FRANÇAIS                      ESPAÑOL                         ENGLISH

BÍBLIA ONLINE

BÍBLIA ONLINE (Traduções comparativas)

BÍBLIA ONLINE (Em vários idiomas)

Menu temático de artigos bíblicos

AS COISAS BOAS POR VIR

"Pois, visto que a Lei tem uma sombra

das coisas boas que viriam"

(Hebreus 10:1)

O QUE REPRESENTA O TEMPLO SANTUÁRIO

VÍDEO DO TEMPLO DE SALOMĀO

1 REIS capítulo 6

(SE FAZ FAVOR, CLIQUE SOBRE A LIGAÇÃO PARA VER O VÍDEO)

INTRODUÇÃO

A libertação da humanidade, com o preço do resgate e a expiação, com base no sacrifício de Cristo, por meio das ressurreições e do perdão dos pecados, possibilitando a vida eterna

"Eu vim para que tivessem vida, e a tivessem na mais plena medida"

(João 10:10)

Os diferentes sacrifícios e a profecia da administração das ressurreições

Sejam as declarações de Cristo, como aquelas que do apóstolo Paulo, a Lei dada por Deus a Moisés, para o povo de Israel, tem um significado profético. Uma boa compreensão de seu simbolismo permite compreender uma descrição muito detalhada do futuro de toda a humanidade. Esse entendimento permite discernir os enigmas proféticos do livro de Ezequiel, Zacarias do Apocalipse e dos outros livros proféticos bíblicos. Como exemplo, considere duas breves declarações de Cristo. Mostra que a nação de Israel e sua administração eram a prefiguração do governo do Reino de Deus na terra: "Jesus lhes disse: “Eu lhes garanto: Na recriação, quando o Filho do Homem se sentar no seu trono glorioso, vocês que me seguiram se sentarão em 12 tronos e julgarão as 12 tribos de Israel” (Mateus 19:28). “No entanto, vocês são os que ficaram comigo nas minhas provações; e eu faço com vocês um pacto para um reino, assim como o meu Pai fez um pacto comigo, a fim de que vocês comam e bebam à minha mesa, no meu Reino, e se sentem em tronos para julgar as 12 tribos de Israel” (Lucas 22:28-30).

Nas duas declarações acima, Jesus Cristo mostra que a nação de Israel e seu povo, sob a administração da Lei dada a Moisés, foram o protótipo ou modelo profético da humanidade futura no paraíso terrestre, composta pela Grande Multidão, da humanidade que terá sobrevivido à Grande Tribulação (Apocalipse 7:9-17) e dos ressuscitados justos e injustos (João 5:28,29). Da mesma forma, o apóstolo Paulo mostrou que a Lei, que era a constituição dada por Deus à nação de Israel, era uma sombra da realidade da administração do Reino de Deus na terra: "uma sombra das coisas boas que viriam, mas não a própria realidade" (Hebreus 10:1). “Essas coisas são uma sombra do que viria, mas a realidade pertence ao Cristo” (Colossenses 2:17). Claro, deve-se lembrar que os cristãos não estão mais sob a autoridade da Lei dada a Israel, porque Cristo foi o fim da Lei (Romanos 10:4). No entanto, a Lei não perdeu de forma alguma seu valor profético: "Lembrem-se da Lei do meu servo Moisés, os decretos e as decisões judiciais que ordenei em Horebe que todo o Israel obedecesse" (Malaquias 4:4) .

No seu Sermão do Monte, Jesus Cristo mostrou que a Lei tinha necessidade de ser cumprida, na pessoa de Jesus Cristo, mas também, de forma mais geral, em todo o desígnio divino: "Não penseis que vim destruir a Lei ou os Profetas. Não vim destruir, mas cumprir; pois, deveras, eu vos digo que antes passariam o céu e a terra, do que passaria uma só letra menor ou uma só partícula duma letra da Lei sem que tudo se cumprisse" (Mateus 5:17,18). A Lei de Moisés revela o futuro da humanidade, em detalhes. O restante deste estudo demonstrará isso concretamente com a Bíblia (Atos 17:11).

Para entender plenamente o significado da Lei e seu significado profético, é preciso começar com o entendimento de sua Fonte, isto é, Jeová Deus. Entre as muitas qualidades de Deus há duas que são fundamentais e centrais para a Lei mosaica, a santidade e o amor de Deus: “Santo, santo, santo é Jeová Deus, o Todo-Poderoso, que era, que é e que vem" (Apocalipse 4:8). "Deus é amor" (1 João 4:8). A santidade de Deus não apela aos seus sentimentos: Ele é santo, e tudo o que o cerca ou se aproxima Dele deve ser santo. O amor é uma expressão dos sentimentos de Deus, que se manifestam em justiça, misericórdia e fidelidade. A Santidade de Deus está intimamente ligada à constante necessidade de expiação (para apagar o limpar que não está em conformidade). O Amor de Deus está ligado à possibilidade de redenção humana ou resgate, para pertencer a Deus em vista da vida eterna.

É muito importante entender que a santidade de Deus é o que define a própria essência de todas as suas ações, e que é desprovida de todo sentimento, é completamente impessoal (no nível dos sentimentos). O que significa que toda a sua criação deve ser santa e pura. No entanto, se por acaso uma parte da criação deixar de satisfazer esses critérios impessoais (sem sentimento) de santidade, inevitavelmente desaparecerá. O aparecimento acidental do pecado na humanidade levou à destruição de toda a humanidade, precisamente em virtude desta lei impessoal (sem sentimento) da Santidade de Deus: "É por isso que, assim como por meio de um só homem o pecado entrou no mundo, e a morte por meio do pecado, e desse modo a morte se espalhou por toda a humanidade, porque todos haviam pecado" (Romanos 5:12). “Pois o salário pago pelo pecado é a morte, mas o dom dado por Deus é a vida eterna por Cristo Jesus, nosso Senhor” (Romanos 6:23). A primeira parte deste versículo, mostra que a necessidade da santidade (lei impessoal desprovida de sentimento), faz com que o pecado leve à morte, para fazê-lo desaparecer. Considerando que Deus é amor, Ele faz os arranjos para nos dar vida eterna por meio do resgate (Mateus 20:28).

O pecado é uma expressão bíblica genérica daquilo que não cumpre mais, impessoalmente (sem sentimento), os critérios da Santidade de Deus, portanto, é um processo que leva à morte programada da criação afligida pelo pecado (que não é mais santa do ponto de vista de Deus). O leitor atento pode ter uma ideia muito mais concreta da alternância entre o que é considerado “santo” e, ao contrário, o pecado, do ponto de vista de Deus, lendo o livro de Levítico. É muito importante entender para o resto das explicações, que esta qualidade não está absolutamente ligada aos sentimentos de Deus, mas sim ao que constitui a essência de suas ações e sua criação. O desaparecimento do pecado é feito por expiação, a fim de satisfazer o critério da santidade divina. A Santidade de Jeová Deus está diretamente relacionada a uma necessidade constante de sacrifício expiatório que apaga o pecado, ou aquilo que não está em conformidade com os padrões divinos e eternos do que é santo: "Pois eu sou Jeová, que os tirou da terra do Egito a fim de ser o seu Deus; sejam santos, porque eu sou santo" (Levítico 11:44,45).

No entanto, há outra qualidade que define as ações de Deus, o amor: "Deus é amor" (1 João 4:8). Esta qualidade, desta vez, apela aos sentimentos de Deus. Como Jesus Cristo, o Filho de Deus, disse em várias ocasiões, a Lei dada a Moisés para a nação de Israel é precisamente uma expressão dos sentimentos de benevolência por parte de Deus, mas também de seu Filho Jesus Cristo, para a humanidade: "Ai de vocês, escribas e fariseus, hipócritas! Porque dão o décimo da hortelã, do endro e do cominho, mas desconsideram as questões mais importantes da Lei, isto é, a justiça, a misericórdia e a fidelidade. Essas eram as coisas que precisavam ser feitas, mas sem desconsiderar as outras" (Mateus 23:23). Assim, pela justiça, misericórdia e fidelidade de Deus, por meio de sua Lei, veremos como Deus tornou possível reverter uma situação desesperadora para toda a humanidade, com vistas à sua redenção. A expressão do Amor de Deus é vista nas provisões específicas que Ele fez para a Redenção da humanidade perdida em um processo de morte irreversível, causada pelo pecado (João 3:16). A humanidade que obterá a vida eterna no futuro pertencerá a Deus, sob esta redenção ou resgate pela ressurreição. Esta pertença a Deus é representada, na Lei mosaica, pelas ofertas queimadas, e as ofertas de cereais que as acompanhavam. Para isso, examinaremos o significado profético dos diversos sacrifícios sob a Lei dada a Israel. Mas primeiro, existem alguns princípios bíblicos básicos para entender entre a expiação e o resgate ou a redenção.

A expiação que tira o pecado e o resgate que leva à vida eterna

(Hebreus 9:12)

O pecado é a expressão genérica bíblica daquilo que não atinge às condições da santidade de Deus, permitindo a vida eterna. Expiação é o processo de tornar “santo” ou destruir através do derramamento de sangue da criação pecaminosa. Assim, a expiação é um apagamento do defeito ou pecado, através da destruição ou desaparecimento da criação que não satisfaz mais os critérios impessoais (sem sentimentos) da santidade de Deus. A necessidade da expiação é completamente desprovida de sentimento, é um valor absoluto, é inescapável e absolutamente ligada à Santidade de Deus. É importante não confundir as noções de expiação e resgate (redenção), embora às vezes essas duas palavras estejam associadas.

No contexto do sacrifício de Cristo, a expiação e a redenção podem ter um significado muito semelhante, pois neste contexto específico, uma (expiação) leva à possibilidade da outra (resgate). Por exemplo, em Hebreus 9:12, o apóstolo Paulo escreve sob inspiração que o valor expiatório do sangue do touro foi substituído pelo sangue de Cristo para justificar a ressurreição. Isso significa que neste caso específico, a expiação, com base no sangue de Cristo, permite a ressurreição celestial. No entanto, em alguns casos (que não estão mais ligados ao sacrifício de Cristo), a expiação pode ter um significado muito distante da redenção, ou seja, significar a destruição. Por exemplo, no paraíso, o injusto ressuscitado, que persistirá por 100 anos, pecar voluntariamente, haverá para ele uma expiação, um apagamento, uma restituição de sua vida à Deus, pela destruição, por causa dum julgamento desfavorável a respeito (Isaías 65:20b).

O que significa que quando o valor expiatório (permanente) do sangue de Cristo conduz à redenção (resgate), torna-se possível compreender que a expiação é a execução dum juízo, seja favorável que conduz ao resgate pela ressurreição celestial ou terrestre (do justo) (Hebreus 9:12; Efésios 1:14), ou desfavorável, que leva à restituição (permanente) da vida a Deus, através da destruição do pecador irreformável (Isaías 65:20b). Daí a constante necessidade de conhecer o contexto bíblico das duas palavras (expiação e resgate). A expiação na Lei é simbolizada pela oferta pela culpa ou pelo pecado, enquanto ao resgate é simbolizado pela oferta queimada (o fato de ser "queimada" não significa destruição, mas simboliza o que é totalmente dado a Deus) que pertence permanentemente a Deus, em vista da vida eterna. Veremos que o resgate está intimamente relacionado à ressurreição (celestial ou terrestre).

A Expiação não é Perdão

(Hebreus 9:22)

"Sim, segundo a Lei, quase todas as coisas são purificadas com sangue, e, a menos que se derrame sangue, não há perdão"

(Hebreus 9:22)

O perdão, ao contrário da necessidade absoluta de expiação, apela aos sentimentos de Deus. No quadro da justiça e da misericórdia de Deus, faz questão de redimir o gênero humano, vítima do pecado, com toda uma série de disposições que permitem satisfazer os critérios absolutos e incontornáveis ​​da Santidade de Deus.

Não devemos confundir a necessidade de expiação com o perdão. A expiação é um valor absoluto impessoal de apagar aquilo que não cumpre mais os critérios divinos de santidade. O perdão é um valor ativo que envolve os sentimentos de Deus. No entanto, embora diferentes, uma não dispensa da outra: "Sim, segundo a Lei, quase todas as coisas são purificadas com sangue, e, a menos que se derrame sangue, não há perdão" (Hebreus 9:22); sim, não há perdão sem expiação... No entanto, não há reciprocidade em relação a este axioma bíblico. Assim, a expiação não requer perdão (por exemplo, quando um humano adâmico (a descendência de Adão) morre, a expiação foi feita por seus pecados, ele pagou, não há necessidade de perdão de seus pecados, ele é potencialmente redimível mesmo como injusto (Romanos 6:23; Atos 24:15)); quando há perdão, inevitavelmente deve haver a necessidade de expiação (por exemplo, de acordo com Apocalipse 7:9-14, Jeová decidirá perdoar a condição adâmica da Grande Multidão. A passagem mostra que esse perdão é obtido através do  valor expiatório do sangue de Cristo). Portanto, o perdão de Deus leva à redenção (resgate) do humano que se beneficia dele.

Na continuação do exame, veremos que o sacrifício de Cristo tem dois valores fundamentais que permitem manter em vida um humano portador do pecado herdado de Adão e a restauração da vida aos humanos falecidos, pela ressurreição. O valor expiatório do sacrifício de Cristo possibilita manter os humanos em vida, que normalmente teriam de ser destruídos sob a lei impessoal (sem sentimentos) da expiação, baseada na Santidade de Deus. O sacrifício de Cristo tem um valor redentor (resgate), ou seja, que permite a troca de corpos pela ressurreição com base no valor ativo dos sentimentos de Deus, fundamentados no perdão, na justiça, na misericórdia e na fidelidade.

