Español                                 English                              Русский                          Français

BÍBLIA ONLINE

BÍBLIA ONLINE (Traduções comparativas)

BÍBLIA ONLINE (Em vários idiomas)

O ANO LUNISSOLAR

A maioria dos calendários ocidentais é baseada no calendário solar gregoriano de 365 dias (calendário gregoriano da Wikipédia).

Enquanto outros países usam o calendário lunar. O ano lunar tem entre 354 e 355 dias. Há, portanto, uma diferença de cerca de 11 dias entre o calendário solar (365 dias) e o calendário lunar (354 dias). No entanto, o calendário hebraico, também leva em conta o ciclo solar de 365 dias, por isso é um calendário "lunissolar" (Wikipedia calendário judaico lunissolar).

Os pontos essenciais para conhecer o calendário bíblico, semelhante ao calendário hebraico atual, são os seguintes (importante para entender o raciocínio bíblico que se seguirá):

Na Bíblia, os dias começam depois de o pôr do sol. Por exemplo, em Gênesis 1:5, sobre o primeiro dia simbólico da criação, está escrito: "Houve noite e houve manhã, primeiro dia".

Na Bíblia, os meses começam na "lua nova" (Salmos 81: 3). Os meses lunares são de 29 ou 30 dias. No entanto, nesta fase do estudo, há uma dificuldade significativa em relação à definição bíblica da “lua nova” (Wikipedia Lua nova). Alguns pensam que este é o momento em que a lua desaparece completamente (este é o caso do atual calendário hebraico). Outros pensam que esta é a aparência da primeira lua crescente. Por esta razão, há um subtítulo sobre o tema da Lua Nova que indicará a escolha necessária e importante entre estas duas opções para determinar exatamente uma data (aquela do memorial da morte de Jesus Cristo (14 de Nisã) e o 10 de Tisri) (veja abaixo depois do artigo).

O ANO LUNISSOLAR

Os anos lunares têm 12 meses de 29 ou 30 dias. Um mês intercalar (Veadar) é adicionado regularmente para compensar a diferença de 11 dias entre o ano lunar (354 dias) e o ano solar (365 dias). Neste caso, este ano tem excepcionalmente 13 meses, é um ano "Lunissolar". Na Bíblia, não há menção direta do acréscimo regular desse mês intercalar, a fim de ajustar o calendário lunissolar ao ciclo solar anual. No entanto, informações indiretas mostram que esse era realmente o caso. Por exemplo, alguns meses tinham que coincidir regularmente com as colheitas sazonais, seja primavera (Abibe (Nisã): primavera) ou outono (Ethanim (Tisri): outono) (Êxodo 23:15). É óbvio que os israelitas dos tempos bíblicos faziam esse ajuste com o mês intercalar (Veadar). As festividades no mês da primavera, continuavam na primavera, ao longo dos anos. E todas as festividades de outono do mês de Tisri, permaneciam outonais, ao longo dos anos (Levítico 23:37).

Atualmente, o sistema de ajuste utilizado pelo calendário hebraico, é chamado de ciclo metônico: é uma série de ajustes de 7 anos lunissolares de 13 meses, num período de 19 anos.

O livro de Ezequiel menciona que o ano em que a Grande Tribulação ocorrerá será Lunissolar, com 13 meses, de acordo com o calendário judaico. Nos capítulos 38 e 39 de Ezequiel, temos o relato profético dos eventos antes, durante e depois da Grande Tribulação. Ele menciona um período de sete meses de limpar a Terra após a Grande Tribulação: "A casa de Israel levará sete meses para enterrá-los, de modo a purificar a terra" (Ezequiel 39:12-14 ). Como essas informações simples nos fazem entender que esse seria um ano de 13 meses?

De acordo com Apocalipse 11:19, a grande tribulação terá lugar o 10 de Tisri (Etanim). Os capítulos de Ezequiel 38 e 39 contam o relato profético da Grande Tribulação. Então, depois de sete meses mencionados em Ezequiel 39: 12-14, está escrito que o profeta teve uma visão do templo que representa o domínio do Reino de Deus na terra, cerca de 10 Nisã: "No vigésimo quinto ano do nosso exílio, no começo do ano, no dia dez do mês, no décimo quarto ano depois da queda da cidade, nesse mesmo dia a mão de Jeová esteve sobre mim, e ele me levou à cidade" (Ezequiel 40:1).

