Español                                   English                                   Français

BÍBLIA ONLINE

BÍBLIA ONLINE (Traduções comparativas)

BÍBLIA ONLINE (Em vários idiomas) 

Menu temático de artigos bíblicos

Pode escolher seu idioma preferido

Català  Românesc  Italiano  Deutsch 

Polski  Magyar  Hrvatski  Slovenský  Slovenski  český  Shqiptar  Nederlands 

Svenska  Norsk  Suomalainen  Dansk  Icelandic  Lietuvos  Latvijas  Eesti 

ქართული  ελληνικά  հայերեն  Kurd  اردو  Azərbaycan  Türk  العربية  فارسی  עברי  ייִדיש

Pусский  Yкраїнський  Македонски  Български  Монгол  беларускі  Қазақ  Cрпски 

Swahili Hausa Afrikaans Igbo Xhosa Yoruba Zulu Malagasy አማርኛ Somali

हिन्दी  नेपाली  বাঙালি  ਪੰਜਾਬੀ   मराठी   ગુજરાતી  ଓଡିଆ  മലയാളം  ಕನ್ನಡ  தமிழ்  සිංහල తెలుగు  

中国  ไทย  ខ្មែរ  ລາວ  Tiếng việt  日本の  한국의 

Tagalog  Indonesia  Jawa  Myanmar 

As frases em azul (entre dois parágrafos) fornecem explicações bíblicas adicionais e detalhadas. Basta clicar no link em azul. Os artigos bíblicos são escritos principalmente em quatro idiomas: português, francês, espanhol e inglês 

A VIDA ETERNA

POR MEIO DO RESGATE DO SACRIFÍCIO DE JESUS CRISTO 

"você ficará cheio de alegria" (Deuteronômio 16:15)

“E o próprio Jeová fez recuar a condição cativa de Jó quando ele orou a favor dos seus companheiros, e, adicionalmente, Jeová começou a dar em dobro tudo o que fora de Jó” (Jó 42:10). Acontecerá o mesmo para toda a Grande Multidão que sairá da Grande Tribulação. Jeová Deus, por meio do Rei Jesus Cristo, lembrar-se-á carinhosamente deles, enchendo-os de bênçãos, esta vez, durante toda eternidade, como o discípulo de Tiago recordou: “Eis que proclamamos felizes os que perseveraram. Ouvistes [falar] da perseverança de Jó e vistes o resultado que Jeová deu, que Jeová é mui terno em afeição e [é] misericordioso” (Tiago 5:11).

(O sacrifício de Cristo tem um valor propiciatório que permite o perdão de Deus e um valor de resgate que permite uma troca de corpos através da ressurreição, da cura o da regeneração e do rejuvenescimento)

A LIBERTAÇÃO DA HUMANIDADE:

AS CURAS MILAGROSAS

“E nenhum residente dirá: “Estou doente.” O povo que mora na [terra] serão os a quem se perdoa seu erro” (Isaías 33:24).

“Naquele tempo abrir-se-ão os olhos dos cegos e destapar-se-ão os próprios ouvidos dos surdos. Naquele tempo o coxo estará escalando como o veado e a língua do mudo gritará de júbilo. Pois no ermo terão arrebentado águas, e torrentes na planície desértica” (Isaías 35:5,6).

A LIBERTAÇÃO DA HUMANIDADE:

O REJUVENESCER

“Torne-se a sua carne mais fresca do que na infância; Volte ele aos dias do seu vigor juvenil” (Jó 33:25).

A LIBERTAÇÃO DA HUMANIDADE:

A RESSURREIÇÃO TERRESTRE

“E muitos dos adormecidos no solo de pó acordarão, estes para a vida de duração indefinida e aqueles para vitupérios [e] para abominação de duração indefinida” (Daniel 12:2).