O sacrifício expiatório purifica do pecado

“É algo santíssimo, assim como a oferta pelo pecado e como a oferta pela culpa”

(Levítico 6:17)

O sacrifício expiatório (a oferta pelo pecado) representa a morte por derramamento de sangue, acompanhada da destruição completa do corpo herdado de Adão (simbolizado pelo animal sacrificado). É um apagamento dos pecados pela morte do pecador, sob a Lei da Santidade (Romanos 5:12; 6:23a). Este sacrifício expiatório pode ser feito com o propósito do perdão de Deus, baseado no valor expiatório do sangue de Cristo, resultante na redenção (ou resgate) pela aplicação do valor do resgate pela ressurreição (celestial ou terrestre) ou manter em vida, com troca ou substituição do corpo (para os futuros membros da Grande Multidão) (Hebreus 9:22; Atos 24:15; Apocalipse 7:9-17).

Sob a Lei, esse sacrifício para o perdão dos pecados era feito pelo sacrifício dum animal no altar de cobre, no pátio do santuário do templo. Conforme a Bíblia, o sangue representa a vida e seu derramamento representa uma restituição dessa vida a Deus: "Pois a vida de uma criatura está no sangue, e eu mesmo o dei a vocês para que façam expiação por si mesmos no altar. Pois é o sangue que faz expiação por meio da vida que está nele. Foi por isso que eu disse aos israelitas: “Nenhum de vocês deve comer sangue, e nenhum estrangeiro que mora entre vocês deve comer sangue” (Levítico 17:11,12).

Em Apocalipse 6:9, na abertura do quinto selo, é feita referência à ressurreição dos santos que querem a vingança de Deus por seu sangue inocente derramado na terra pelas perseguições assassinas. Está escrito que sua alma ou sangue, representando sua vida, está ao pé do altar. De fato, ao pé do altar no pátio do templo santuário, havia pequenos canais, por onde corria o sangue dos animais sacrificados. De acordo com Apocalipse 6:9, desta vez eles foram simbolicamente preenchidos com o sangue inocente de santos que morreram por sua fé, e que serão vingados por Deus na grande tribulação. Assim, a morte de seres humanos é em si uma expiação ou um apagamento completo da condição pecaminosa do falecido. Neste caso, é o sangue do morto que faz expiação por si mesmo: "Pois quem morreu foi absolvido do seu pecado" (Romanos 6:7).

É o sangue do falecido que faz expiação (apagamento dos pecados) por ele, não o de Cristo (neste caso) (Romanos 6:7). O valor expiatório do sangue de Cristo se aplica a humanos pecadores mantidos vivos. O melhor exemplo bíblico é o da grande multidão de humanos em sua condição de pecadores, que sobreviverão à grande tribulação, graças ao sacrifício de Cristo, em sua dimensão expiatória (derramamento de sangue): "Assim, eu lhe disse imediatamente: “Meu senhor, é o senhor quem sabe.” Ele me disse: “Esses são os que saem da grande tribulação; eles lavaram suas vestes compridas e as embranqueceram no sangue do Cordeiro" (Apocalipse 7:14). Enquanto o valor redentor (resgate) do sacrifício de Cristo (ou seja, todo o seu corpo humano (sangue + carne (veja João 6:48-58)), permite a ressurreição por meio da restituição (por troca) de um corpo humano vivo (examinaremos mais tarde, qual sacrifício simboliza a redenção (resgate) ou a troca de corpo).

O sacrifício expiatório pode representar um apagamento dos pecados pela destruição, novamente sob a Lei de Santidade. Lemos, neste caso, que o sangue deste pecador cai sobre sua "própria cabeça", o que sugere destruição sem perdão e talvez, em alguns casos, sem ressurreição (Isaías 34:6 comparar com Apocalipse 14:18-20; Levítico 20:13; veja Mateus 25:46).

Os sacrifícios expiatórios de animais tinham dois propósitos principais. Eles demonstraram a condição pecaminosa de toda a humanidade, representada pela nação de Israel. Eles mostraram a necessidade dum sacrifício humano para redimir os descendentes de Adão duma vez por todas, prisioneiros de sua condição pecaminosa e da morte (Romanos 5:12).

O propósito da Lei dada a Israel era preparar o povo para a vinda do Messias. A Lei ensinou a necessidade de libertação, com resgate, da condição pecaminosa da humanidade (representada pelo povo de Israel): "É por isso que, assim como por meio de um só homem o pecado entrou no mundo, e a morte por meio do pecado, e desse modo a morte se espalhou por toda a humanidade, porque todos haviam pecado . . . Pois o pecado já existia no mundo antes da Lei, mas, quando não há lei, ninguém é acusado de cometer pecados" (Romanos 5:12,13). A Lei de Deus trouxe à luz a condição pecaminosa de toda a humanidade, representada na época pelo povo de Israel: "O que diremos então? Será que a Lei é pecado? Certamente que não! Na verdade, eu não teria conhecido o pecado se não fosse a Lei. Por exemplo, eu não teria conhecido a cobiça se a Lei não dissesse: “Não cobice.” Mas o pecado, aproveitando-se da oportunidade dada pelo mandamento, produziu em mim todo tipo de cobiça, pois sem lei o pecado estava morto. De fato, antes, sem lei, eu estava vivo. No entanto, ao chegar o mandamento, o pecado voltou a viver, mas eu morri. E o mandamento que era para levar à vida, descobri que levava à morte. Pois o pecado, aproveitando-se da oportunidade dada pelo mandamento, me seduziu e, por meio deste, me matou. Assim, a Lei em si mesma é santa, e o mandamento é santo, justo e bom" (Romanos 7: 7-12).

Portanto, a Lei era um preceptor ou instrutor que levava a Cristo: "A Lei, portanto, tornou-se o nosso tutor, conduzindo a Cristo, para que fôssemos declarados justos por meio da fé. Mas, agora que chegou a fé, não estamos mais debaixo de um tutor" (Gálatas 3: 24,25). A lei perfeita de Deus mostrou a necessidade de sacrifício que leva à redenção do transgressor humano por sua fé (não por obras da lei). Este sacrifício seria o de Cristo: "assim como o Filho do Homem veio, não para ser servido, mas para servir e dar a sua vida como resgate em troca de muitos" (Mateus 20: 28).

O Sacrifício do Cordeiro da Páscoa e o Sacrifício de Cristo, do 14 de Nisã

“Porque Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele exercer fé não seja destruído, mas tenha vida eterna”

(João 3:16)

O objetivo desta parte do estudo, assim como a seguinte, é mostrar a diferença entre a comemoração do sacrifício de Cristo, no 14 de Nisã, e a celebração do Dia da Expiação, no 10 de Etanim (Tisri), que terá como cumprimento planetário, a grande tribulação (Apocalipse 11:19).

Quando Jesus Cristo "se ofereceu"? No 10 de Tisri (Etanim) ou no 14 Nisã? 14 de Nisã. Quarenta dias depois (subindo ao céu), ele realmente apresentou o valor sacrificial de seu sangue? Não é lógico. Nenhuma profecia bíblica alude a tal evento, no 14 de Nisã ou quarenta dias depois. Por quê ? Porque, para Jesus apresentar o valor sacrificial de seu próprio sangue ao ascender ao céu, ele mesmo teria que ser o sacrificador de seu próprio sacrifício, o que não é lógico e nem bíblico. Quem foi o sacrificador do sacrifício de Cristo? Jeová Deus o Pai ou Jesus Cristo o Filho? Jeová Deus Pai, é claro... João 3:16, tantas vezes citado, diz o seguinte: "Porque Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele exercer fé não seja destruído, mas tenha vida eterna".

É Jeová Deus o Pai quem foi o sacrificador de seu próprio Filho, como Abraão de seu próprio filho Isaque (veja Gênesis 22:9-14; Hebreus 11:17). Outro texto, mostra que Jeová foi o sacrificador, pois ele mesmo preparou um corpo para Jesus, implicando em vista desse sacrifício futuro: "Por isso, ao entrar no mundo, ele diz: “‘Não quiseste sacrifícios e ofertas, mas preparaste-me um corpo" (Hebreus 10:5).

Assim, Jeová não requeria de presentar o valor do sacrifício de Cristo, pois Deus mesmo era o Sacrificador... O que é fundamentalmente diferente do sacrifício de 10 de Tisri (Etanim), e Apocalipse 19:11-13, no dia da grande tribulação, onde ali, de fato, Jesus Cristo é um sacerdote que apresenta o valor sacrificial de seu sangue, a fim de justificar, o resgate (a ressurreição) dos cristãos que terão uma ressurreição celestial (Veja Colossenses 1:14) e os ressuscitados terrestres (ver João 6:48-51;53-58) e a expiação dos pecados com seu próprio sangue, para os membros da Grande Multidão (Apocalipse 7:14).

Conforme registrado em João 3:16,36, os beneficiários do sacrifício de Cristo são aqueles humanos com fé no sacrifício de Cristo e na esperança da ressurreição. Nas declarações de João capítulo 6, Jesus Cristo mostra que os humanos com fé neste sacrifício, simbolicamente "se alimentam" da totalidade do corpo de Cristo (Sangue + Carne), tendo em vista a vida por meio da ressurreição: "Assim disse Jesus a eles: “Assim, Jesus lhes disse: “Digo-lhes com toda a certeza: A menos que comam a carne do Filho do Homem e bebam o seu sangue, vocês não têm vida em si mesmos. Quem se alimenta da minha carne e bebe o meu sangue tem vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia" (João 6:48-58). O comer do pão e da copa (todas as esperanças cristãs combinadas (celestial e terrestre)), durante a comemoração da morte sacrificial de Cristo, no 14 de Nisã, é uma expressão desta fé. O objetivo deste sacrifício é dar vida em abundância: "O ladrão só vem para furtar, matar e destruir. Eu vim para que tivessem vida, e a tivessem na mais plena medida. Eu sou o bom pastor; o bom pastor dá a sua vida pelas ovelhas" (João 10:10,11).

Dia da Expiação (Yom Kippur), de 10 Etanim (Tisri)

"Então o santuário do templo de Deus no céu foi aberto, e viu-se a Arca do seu pacto no santuário do seu templo. E houve relâmpagos, vozes, trovões, um terremoto e forte granizo"

(Apocalipse 11:19)

O versículo acima, do livro do Apocalipse será o cumprimento planetário do Dia da Expiação (Yom (Dia) Kippur (Expiação)), ou seja, a Grande Tribulação mencionada em Daniel 12:1 (tempo de aflição) e Mateus 24:21 (Grande Tribulação). Esta passagem do Apocalipse parece ser o próprio coração deste livro, ou seja, que esta celebração planetária ocorrerá em certos 10 de Etanim (Tisri). Por que tal afirmação? Simplesmente porque Jeová Deus, o Pai, não permitia que a Arca de seu pacto fosse vista pelo Sumo Sacerdote em qualquer dia que não fosse o 10 de Etanim (Tisri), o décimo dia do sétimo mês, ou seja, no Dia da Expiação ( Levítico 16:29). Apocalipse 11:19a é a expressão enigmática de uma data: 10 de Etanim (Tisri).

A profecia de Zacarias e o livro de Apocalipse são os dois livros que fazem a ligação entre o Dia da Expiação, como o Dia de Jeová (Zacarias) e a Grande Tribulação. A descrição do procedimento desta dramática celebração encontra-se em Levítico capítulo 16. Vamos compará-la com a profecia de Zacarias que alude diretamente à Grande Tribulação, como o Dia Único de Jeová.

Quanto aos sacrifícios propiciatórios (e não os holocaustos (ofertas totais)), três animais estavam envolvidos: um touro (novilho) e dois bodes, três animais (Leia Levítico 16). Dos três animais que deveriam ser sacrificados de maneira expiatória, os dois primeiros foram realmente sacrificados (o touro e o primeiro bode), enquanto o terceiro era poupado (o bode para Azazel). Agora, é importante saber quais partes da humanidade correspondem a esses três animais (dois sacrificados e um poupado). Os dois sacrifícios expiatórios, particularmente o segundo, descrevem a morte de duas partes da humanidade: uma (o novilho), pouco antes da Grande Tribulação e a outra, o primeiro bode sacrificado, durante a Grande Tribulação. Como prova de que esta é uma celebração particularmente dramática, é que Jeová Deus ordenou ao povo de Israel que afligisse suas almas, chorasse, lamentasse (Levítico 16:29). Enquanto o bode não sacrificado, o bode para Azazel, sobrevivia a este dia dramático.

Às três partes da humanidade, duas que expiram e uma que sobrevive, são mencionadas na profecia de Zacarias, com a Grande Tribulação, o Dia Único de Jeová Deus: “E terá de acontecer em toda a terra”, é a pronunciação de Jeová, “que duas partes nela serão decepadas e expirarão; e quanto à terceira parte, será deixada sobrar nela. E eu certamente levarei a terceira parte através do fogo; e eu realmente os refinarei como se refina a prata e os examinarei como se examina o ouro. Ela, da sua parte, invocará o meu nome, e eu, da minha parte, lhes responderei. Vou dizer: ‘É meu povo’, e ela, por sua vez, dirá: ‘Jeová é meu Deus" (Zacarias 13:8,9).

