Español                                   English                                   Français

BÍBLIA ONLINE

BÍBLIA ONLINE (Traduções comparativas)

BÍBLIA ONLINE (Em vários idiomas)

uma grande multidão que sai da grande tribulação

"Depois disso eu vi uma grande multidão, que nenhum homem era capaz de contar, de todas as nações, tribos, povos e línguas (...) Esses são os que saem da grande tribulação; eles lavaram suas vestes compridas e as embranqueceram no sangue do Cordeiro"

(Apocalipse 7:9,14)

No livro de Apocalipse está escrito a descrição dos que “saem da Grande Tribulação”, dos que sobreviverão:

“Depois destas coisas eu vi, e, eis uma grande multidão, que nenhum homem podia contar, de todas as nações, e tribos, e povos, e línguas, em pé diante do trono e diante do Cordeiro, trajados de compridas vestes brancas; e havia palmas nas suas mãos. E gritavam com voz alta, dizendo: “[Devemos] a salvação ao nosso Deus, que está sentado no trono, e ao Cordeiro.”

E todos os anjos estavam em pé ao redor do trono e dos anciãos, e das quatro criaturas viventes, e prostraram-se sobre os seus rostos diante do trono e adoraram a Deus, dizendo: “Amém! A bênção, e a glória, e a sabedoria, e o agradecimento, e a honra, e o poder, e a força [sejam] ao nosso Deus para todo o sempre. Amém.”

E, em resposta, um dos anciãos me disse: “Quem são estes que trajam compridas vestes brancas e donde vieram?” Eu lhe disse assim imediatamente: “Meu senhor, és tu quem sabes.” E ele me disse: “Estes são os que saem da grande tribulação, e lavaram as suas vestes compridas e as embranqueceram no sangue do Cordeiro. É por isso que estão diante do trono de Deus; e prestam-lhe serviço sagrado, dia e noite, no seu templo; e O que está sentado no trono estenderá sobre eles a sua tenda. Não terão mais fome, nem terão mais sede, nem se abaterá sobre eles o sol, nem calor abrasador, porque o Cordeiro, que está no meio do trono, os pastoreará e os guiará a fontes de águas da vida. E Deus enxugará toda lágrima dos olhos deles.” (Apocalipse 7:9-17).

A terceira parte da humanidade sobreviverá à grande tribulação

“E terá de acontecer em toda a terra”, é a pronunciação de Jeová, “que duas partes nela serão decepadas e expirarão; e quanto à terceira parte, será deixada sobrar nela. E eu certamente levarei a terceira parte através do fogo; e eu realmente os refinarei como se refina a prata e os examinarei como se examina o ouro. Ela, da sua parte, invocará o meu nome, e eu, da minha parte, lhes responderei. Vou dizer: ‘É meu povo’, e ela, por sua vez, dirá: ‘Jeová é meu Deus’”

(Zacarias 13:8,9)

A palavra traduzida do hebraico "haarèts", traduzida como "país", dependendo do contexto pode significar "terra" ou planeta terra, e este é o caso desta profecia sobre a grande tribulação mundial (Zacarias 1:10,11; 5:3; 6:7; 12:3; 14:9,17). Nessa declaração, Deus divide a humanidade em "três partes". No início, alguém pensaria que seriam três “partes" (H6310 Strong’s Concordance: “פֶּה” (peh)) iguais, ou três “terços” (H7992 Strong’s Concordance “שְׁלִישִׁי” (sheliyshiy)). No texto hebraico, trata-se, de fato, de duas primeiras partes (peh) e da terceira (sheliyshiy), conforme o contexto desta frase, terceira “parte”. O que significa que essas três partes da humanidade, não são necessariamente a mesma quantidade de humanos. Para descobrir a que correspondem as três “partes” da humanidade, é preciso olhar para a dramática celebração do Dia da Expiação, o 10 de Etanim (Tisri).

Embora a profecia de Zacarias não faça a conexão direta entre o "Dia de Jeová" e o "Dia da Expiação", ela o faz de forma enigmática. Um texto de Zacarias sobre a profecia do Renovo, mostra que Jeová tirará o pecado da terra num dia (Zacarias 3:8,9; 14:7). Quando Jeová removia a falha na terra de Israel? No Dia da Expiação, o 10 de Etanim (Tisri) (Levítico 16). Aquele dia era uma celebração da Santidade de Jeová: "Naquele dia estarão inscritas nas sinetas dos cavalos estas palavras: ‘A santidade pertence a Jeová!" (Zacarias 14:20 compare com Êxodo 28:36,37 e Levítico 16: 4 "O turbante" que onde estava escrito, "A Santidade pertence a Jeová"). Portanto, as "três partes" em questão referem-se aos três animais usados ​​na primeira fase dos sacrifícios expiatórios que se referem às três "partes da humanidade".