“Eu tenho esperança para com Deus, esperança que estes mesmos [homens] também alimentam, de que há de haver uma ressurreição tanto de justos como de injustos” (Atos 24:15) (A ressurreição terrestreA ressurreição celestial)

 A LIBERTAÇÃO DA HUMANIDADE ATRAVÉS DA ADMINISTRAÇÃO TERRESTRE DO REINO DE DEUS

“E eu vi um novo céu e uma nova terra; pois o céu anterior e a terra anterior tinham passado, e o mar já não é. Vi também a cidade santa, Nova Jerusalém, descendo do céu, da parte de Deus, e preparada como noiva adornada para seu marido. Com isso ouvi uma voz alta do trono dizer: “Eis que a tenda de Deus está com a humanidade, e ele residirá com eles e eles serão os seus povos. E o próprio Deus estará com eles. E enxugará dos seus olhos toda lágrima, e não haverá mais morte, nem haverá mais pranto, nem clamor, nem dor. As coisas anteriores já passaram” (Apocalipse 21:1-4).

(A administração terrestre do Reino de DeusO príncipe; O sacerdote; O levita)

"Alegrai-vos em Jeová e sede jubilosos, ó justos;
E gritai de júbilo, todos os que sois retos no coração" (Salmos 32:11)

Os justos viverão para sempre e os iníquos perecerão

“Felizes os de temperamento brando, porque herdarão a terra” (Mateus 5:5).

“E apenas mais um pouco, e o iníquo não mais existirá; E estarás certamente atento ao seu lugar, e ele não existirá. Mas os próprios mansos possuirão a terra E deveras se deleitarão na abundância de paz. O iníquo está tramando contra o justo, E contra ele range os dentes. O próprio Jeová se rirá dele, Porque certamente vê que virá o seu dia. Os iníquos desembainharam a própria espada e entesaram seu arco Para fazer cair o atribulado e o pobre, Para abater os que são retos no seu caminho. Sua própria espada penetrará no seu coração E seu próprio arco será quebrado. (...) Porque os próprios braços dos iníquos serão quebrados, Mas Jeová estará sustentando os justos. (...) Porque os próprios iníquos perecerão E os inimigos de Jeová serão como a preciosidade dos pastos; Terão de chegar ao seu fim. Terão de chegar ao seu fim em fumaça. (...) Os próprios justos possuirão a terra E residirão sobre ela para todo o sempre. (...) Espera em Jeová e guarda seu caminho, E ele te exaltará para tomares posse da terra. Quando os iníquos forem decepados, tu o verás. (...) Vigia o inculpe e mantém a vista no homem reto, Porque o futuro deste homem será pacífico. Mas os próprios transgressores serão aniquilados juntos; O futuro de gente iníqua será deveras decepado. E a salvação dos justos vem de Jeová; Ele é o seu baluarte no tempo da aflição. E Jeová os ajudará e os porá a salvo. Ele os porá a salvo dos iníquos e os salvará, Porque se refugiaram nele” (Salmos 37:10-15, 17, 20, 29, 34, 37-40).

“O objetivo é que andes no caminho de gente boa e que guardes as veredas dos justos. Pois os retos são os que residirão na terra e os inculpes são os que remanescerão nela. Quanto aos iníquos, serão decepados da própria terra; e quanto aos traiçoeiros, serão arrancados dela. (...) As bênçãos são para a cabeça do justo, mas quanto à boca dos iníquos, ela encobre a violência. A recordação do justo está para ser abençoada, mas o próprio nome dos iníquos apodrecerá” (Provérbios 2:20-22; 10:6,7).

As guerras cessarão, haverá paz nos corações e em toda a terra

“Ouvistes que se disse: ‘Tens de amar o teu próximo e odiar o teu inimigo.’ No entanto, eu vos digo: Continuai a amar os vossos inimigos e a orar pelos que vos perseguem; para que mostreis ser filhos de vosso Pai, que está nos céus, visto que ele faz o seu sol levantar-se sobre iníquos e sobre bons, e faz chover sobre justos e sobre injustos.  Pois, se amardes aos que vos amam, que recompensa tendes? Não fazem também a mesma coisa os cobradores de impostos? E, se cumprimentardes somente os vossos irmãos, que fazeis de extraordinário? Não fazem também a mesma coisa as pessoas das nações? Concordemente, tendes de ser perfeitos, assim como o vosso Pai celestial é perfeito” (Mateus 5:43-48).