A palavra traduzida do hebraico "haarèts", traduzida como "país", dependendo do contexto pode significar "terra" ou planeta terra, e este é o caso desta profecia sobre a grande tribulação mundial (Zacarias 1:10,11; 5:3; 6:7; 12:3; 14:9,17). Nessa declaração, Deus divide a humanidade em "três partes". No início, alguém pensaria que seriam três “partes" (H6310 Strong’s Concordance: “פֶּה” (peh)) iguais, ou três “terços” (H7992 Strong’s Concordance “שְׁלִישִׁי” (sheliyshiy)). No texto hebraico, trata-se, de fato, de duas primeiras partes (peh) e da terceira (sheliyshiy), conforme o contexto desta frase, terceira “parte”. O que significa que essas três partes da humanidade, não são necessariamente a mesma quantidade de humanos. Para descobrir a que correspondem as três “partes” da humanidade, é preciso olhar para a dramática celebração do Dia da Expiação, o 10 de Etanim (Tisri).

Embora a profecia de Zacarias não faça a conexão direta entre o "Dia de Jeová" e o "Dia da Expiação", ela o faz de forma enigmática. Um texto de Zacarias sobre a profecia do Renovo, mostra que Jeová tirará o pecado da terra num dia (Zacarias 3:8,9; 14:7). Quando Jeová removia a falha na terra de Israel? No Dia da Expiação, o 10 de Etanim (Tisri) (Levítico 16). Aquele dia era uma celebração da Santidade de Jeová: "Naquele dia estarão inscritas nas sinetas dos cavalos estas palavras: ‘A santidade pertence a Jeová!" (Zacarias 14:20 compare com Êxodo 28:36,37 e Levítico 16:4 "O turbante" que onde estava escrito, "A Santidade pertence a Jeová"). Portanto, as "três partes" em questão referem-se aos três animais usados ​​na primeira fase dos sacrifícios expiatórios que se referem às três "partes da humanidade".

O touro que morria fazia expiação para Arão e sua casa, ou pelo sacerdócio (Levítico 16:6,11). A classe sacerdotal que morrerá para ser instantaneamente ressuscitada no céu, no início da grande tribulação, é a morte dos 7000, mencionada no Apocalipse: "Naquela hora ocorreu um grande terremoto; caiu um décimo da cidade, 7.000 pessoas foram mortas pelo terremoto, e as demais ficaram com medo e deram glória ao Deus do céu” (Apocalipse 11:13). A cidade parece representar o povo de Deus porque os sobreviventes deste terremoto (a grande tribulação), dão glória a Deus. A queda “do décimo da cidade santa”, representa o grupo de 144.000 reis e sacerdotes, suplementados pela morte e ressurreição instantâneas dos 7.000 santos celestiais, no início do Dia de Jeová, a grande tribulação (1 Tessalonicenses 4:17).

O segundo animal, o cabrito sacrificado no dia da expiação, representa a segunda parte da humanidade que perecerá durante a grande tribulação (Levítico 16:5,15). O sacrifício deste segundo animal, é representado de uma forma bastante aterrorizante em Apocalipse 14:18-20 e 19:11-21, nesta passagem Jesus Cristo glorificado é representado como um rei e sumo sacerdote, como o "Renovo" (Zacarias 6:11-13). De maneira mais geral, a morte expiatória deste segundo animal simbolizará o desaparecimento da humanidade em sua condição adâmica (Romanos 5:12).

O terceiro animal que deveria ter sido sacrificado é finalmente poupado: o cabrito para Azazel: "Arão lançará sortes sobre os dois bodes, uma sorte para Jeová e a outra sorte para Azazel. Arão apresentará o bode que for designado por sorte para Jeová e fará dele uma oferta pelo pecado. Mas o bode designado por sorte para Azazel deve ser trazido vivo perante Jeová para se fazer expiação sobre ele, a fim de que possa ser enviado ao deserto, para Azazel" (Levítico 16:8-10). Obviamente, este "cabrito para Azazel", representa a grande multidão que sobreviverá à grande tribulação, ou "as demais" da "cidade santa" que dá glória a Deus após a morte dos 7.000 santos celestiais: "as demais ficaram com medo e deram glória ao Deus do céu” (Apocalipse 7:9-17; 11:13). A condição de pecador adâmico desta parte da humanidade que sobreviverá, desaparecerá graças ao valor expiatório do sangue de Cristo que simbolicamente embranquece suas compridas vestes brancas (símbolo da redenção (resgate) pela obtenção da vida eterna).

Mensagem para o atual povo judeu:

O Yom Kippur (propiciação) pode levar ao perdão de Deus, mas não é o perdão em si

(Hebreus 9:22)

O atual povo judeu que celebra o Yom (Dia) Kippur (Expiação) no dia 10 de Tisri (Etanim), deve saber que a expiação ou Yom Kippur não é de todo o perdão de Deus. Yom Kippur (expiação), pode realmente levar ao perdão de Deus e a redenção para a vida eterna, sem que isso seja necessariamente sistemático. Como nos lembrou um especialista e estudioso da Lei mosaica, não há perdão sem expiação (Hebreus 9:22). Este axioma bíblico não tem reciprocidade porque pode haver expiação sem perdão, que corresponde à morte sem possibilidade de redenção ou ressurreição. Yehoshuah Mashiah (Jesus Cristo) disse isso a um professor da Lei, Nicodemos, que só haverá um kippur (expiação) que conduz ao perdão de Deus, com base na fé no valor expiatório do sangue derramado do Cordeiro de Deus , Yehoshuah o Mashiah (Jesus, o Messias): "No dia seguinte, ele viu que Jesus vinha ao seu encontro e disse: “Vejam o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!" (…) Porque Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele exercer fé não seja destruído, mas tenha vida eterna. (…) Quem exerce fé no Filho tem vida eterna; quem desobedece ao Filho não verá a vida, mas a ira de Deus permanece sobre ele” (João 1:29; 3:16,36).

Somente a fé no valor expiatório do sangue de Yehoshuah o Mashiah (Jesus, o Messias), de vocês (e nós (os outros povos (Atos 10:34,35))), permitirá a sobrevivência ao nível individual, na época do Yom Kippur planetário, a Grande Tribulação ((Mateus 24:21) mencionada em Daniel 12:1 e Zacarias 13:8,9 e capítulo 14): "Depois disso eu vi uma grande multidão, que nenhum homem era capaz de contar, de todas as nações, tribos, povos e línguas, em pé diante do trono e diante do Cordeiro, vestidos de compridas vestes brancas, e havia folhas de palmeiras nas suas mãos. (…) Assim, eu lhe disse imediatamente: “Meu senhor, é o senhor quem sabe.” Ele me disse: “Esses são os que saem da grande tribulação; eles lavaram suas vestes compridas e as embranqueceram no sangue do Cordeiro" (Apocalipse 7:9-17).

As ofertas queimadas para pertencer a Deus e obter a vida eterna

"Se tornará de Jeová, e eu o oferecerei como oferta queimada"

(Juízes 11:31)

Em geral, a oferta queimada significa uma pertença permanente a Deus. No entanto, para compreender concretamente o significado da oferta queimada, devemos considerar contexto bíblico. O texto acima alude ao voto a Deus, do Juiz Jefté. No resto da história, o leitor entende que a oferta queimada, seria um ministério permanente da filha de Jefté, no Tabernáculo, em serviço sagrado prestado a Deus. Este texto mostra que a oferta queimada a Deus torna-se sua propriedade especial. Isso significa que o humano ou o grupo de humanos simbolizados pela oferta queimada, torna-se propriedade especial e permanente de Deus, com vistas à vida eterna. Segundo Jesus Cristo, o Filho de Deus, o que pertence a Deus vive para sempre: "A respeito da ressurreição dos mortos, vocês não leram o que lhes foi falado por Deus, que disse:  ‘Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó’? Ele é o Deus, não de mortos, mas de vivos" (Mateus 22:31,32).

A oferta queimada é um sacrifício que pode ter vários significados espirituais, mas cujo ponto de convergência é o fato de pertencer a Deus, com a redenção (resgate) (seja pela ressurreição ou pela sobrevivência a grande tribulação), em vista da vida eterna. No contexto do relato de Juízes capítulo 11, a dedicação espiritual total é um ministério permanente no Tabernáculo, dentro da estrutura dum serviço sagrado. Em Apocalipse 7:9-17 está escrito que a grande multidão que sobreviverá à grande tribulação servirá a Deus e seu Filho no templo espiritual. Portanto, esta parte da humanidade será uma oferta queimada, que permitirá sua redenção (resgate), e fará dela uma propriedade especial de Deus, em vista da vida eterna, como a filha de Jefté e os levitas do antigo Israel (Números 1:53 "Os levitas serão responsáveis de cuidar do tabernáculo do Testemunho").

Assim, um humano consagrado a Deus é uma oferta queimada espiritual. No antigo Israel havia humanos que se consagravam a Deus como uma dedicação espiritual total por meio de um voto de nazireu (Números 6:1-21). Houve casos excepcionais, em que foi Deus ou um humano que consagrava a criança a nascer como uma oferta queimada espiritual, como uma propriedade especial de Deus. Os exemplos mais conhecidos são os Juízes Sansão e Samuel, e também o profeta João Batista (Juízes 13:7 (Sansão); 1 Samuel 1:22 (Samuel); Lucas 1:12-17 (João Batista)). Um humano, que é batizado em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, torna-se propriedade especial de Deus e de seu Filho Jesus Cristo. Por sua decisão, aquele que se dedica a Deus e a Cristo, simbolizando-o visivelmente pelo batismo, torna-se uma oferta espiritual, ao serviço de Deus e de Cristo com vistas à vida eterna (Mateus 28:19). Um humano consagrado ou separado pelo batismo, como uma oferta queimada espiritual para Deus, torna-se um "santo", seja celestial ou terrestre (este é o significado primário desta palavra). No livro de Daniel e nas profecias de Cristo, entendemos que Deus age para com a humanidade a favor dos "santos", ou seja, humanos que são doravante propriedade especial de Deus e de Cristo, para a vida eterna (Daniel 7:27; Mateus 24:22 (aqueles sendo escolhidos ou separados para a vida eterna)).

A oferta queimada espiritual pode ter o significado de um ministério da Palavra ao serviço de Deus e de Cristo: "Aceita o que é bom, E ofereceremos, como se fossem novilhos, o louvor dos nossos lábios" (Oséias 14:2). "Por meio dele, ofereçamos sempre a Deus um sacrifício de louvor, isto é, o fruto dos nossos lábios, que fazem declaração pública do seu nome" (Hebreus 13:15).

A oferta queimada, em seu sentido espiritual, pode ter o símbolo do que pertence a Deus, pelo resgate e pela sobrevivência. A primeira oferta queimada feita a Deus foi a de Abel (Gênesis 4:4 (O registro sugere que Abel ofereceu ovelhas como uma ofertas queimadas) João 1:29; Hebreus 11:4). Segundo o contexto, por esta oferta queimada, parece que Abel compreendeu plenamente o significado da promessa de Gênesis 3:15 (a ferida da mulher no calcanhar) e a necessidade dum resgate para sua salvação eterna e da humanidade que estava por vir à existência, e que exigiria o derramamento de sangue ou a morte dum humano (simbolizado pela morte dum cordeiro ou duma ovelha).

Outro relato da oferta queimada é o de Noé, ao sair da arca, após o dilúvio: "Então Noé construiu um altar a Jeová e pegou alguns de todos os animais puros e de todas as criaturas voadoras puras, e fez ofertas queimadas no altar. E Jeová começou a sentir um aroma agradável” (Gênesis 8:20,21). Esta oferta queimada a Deus era de um "aroma agradável". Este sacrifício estava ligado à ação de graças pela sobrevivência de Noé e sua família. A frase "aroma agradável", sugere que esta oferta queimada simbolizava a sobrevivência ou resgate de Noé e sua família através do dilúvio por meio de Jeová Deus (veja o aspecto oposto de Jeová não inalar o odor repousante em Levítico 26:27-31: "Não sentirei o aroma agradável dos seus sacrifícios"; é interessante notar nesta passagem que Jeová associa a destruição que Ele não inala o aroma agradável, o que mostra que quando respira o aroma agradável duma oferta queimada, aquele quem o apresenta está em situação de aprovação diante de Deus. Isso simboliza a possibilidade de redenção (resgate), há esperança de vida ou ressurreição, diferentemente da destruição evocada neste texto bíblico).

A Ressurreição de Cristo e o Resgate por meio da Esperança da Ressurreição

No entanto, qual é o texto bíblico que faz a conexão entre a ressurreição (resgate) e a oferta queimada? Esta é a prescrição para o sacrifício de 16 de nisã, o dia da ressurreição de Cristo: "No dia em que o feixe for movido, vocês terão de oferecer um carneirinho sadio no primeiro ano de vida, como oferta queimada a Jeová" (Levítico 23:12).

A oferta queimada do carneiro simboliza a redenção (ou resgate) da humanidade por meio do sacrifício do corpo humano sem pecado de Cristo, possibilitando essa troca pela vida eterna, por meio da ressurreição e posterior sobrevivência da grande tribulação. Como o apóstolo Paulo escreveu, sob inspiração, a ressurreição de Cristo, do 16 Nisã, simbolizada pela oferta queimada do carneiro, é um resgate, uma troca por meio da ressurreição de Cristo e uma garantia de esperança duma ressurreição geral (celestial ou terrestre): “Assim está escrito: “O primeiro homem, Adão, se tornou um ser vivente.” O último Adão se tornou um espírito que dá vida" (1 Coríntios 15:45). Como? Pela ressurreição de Cristo, a partir de 16 de Nisã, onde um carneiro foi oferecido como uma oferta queimada: "Pois, visto que a morte veio por meio de um homem, a ressurreição dos mortos também vem por meio de um homem. Porque, assim como em Adão todos morrem, assim também em Cristo todos receberão vida. Mas cada um na sua própria ordem: como primícias, Cristo; depois os que pertencem a Cristo, durante a sua presença” (1 Coríntios 15:21-23). Grande parte dos humanos serão trazidos de volta à vida por meio da ressurreição de Cristo do 16 de nisã, simbolizada pela oferta queimada do carneiro.