A simples verificação cruzada das informações do período de 7 meses com o fato que normalmente de 10 Tisri a 10 de Nisã há 6 meses, mostra que neste ano haverá o mês intercalar Veadar. Nós permite entender que o ano em que a Grande Tribulação ocorrerá será um ano lunissolar de 13 meses.

A lua nova

“Na lua nova, tocai a buzina; Na lua cheia, para o dia da nossa festividade”

(Salmos 81:3)

Existem duas definições da lua nova (Wikipedia):

1 – “Lua nova refere-se à fase em que a Lua se encontra entre a Terra e o Sol, estando, portanto, em conjunção com o Sol (se observada a partir da Terra). Nessa altura, a face não iluminada da Lua está virada quase diretamente para a Terra, de modo que não é visível a olho nu” (lua nova (Wikipedia)).

2 – “O sentido original da expressão lua nova refere-se ao primeiro crescente visível da Lua após a conjunção com o Sol” (lua nova (Wikipedia)).

A pergunta importante é o que está escrito na Bíblia para nos ajudar a entender o que é a lua nova. O Salmo 81:3 nos permite ter uma resposta precisa.

Este texto mostra que o primeiro dia do mês, na "lua nova", era anunciado pelo som da “buzina”. O Salmo informa também que na "lua cheia" era comemorado o dia duma “festividade". O contexto pode nos permitir saber qual era essa “festividade” e então conhecer a data exata de sua celebração. Voltando para trás será possível saber o que é a lua nova.

Antes disso, com base na tabela astronômica lunar de novembro 2018, temos de saber que a lua nova é o desaparecimento completo da lua, geralmente dura três noites (ver ilustração: as noites de 7,8,9 de novembro). As duas letras em azul "NL" é quando a lua emite o menos, a luz residual portanto, é considerada de Lua Nova (com medição astronômica). Geralmente é entre a primeira e a segunda noite sem lua. No entanto, colocando-nos no lugar dos seres humanos sem instrumento de medição astronômica, é lógico pensar que, se a lua nova era na noite sem lua, teve que ser logicamente a primeira noite sem lua.

E a lua cheia (independentemente da intensidade da luz solar) dura três noites 22,23,24 de novembro 2018 (no exemplo). Aplicando a mesma lógica de um ser humano sem instrumento de medição astronômica, a plena lua cheia que contava teve de ser a primeira noite quando a lua aparece totalmente, ou seja, neste exemplo, em 22 de novembro.

O contexto do Salmo 81 sugere que o toque de buzina (ou trombeta) era o 1º de Tisri: "Fala aos filhos de Israel, dizendo: ‘No sétimo mês, no primeiro [dia] do mês, deve haver para vós um completo repouso, uma recordação ao toque de trombeta, um santo congresso" (Levítico 23:24). Então no 15 de Tisri era a festividade das cabanas (Levítico 23:34). Para essa festividade, Jeová ordenava o seguinte: " Por sete dias você celebrará a festividade para Jeová, seu Deus, no lugar que Jeová escolher, pois Jeová, seu Deus, abençoará todas as suas colheitas e tudo que você fizer, e você ficará cheio de alegria" (Deuteronômio 16: 13-15 comparar com o Salmo 81:1,2 “Gritem de alegria a Deus, nossa força. Aclamem triunfantemente ao Deus de Jacó").

Se o dia 15 é a lua cheia, voltando para trás o primeiro dia da lua nova é uma noite sem lua. Esta opção (da lua nova (noite sem lua)) foi retida pelo atual calendário hebraico. E é interessante que os cristãos que calcularam a data de 4/5 de outubro 1914 como a data da entronização de Cristo no céu, ou seja, em 15 de Tisri (4/5 de outubro), também escolheram esta opção de lua nova (noite sem lua (não o primeiro crescente)). A propósito, o método de considerar a lua nova pelo primeiro crescente visível depende da localização geográfica onde se pode observar. Então o horário pode variar de um dia dependendo da localização geográfica onde o observador seria...

A opção da lua nova, a noite sem lua, (e não a da primeira lua crescente (que não tem base bíblica)), está de acordo com a Bíblia. Esta é a opção que foi escolhida pelo calendário hebraico e é nesta base que é calculado a data da comemoração da morte de Cristo (que é baseado principalmente no calendário atual hebraico) e bem como a determinação da data de 10 de Tisri (Etanim).

MENU