“Pois, se perdoardes aos homens as suas falhas, também o vosso Pai celestial vos perdoará; ao passo que, se não perdoardes aos homens as suas falhas, tampouco o vosso Pai vos perdoará as vossas falhas” (Mateus 6:14,15).

“Jesus lhe disse então: “Devolva a espada ao seu lugar, pois todos os que tomarem a espada morrerão pela espada”” (Mateus 26:52).

"Vinde, observai as atividades de Jeová, Como ele tem posto eventos assombrosos na terra. Ele faz cessar as guerras até a extremidade da terra. Destroça o arco e retalha a lança; As carroças ele queima no fogo" (Salmos 46:8,9).

“E ele certamente fará julgamento entre as nações e resolverá as questões com respeito a muitos povos. E terão de forjar das suas espadas relhas de arado, e das suas lanças, podadeiras. Não levantará espada nação contra nação, nem aprenderão mais a guerra” (Isaías 2:4).

“E na parte final dos dias terá de acontecer que o monte da casa de Jeová ficará firmemente estabelecido acima do cume dos montes e certamente se elevará acima dos morros; e a ele terão de afluir os povos. E muitas nações certamente irão e dirão: “Vinde, e subamos ao monte de Jeová e à casa do Deus de Jacó; e ele nos instruirá sobre os seus caminhos e nós andaremos nas suas veredas.” Pois de Sião sairá a lei e de Jerusalém a palavra de Jeová. E ele certamente fará julgamento entre muitos povos e resolverá as questões com respeito a poderosas nações longínquas. E terão de forjar das suas espadas relhas de arado, e das suas lanças, podadeiras. Não levantarão espada, nação contra nação, nem aprenderão mais a guerra. E realmente sentar-se-ão, cada um debaixo da sua videira e debaixo da sua figueira, e não haverá quem os faça tremer; porque a própria boca de Jeová dos exércitos falou isso” (Miquéias 4:1-4).

Haverá bastante comida em toda a terra

"Virá a haver bastante cereal na terra; No cume dos montes haverá superabundância. Seu fruto será como no Líbano, E os da cidade florirão como a vegetação da terra" (Psalms 72:16).

"E ele certamente dará a chuva para a tua semente com que semeias o solo e pão como produto do solo, que terá de tornar-se pingue e oleoso. Teu gado pastará naquele dia num pasto amplo" (Isaías 30:23).

Os relatos dos milagres de Jesus Cristo na terra,

para fortalecer a fé na vida eterna

"De fato, há também muitas outras coisas que Jesus fez. Se fossem escritas em todos os detalhes, suponho que o próprio mundo não poderia conter os rolos escritos" (João 21:25)

Jesus Cristo e o primeiro milagre escrito no Evangelho de João, ele transforma água em vinho: "Ora, no terceiro dia realizou-se uma festa de casamento em Caná da Galiléia, e a mãe de Jesus estava lá.  Jesus e seus discípulos foram também convidados para a festa de casamento. Quando o vinho estava escasseando, a mãe de Jesus disse-lhe: “Eles não têm vinho.” Mas Jesus disse-lhe: “Que tenho eu que ver contigo, mulher? Minha hora não chegou ainda.”  Sua mãe disse aos que ministravam: “O que ele vos disser, fazei.” Acontece que havia ali seis talhas de pedra, para água, conforme exigidas pelas regras de purificação dos judeus, cada uma capaz de conter duas ou três medidas de líquidos. Jesus disse-lhes: “Enchei com água as talhas.” E encheram-nas até em cima. E ele lhes disse: “Tirai agora um pouco e levai-o ao diretor da festa.” Levaram-no assim. Ora, quando o diretor da festa provou a água que tinha sido transformada em vinho, mas sem saber donde vinha, embora o soubessem os ministrantes que haviam tirado a água, o diretor da festa chamou o noivo  e disse-lhe: “Todo outro homem apresenta primeiro o vinho excelente, e, quando as pessoas ficam inebriadas, o inferior. Tu reservaste o vinho excelente até agora.” Jesus realizou isso em Caná da Galiléia, como princípio dos seus sinais, e tornou manifesta a sua glória; e seus discípulos depositaram nele a sua fé” (João 2:1-11).