A oferta sem sangue do feixe for movido, de 16 de Nisã, parece ter o mesmo significado simbólico da ressurreição de Cristo, a quem Deus, seu Pai, lhe deu um novo corpo espiritual: "Mas alguém dirá: “Como é que os mortos serão levantados? Sim, com que tipo de corpo virão?” Insensato! Aquilo que você semeia não passa a viver a menos que primeiro morra. E o que você semeia não é o corpo que se desenvolverá, mas apenas um simples grão, seja de trigo, seja de algum outro tipo de semente; mas Deus dá à semente um corpo conforme lhe agrada, e dá a cada uma delas um corpo próprio” (1 Coríntios 15:35-38). Assim, a oferta do feixe for movido é a evocação desta ressurreição da semente colocada na terra e que "morre", para "renascer" em forma de espiga de trigo, por uma ressurreição do "grão" (anteriormente sepultado).

Dia da Expiação e o resgate por meio da ressurreição

"Pois Cristo não entrou num lugar santo feito por mãos humanas, que é uma cópia da realidade, mas no próprio céu, de modo que agora comparece perante Deus em nosso favor"

(Hebreus 9:24)

Nesta parte do estudo sobre expiação e o resgate, veremos como o sumo sacerdote Jesus Cristo ajudará a justificar a ressurreição celestial dos 144.000, e a ressurreição terrestre de bilhões de humanos e a sobrevivência da grande multidão, baseado no valor do sacrifício de sua vida humana sem pecado. No capítulo 9 de Hebreus, o apóstolo Paulo mostra que isso será feito no 10 de Etanim (Tisri), no Dia da Expiação. Como vimos acima, dependendo do contexto, a oferta queimada simboliza o resgate por meio da ressurreição. Para isso, voltemos à dramática celebração do Dia da Expiação descrita em Levítico capítulo 16. Vimos que na parte dos sacrifícios expiatórios do touro (novilho) e do primeiro bode, é a representação do que acontecerá na grande tribulação. Conforme a profecia de Zacarias capítulo 13 referente à grande tribulação, particularmente, versículo 8, a humanidade será dividida em três partes: O sacrifício do touro simboliza a morte e a ressurreição instantânea dos 7.000, para completar os 144.000 (sendo parte do sacrifício expiatório do touro (novilho)) (1 Tessalonicenses 4:17; Apocalipse 11:11-13). O segundo animal sacrificado representa tanto a morte de toda a humanidade que sofreu a morte herdada de Adão, mas também dos humanos que não sobreviverão à grande tribulação (Romanos 5:12; Apocalipse 19:11-21). Finalmente, o segundo bode, para Azazel, o animal que sobrevive a este dia dramático, representa a parte da humanidade que passará pela grande tribulação e sendo referido como a grande multidão (Apocalipse 7:9-17).

No entanto, nesta dramática celebração, há dois sacrifícios associados tanto à morte expiatória do touro (novilho) quanto à do bode, estes são dois animais, oferecidos como ofertas queimadas a Deus. Esses dois animais, oferecidos como oferendas queimadas a Deus, representam o resgate pela ressurreição celestial dos 144.000 (o grupo que representa o touro (novilho)) e pela ressurreição terrestre da humanidade morta pelas consequências do pecado herdado de Adão (Romanos 5:12). É muito interessante notar que o corpo dos animais sacrificados de forma expiatória e o dos animais da oferta queimada, são tratados de forma muito diferente, reforçando a compreensão do significado simbólico desta dramática celebração, ligada à expiação (a restituição da vida a Deus pelo derramamento de sangue, com a destruição do corpo do animal), e a oferta queimada a Deus que simboliza aquilo que viverá por meio do resgate. Aqui está o que está escrito sobre o que devem fazer as pessoas que tiveram contato com o bode para Azazel e animais mortos de forma expiatória:

"O homem que enviou o bode para Azazel deve lavar suas roupas e se banhar em água; depois poderá entrar no acampamento. “E o novilho da oferta pelo pecado e o bode da oferta pelo pecado, cujo sangue foi levado para dentro do lugar santo a fim de fazer expiação, serão levados para fora do acampamento. A pele, a carne e o excremento desses animais serão queimados no fogo. Aquele que os queimar deve lavar suas roupas e se banhar em água; depois poderá entrar no acampamento" (Lévitique 16:26-28).

Os versículos 3 e 5 do capítulo 16 de Levítico, associam-se aos dois sacrifícios expiatórios, dois ofertas queimadas para Jeová: "Isto é o que Arão deve trazer ao entrar no lugar santo: um novilho como oferta pelo pecado e um carneiro como oferta queimada. (…) Ele deve receber da assembleia de Israel dois cabritos como oferta pelo pecado e um carneiro como oferta queimada” (Levítico 16:3,5). Isso demonstra que esses sacrifícios expiatórios (restituição da vida a Deus pelo derramamento de sangue), não passam sem o perdão de Deus e a esperança do resgate ou redenção pela ressurreição (simbolizada pelas duas ofertas queimadas dos carneiros).

Quando era apresentada a oferta queimada dos dois carneiros? Após a dramática celebração do sacrifício expiatório dos dois animais e a sobrevivência do bode para Azazel: "Arão entrará então na tenda de reunião e tirará as vestes de linho que pôs para entrar no lugar santo, e as deixará ali. Ele terá de se banhar em água num lugar santo e pôr as suas vestes; depois sairá e oferecerá a sua oferta queimada e a oferta queimada do povo, fazendo expiação por si mesmo e pelo povo. Ele fará a gordura da oferta pelo pecado fumegar no altar" (Levítico 16:23-25). A expiação mencionada neste texto, referente à oferta queimada, não está ligada à culpa do povo (sacrifício expiatório), mas ao perdão de Deus, que permite o regate ou a redenção, pela ressurreição, conforme a Hebreus 9:22.

Portanto, o primeiro sacrifício oferecido como oferta queimada, representa o resgate ou a redenção pela ressurreição celestial de todos os 144.000. Essa ressurreição celestial de todo o grupo de 144.000, pouco antes da grande tribulação, é representada pelo casamento do cordeiro, ou seja, a união do Rei Jesus Cristo com sua noiva, a Nova Jerusalém (144.000) (Apocalipse 19:1-10; 21:2). Esta ressurreição celestial é designada como a primeira ressurreição que ocorrerá no início do reinado milenar: "Vi tronos, e aos sentados neles foi dada autoridade para julgar. Sim, vi as almas dos que foram executados por causa do testemunho que deram de Jesus e por terem falado a respeito de Deus, vi aqueles que não tinham adorado a fera nem a imagem dela e não tinham recebido a marca na testa e na mão. Eles voltaram a viver e reinaram com o Cristo por mil anos. (Os outros mortos não voltaram a viver até os mil anos terem terminado.) Essa é a primeira ressurreição. Feliz e santo é todo aquele que tem parte na primeira ressurreição; sobre eles a segunda morte não tem autoridade, mas serão sacerdotes de Deus e do Cristo, e reinarão com ele durante os mil anos" (Apocalipse 20:4-6).

A segunda oferta queimada representa o resgate ou a redenção por meio da ressurreição terrestre da humanidade que morreu como resultado da herança do pecado de Adão (Romanos 5:12). No entanto, Apocalipse 20:5 implica que aquela ressurreição terrestre não ocorrerá até o final dos mil anos. O que significa? Jesus Cristo disse que haveria uma ressurreição de julgamento (João 5:28,29 (a declaração de Cristo sobre a ressurreição de julgamento); Atos 24:15; Apocalipse 20:11-13). Deus considerará toda a humanidade como ressuscitada, somente após o fim deste julgamento, que ocorrerá no final dos mil anos. Isso significa que se o cumprimento planetário do Dia da Expiação começar no 10 de Etanim (Tisri) da grande tribulação, mas não terminará realmente até o final dos mil anos (até a oferta queimada cumprida do segundo carneiro (a ressurreição terrestre da humanidade)…

Paulo explica o significado mais profundo do Dia da Expiação do 10 de Etanim (Tisri) em Hebreus 9. Considere o caso dum humano que será ressuscitado (justo ou injusto). O morto é purificado de seus pecados: "Pois quem morreu foi absolvido do seu pecado" (Romanos 6:7). No entanto, para que o humano falecido (ou grupo de humanos) seja ressuscitado, Jesus Cristo deve interceder junto a Deus, apresentando o valor do seu sacrifício, representado pelo seu sangue derramado. Este evento único acontecerá duma vez por todas, no Dia da Expiação, para permitir que toda a humanidade seja ressuscitada durante o reino milenar: "No entanto, quando Cristo veio como sumo sacerdote das coisas boas que já aconteceram, ele entrou na tenda maior e mais perfeita, não feita por mãos humanas, isto é, não desta criação. Ele entrou no lugar santo, não com o sangue de bodes e de novilhos, mas com o seu próprio sangue, de uma vez para sempre, e obteve para nós um livramento eterno. Pois, se o sangue de bodes e de touros, e as cinzas de uma novilha, aspergidos sobre os que se tornaram impuros, santifica visando a purificação da carne, quanto mais o sangue do Cristo, que por meio de um espírito eterno se ofereceu a Deus sem defeito, purificará de obras mortas a nossa consciência, para que prestemos serviço sagrado ao Deus vivente!” (Hebreus 9:11-14).

No Dia da Expiação planetária, na grande tribulação, quando haverá um apagamento geral dos pecados do mundo (resultado impessoal), Jesus aparecerá diante da pessoa de Jeová "por nós" (ação em favor da humanidade), apresentando o valor ativo do resgate de seu sangue para possibilitar a redenção de humanos falecidos, possibilitando a ressurreição celestial (Hebreus 6:19) e terrestre (João 5:28,29) e o valor expiatório de seu sangue para os membros da Grande Multidão, permitindo passar pela Grande Tribulação (Apocalipse 7:9-14). A libertação eterna é a do jugo da sentença de morte devido ao pecado herdado de Adão, por meio da ressurreição (Romanos 5:12 e 6:23). A ressurreição celestial e terrestre é o símbolo tangível do valor redentor do sangue e do corpo de Cristo, apresentado diante de Deus, uma vez por todas, no Dia da Expiação, em vista da vida eterna (para os ressuscitados celestiais, terrestres e a grande multidão ):

"Por isso, era necessário que as cópias das coisas nos céus fossem purificadas por esses meios, mas as coisas celestiais exigem sacrifícios bem melhores. Pois Cristo não entrou num lugar santo feito por mãos humanas, que é uma cópia da realidade, mas no próprio céu, de modo que agora comparece perante Deus em nosso favor. O objetivo não era que ele se oferecesse muitas vezes, como o sumo sacerdote entra de ano em ano no lugar santo com sangue que não é o seu próprio. Senão, teria de sofrer muitas vezes desde a fundação do mundo. Mas agora, no final dos sistemas de coisas, ele se manifestou de uma vez para sempre, para eliminar o pecado por meio do sacrifício de si mesmo. E, assim como está reservado aos homens morrer uma só vez, mas depois disso receber um julgamento, assim também o Cristo foi oferecido uma só vez, para levar os pecados de muitos; e, na segunda vez que ele aparecer, será à parte do pecado, e ele será visto pelos que o esperam ansiosamente para a salvação" (Hebreus 9:23-28).

As festividades das colheitas e as várias ressurreições

"Todo ano você deve celebrar três festividades para mim. 15 Você celebrará a Festividade dos Pães sem Fermento. Por sete dias comerá pães sem fermento, assim como lhe ordenei, na época determinada do mês de abibe, pois foi nesse mês que você saiu do Egito. Ninguém deve comparecer perante mim de mãos vazias. 16 Celebre também a Festividade da Colheita dos primeiros frutos maduros do seu trabalho, daquilo que semeia no campo; e celebre a Festividade do Recolhimento no fim do ano, quando recolher dos campos os frutos do seu trabalho"

(Êxodo 23:14-16)

Cristo, as primícias

Sacrifício do 16 de nisã em oferta queimada (data da ressurreição de Cristo)

Animal de sacrifício expiatório

 

Carneiro

   

 

1

 

 

Levítico 23:10-12

 

Qual é a passagem bíblica que liga com a esperança da ressurreição e a dimensão profética das festas das diferentes colheitas? Jesus Cristo morreu em 14 de Nisã (mês do calendário judaico), como o Cordeiro de Deus (da Páscoa) que tira o pecado do mundo: "Vejam o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!" (João 1:29). Assim, a morte sacrificial de Cristo no 14 de nisã de 33 EC, foi o cumprimento profético da Páscoa, conforme escreveu o inspirado Apóstolo Paulo. Em 1 Coríntios capítulo 15, o apóstolo Paulo escreveu acerca da esperança da ressurreição, aludindo à festa das primícias do 16 de Nisã (a data da ressurreição de Cristo): "Mas o fato é que Cristo foi levantado dentre os mortos, sendo as primícias dos que adormeceram na morte. (…) Mas cada um na sua própria ordem: como primícias, Cristo; depois os que pertencem a Cristo, durante a sua presença” (1 Coríntios 15:20,23).