Os sacrifícios expiatórios (e não as ofertas queimadas (ofertas totais)), três animais estavam envolvidos: um touro e dois cabritos, três animais (Leia Levítico 16). Dos três animais que deviam ser sacrificados de maneira expiatória, os primeiros dois foram de fato (o touro e o primeiro cabrito), enquanto o terceiro foi poupado (o cabrito para Azazel). Agora é importante saber a quem correspondem esses três animais (dois sacrificados e um poupado):

O touro que morria fazia expiação para Arão e sua casa, ou pelo sacerdócio (Levítico 16:6,11). A classe sacerdotal que morrerá para ser instantaneamente ressuscitada no céu, no início da grande tribulação, é a morte dos 7000, mencionada no Apocalipse: "Naquela hora ocorreu um grande terremoto; caiu um décimo da cidade, 7.000 pessoas foram mortas pelo terremoto, e as demais ficaram com medo e deram glória ao Deus do céu” (Apocalipse 11:13). A queda “do décimo da cidade santa”, representa o grupo de 144.000 reis e sacerdotes, suplementados pela morte e ressurreição instantâneas dos 7.000 santos celestiais, no início do Dia de Jeová, a grande tribulação (1 Tessalonicenses 4:17).

O segundo animal, o cabrito sacrificado no dia da expiação, representa a segunda parte da humanidade que perecerá durante a grande tribulação (Levítico 16:5,15). O sacrifício deste segundo animal, é representado de uma forma bastante aterrorizante em Apocalipse 14:18-20 e 19:11-21, nesta passagem Jesus Cristo glorificado é representado como um rei e sumo sacerdote, como o "Renovo" (Zacarias 6:11-13).

O terceiro animal que deveria ter sido sacrificado é finalmente poupado: o cabrito para Azazel: "Arão lançará sortes sobre os dois bodes, uma sorte para Jeová e a outra sorte para Azazel. Arão apresentará o bode que for designado por sorte para Jeová e fará dele uma oferta pelo pecado. Mas o bode designado por sorte para Azazel deve ser trazido vivo perante Jeová para se fazer expiação sobre ele, a fim de que possa ser enviado ao deserto, para Azazel" (Levítico 16:8-10). Obviamente, este "cabrito para Azazel", representa a grande multidão que sobreviverá à grande tribulação, ou "as demais" da "cidade santa" que dá glória a Deus após a morte dos 7.000 santos celestiais: "as demais ficaram com medo e deram glória ao Deus do céu” (Apocalipse 7:9-17; 11:13). Esse entendimento, dá um vislumbre da alegre possibilidade de que mais de um terço da humanidade poderia sobreviver à grande tribulação, ou vários bilhões de pessoas que representariam a "grande multidão", só Deus e Jesus Cristo sabem com certeza, porque está escrito que a grande multidão não pode ser contado (Zacarias 14:10,11).

Para um número tão grande de pessoas sobreviver à grande tribulação, parece óbvio que um número significativo de pessoas não-cristãs sobreviverão à grande tribulação, esta observação é consistente com o contexto da profecia de Zacarias (bem como a profecia de Ezequiel)? Sim.

"Todos os que restarem de todas as nações que vierem contra Jerusalém subirão de ano em ano para se curvar diante do Rei, Jeová dos exércitos, e para celebrar a Festividade das Barracas"

(Zacarias 14:16)

Este texto mostra sem sombra de dúvida que Jeová, depois da grande tribulação, terá poupado uma parte importante da humanidade que simbolicamente "vierem contra Jerusalém" ou não teriam feito parte desta cidade santa (num primeiro tempo). Por outro lado, na profecia de Ezequiel capítulos 40 a 48, Jeová repreende alguns levitas, uma parte significativa da grande multidão, que terá sobrevivido à grande tribulação dessa maneira: "Mas os levitas que se afastaram de mim quando Israel se desviou de mim para seguir seus ídolos repugnantes sofrerão as consequências do seu erro. E eles se tornarão servos no meu santuário para supervisionar os portões do templo e para servir no templo. Abaterão a oferta queimada e o sacrifício para o povo, e ficarão diante do povo para servi-lo. Visto que o serviram perante seus ídolos repugnantes e se tornaram para a casa de Israel uma pedra de tropeço que os levou a pecar, eu levantei minha mão contra eles em juramento’, diz o Soberano Senhor Jeová, ‘e eles sofrerão as consequências do seu erro. Não se aproximarão de mim para servir como meus sacerdotes, nem se aproximarão de nenhuma das minhas coisas sagradas nem das coisas santíssimas. Sofrerão sua vergonha por causa das coisas detestáveis que fizeram. Mas eu os encarregarei das responsabilidades para com o templo, para cuidar do serviço realizado ali e de todas as coisas que se devem fazer nele’" (Ezequiel 44:10-14).