Jesus Cristo cura o filho dum assistente do rei: “Por conseguinte, ele veio novamente à Caná da Galiléia, onde transformara a água em vinho. Havia então ali certo assistente do rei, cujo filho estava doente em Cafarnaum. Quando este homem ouviu que Jesus saíra da Judéia para a Galiléia, foi ter com ele e começou a pedir-lhe que descesse e sarasse seu filho, pois estava às portas da morte.  Jesus, porém, disse-lhe: “A menos que vós vejais sinais e prodígios, de modo algum acreditareis.” O assistente do rei disse-lhe: “Senhor, desce antes de minha criancinha morrer.” Jesus disse-lhe: “Vai; teu filho vive.” O homem acreditou na palavra que Jesus lhe falou e foi embora. Mas, enquanto ainda estava descendo, vieram ao encontro dele seus escravos para dizer que seu menino estava vivo. Começou assim a indagar deles a hora em que ficou melhor de saúde. Concordemente lhe disseram: “Ontem, na sétima hora, a febre o abandonou.” Portanto, o pai sabia que fora naquela mesma hora que Jesus lhe dissera: “Teu filho vive.” E ele e toda a sua família creram. Demais, este foi o segundo sinal que Jesus realizou depois de sair da Judéia para a Galiléia” (João 4:46-54).

Jesus Cristo cura um homem possuído por um demônio em Cafarnaum: “E desceu a Cafarnaum, uma cidade da Galiléia. E ele os ensinava no sábado; e ficaram assombrados com o seu modo de ensinar, porque a sua palavra era com autoridade. Ora, havia na sinagoga um homem com um espírito, um demônio impuro, e ele gritava com voz alta:  “Ah! que temos nós contigo, Jesus, nazareno? Vieste destruir-nos? Sei exatamente quem és, o Santo de Deus.” Mas Jesus censurou-o, dizendo: “Cala-te e sai dele.” Assim, depois de lançar o homem no meio deles, saiu dele o demônio sem lhe fazer dano. Em vista disso, todos se assombraram e começaram a conversar entre si, dizendo: “Que sorte de palavra é esta, porque ordena aos espíritos impuros com autoridade e poder, e eles saem?” De modo que a notícia a respeito dele se espalhava por todo canto da região circunvizinha” (Lucas 4:31-37).

Jesus Cristo expulsa demônios no país dos gadarenos (atual Jordânia, parte oriental do rio Jordão, perto do Lago Tiberíades): "Quando chegou à outra margem, ao país dos gadarenos, vieram-lhe ao encontro dois homens possessos de demônios, saindo dentre os túmulos memoriais, extremamente ferozes, de modo que ninguém tinha a coragem de passar por aquela estrada. E eis que bradavam, dizendo: “Que temos nós contigo, Filho de Deus? Vieste aqui atormentar-nos antes do tempo designado?” Ora, bastante longe dali havia uma manada de muitos porcos pastando. Os demônios começaram assim a suplicar-lhe, dizendo: “Se nos expulsares, envia-nos para a manada de porcos.” Concordemente, ele lhes disse: “Ide!” Eles saíram e passaram para os porcos; e eis que toda a manada se precipitou despenhadeiro abaixo, para dentro do mar, e morreu nas águas. Mas os porqueiros fugiram, e, entrando na cidade, relataram tudo, inclusive o caso dos homens possessos de demônios. E eis que toda a cidade saiu e veio ao encontro de Jesus; e, tendo-o visto, instaram muito com ele para que saísse dos seus distritos” (Mateus 8:28-34).

Jesus Cristo cura a sogra do apóstolo Pedro: "Ao entrar na casa de Pedro, Jesus viu a sogra deste de cama e com febre. 15 Então tocou na mão dela e a febre a deixou, e ela se levantou e começou a servi-lo" (Mateus 8:14,15).