O Cristo ressuscitado é referido como as "primícias". Os israelitas deviam celebrar a festa das primícias, depois da celebração da Páscoa: "Diga aos israelitas: ‘Quando por fim entrarem na terra que eu lhes dou, e fizerem a colheita, vocês terão de levar ao sacerdote um feixe das primícias da sua colheita. E ele moverá o feixe para frente e para trás perante Jeová, a fim de ganhar aprovação para vocês. O sacerdote deve movê-lo no dia seguinte ao sábado. No dia em que o feixe for movido, vocês terão de oferecer um carneirinho sadio no primeiro ano de vida, como oferta queimada a Jeová" (Levítico 23:10-12). Aquela festa correspondia muito exatamente à data da ressurreição de Cristo, no16 de Nisã. Jesus Cristo morreu um dia antes dum sábado, uma sexta-feira (João 19:31). No dia de sábado (sábado), o segundo dia, Cristo estava no túmulo. “No dia seguinte ao sábado” (domingo), o terceiro dia, Jesus Cristo ressuscitou (João 20:1 “o primeiro dia da semana” é o domingo no calendário judaico). Portanto, as "primícias" da colheita representam a ressurreição de Cristo. E é confirmado pelo apóstolo Paulo, sob inspiração: "Mas o fato é que Cristo foi levantado dentre os mortos, sendo as primícias dos que adormeceram na morte" (1 Coríntios 15:20). É este texto que sugere que a ressurreição é uma futura "colheita" de seres humanos trazidos de volta à vida por Deus, por meio de Cristo: "as primícias dos que adormeceram na morte".

O resgate por meio da ressurreição e as ofertas queimadas

O propósito do seguinte exame dos vários sacrifícios de ofertas queimadas é demonstrar, com base na Bíblia, a apresentação profética da administração das várias ressurreições (celeste e terrestre). Após de comentar cada tabela de ofertas queimadas, veremos como pode ser conectada à importante ideia de prenunciar a administração das ressurreições celestiais e terrestres.

Existem duas bases bíblicas importantes que sustentam esse entendimento. A primeira que foi considerada acima, é que com base na realização da ressurreição de Cristo, podemos dizer que a oferta queimada corresponde à redenção ou o resgate pela ressurreição (celestial ou terrestre).

O segundo elemento bíblico é baseado na profecia de Ezequiel capítulo 40-48. Segundo o contexto dessa profecia, as ressurreições terrestres ocorrerão no templo (ou casa) mencionado na profecia, antes que a pessoa ressuscitada seja enviada para sua família de origem ou lar adotivo. Como chegamos a esta conclusão? Uma página especial é dedicada a esta explicação, porém, pode ser resumida lendo um trecho da profecia de Ezequiel capítulo 47: "Ele me levou então de volta à entrada do templo, e eu vi ali água saindo de debaixo do limiar do templo, indo para o leste, pois a frente do templo dava para o leste. A água saía de debaixo do lado direito do templo e passava ao sul do altar. Então ele me levou para fora pelo portão norte e me fez dar a volta por fora até o portão externo que dava para o leste, e eu vi a água escorrendo desde o lado direito. Quando o homem saiu para o leste com a corda de medir na mão, mediu 1.000 côvados e me fez atravessar a água; a água batia nos tornozelos. Então ele mediu mais 1.000 côvados e me fez atravessar a água, e ela batia nos joelhos. Mediu outros 1.000 côvados e me fez atravessar, e a água batia na cintura. Quando mediu mais 1.000 côvados, era uma torrente que eu não conseguia atravessar andando, pois a água estava tão funda que era necessário nadar; era uma torrente impossível de atravessar a pé" (Ezequiel 47:1-5).

Este rio, que se torna uma poderosa torrente, deságua no Mar Morto. Esta torrente dá vida ao Mar Morto, pela suavidade da água que substitui a salinidade mortífera deste mar e pelos peixes vivos que o repovoarão (Ezequiel 47). O atual Mar Morto em Israel tem tal nível de salinidade que quase nenhuma vida aquática é possível, não há peixes. É claro que o Mar Morto é o símbolo da humanidade atual sob o efeito da morte adâmica (Romanos 5:12). A visão nos explica que esta torrente revigorante gradualmente restaura a vida do Mar Morto por um repovoamento progressivo com muitos peixes. Como podemos ter certeza de que isso é de fato uma alusão à futura ressurreição terrestre. É o livro do Apocalipse que retoma o esboço dessa visão e dá sua interpretação (indiretamente): "E ele me mostrou um rio de água da vida, límpido como cristal, que saía do trono de Deus e do Cordeiro e fluía pelo meio da rua principal da cidade. Dos dois lados do rio havia árvores da vida, que produziam 12 safras de frutos e davam seus frutos todo mês. As folhas das árvores eram para a cura das nações" (Apocalipse 22:1,2). Esta cura das nações será principalmente através da ressurreição terrestre. O emocionante, é entender como a profecia de Ezequiel descreve simbolicamente a administração mundial desta ressurreição (Ezequiel 47 e 48).

A água milagrosa vem do Santuário do Templo visto por Ezequiel, depois desce para o sul até o simbólico Mar Morto (a humanidade morta) (Romanos 5:12, Ezequiel 39). Esta água milagrosa representa, a Palavra de Deus e o que decorre dela, isto é, o conjunto das bençãos de Jeová para ressuscitar a humanidade morta por causa de Adão, representada simbolicamente por este Mar Morto (Efésios 5: 26 ; Romanos 5:12). A principal bênção desta água é a ressurreição terrestre dos mortos (João 5: 28,29; Atos 24:15). A vida que está borbulhando progressivamente neste mar que "ressuscita" é representada pela abundância de peixes. Esses "peixes" simbólicos representam logicamente os ressuscitados terrestres.

O fato de a água viva, vir diretamente do templo (a casa), a fonte dessa mesma água viva, sugere que os ressuscitados virão do mesmo Templo ou desta Casa? Sim. A mensagem desta profecia é muito clara e encorajadora: o templo (ou Casa) visto por Ezequiel (e suas réplicas por toda a terra) será o lugar de onde os ressuscitados terrestres serão recebidos e então enviados para a sua porção onde vive sua família correspondente (Ezequiel 47:21-23, Daniel 12:13).

Preâmbulo ao exame das várias tabelas das ofertas queimadas que prefiguram o resgate pela ressurreição

Uma vez que não é costume, começaremos com a conclusão, ou seja, designar diretamente o simbolismo dos diferentes animais sacrificados nas oferendas queimadas, bem como o significado simbólico dos números. A base bíblica para o raciocínio será apresentada no exame detalhado das tábuas (Atos 17:11 (os bereanos que verificavam na Bíblia)).

Quanto à oferta queimada, o novilho (touro), o carneiro e o cordeiro representam, entre eles, um único ser humano redimido pela ressurreição. O novilho representa um ser humano ressuscitado e justo (homem ou mulher). O carneiro representa um ser humano (homem ou mulher) em geral, da antiga descendência de Adão, redimido pela ressurreição (no entanto, pode haver equivalências entre o novilho e o carneiro (ver às duas tabelas das ofertas queimadas do Pentecostes)). O cordeiro representa o preço do resgate pagado por Deus, dum humano ressuscitado e que é, portanto, é propriedade absoluta de Deus, por meio dessa redenção. O cordeiro parece simbolizar o preço de resgate da humanidade e a pertença a Deus (João 1:29).

Quanto aos números, há principalmente cinco diferentes: 1,2,7,14,70 (na coluna de totais da tábua  da Festividade das Barracas). O 1, simboliza o que só pode ser único, um único ser humano. Por exemplo, nas tábuas, na coluna do sacrifício expiatório, há apenas um cabrito, sendo lógico porque a expiação só pode realizar individualmente (Romanos 14:12). O 2, simboliza o grupo de humanos (Ler Daniel 7:25 e Apocalipse 12:14 (um tempo, tempos (2) e metade de um tempo. Em ambas as escrituras, o 2 simboliza o plural). O 7, simboliza o que é completo ou absoluto, respeito à pertença dum ser humano a Deus, com base no preço que Ele pagou (Mateus 20:28). O 14, simboliza 2 vezes 7, ou seja, a mesma coisa que 7, mas desta vez, como um grupo (2) de humanos redimidos pela ressurreição. Finalmente, o 70, simboliza um grupo de humanos justos redimidos pela ressurreição.

A Festividade das Semanas, Festividade da Colheita o Pentecostes e a Ressurreição Celestial dos 144.000

"Vocês devem contar sete sábados a partir do dia seguinte ao sábado, a partir do dia em que levarem o feixe da oferta movida. Devem contar semanas completas. Vocês contarão 50 dias, até o dia depois do sétimo sábado, e então devem apresentar uma nova oferta de cereais a Jeová"

(Levítico 23:15,16)

Sacrifícios da Festividade do Pentecostes 6 sivã em ofertas queimadas (cinquenta dias após a ressurreição de Cristo)

Animal de sacrifício expiatório

Animal de sacrifício de participação em comum

Novilho

Carneiros

Cordeiros

Cabrito

Cordeiros

1

2

7

1

2

Levítico 23:18,19

 

Sacrifícios da Festividade do Pentecostes 6 sivã em ofertas queimadas (cinquenta dias após a ressurreição de Cristo)

Animal de sacrifício expiatório

Novilhos

Carneiro

Cordeiros

Cabrito

2

1

7

1

Números 28:27-30

 

Para confirmação deste ponto de ensino bíblico, ou seja, que as festividades das colheitas são uma imagem profética das diferentes ressurreições (colheitas de vidas humanas trazidas de volta à vida), vamos ver? primeiro, o raciocínio do apóstolo Paulo sob inspiração: "Porque, assim como em Adão todos morrem, assim também em Cristo todos receberão vida. Mas cada um na sua própria ordem: como primícias, Cristo; depois os que pertencem a Cristo, durante a sua presença" (1 Coríntios 15: 22,23). Quem são aqueles que "pertencem a Cristo"? O grupo que apareceu na festividade que seguiu a dos Pães Não Fermentados, cinquenta dias após a ressurreição de Cristo: no Pentecostes, em 6 de Sivã do ano 33 (Êxodo 23:16; 34:22).

O que aconteceu no Pentecostes do ano 33, no cumprimento espiritual do Festival das Semanas? O nascimento da congregação celestial dos 144,000, que pertencem a Cristo através do derramamento do Espírito Santo sobre os primeiros 120 seguidores deste grupo: "Então, durante o dia da Festividade de Pentecostes, todos eles estavam juntos no mesmo lugar. De repente, veio do céu um barulho, bem semelhante ao de uma forte rajada de vento, e encheu toda a casa onde estavam sentados. E eles começaram a ver o que pareciam ser línguas de fogo, e elas se espalharam e pousaram, uma sobre cada um deles; e todos ficaram cheios de espírito santo e começaram a falar em línguas, assim como o espírito os capacitava" (Atos 2:1-4, 1: 15 "os presentes ali somavam cerca de 120 pessoas"). O novo nascimento (para cada um dos discípulos de Cristo) daquela congregação celeste, que pertence a Cristo e completada no final, pouco antes da grande tribulação, através da morte e ressurreição instantânea dos 7000: é a ressurreição dos 144,000 (como um grupo) do começo dos mil anos (Apocalipse 11:13; 1 Tessalonicenses 4:17):

"Vi tronos, e aos sentados neles foi dada autoridade para julgar. Sim, vi as almas dos que foram executados por causa do testemunho que deram de Jesus e por terem falado a respeito de Deus, vi aqueles que não tinham adorado a fera nem a imagem dela e não tinham recebido a marca na testa e na mão. Eles voltaram a viver e reinaram com o Cristo por mil anos. (Os outros mortos não voltaram a viver até os mil anos terem terminado.) Essa é a primeira ressurreição. Feliz e santo é todo aquele que tem parte na primeira ressurreição; sobre eles a segunda morte não tem autoridade, mas serão sacerdotes de Deus e do Cristo, e reinarão com ele durante os mil anos" (Apocalipse 20: 4-6).

Vejamos as ofertas com esta celebração do nascimento deste seleto grupo de cristãos com esperança celestial, cujo número de 144.000 será revelado mais tarde (Apocalipse 7:3-8; 14:1-5): "Vocês contarão 50 dias, até o dia depois do sétimo sábado, e então devem apresentar uma nova oferta de cereais a Jeová. Vocês devem trazer de casa dois pães como oferta movida, feitos com dois décimos de uma efa de farinha fina. Eles devem ser assados com fermento; são os primeiros frutos maduros para Jeová. E junto com os pães vocês devem apresentar sete cordeiros sadios, cada um de um ano, um novilho e dois carneiros. Eles servirão de oferta queimada a Jeová, junto com as correspondentes ofertas de cereais e ofertas de bebida, como oferta feita por fogo, de aroma agradável para Jeová. E vocês terão de oferecer um cabrito como oferta pelo pecado e dois cordeiros, cada um de um ano, como sacrifício de participação em comum. O sacerdote moverá os dois cordeiros para frente e para trás, junto com os pães dos primeiros frutos maduros, como oferta movida perante Jeová. Devem servir como algo sagrado para Jeová, e eles pertencerão ao sacerdote” (Levítico 23:16-20).