Parece que há uma convergência entre o texto de Zacarias 14:16, que menciona pessoas que sobreviveram à grande tribulação quando vieram "contra Jerusalém" e os levitas que "seguiram seus ídolos repugnantes" (Ezequiel 44:10). Jesus Cristo fez uma declaração importante que mostra que o pecado involuntário, nem sempre acarreta a morte espiritual: “Jesus lhes disse: “Se vocês fossem cegos, não seriam culpados de pecado. Mas, como vocês dizem: ‘Nós vemos’, seu pecado permanece” (João 9:41). Jesus Cristo fala de cegueira espiritual não intencional, cujo pecado não é contado. Muitas pessoas hoje estão numa cegueira espiritual involuntária, de acordo com este texto, muitas delas poderiam se beneficiar da misericórdia de Deus, no dia da grande tribulação.

É interessante notar, sempre de acordo com esta mesma profecia de Ezequiel, como os Filhos de Zadoque são descritos, em contraste com os levitas não sacerdotais: “Quanto aos sacerdotes levíticos, os filhos de Zadoque, que cuidaram das responsabilidades para com o meu santuário quando os israelitas se desviaram de mim, eles se aproximarão de mim para me servir, e ficarão diante de mim para me oferecer a gordura e o sangue’, diz o Soberano Senhor Jeová.  ‘São eles que entrarão no meu santuário; eles se aproximarão da minha mesa para me servir e cuidarão de suas responsabilidades para comigo" (Ezequiel 44:15,16). Obviamente, os filhos de Zadoque que poderão se aproximar de Jeová, como sacerdotes no santuário espiritual, serão cristãos fiéis e perspicazes que atuaram bem em seu ministério cristão, no antigo sistema de coisas, "quando os israelitas se desviaram" de Deus, e terão sobrevivido à grande tribulação (Mateus 24:45,46; 25:21,22).

Esse entendimento, à primeira vista, parece não concordar com a visão da grande multidão que sobrevive à grande tribulação e que em sua totalidade tem fé no valor expiatório do sacrifício de Cristo (Apocalipse 7:9,14). Essa diferença é facilmente resolvida por uma informação importante dada na profecia de Zacarias, a respeito dessa terceira parte poupada. Está escrito: "E eu certamente levarei a terceira [parte] através do fogo; e eu realmente os refinarei como se refina a prata e os examinarei como se examina o ouro. Ela, da sua parte, invocará o meu nome, e eu, da minha parte, lhes responderei. Vou dizer: ‘É meu povo’, e ela, por sua vez, dirá: ‘Jeová é meu Deus.’”” (Zacarias 13:9; Malaquias 3:2-4). Quando esse refinamento importante deve ocorrer para continuar vivendo no paraíso? De acordo com a profecia de Zacarias e Apocalipse (11:19), o Dia de Jeová será no 10 de Etanim (Tisri). De acordo com a profecia de Ezequiel 39:12-14, haverá uma purificação da terra de sete meses, de 10 de Tisri (Etanim) a 10 de nisã (com o mês intercalar Veadar). Parece óbvio que é neste período que Jeová vai "refinar seu povo", de modo a prepará-lo para a vinda à terra da Nova Jerusalém no 10 de nisã, após a grande tribulação.

