias, Iaô (método da testemunha: comparação com os nomes da Septuaginta), Yehowah (método onomástico: comparação com nomes teofóricos), Ihûa (método de leitura das letras). O exame do contexto histórico explica a discrepância em Iaô, porque naquele tempo o substituto hebraico YHW, ou seu O homólogo aramaico YW ainda era amplamente utilizado entre os judeus. (...). Portanto, existe um bom acordo entre as duas pronúncias Yehowah e Ihûa, tão satisfatórias quanto * Yehudah e Ihuda (Judá), *Yeshua e Isûa (Jesus), etc. Em vista dessa concordância, ** deveria ter sido fácil obter a unanimidade na vocalização! " (A História do Nome, página 54).
* A peculiaridade desses dois nomes teofóricos é que eles contêm todo o tetragrama (YHWH). É por isso que eles são tomados como exemplos de vocalizações comprovadas. Portanto, a respectiva vocalização torna possível saber automaticamente como se vocalizava o Nome: Yehudah e Ihuda (Judá), Yesua e Isûa (Jesus): YHWH = Iuah ou Ieuah.
** A conclusão deste livro "Uma História do nome divino", confirma uma vocalização do Nome (Ioua), descoberta há centenas de anos pelo monge espanhol Raymond Martin em seu trabalho (Pujio fidei (Punhal da fé (1278)). Havia desenhado suas fontes nos escritos de R. Moseh Ben Maymon (Maimonides), no seu livro "O Guia dos desencaminhados", capítulos 60-64, parte 1, relativos ao Nome. Outro erudito chamado Porchetus de Salvaticis (1303), como Raymond Martin, usou a mesma vocalização do Nome. 

"Todo aquele que invocar o nome de Jeová será salvo"

(Joel 2:32)

Nosso relacionamento com Jeová é espiritual (não mágico): "No entanto, há uma diferença de tamanho entre os hebreus e outros povos no que diz respeito à concepção do nome dos deus: nos povos da antiguidade, invocar o nome da divinidade a obriga a agir, é uma concepção mágica do nome, enquanto entre os hebreus a invocação do nome de Deus é apenas uma súplica e não um encantamento (1 Reis 8:33,34). Por exemplo, em seu diálogo com Jesus, Satanás citou o Salmo 91:11,12 no sentido de uma obrigação para com Deus, a concepção mágica da oração (análoga à lâmpada de Aladim). Jesus corrigiu essa concepção incorreta (Mateus 4:6,7)" ("Uma História do Nome Divino",  página 57)).

A Bíblia mostra que uma concepção mágica do Nome é espiritualmente perigosa. Pouco antes de sua ascensão ao céu, Jesus Cristo disse que seu Pai o tinha dado toda a autoridade relacionada ao seu nome: "Foi-me dada toda a autoridade no céu e na terra" (Mateus 28:18). Portanto, todos os cristãos que buscavam (e até agora) a ajuda de Deus deviam (e devem) fazê-lo em nome de Cristo. Contudo, o que é aplicável ao Nome Divino, Jeová, também se aplica ao Nome de Cristo, Jesus (Yeoshua): não o usar magicamente, querendo forçar Deus a agir (vocalizando Seu Nome magicamente). Aqui está o que aconteceu em uma ocasião, escrito no livro de Atos (Bíblia):

"Mas alguns judeus que viajavam de um lugar a outro expulsando demônios também tentaram invocar o nome do Senhor Jesus sobre aqueles que tinham espíritos maus; diziam: “Eu lhes ordeno solenemente por Jesus, a quem Paulo prega, que saiam.” Sete filhos de um dos principais sacerdotes judeus, chamado Ceva, faziam isso. Mas o espírito mau lhes disse, em resposta: “Eu conheço Jesus e sei quem é Paulo. Mas quem são vocês?” Assim, o homem que tinha o espírito mau pulou sobre eles, dominou um após outro e prevaleceu sobre eles, de modo que fugiram daquela casa nus e feridos. Isso chegou ao conhecimento de todos, tanto dos judeus como dos gregos que moravam em Éfeso; e todos eles ficaram com medo, e o nome do Senhor Jesus continuou a ser magnificado" (Atos 19:13-17). É óbvio que esses judeus, que estavam fazendo o trabalho de expulsar demônios, usando o nome de Jesus de maneira mágica, sem ter fé nele, foram punidos.

Invocar o nome de Jeová significa que devemos amá-lo (Mateus 22:37-40), ter fé Nele, e ter fé em Seu Filho Jesus Cristo (João 3:16,36; 17:3; Hebreus 11:6). Invocar o nome de Jeová por meio de Seu Filho Jesus Cristo nos permitirá sobreviver à grande tribulação e obter a vida eterna: "Isto significa vida eterna: que conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e àquele que tu enviaste, Jesus Cristo" (João 17:3, Apocalipse 7:9-17).

(O que fazer para sobreviver à grande tribulação?)

(Uma grande multidão de pessoas de todas as nações sobreviverá à grande tribulação)

 A PROMESSA DE DEUS

LENDO A BÍBLIA

MENU