As 144.000 pessoas redimidas da terra são separadas (santo) para Jeová como uma oferta santa (separada para Jeová Deus e o sumo sacerdote Jesus Cristo) (Apocalipse 5:10). A oferta movida de grãos e os dois pães com fermento alude a este grupo de humanos na terra, separados (santos) para Deus e Cristo para o ministério terrestre (antes de sua morte e ressurreição celestiail). Os cereais e os dois pães representam este grupo de humanos com sua herança do pecado Adâmico (o número dois simboliza o grupo), os cereais e os pães com fermento (o ministério dos humanos com, na terra, sua herança do pecado). Em 1 Coríntios 15:35-41, o apóstolo Paulo compara um corpo humano a um grão nu, que, mais tarde após sua morte, é colocado na terra para brotar (ressurreição) para uma nova vida (neste caso celestial pode aplicar-se à ressurreição terrestre também). Assim como o pão sem fermento representa o corpo sem pecado (sem fermento) de Cristo, os dois pães representam um grupo (dois), de humanos com os genes do pecado adâmico (1 Coríntios 5:7 (remover o velho fermento); 10:16- 17 (pão sem fermento)).

Antes de retornar ao exame do significado das várias ofertas queimadas, detenhamo-nos no simbolismo da oferta de incenso aromático no santo do templo na parte do santuário em um pequeno altar para esse fim (Levítico 4:7). No Dia da Expiação, a cerimônia de entrada no Santo e depois no Santíssimo, começava com a oferta de incenso (Levítico 16:12,13). E é o livro do Apocalipse que dá o significado: "Chegou outro anjo, segurando um incensário de ouro, e ele parou junto ao altar. Foi-lhe dada uma grande quantidade de incenso para oferecer, junto com as orações de todos os santos, sobre o altar de ouro que estava diante do trono. Da mão do anjo subiu diante de Deus a fumaça do incenso, junto com as orações dos santos. Mas o anjo pegou imediatamente o incensário, o encheu de fogo do altar e o lançou para a terra. Então houve trovões, vozes, relâmpagos e um terremoto" (Apocalipse 8:3-5). Entendemos que a oferta de incenso representa as orações dos santos, que permitem o início desta dramática cerimônia do Dia da Expiação, que encontrará seu cumprimento pouco antes e durante a grande tribulação (Apocalipse 11:19).

No entanto, o incenso pode representar orações a Deus fora do santuário do templo: "Que a minha oração seja como o incenso preparado diante de ti, Que as minhas mãos erguidas sejam como a oferta de cereais do anoitecer" (Salmo 141:2). Podemos dizer que a oferta de incenso é o símbolo da oração que pode ser dirigida até mesmo no contexto da vida privada, como no aposento reservado de alguém, como mencionou Jesus Cristo (Mateus 6:6). Embora essas oferendas de incenso façam alusão ao que foi feito no santuário, Davi quem escreveu essas palavras não era um sacerdote, o que demonstra que as orações feitas em particular podem representar incenso queimado com cheiro repousante a Deus. Voltemos ao exame das ofertas queimadas.

A série de ofertas queimadas (7 cordeiros + 1 novilho + 2 carneiros (tabela 1, baseado em Levítico 23:18,19) ou 7 cordeiros + 1 carneiro + 2 novilhos (tabela 2, baseado em Números 28:27-30)), com uma "oferta de cereais e suas libações em sacrifício pelo fogo, de cheiro repousante para Jeová", representam o ministério ou serviço sagrado na terra, em oferta queimada a Deus, que posteriormente permite sua ressurreição celestial.

A oferta de cereais e as libações representam aquilo que acompanhava as ofertas queimadas e que deviam representar um cheiro repousante para Jeová Deus, o Pai. Se a oferta queimada representa a pessoa ou pessoas dedicadas a fazer a vontade de Jeová, as ofertas de cereais e as libações representam logicamente todas as boas ações relacionadas com as ofertas queimadas feitas por essas mesmas pessoas (as quais são uma com a oferta queimada). É mais geralmente sobre o ministério cristão. Vejamos alguns exemplos de citações, que vão na direção desta explicação: "O homem fitou os olhos nele, e, ficando amedrontado, disse: “O que é, Senhor?” Disse-lhe ele: “Tuas orações e dádivas de misericórdia têm ascendido como memória perante Deus"" (Atos 10:4).

As dádivas de misericórdia que têm ascendido como memória perante Deus, evocam bem este cheiro repousante que acompanhava a oferta queimada. Entendemos, no caso de Cornélio, que esta oferta queimada espiritual, era o conjunto das boas ações, em cheiro repousante, que ascende perante Deus, representa logicamente a boa reputação que temos perante Deus. Jesus Cristo falou dela como um tesouro para Deus (Lucas 13:13-21).

Este entendimento é reforçado pelo que Paulo escreveu, sob inspiração: "Mas graças sejam dadas a Deus, que sempre nos conduz num desfile triunfal em companhia do Cristo e, por nosso intermédio, espalha o aroma do conhecimento dele por toda a parte! Pois para Deus somos aroma agradável de Cristo, entre os que estão a caminho da salvação e entre os que estão a caminho da destruição — para estes últimos, cheiro de morte que leva à morte; para os primeiros, aroma de vida que leva à vida. E quem está qualificado para isso?" (2 Coríntios 2:14-16).

Nesta ilustração, o apóstolo Paulo, faz o paralelo com a procissão feita em homenagem ao imperador, e cujo incenso queimado representava um cheiro de morte para os prisioneiros que desfilavam em Roma. Considerando que, na procissão de Cristo, há um cheiro de vida. Assim, o bom cheiro de Cristo, que ascende a Deus, é o bom nome que temos para com Deus, ao imitar a Cristo, em vista da vida eterna (seja no céu ou na terra) (João 17:3). Este cheiro repousante perante Deus, permitirá a ressurreição, seja celestial ou terrestre.

Examinemos o significado desta série de ofertas queimadas em relação ao nascimento do grupo de 144.000, que ilustra o resgate pela ressurreição celestial: 7 cordeiros + 1 novilho (ou 2) + 2 carneiros (ou 1). Vimos acima que a oferta queimada simboliza a pertença a Deus com vistas à vida eterna, por meio da redenção ou o resgate, que permite a ressurreição celestial ou terrestre. Por que tantos animais? Porque cada um dos três animais diferentes, com seu respectivo número, tem significado em relação à redenção ou resgate, de um único ser humano e do grupo de 144.000. A oferta queimada do carneiro, parece simbolizar o resgate por meio da ressurreição, dos humanos em geral (justo ou injusto) (A ressurreição de Cristo, um justo sem pecado, em 16 de nisã, foi representada por uma oferta queimada dum carneiro simbolizando a possibilidade de redenção de todos os descendentes de Adão (Levítico 23:10-12) (assim, o carneiro também pode representar a ressurreição dum homem justo). Os dois carneiros parecem simbolizar a redenção colectiva pela ressurreição dum grupo de humanos (simbolizado pelo número dois e correspondente, neste caso, aos 144000) (Tabela 1). A tabela 2, que menciona um único carneiro, parece simbolizar a redenção dum único humano através da ressurreição.

A oferta queimada dum novilho parece simbolizar o resgate individual pela ressurreição (Tabela 1), de um humano considerado justo diante de Deus após seu ministério até sua morte. Os chifres são os símbolos da soberania de Jeová por meio da força e da luta, no caso do touro. Havia dois querubins sobre a arca do pacto, isso mostra que são os guardiões da santidade de Jeová, com a luta ou a guerra (se for necessário) (Êxodo 25: 17-22). O altar de sacrifício do templo tinha quatro chifres, um para cada canto, mostra que a santidade das criaturas de Jeová, une-se à expressão da soberania de Jeová (Levítico 4: 7,18). Portanto, é lógico pensar que o touro como parte dos sacrifícios expiatórios ou queimados, é a representação do ser humano justo e puro (Êxodo 29: 11). O fato de haver o sacrifício de um único touro parece indicar que esse critério de justiça diante de Deus é decretado ao nível individual, para cada um dos 144.000. No entanto, a menção dos dois touros na segunda tabela parece simbolizar que o critério de justiça diante de Deus, também pode ser decretado ao nível coletivo ou dum grupo de humanos ressuscitados, neste caso os 144.000. Devemos ver na diferença das duas tabelas uma complementaridade e uma equivalência (novilho (touro) = um humano justo ressuscitado; carneiro = o mesmo).

Os sete cordeiros, parecem ilustrar o valor absoluto ou completo (sete) da redenção ou resgate e que todos os humanos (vivos ou mortos (tanto individualmente (7 cordeiros) como coletivos (2x7=14 cordeiros)). Eles pertencem a Jeová Deus, por meio do sacrifício do cordeiro, quem é Jesus Cristo, o Filho de Deus (João 1:29) e sua ressurreição no 16 de Nisã (1 Coríntios 15:20).

Por que os sacrifícios expiatórios acompanhavam as ofertas queimadas? Porque este grupo de humanos de 144.000 é considerado justo durante sua vida e até sua morte, com base no perdão individual (um cabrito) de seus pecados, obtido, desta vez com base no valor expiatório do sangue de Cristo (enquanto o discípulo de Cristo ainda está vivo na terra): "Portanto, não há nenhuma condenação para os que estão em união com Cristo Jesus. Pois a lei do espírito que dá a vida em união com Cristo Jesus libertou você da lei do pecado e da morte. (...) Quem levantará acusação contra os escolhidos de Deus? É Deus quem os declara justos" (Romanos 8:1,2,33) (depois de sua morte, seu próprio sangue faz expiação (Romanos 6:7 comparar com Apocalipse 6:9 (alma=sangue)). No Dia da Expiação, a morte geral do grupo sacerdotal (dos 144.000) é representada por um sacrifício expiatório dum novilho (um animal simbolizando a defesa da soberania de Jeová. De maneira que morram justos diante de Deus (por meio do sacrifício expiatório de Cristo, simbolizado neste caso pelo cabrito).

O sacrifício de participação em comum de dois cordeiros parece simbolizar a unidade (comunhão) e a boa relação entre Deus e aquele que sacrifica e também o sacerdote que realiza este sacrifício. Neste caso, entre Deus e o grupo dos 144.000 (dois cordeiros) e o sumo sacerdote, Jesus Cristo (Compare com João 17:21 (fazendo “um” através da unidade)).

A Festividade das Barracas, a Festividade das Tendas, a Festividade do Recolhimento e a Ressurreição Terrestre

"Você deve celebrar a Festividade das Barracas por sete dias quando recolher os produtos da sua eira e do seu lagar de azeite e vinho. Alegre-se durante a sua festividade — você, seu filho, sua filha, seu escravo, sua escrava, o levita, o residente estrangeiro, o órfão e a viúva, que estão dentro das suas cidades. Por sete dias você celebrará a festividade para Jeová, seu Deus, no lugar que Jeová escolher, pois Jeová, seu Deus, abençoará todas as suas colheitas e tudo que você fizer, e você ficará cheio de alegria"

(Deuteronômio 16:13-15)

É verdade que o texto de Deuteronômio (acima) não parece diretamente ser relacionado à ressurreição terrestre. Existem outros textos bíblicos, muito mais detalhados, que permitem chegar a esta compreensão de que aquela festividade é a imagem profética da ressurreição terrestre durante o reinado dos 1000 anos de Cristo (Apocalipse 20:11-13).

Após da ressurreição de Cristo, "as primícias" e "aqueles que pertencem a Cristo", os 144000, o livro do Apocalipse, alude a uma última ressurreição: "Os outros mortos não voltaram a viver até os mil anos terem terminado" (Apocalipse 20: 5). Esta última ressurreição terrestre também é descrita em visão no mesmo capítulo de Apocalipse, como a do "justo e injusto" (Atos 24:15): "Vi os mortos, os grandes e os pequenos, em pé diante do trono, e rolos foram abertos. Mas outro rolo foi aberto: era o rolo da vida. Os mortos foram julgados pelas coisas escritas nos rolos, segundo as suas ações"(Apocalipse 20:12).

E esta última "colheita" de humanos ressuscitados, desta vez na terra, foi sem dúvida prefigurada pela celebração da Festividade das Barracas, a Festividade dos Tabernáculos ou Festividade do Recolhimento que aconteceu no outono, de 15 a 21 Ethanim (Tisri) (mês do calendário judaico) (Levítico 23: 34-43, Números 29: 12-38, Deuteronômio 16: 13-15): "Então ouvi uma voz alta do trono dizer: “Veja! A tenda de Deus está com a humanidade; ele residirá com eles, e eles serão o seu povo. O próprio Deus estará com eles. Ele enxugará dos seus olhos toda lágrima, e não haverá mais morte, nem haverá mais tristeza, nem choro, nem dor. As coisas anteriores já passaram" (Apocalipse 21:3,4).

"A tenda de Deus está com a humanidade", o que mostra que o reinado dos mil anos será o cumprimento mundial da Festividade das Barracas, pela ressurreição geral terrestre: "Todos os que restarem de todas as nações que vierem contra Jerusalém subirão de ano em ano para se curvar diante do Rei, Jeová dos exércitos, e para celebrar a Festividade das Barracas" (Zacarias 14: 16).

Em Números 10:10 está escrito: "Também nas suas ocasiões alegres — nas suas festividades e no começo dos meses — vocês devem tocar as trombetas diante das suas ofertas queimadas e dos seus sacrifícios de participação em comum; elas servirão de recordação perante seu Deus em favor de vocês. Eu sou Jeová, seu Deus". Aquelas festividades eram para servir de recordação ou memorial, portanto, deve-se entender que as tabelas da festividade das Barracas, do Sábado da semana e do início do mês, serão assembléias para celebrar a alegria da ressurreição dando graças a Deus e acolher os ressuscitados.