Em Ezequiel 40:1,2, é na data de 10 de nisã, que o profeta teve a visão da cidade e do templo na terra, que será o início da administração terrestre do Reino de Deus. Esta visão corresponde à descrição da descida da Nova Jerusalém à Terra, a partir de 10 de nisã (Apocalipse 21:1-4). Podemos dizer que a visão de Apocalipse 7:9,14, da grande multidão que sobrevive à grande tribulação, é datada de 10 de nisã, em comparação com o texto de João 12:12-16: “No dia seguinte, a grande multidão que tinha ido à festividade soube que Jesus estava chegando a Jerusalém. Então, pegaram folhas de palmeiras e saíram ao encontro dele, e começaram a gritar: “Salva, rogamos-te! Bendito é aquele que vem em nome de Jeová! Bendito é o Rei de Israel!””. Se compararmos este texto com Apocalipse 7:9, a semelhança é impressionante. Qual é a evidência de que em João 12:12-16, Jesus Cristo realmente entrou como rei ungido, a Jerusalém no 10 de nisã? Um texto que descreve o mesmo evento nos informa que imediatamente depois, Jesus Cristo expulsou do templo os mercadores que vendiam animais para a Páscoa (Mateus 21:10,11). Quando os israelitas tinham que comprar o cordeiro pascal? No 10 de nisã: “Diga a toda a assembleia de Israel: ‘No dia dez deste mês, cada um deve pegar um cordeiro para a sua família, um cordeiro por casa” (Êxodo 12:3).

A descrição do julgamento pelo Rei Jesus Cristo em Mateus 7:21-23 e 25:31-46 é principalmente dirigida à congregação cristã, porque nas duas passagens indicadas, as pessoas que têm um julgamento de condenação parecem conhecer Jesus Cristo (Mateus 7:22; 25:44). Os critérios gerais para julgar toda a humanidade, cristã e não cristã, parecem resumidos nas palavras de Jeová em Ezequiel 9:4: “Jeová disse a ele: “Percorra a cidade, percorra Jerusalém, e marque com um sinal a testa dos homens que suspiram e gemem por causa de todas as coisas detestáveis que estão sendo feitas na cidade”” (Compare com Tiago 4:4). No entanto, esta destruição e preservação seletiva de toda a humanidade também é descrita por Jesus Cristo: “Dois homens estarão então no campo; um será levado e o outro será abandonado. Duas mulheres estarão moendo no moinho manual; uma será levada e a outra será abandonada. Portanto, mantenham-se vigilantes, porque vocês não sabem em que dia virá o seu Senhor" (Mateus 24:40-42) (um em cada dois sobreviverá (repetido duas vezes por Jesus Cristo)).

Regozijemo-nos da grande misericordia de Jeová

"vou declarar diante de ti o nome de Jeová; e vou favorecer ao que eu favorecer e vou ter misericórdia de quem eu tiver misericórdia"

(Êxodo 33:19)

Assim se cumprirá a declaração da misericórdia de Jeová sobre os muitos que sobreviverão à grande tribulação: “Eu mesmo farei toda a minha bondade passar diante da tua face e vou declarar diante de ti o nome de Jeová; e vou favorecer ao que eu favorecer e vou ter misericórdia de quem eu tiver misericórdia” (Êxodo 33:19). A situação será comparável à de humanos injustos que serão ressuscitados quando não conheciam totalmente a vontade de Deus no antigo sistema de coisas (Atos 24:15).

Jesus Cristo deu uma imagem da misericórdia de Deus na ilustração do “filho pródigo”, de um Pai com o olhar dirigido para a volta do seu filho, sempre pronto a perdoar e a facilitar o arrependimento do pecador em vista para lhe conceder a vida eterna: "Enquanto ainda estava longe, o seu pai o avistou e teve pena, e correu e lançou-se-lhe ao pescoço e o beijou ternamente” (Lucas 15:11-32). Jesus Cristo mostrou que o seu Pai aceitaria a sabedoria prática dos humanos para lhes dar misericórdia: "E o seu amo elogiou o mordomo, embora [fosse] injusto, porque agiu com sabedoria prática; pois os filhos deste sistema de coisas são mais sábios, em sentido prático, para com a sua própria geração, do que os filhos da luz” (Lucas 16:1-8). Jesus Cristo mostrou que seu Pai mostraria sua misericórdia no último momento, ilustrando os trabalhadores da décima primeira hora (Mateus 20:1-16).

Em duas das ilustrações, O Filho Pródigo e os Trabalhadores da Décima Primeira Hora, Jesus Cristo mostrou que alguns humanos lamentariam a misericórdia de Deus para com os humanos salvos no último momento. Alguns pensariam que teriam "vencido" pelas "obras" feitas ao longo de muitos anos, uma recompensa muito maior do que aquela dada aos pecadores que se arrependeram no último momento: "Então, quando os primeiros chegaram, concluíram que receberiam mais, mas eles também receberam o pagamento de um denário cada um. Após recebê-lo, começaram a reclamar contra o proprietário e disseram: ‘Esses últimos homens trabalharam só uma hora; ainda assim o senhor os igualou a nós, que suportamos o fardo do dia e o calor intenso!’ Mas ele disse, em resposta, a um deles: ‘Amigo, não lhe faço nenhuma injustiça. Você não concordou comigo em um denário? Pegue o que é seu e vá. Eu quero dar a esse último o mesmo que a você. Não tenho o direito de fazer o que quero com as minhas próprias coisas? Ou você ficou com inveja porque eu fui bom com eles?’ Desse modo, os últimos serão primeiros; e os primeiros, últimos”” (Lucas 15: 25-31; Mateus 20: 9-16).