Jesus Cristo cura um homem com a mão direita paralisada: "No decorrer de outro sábado, entrou na sinagoga e começou a ensinar. E havia ali um homem cuja mão direita estava ressequida. Os escribas e fariseus observavam-no então de perto para ver se havia de curar no sábado, a fim de acharem um modo de acusá-lo. Ele sabia, porém, dos seus raciocínios; contudo, disse ao homem com a mão ressequida: “Levanta-te e fica em pé no centro.” E ele se levantou e ficou em pé. Jesus disse-lhes então: “Eu vos pergunto: É lícito, no sábado, fazer o bem ou causar dano, salvar ou destruir uma alma?” E, depois de olhar em volta para todos eles, disse ao homem: “Estende a tua mão.” E ele fez isso, e a sua mão foi restabelecida. Mas eles se encheram de insensatez e começaram a falar entre si sobre o que poderiam fazer a Jesus” (Lucas 6:6-11).

Jesus Cristo cura um homem com hidropisia (edema, excesso de fluido no corpo): “E, numa ocasião em que entrou na casa de certo dos governantes dos fariseus, no sábado, para tomar uma refeição, eles o estavam observando de perto. E eis que havia diante dele certo homem que padecia de hidropisia.  Assim, como resposta, Jesus falou aos versados na Lei e aos fariseus, dizendo: “É lícito ou não curar no sábado?” Mas eles ficaram calados. Em vista disso, pegou no homem, curou-o e o mandou embora. E ele lhes disse: “Quem de vós, quando o seu filho ou touro cai num poço, não o puxa imediatamente para fora, no dia de sábado?” E não lhe puderam replicar nestas coisas" (Lucas 14:1-6).

Jesus Cristo cura um cego: "Quando Jesus estava chegando perto de Jericó, um cego estava sentado à beira da estrada, mendigando. Visto que ouviu uma multidão passando, ele perguntou o que estava acontecendo. Disseram-lhe: “Jesus, o Nazareno, está passando!” Em vista disso, ele gritou: “Jesus, Filho de Davi, tenha misericórdia de mim!” E os que estavam na frente começaram a censurá-lo, mandando que ficasse calado, mas ele gritava ainda mais: “Filho de Davi, tenha misericórdia de mim!” Jesus parou, então, e ordenou que o homem lhe fosse trazido. Depois que ele se aproximou, Jesus lhe perguntou: “O que você quer que eu faça por você?” Ele disse: “Senhor, deixe-me recuperar a visão.” De modo que Jesus lhe disse: “Recupere a visão. A sua fé fez você ficar bom.” E ele recuperou instantaneamente a visão e começou a segui-lo, glorificando a Deus. Também todas as pessoas, ao verem isso, deram louvor a Deus" (Lucas 18:35-43).

Jesus Cristo cura dois cegos: “Enquanto Jesus passava adiante, seguiam-no dois cegos, clamando e dizendo: “Tem misericórdia de nós, Filho de Davi.” Tendo ele entrado na casa, dirigiram-se a ele os cegos e Jesus perguntou-lhes: “Tendes fé que eu possa fazer isso?” Responderam-lhe: “Sim, Senhor.” Então tocou nos olhos deles, dizendo: “Aconteça-vos segundo a vossa fé.” E os olhos deles receberam visão. Ainda mais, Jesus advertiu-os severamente, dizendo: “Cuidai de que ninguém venha a saber disso.” Mas eles, uma vez fora, tornaram isso público a respeito dele, em toda aquela região” (Mateus 9:27-31).

Jesus Cristo cura um surdo mudo: “Voltando então das regiões de Tiro, passou por Sídon para o mar da Galiléia, subindo através das regiões de Decápolis. Ali lhe trouxeram um surdo com um impedimento na fala, e suplicaram-lhe que pusesse a sua mão sobre ele. E ele o levou à parte, separado da multidão, e pôs os seus dedos nos ouvidos do homem, e, depois de cuspir, tocou na língua dele. E, com um olhar para o céu, suspirou profundamente e disse-lhe: “Efatá”, isto é: “Abre-te.” Ora, sua faculdade de ouvir foi aberta e o impedimento de sua língua foi solto, e começou a falar normalmente. Com isso os advertiu que a ninguém o dissessem; mas, quanto mais os advertia, tanto mais o proclamavam. Deveras, estavam ficando assombrados de maneira mais extraordinária, dizendo: “Todas as coisas ele tem feito bem. Faz até os surdos ouvir e os mudos falar”” (Marcos 7:31-37).