Festividade das Barracas do 15 de Tisri (Etanim)

Sacrifícios de ofertas queimadas

Sacrifícios expiatórios

Dias

Novilhos

Carneiros

Cordeiros

Cabritos

1

13

2

14

1

2

12

2

14

1

3

11

2

14

1

4

10

2

14

1

5

9

2

14

1

6

8

2

14

1

7

7

2

14

1

Totais

70

14

 

7

8

1

1

7

1

Números 29:13-36

 

Como na celebração de Pentecostes, faremos um exame da série de ofertas queimadas diárias, que simbolizam o que pertence a Deus, por meio do resgate que permite a ressurreição (celestial ou terrestre). As instruções para as ofertas durante os oito dias são encontradas em Números 29:13-36. Para fazer isso, acima, há uma tabela, resumindo os sete conjuntos de ofertas totais:

Parece que o programa das ofertas queimadas dos 7 dias da Festividade das Barracas, por um lado, parece uma tabela do escalonamento geral das ressurreições até o final do reinado de mil anos. Está em ordem decrescente da população do mundo (a coluna dos novilhos), o que parece corroborar que os últimos mortos serão os primeiros a ressuscitar e os primeiros mortos serão os últimos a ressuscitar (Mateus 19:30).

Os totais na tabela revelam várias coisas importantes. O total de 14, da coluna dos carneiros, que corresponde a toda a humanidade ressuscitada, corresponde ao valor fixo diário dos 14 cordeiros. Assim, este valor constante de 14 cordeiros poderia corresponder ao valor absoluto do resgate humanidade que pertence a Deus, baseado no valor constante do sacrifício de Cristo, que redimiu toda a humanidade justa, que terá vida eterna, sendo o total de 14 carneiros (2x7) (Mateus 20:28; João 1:29).

O total da coluna dos novilhos sacrificados é de 70. Os simbolismos, tanto do novilho como do número 70, parecem confirmar que esta é a ressurreição da humanidade justa por completo, no final dos mil anos (Apocalipse 20:5 (Os outros mortos não voltaram a viver até os mil anos terem terminado)). Acima estão as bases bíblicas que demonstram que o novilho simboliza um humano justo que se submete à soberania de Deus (simbolizado pelos chifres do touro). Os 70 novilhos (total) representam um grupo de humanos justos (Números 11:16 (neste texto Jeová Deus estabelece o número de 70 (7x10) anciãos)).

Finalmente, os sacrifícios do oitavo dia da Festividade das Barracas (abaixo dos totais), permitem compreender a diferença entre o simbolismo dos sacrifícios em relação à ressurreição coletiva (de toda a humanidade justa) e o simbolismo dos sacrifícios em relação à ressurreição dum único ser humano justo (além do valor constante e absoluto da redenção de 7 cordeiros, os outros três animais diferentes são 1 em número, correspondendo ao resgate pela ressurreição dum único ser humano).

As ofertas de cereais e as libações que acompanham essas ofertas queimadas, da Festividade das Barracas têm o mesmo significado que as ofertas referentes aos 144.000 ressuscitados celestiais. Eles representam logicamente todas as boas ações acompanhadas duma boa reputação (cheiro repousante) perante Deus e seu Filho Jesus Cristo, que tornam possível obter a vida eterna pela ressurreição com a posição permanente de justo (Apocalipse 20:5).

Por outro lado, os sacrifícios expiatórios (a coluna que menciona o sacrifício do cabrito) que acompanha as ressurreições terrestres não têm o mesmo processo de perdão que os sacrifícios expiatórios das ressurreições celestiais dos 144.000 (de Pentecostes) (o cabrito sacrificado de forma expiatória (perdão), que acompanha as ofertas queimadas (o resgate por meio da ressurreição)). Podemos recordar brevemente que cada um dos 144.000 ressuscitados no céu, será assim como alguém justo e sem pecado diante de Deus. Esta justiça diante de Deus é obtida com base no perdão regular dos pecados (enquanto eles estão vivos na terra) com base no valor expiatório do sangue de Cristo (Romanos 8:1,2,33) e no valor expiatório de seu próprio sangue no momento da sua morte na terra (Romanos 6:7 compare com Apocalipse 6:9 (alma = sangue)). Nesta base de justificação diante de Deus, é o valor expiatório (que assume o mesmo significado que o resgate pela ressurreição (neste caso preciso)) do sangue de Cristo que permite sua ressurreição celestial: "Ele entrou no lugar santo, não com o sangue de bodes e de novilhos, mas com o seu próprio sangue, de uma vez para sempre, e obteve para nós um livramento eterno" (Hebreus 9:12). Esta libertação eterna é o resgate por meio da ressurreição celestial (Efésios 1:14; Apocalipse 3:5; 4:4; 6:11 (a comprida veste branca = a vida eterna através da ressurreição)).

Aliás, quando o valor expiatório (permanente) do sangue de Cristo leva à redenção (ou o resgate), ajuda a entender que a expiação é a execução dum julgamento, seja favorável que leva ao resgate através da ressurreição celestial ou terrestre, com a posição de justiça permanente (Hebreus 9: 12; Efésios 1:14), ou desfavorável, que leva à restituição (permanente) da vida a Deus, através da destruição do pecador irreformável (Isaías 65:20b).

O processo de perdão dos pecados do ressuscitado terrestre é explicado em detalhes na profecia de Ezequiel (40-48). É muito mais complexo de entender: "Pois o salário pago pelo pecado é a morte" (Romanos 6:23). Em Ezequiel 45:20, está escrito que os "ressuscitados" "inexperientes" farão "erros": "Você fará o mesmo no sétimo dia do mês, a favor de qualquer um que peque por engano ou por ignorância; e vocês devem fazer expiação pelo templo" (Ezequiel 45:20). Poderiam tais pecados ou erros reacender um processo mortal, como foi no caso de Adão e sua descendência (Romanos 5:12)? A Bíblia sugere que este não será o caso, especialmente em Isaías 65:20: "Pois quem morrer com cem anos será considerado jovem, E o pecador será amaldiçoado, mesmo que tenha cem anos". Este texto mostra que alguns ressuscitados injustos que não querem se conformar às leis de Deus, depois de um lapso de tempo de cem anos, ele "morrerá sendo jovem". Isso mostra que os seus próprios pecados não terão impacto em seu corpo humano a ponto de "amaldiçoa-lo". Isso não contradiz Romanos 6:23?

Ao comparar as informações da profecia de Ezequiel 45:20 e Apocalipse 20: 5, pode-se dizer que a estrutura legal divina permitirá essa situação. Como? Em Apocalipse 20: 5 está escrito: "Os outros mortos não voltaram a viver até os mil anos terem terminado". Este texto significa que todos os ressuscitados terrestres como grupo mundial serão considerados com "nao-existentes", do ponto de vista divino, até no final de mil anos. E até o final de mil anos, do ponto de vista legal, o grupo mundial de ressuscitados não existirá. Isso explica o estranho detalhe de Ezequiel 45:20: "Você fará o mesmo no sétimo dia do mês, a favor de qualquer um que peque por engano ou por ignorância; e vocês devem fazer expiação pelo templo". O sétimo dia do mês é 7 de Nisã. Aquela expiação para “o templo”, era feita para o Tabernáculo, no Dia da Expiação: “E ele tem de fazer expiação pelo santuário sagrado, e fará expiação pela tenda de reunião e pelo altar; e fará expiação pelos sacerdotes e por todo o povo da congregação” (Levítico 16:33).

Esta passagem bíblica dá informação que é tanto estranha como explicável pela informação em Apocalipse 20: 5, que mostra que todos os ressuscitados (como grupo) não terão existência oficial do ponto de vista divino, durante o reinado milênio. De fato, está escrito em Ezequiel que, para um "erro de um inexperiente", será feita expiação, não para o pecador, mas para a Casa ou Templo (dependendo do contexto). Por quê? Porque essa pessoa (ressuscitada) não terá uma existência oficial do ponto de vista de Deus, mas seu verdadeiro pecado recairá sobre a "Casa" ou o Templo. Por quê? Porque, do ponto de vista de Deus, eles existirão por ter sobrevivido à Grande Tribulação. De fato, de acordo com Apocalipse 7: 9-17 e Ezequiel 40-48, a Grande Multidão terá a posição de "Levita" ou membro da "Casa" ou do Templo que servindo a Deus no Templo com um serviço sagrado dia e noite.

Portanto, qualquer pecado cometido por uma pessoa ressuscitada que não existe oficialmente, automaticamente recairá sobre a humanidade legalmente existente, os membros do Templo ou a "Casa". Uma expiação anual, baseada no Sangue de Cristo, será feita para todos os "erros" ou pecados cometidos pelos inexperientes ressuscitados, no sétimo mês, isto é, a cada 10 Tishri: "Assim, eu lhe disse imediatamente: “Meu senhor, é o senhor quem sabe.” Ele me disse: “Esses são os que saem da grande tribulação; eles lavaram suas vestes compridas e as embranqueceram no sangue do Cordeiro. É por isso que estão diante do trono de Deus, e lhe prestam serviço sagrado dia e noite no seu templo; Aquele que está sentado no trono estenderá a sua tenda sobre eles" (Apocalipse 7:14,15).

Além disso, como na noite em que o anjo passou sobre as casas com o sangue do Cordeiro na ombreira da porta, assim a profecia de Ezequiel menciona simbolicamente este ato: "E o sacerdote tem de tomar do sangue da oferta pelo pecado e pô-lo sobre a ombreira da Casa, e sobre os quatro cantos [da reentrância] da banda circundante do altar, e sobre a ombreira do portão do pátio interno” (Ezequiel 45:19). Esta expiação é feita no 1 de Nisã. Isso demonstra que, do ponto de vista de Jeová Deus e de Jesus Cristo, a Grande Multidão terá a condição de primogênito de todos os justos do mundo que serão ressuscitados.

Aquela expiação, será feita desta vez à base do sangue de Cristo, no 1 e 7 de Nisã. No 14 de nisã, será celebrada a comemoração da morte de Jesus Cristo (Ezequiel 45:18-21). Com base nas explicações acima, quando Adão e Eva pecaram, a sentença de morte anunciada por Deus (se eles desobedecessem) (Gênesis 2:15-17), entrou em vigor não imediatamente após seu ato de desobediência, mas depois do reconhecimento de Deus da desobediência deles, a culpa e a declaração divina de julgamento condenatório (Gênesis capítulo 3:1-7 (a sequência da história da desobediência de Adão e Eva) 3:8-19 (a audiência, julgamento e declaração divina de condenação de Adão e Eva)) (Romanos 5:12). O efeito mortal do pecado entrou em ação após a expressão divina através de Sua Palavra da condenação dos dois pecadores (Isaías 55:11).

As duas ofertas queimadas diárias e as duas ressurreições terrestres

As contínuas ofertas diárias

 

Dias

   

Cordeiros (ou carneiros)

 

29 ou 30

 

 

2

 

Êxodo 29:38-42 (2 carneiros ou 2 cordeiros)

Números 28:3-8

1 cordeiro pela manha, e 1 cordeiro entre o pôr do sol

e a noite

 

A tabela parece representar às duas ressurreições terrestres diárias, pela manhã (logo depois ou durante o nascer do sol), e entre o pôr do sol e a noite. Logicamente, não há sacrifício expiatório, porque o humano ressuscitado, no momento de seu renascimento pela ressurreição, estará sem pecado física e mentalmente (e não precisará de nenhuma expiação).

No entanto, essa interpretação parece estranha, implicando que haveria apenas duas ressurreições por dia no futuro paraíso terrestre. Mais uma vez, devemos colocar esse entendimento em perspectiva, com a profecia de Ezequiel capítulo 40-48. A descrição simbólica desta profecia é a da administração do reino de Deus na terra. No entanto, deve-se especificar, conforme o contexto desta mesma profecia, que esta descrição é feita em forma de protótipo ou modelo, tendo como exemplo a nação de Israel e que será estendida a toda a terra paradísica... O que significa que haverá outras réplicas desse mesmo modelo de administração, espalhadas por todo o mundo.

Qual é a base bíblica para tal entendimento? (Haverá uma pequena digressão explicativa para determinar o número de ressuscitados terrestres em escala global). Quanto ao papel do maioral (ou príncipe) sobre esta nação modelo profética, ele é descrito, no singular, como um e único: "Todavia, o maioral — ele mesmo, como maioral, estará sentado nele para comer pão perante Jeová" (Ezequiel 44:3; 45:7,16,17,22; 46:2,4,8,10,12, 16,17,18; 48:21,22 (A lista de referências bíblicas onde o maioral (príncipe) é descrito como sendo único sobre esta nação modelo de Israel). Enquanto os filhos de Zadoque, intimamente associados com o maioral, são descritos no plural: "São os filhos de Zadoque, dos filhos de Levi, que se chegam a Jeová para lhe ministrar" (Ezequiel 40:46; 43:19; 44:15; 48 :11 (A lista de referências bíblicas que descrevem a função dos filhos de Zadoque (os sacerdotes terrestres), como um grupo de homens). Não há dúvida de que no contexto geral, só haverá apenas um maioral (ou príncipe) e vários filhos de Zadoque ou sacerdotes terrestres, de acordo com este protótipo descritivo de Israel.

No entanto, no capítulo 45, Jeová Deus faz uma declaração, a respeito do maioral, que implica que a descrição profética do modelo de Israel da profecia terá outras réplicas por toda a nova terra paradísica: “'E para o maioral haverá deste e daquele lado da contribuição sagrada e da propriedade da cidade, além da contribuição sagrada e além da propriedade da cidade, algo no lado ocidental para o oeste e algo do lado oriental para o leste. E o comprimento será exatamente como o de um dos quinhões, desde o termo ocidental até o termo oriental. Quanto à terra, tornar-se-á sua como propriedade em Israel. E meus maiorais não mais maltratarão meu povo, e darão a terra à casa de Israel com relação às suas tribos” (Ezequiel 45:7,8). "E meus maiorais não mais maltratarão meu povo" (ao contrário do antigo Israel (versículo 9)), parece indicar que haverá mais réplicas com outros maiorais ou príncipes, do protótipo da administração terrestre descrita profeticamente, em toda a terra.