Nos capítulos 7 e 8 de Zacarias, Jeová incentiva seus servos a servi-lo com amor e sem formalidade espiritual, desprovido de sentimentos como o amor a Deus e à humanidade: “Diga a todo o povo desta terra e aos sacerdotes: ‘Quando vocês jejuavam e lamentavam no quinto e no sétimo mês, durante 70 anos, era realmente para mim que jejuavam? E, quando comiam e bebiam, não era para vocês mesmos que comiam e bebiam? Não deviam vocês obedecer às palavras que Jeová proclamou por meio dos antigos profetas, enquanto Jerusalém e as cidades ao seu redor estavam habitadas e em paz, e enquanto o Neguebe e a Sefelá estavam habitados?’” (Zacarias capítulo 7; 1 Coríntios 13:1-8). Jeová Deus pede sinceridade e amor a Ele e aos Seus princípios contidos em Sua Palavra, a Bíblia: “Recebi novamente a palavra de Jeová dos exércitos: “Assim diz Jeová dos exércitos: ‘O jejum do quarto mês, o jejum do quinto mês, o jejum do sétimo mês e o jejum do décimo mês serão ocasiões de exultação e alegria para a casa de Judá — festividades alegres. Portanto, amem a verdade e a paz’" (Zacarias 8:18,19).

À medida que o julgamento se aproxima para cada um de nós que decidirá do nosso futuro eterno, pouco antes da Grande Tribulação, Jesus Cristo tem recomendado a humildade, a modéstia e a justa auto-estima. Jesus Cristo usou várias ilustrações, como o cobrador de impostos arrependido e o fariseu orgulhoso, ou o convidado da festa de casamento que buscava o primeiro lugar, para mostrar a importância de não ter uma opinião muito elevada de nós mesmos, especialmente quando oramos. Em relação a esta última ilustração, aqui está o que está escrito: "Prosseguiu então a contar aos convidados uma ilustração, ao notar como eles escolhiam os lugares mais destacados para si mesmos, dizendo-lhes: “Quando fores convidado por alguém para uma festa de casamento, não te deites no lugar mais destacado. Talvez ele tenha convidado ao mesmo tempo alguém mais distinto do que tu, e aquele que te convidou venha com ele e te diga: ‘Deixa este homem ter o lugar.’ Então principiarás com vergonha a ocupar o lugar mais baixo. Mas, quando fores convidado, vai e recosta-te no lugar mais baixo, para que, quando vier o homem que te convidou, te diga: ‘Amigo, vai mais para cima.’ Então terás honra na frente de todos os que contigo foram convidados. Porque todo aquele que se enaltecer será humilhado, e aquele que se humilhar será enaltecido”” (Lucas 14:7-11; Romanos 12:3).

Portanto, regozijemo-nos na misericórdia de Deus para com "os filhos pródigos", "os cobradores de impostos arrependidos", "os trabalhadores da décima primeira hora", que sobreviverão à grande tribulação, considerando-nos sinceramente, como o último dos humanos dignos desta misericórdia de Deus e de Cristo (Lucas 18:9-14).

“De todas as nações, tribos, povos e línguas”

(Apocalipse 7:9)

Essas três expressões (nações, tribos, povos), além das diferentes línguas, indicam claramente que Jeová Deus, por meio de seu Reino, unificará os diferentes povos, levando em consideração suas diferenças culturais (nações), tribais (tribos) e raciais (povos). Podemos esperar que haja uma unidade lingüística com o objetivo seja unificar as diversidades, especialmente por meio da adoração a Jeová Deus: "Naquele tempo, mudarei a língua dos povos para uma língua pura, Para que todos eles possam invocar o nome de Jeová, A fim de servi-lo ombro a ombro" (Sofonias 3:9). Haverá nações, sem nacionalismo ou patriotismo, tribos, sem tribalismo e diferenças raciais, sem racismo (O fim do patriotismo). Haverá uma bela unidade em uma profusão de diversidades, desejadas e criadas por Deus (Atos 17:26).