Jesus Cristo cura um leproso: "Aproximou-se dele também um leproso, suplicando-lhe até de joelhos: “Se o senhor apenas quiser, pode me purificar.” Em vista disso, ele teve pena; e estendeu a mão, tocou no homem e lhe disse: “Eu quero! Seja purificado.” Imediatamente a lepra desapareceu dele, e ele ficou purificado" (Marcos 1:40-42).

A cura dos dez leprosos: "E, enquanto ele ia a Jerusalém, passava pelo meio de Samaria e Galiléia. E, ao entrar em certa aldeia, vieram ao encontro dele dez homens leprosos, mas ficaram parados de longe.  E elevaram as suas vozes e disseram: “Jesus, Preceptor, tem misericórdia de nós!” E quando os avistou, disse-lhes: “Ide e mostrai-vos aos sacerdotes.” Então, enquanto se afastavam, ocorreu a purificação deles. Um deles, quando viu que estava curado, voltou, glorificando a Deus com voz alta. E ele se prostrou com o rosto [em terra] aos pés de Jesus, agradecendo-lhe; ademais, ele era samaritano. Jesus disse, em resposta: “Dez foram purificados, não foram? Onde estão, então, os outros nove? Não se achou nenhum que voltasse para dar glória a Deus, exceto este homem de outra nação?” E disse-lhe: “Levanta-te e vai; a tua fé te fez ficar bom”” (Lucas 17:11-19).

Jesus Cristo cura um paralítico: "Depois disso houve uma festividade dos judeus, e Jesus subiu a Jerusalém. Em Jerusalém, junto ao Portão das Ovelhas, há um reservatório com cinco pórticos, chamado em hebraico de Betezata. Naquele lugar se deitava uma multidão de doentes, cegos, mancos e pessoas que tinham membros atrofiados. E ali havia um homem que já estava doente por 38 anos. Vendo aquele homem deitado ali, e sabendo que ele já estava doente por muito tempo, Jesus lhe disse: “Você quer ficar bom?” O doente respondeu: “Senhor, não tenho ninguém para me colocar no reservatório quando a água fica agitada; mas, quando eu estou indo, outro desce na minha frente.” Jesus lhe disse: “Levante-se! Pegue a sua esteira e ande.” E o homem ficou imediatamente bom, pegou a sua esteira e começou a andar" (João 5:1-9).

Jesus Cristo cura um epiléptico: “E, ao se chegarem à multidão, aproximou-se-lhe um homem que se ajoelhou diante dele e disse: “Senhor, tem misericórdia de meu filho, porque ele é epiléptico e está enfermo, pois cai muitas vezes no fogo e muitas vezes na água; 16 e eu o trouxe aos teus discípulos, mas eles não o puderam curar.” Jesus disse, em resposta: “Ó geração sem fé e deturpada, até quando terei de continuar convosco? Até quando terei de suportar-vos? Trazei-mo aqui.”  Jesus censurou então o demônio e este saiu dele; e o menino ficou curado daquela hora em diante. Chegando-se então os discípulos a Jesus, em particular, disseram: “Por que é que nós não pudemos expulsá-lo?” Ele lhes disse: “Por terdes pouca fé. Pois, deveras, eu vos digo: Se tiverdes fé do tamanho dum grão de mostarda, direis a este monte: ‘Transfere-te daqui para lá’, e ele se transferirá, e nada vos será impossível”” (Mateus 17:14-20).