Obviamente, o maioral descrito na profecia corresponde à função dos príncipes sobre toda a terra paradísica: "Vejam! Um rei reinará com retidão, E príncipes governarão com justiça" (Isaías 32:1). “Em lugar de teus antepassados virá a haver teus filhos, Os quais designarás para príncipes em toda a terra” (Salmos 45:16).

Neste caso, se for uma descrição de um único modelo de Israel, que se aplicará a toda a terra, a Bíblia revela quantas réplicas haverá? Logicamente haverá 144.000, por toda a face da terra: "Fez deles um reino e sacerdotes para o nosso Deus, e eles reinarão sobre a terra" (Apocalipse 5:10; 20:4, 6). Entendemos que para cada uma das réplicas segundo o modelo de Israel, haverá um rei-sacerdote, representando os 144.000 que irão reinar, através do príncipe (maioral). Em Salmos 45:16 (descrevendo o casamento do Cordeiro (Jesus Cristo) de Apocalipse 19:1-8, com a Nova Jerusalém (os 144.000)), está escrito que todo príncipe será filho dos 144.000. Então serão 144.000 príncipes terrestres que transmitirão a autoridade dos 144.000 na terra em cada uma das réplicas de Israel descritas na profecia de Ezequiel 40-48.

Segundo as declarações de Cristo, que compara a futura administração terrestre do Reino de Deus, às "doze tribos de Israel", entendemos que essas réplicas serão em escala tribal: "Jesus lhes disse: “Eu lhes garanto: Na recriação, quando o Filho do Homem se sentar no seu trono glorioso, vocês que me seguiram se sentarão em 12 tronos e julgarão as 12 tribos de Israel"" (Mateus 19: 28; 22:38-31). Assim, as simbólicas "doze tribos" serão 144.000 tribos espalhadas por toda a terra (compare Apocalipse 7:4-8), com o mesmo modelo de administração descrito em Ezequiel 40-48. Serão formadas por famílias de ressuscitados com laços genealógicos próximos ou distantes (cujos laços de parentesco (mais ou menos distantes) são representados pelas doze tribos no modelo de Israel, em Ezequiel 40-48).

Vamos voltar ao tema principal das duas ofertas queimadas diárias e a redenção (ou resgate) por meio da ressurreição. Com base nesse entendimento, de que deveria haver duas ressurreições diárias por tribo, multiplicadas por 144.000 tribos espalhadas por toda a terra (representando as doze tribos de Israel, mencionadas por Cristo), pode-se estabelecer o número de ressuscitados por dia, por mês (arredondado até trinta dias) e por ano (contando-os em anos solares de 365 dias cada). 288.000 ressurreições por dia, em todo o mundo (2 ressurreições x 144.000 (de tribos terrestres)). 8.640.000 ressuscitados por mês, em todo o mundo (288.000 (ressurreições diárias) x 30 (dias)). Aproximadamente entre 104 e 105 milhões de ressuscitados por ano (dependendo se a multiplicação é feita por 12 meses (104) ou por 365 dias (105)). Como indicativo em nível mundial, atualmente o número de nascimentos é de pouco mais de 130 milhões por ano.

As estimativas da população mundial cumulativa, que teria vivido na Terra, variam conforme a escala de tempo dos historiadores. Segundo a Bíblia, a humanidade tem apenas 6.000 anos, e o bilhão de humanos teria sido alcançado apenas no início do século XIX. Com base nessa estimativa ampla duma ressurreição gradual duma população mundial morta de 20 bilhões de humanos, a ressurreição terrestre durante o reinado milenar levaria aproximadamente 200 anos (com base nos cálculos do parágrafo acima).

As dois ofertas queimadas do Sábado

As ofertas queimadas do Sábado

 

     

Cordeiros

 
 

 

 

2

 

Números 28:9,10

 

Pode-se considerar a tabela acima, como resumo semelhante às tabelas das ressurreições celestiais (Pentecostes) e terrestres (Festividade das Barracas). O que parece corroborar a aparência do resumo das ressurreições da semana, é que às duas ofertas queimadas (que correspondem às duas ressurreições diárias) são mantidas e não substituídas. Existem duas possibilidades, sendo a primeira que o valor dos dois cordeiros, representa o resumo do grupo de ressurreições da semana, ou seja, 14 ressurreições para a semana na tribo, informando a assistência de toda a tribo, os nomes dos ressuscitados e possivelmente seus vínculos familiares com os membros da tribo que os acolherão. De acordo com Números 10:10, esses Sábados devem servir de memorial, portanto, devem ser assembléias para celebrar a alegria da ressurreição, dando graças a Deus e acolhendo os ressuscitados. A segunda possibilidade é que haja duas ressurreições adicionais, ou seja, quatro ressurreições, no dia de sábado... E como terceira possibilidade, as primeiras possibilidades seriam acumuladas.

As ofertas queimadas mensais e o resgate pela ressurreição

Ofertas queimadas mensais

 Sacrifício expiatório

 

Novilhos

Carneiro

Cordeiros

Cabrito

 

2

1

7

1

Números 28:11

 

A lista das ofertas queimadas, é a mesma da celebração de Pentecostes no dia 6 de sivã, segundo Números 28:27-30, concernente os 144.000, exceto que, neste caso, trata-se dos ressuscitados terrestres. O comentário da tabela em relação ao Pentecostes, em linhas gerais, pode muito bem ser aplicado ao ressuscitado terrestre. A série de ofertas queimadas (7 cordeiros + 1 carneiro + 2 novilhos (Tabela 2, baseada em Números 28:27-30)), com uma "oferta de cereais e suas libações como sacrifício pelo fogo, de um cheiro repousante para Jeová", representam a conduta justa dos ressuscitados terrestres. Isso lhes permite depois de certo tempo ter a posição de justos, graças ao sacrifício expiatório, que os mantém vivos apesar de quaisquer erros involuntários (pecados) cometidos no paraíso terrestre. Este é um resumo das ressurreições do mês, que leva para cada ressuscitado (1 carneiro e 7 ovelhas), à posição de justo e para se juntar ao seu grupo (2 touros). De acordo com Números 10:10, esses Sábados no início do mês devem servir de memorial, portanto, devem ser assembléias para celebrar a alegria da ressurreição dando graças a Deus e acolhendo os ressuscitados.

Em Ezequiel 46:1-6, está escrito que toda a tribo deveria vir à Casa ou Templo (descrita em Ezequiel 40-48), no sábado e na lua nova (início do mês), para ouvir os discursos de os filhos de Zadoque e do maioral (príncipe), na forma de sacrifícios espirituais da palavra ou discursos baseados nos novos rolos, a fim de nutrir espiritualmente o povo (Compare com Oséias 14:2 (touros dos lábios) e Hebreus 13:15 (sacrifícios de louvor e frutos dos lábios) (O simbolismo e os procedimentos dessas reuniões são explicados em outra página.) Também é possível que as palestras estejam relacionadas à ressurreição terrestre (mencionada simbolicamente pelos seis cordeiros e um carneiro em holocaustos) e os recém-ressuscitados da semana, e depois do mês, apresentando-os pelo nome, acolhendo-os e tranquilizando-os com amor fraterno, do príncipe e dos filhos de Zadoque e de toda a tribo.

Ofertas queimadas do sétimo mês, no 1 de Etanim (Tisri)

 Sacrifício expiatório

 

Novilhos

Carneiro

Cordeiros

Cabrito

 

1

1

7

1

Números 29:1-6

Com as ofertas queimadas mensais

 

Esta tabela parece designar o ponto de partida da ressurreição terrestre, humano por humano, e não uma ressurreição de grupo. Além disso, as ofertas queimadas mensais normais são mantidas, sugerindo que o 1 de Etanim (Tisri), deve ser a celebração do início da ressurreição, na forma dum aniversário ou duma data comemorativa do primeiro mês da ressurreição terrestre: "E, no sétimo mês, no primeiro dia do mês, vocês devem realizar um santo congresso. Não devem fazer nenhum trabalho árduo. É um dia em que vocês devem tocar a trombeta" (Números 29:1). O que parece apontar para esta data como o início da ressurreição. E que será celebrado como um memorial, ano após ano como tal, por muitas festividades jubilosas.

É muito interessante notar que o apóstolo Paulo associa o início da ressurreição (no contexto celestial) com o soar da trombeta: "Escutem, vou lhes contar um segredo sagrado: Nem todos adormeceremos na morte, mas todos seremos transformados, num momento, num piscar de olhos, durante o toque da última trombeta. Pois a trombeta soará, e os mortos serão levantados imperecíveis, e nós seremos transformados" (1 Coríntios 15:51,52). "Porque o próprio Senhor descerá do céu com uma chamada de comando, com voz de arcanjo e com a trombeta de Deus, e os mortos em união com Cristo se levantarão primeiro" (1 Tessalonicenses 4:16). No entanto, este soar excepcional da trombeta deve estar relacionado ao 10 de Etanim (Tisri) do ano do jubileu que celebra a libertação da escravidão da morte (Romanos 5:12).

Portanto, o soar das trombetas está intimamente associado ao início da ressurreição. Aqui está o que está escrito em Números 10:10: "Também nas suas ocasiões alegres — nas suas festividades e no começo dos meses — vocês devem tocar as trombetas diante das suas ofertas queimadas e dos seus sacrifícios de participação em comum; elas servirão de recordação perante seu Deus em favor de vocês. Eu sou Jeová, seu Deus". Jeová Deus, nestes mandamentos, associa a alegria, ao som das trombetas do início do mês, com as ofertas queimadas que simbolizam o resgate (a que pertence a Jeová) pela ressurreição. Há também a expressão memorial, que parece indicar que as tábuas dos sacrifícios mensais, as várias festividades como Pentecostes, das Barracas e dos Sábados, das semanas e do início do mês, parecem descrever festividades jubilosas que celebrarão a alegria da ressurreição.

No entanto, os toques excepcionais das trombetas nos anos foram também os do dia 10, do sétimo mês do ano do Jubileu, o que parece indicar a data precisa do início desta grande ressurreição terrena: "Então vocês farão soar alto a buzina no sétimo mês, no dia dez do mês; no Dia da Expiação, vocês devem fazer com que o som da buzina seja ouvido em toda a sua terra. Santifiquem o quinquagésimo ano e proclamem liberdade em sua terra, a todos os habitantes" (Levítico 25:9,10).

O ano do jubileu de 10 Etanim (Tisri) é simbólico da libertação da humanidade da escravidão do pecado resultante em morte (Levítico 25:10). Aquela libertação não tem melhor símbolo do que a ressurreição que libertará bilhões de humanos durante o reinado de 1000 anos: ““Morte, onde está a sua vitória? Morte, onde está o seu aguilhão?”  O aguilhão que produz a morte é o pecado, e a força do pecado é a Lei.  Mas graças sejam dadas a Deus, pois ele nos dá a vitória por meio do nosso Senhor Jesus Cristo!” (1 Coríntios 15:55-57). O aguilhão era uma vara com ponta pontiaguda que o lavrador usava para guiar o animal ao arar. Por 6.000 anos de história, o pecado e a morte mantiveram a humanidade em cativeiro. Portanto, é lógico pensar que o 10 de Etanim (Tisri), 2024, será o primeiro Jubileu do reinado milenar, que dará início a ressurreição: "Não fiquem admirados com isso, pois vem a hora em que todos os que estão nos túmulos memoriais ouvirão a voz dele  e sairão: os que fizeram coisas boas, para uma ressurreição de vida; e os que praticaram coisas ruins, para uma ressurreição de julgamento" (João 5:28,29).

Aquele jubileu que se realizará verá o retorno dos mortos à vida e as reuniões familiares com gritos de alegria. Além disso, Levítico 25 especifica que haverá um "retorno" em sua propriedade, o que significa que o ressuscitado terá doravante uma propriedade ou uma porção terrestre que lhe pertencerá permanentemente: "Quanto a você, continue até o fim. Você descansará, mas no fim dos dias se levantará para receber a sua porção" (Daniel 12:13). Este "porção" é dupla, é a vida eterna, e uma propriedade terrestre que o dono da terra lhe terá concedido: "Porque a terra é minha" - diz Jeová (Levítico 25:23).

Portanto, os diferentes elementos bíblicos mostram que a Grande Tribulação deve ocorrer no 10 de tisri (Etanim) de 2023, ou seja, sexta-feira, 22 de setembro após o pôr do sol, até sábado, 23 de setembro de 2023, até o pôr do sol (horário de Jerusalém), sendo um ano sabático (7 vezes sete sábados) (esta data é um sábado duplo). No entanto, o 10 de Tisri (Etanim) de 2024 (10 de outubro de 2024 (conforme a lua nova astronômica)), será o início oficial do ano do Jubileu planetário que inaugurará (2024/25 (outono)), a libertação humana da morte, por meio da ressurreição: O apóstolo Paulo mostrou que a ressurreição é um "livramento eterno": "Ele entrou no lugar santo, não com o sangue de bodes e de novilhos, mas com o seu próprio sangue, de uma vez para sempre, e obteve para nós um livramento eterno" (Hebreus 9:12). Aquela libertação eterna o início da ressurreição no 10 de Tisri (Etanim) de 2024 (9/10 de outubro de 2024 (conforme a lua nova astronômica)), o início do ano do jubileu planetário...