Jesus Cristo chamou as "12 tribos de Israel", como a futura humanidade no futuro paraíso terrestre: "Jesús les dijo: “Jesus lhes disse: “Eu lhes garanto: Na recriação, quando o Filho do Homem se sentar no seu trono glorioso, vocês que me seguiram se sentarão em 12 tronos e julgarão as 12 tribos de Israel" (Mateus 19:28). Além disso, na profecia dos capítulos 40-48 de Ezequiel, há uma descrição simbólica da administração terrestre do Reino de Deus, no contexto das 12 tribos de Israel. Essa expressão de "12 tribos de Israel" é profética, por cerca de quinze séculos, a nação de Israel foi a representação profética e teocrática do que Jeová Deus fará em toda a terra por meio de seu Reino, para estabelecer o paraíso em toda a terra: "Pois, visto que a Lei tem uma sombra das coisas boas que viriam, mas não a própria realidade" (Hebreus 10:1).

Mesmo antes da fundação da nação de Israel, Jeová Deus fez a promessa a Abraão, de que por sua descendência seriam abençoadas todas as nações: "E todas as nações da terra obterão para si uma bênção por meio do seu descendente, porque você escutou a minha voz" (Gênesis 22:18). E como o apóstolo Paulo escreveu, sob inspiração, através deste pacto abraâmico, Abraão tornou-se espiritualmente circuncidado, por sua fé, enquanto ainda estava incircunciso em sua carne: "E ele recebeu um sinal, isto é, a circuncisão, como selo da justiça resultante da fé que tinha enquanto era incircunciso, para que ele fosse o pai de todos os que têm fé enquanto são incircuncisos, a fim de que se creditasse justiça a eles; e para que ele fosse pai de descendência circuncisa, não só dos que praticam a circuncisão, mas também dos que andam nas pisadas da fé que nosso pai Abraão tinha enquanto era incircunciso" (Romanos 4:11,12). Isso significa que, no futuro, todas as nações, tribos e povos, incircuncisos em sua carne, poderão ser circuncidados espiritualmente em seus corações, por sua fé em Cristo, como parte do pacto abraâmico, como membros do "Israel de Deus", a congregação cristã ou a igreja cristã. Além disso, a circuncisão espiritual do coração estaria no contexto do Novo Pacto, escrito por Deus "em seu coração", de acordo com a profecia de Jeremias (31:31-33). Foi Jesus Cristo quem validou este Novo Pacto com seu próprio sangue (Lucas 22:19,20, Hebreus 12:24).

E, como o apóstolo Paulo apontou, o que era na carne, o pacto da circuncisão como Judeu, se tornaria espiritual como uma identidade do Judeu espiritual, parte da nova nação espiritual da "Israel de Deus", a congregação cristã ou a igreja cristã, por meio de Jesus Cristo: "De fato, a circuncisão só tem valor se você guarda a Lei; mas, se você é transgressor da Lei, a sua circuncisão se tornou incircuncisão. Portanto, se um incircunciso guardar as justas exigências da Lei, não será a incircuncisão dele considerada como circuncisão? E aquele que é fisicamente incircunciso, ao cumprir a Lei, julgará a você, que é transgressor da Lei apesar de ter o código escrito e a circuncisão. Porque não é judeu quem o é por fora, nem é a circuncisão algo feito por fora, na carne. Mas judeu é quem o é no íntimo, e a sua circuncisão é a do coração, por espírito, e não por um código escrito. O louvor dessa pessoa vem de Deus, não de homens" (Romanos 2:25-29).

Assim, as futuras 12 tribos terrestres de Israel representam o Israel espiritual de Deus no futuro paraíso terrestre: "Que haja paz e misericórdia sobre todos os que vivem de acordo com essa regra, sim, sobre o Israel de Deus" (Mateus 19:28, Lucas 22:30, Gálatas 6:16).

E o Reino de Deus levará em conta essa diversidade cultural e racial de todas as "nações, tribos, povos e idiomas", unidos (em muitas diversidades), por uma adoração única a Jeová Deus, por meio de Jesus Cristo , seu Filho: "Digno és, Jeová, nosso Deus, de receber a glória, a honra e o poder, porque criaste todas as coisas, e por tua vontade elas vieram à existência e foram criadas" ( Apocalipse 4:11, Sofonias 3: 9, A "língua pura" que unificará os povos na mesma adoração).