Um milagre sem saber: “Enquanto ia, as multidões o comprimiam. E uma mulher, por doze anos padecendo dum fluxo de sangue, que não conseguira cura da parte de ninguém, aproximou-se por detrás e tocou na orla de sua roupa exterior, e o seu fluxo de sangue parou instantaneamente. De modo que Jesus disse: “Quem foi que me tocou?” Quando todos o negavam, Pedro disse: “Preceptor, as multidões te rodeiam e apertam.” Contudo, Jesus disse: “Alguém me tocou, pois percebi que poder saiu de mim.” Vendo que não passara despercebida, a mulher veio trêmula e prostrou-se diante dele, e revelou perante todo o povo a causa pela qual o tocara e como fora curada instantaneamente. Mas ele lhe disse: “Filha, a tua fé te fez ficar boa; vai em paz”” (Lucas 8:42-48).

Jesus Cristo Cura à Distância: "Tendo completado todas as suas declarações aos ouvidos do povo, entrou em Cafarnaum. Ora, o escravo de certo oficial do exército, estimado por este, estava adoentado e quase à morte. Quando ele ouviu falar de Jesus, enviou-lhe anciãos dos judeus para lhe pedirem que viesse e fizesse seu escravo passar por isso a salvo. Os que se chegaram a Jesus começaram então a suplicar-lhe seriamente, dizendo: “Ele é digno de lhe concederes isso, porque ama a nossa nação e ele mesmo construiu para nós a sinagoga.” Jesus ia, pois, com eles. Mas, quando já não estava longe da casa, o oficial do exército já lhe enviara amigos para dizer-lhe: “Senhor, não te incomodes, pois não sou apto para que entres debaixo do meu teto. Por esta razão não me considerei digno de ir a ti. Mas, dize a palavra, e seja sarado meu servo. Pois eu também sou homem sujeito à autoridade, tendo soldados sob as minhas ordens, e digo a este: ‘Vai!’ e ele vai, e a outro: ‘Vem!’ e ele vem, e ao meu escravo: ‘Faze isto!’ e ele o faz.” Pois bem, quando Jesus ouviu estas coisas, maravilhou-se dele, e, voltando-se para a multidão que o seguia, disse: “Eu vos digo: Nem mesmo em Israel tenho encontrado tamanha fé.” E os que tinham sido enviados, voltando para a casa, encontraram o escravo de boa saúde” (Lucas 7:1-10).

Jesus Cristo cura uma mulher encurvada por 18 anos: "Ele estava então ensinando numa das sinagogas, no sábado. E eis uma mulher com um espírito de fraqueza, já por dezoito anos, e ela estava encurvada e não podia absolutamente endireitar-se. Quando a viu, Jesus dirigiu-lhe a palavra e disse-lhe: “Mulher, estás livre de tua fraqueza.” E pôs as suas mãos sobre ela; e ela se endireitou instantaneamente e começou a glorificar a Deus. Mas, em resposta, o presidente da sinagoga, indignado porque Jesus fizera a cura no sábado, começou a dizer à multidão: “Há seis dias em que se deve trabalhar; nestes, pois, vinde e sede curados, não no dia de sábado.” O Senhor, porém, respondeu-lhe e disse: “Hipócritas, não é que cada um de vós, no sábado, desata da baia o seu touro ou o seu jumento e o leva para dar-lhe de beber? Não era então apropriado que esta mulher, que é filha de Abraão, e a quem Satanás manteve amarrada, ora! por dezoito anos, fosse solta deste laço no dia de sábado?” Pois bem, quando ele disse estas coisas, todos os seus opositores começaram a ficar envergonhados; mas toda a multidão começou a alegrar-se com todas as coisas gloriosas feitas por ele" (Lucas 13:10-17).

Jesus Cristo cura a filha duma mulher fenícia: “Partindo dali, Jesus retirou-se então para os lados de Tiro e Sídon. E eis que uma mulher fenícia, daquelas regiões, saiu e gritou alto, dizendo: “Tem misericórdia de mim, Senhor, Filho de Davi. Minha filha está muito endemoninhada.” Mas ele não lhe respondeu nenhuma palavra. De modo que seus discípulos se aproximaram e começaram a solicitar-lhe: “Manda-a embora; porque persiste em clamar atrás de nós.” Em resposta, ele disse: “Não fui enviado a ninguém senão às ovelhas perdidas da casa de Israel.” Chegando a mulher, começou a prestar-lhe homenagem, dizendo: “Senhor, ajuda-me!” Em resposta, ele disse: “Não é direito tirar o pão dos filhos e lançá-lo aos cachorrinhos.”  Ela disse: “Sim, Senhor; mas, realmente, os cachorrinhos comem as migalhas que caem da mesa dos seus amos.” Jesus disse-lhe então, em resposta: “Ó mulher, grande é a tua fé; aconteça-te conforme desejas.” E a filha dela ficou curada daquela hora em diante” (Mateus 15:21-28).

A pesca milagrosa: "Em certa ocasião, quando a multidão o apertava e escutava a palavra de Deus, ele estava parado à beira do lago de Genesaré. E viu dois barcos atracados à beira do lago, mas os pescadores tinham desembarcado e lavavam as suas redes. Embarcando num dos barcos, que era o de Simão, pediu-lhe que o afastasse um pouco da terra. Assentou-se então, e, de dentro do barco, começou a ensinar as multidões. Quando parou de falar, disse a Simão: “Rema para onde é fundo, e abaixai as vossas redes para uma pesca.” Simão, porém, disse em resposta: “Preceptor, labutamos toda a noite e não apanhamos nada, mas, ao teu pedido, abaixarei as redes.” Pois bem, quando fizeram isso, cercaram uma grande multidão de peixes. De fato, suas redes começaram a romper-se. Acenaram então para os seus associados no outro barco, para que viessem e os auxiliassem; e eles vieram, e encheram ambos os barcos, de modo que estes começaram a afundar-se. Vendo isso, Simão Pedro prostrou-se aos joelhos de Jesus, dizendo: “Afasta-te de mim, porque sou homem pecaminoso, Senhor.” Pois à vista da safra de peixes que apanharam, tanto ele como os com ele foram tomados de assombro, e assim também Tiago e João, filhos de Zebedeu, que eram parceiros de Simão. Mas Jesus disse a Simão: “Pára de estar com medo. Doravante apanharás vivos a homens.” Trouxeram assim os barcos de volta à terra, abandonaram tudo e o seguiram” (Lucas 5:1-11).

Jesus Cristo acalma uma tempestade: "Ele entrou num barco, e seus discípulos o seguiram. Levantou-se então uma grande tempestade no mar, de modo que o barco estava sendo coberto pelas ondas; mas ele estava dormindo. E eles foram acordá-lo, dizendo: “Senhor, salve-nos, pois estamos prestes a morrer!” No entanto, ele lhes disse: “Por que vocês estão com tanto medo, homens de pouca fé?” Então ele se levantou e censurou os ventos e o mar, e houve uma grande calmaria. De modo que os homens ficaram espantados e disseram: “Que homem é este? Até mesmo os ventos e o mar lhe obedecem.”" (Mateus 8:23-27). Esse milagre mostra que no paraíso terrestre não haverá mais tempestades ou inundações que causarão desastres.

Jesus Cristo andando sobre o mar: “Por fim, tendo despedido as multidões, subiu sozinho ao monte para orar. Embora ficasse tarde, estava ali sozinho. O barco já estava então a muitas centenas de metros da terra, sendo duramente castigado pelas ondas, porque o vento era contrário. Mas, no período da quarta vigília da noite, foi ter com eles andando sobre o mar. Quando o avistaram andando sobre o mar, os discípulos ficaram perturbados, dizendo: “É uma aparição!” E clamaram de temor. Mas, Jesus falou-lhes imediatamente com as palavras: “Coragem! Sou eu; não temais.” Pedro disse-lhe, em resposta: “Senhor, se és tu, ordena-me ir ter contigo por cima das águas.” Ele disse: “Vem.” Em vista disso, Pedro, descendo do barco, andou por cima das águas e dirigiu-se a Jesus. Mas, olhando para a ventania, ficou com medo, e, começando a afundar-se, clamou: “Senhor, salva-me!” Estendendo imediatamente a mão, Jesus agarrou-o e disse-lhe: “Ó tu, de pouca fé, por que cedeste à dúvida?” E, depois de terem novamente subido ao barco, cessou a ventania. Os que estavam no barco prestaram-lhe então homenagem, dizendo: “Tu és realmente o Filho de Deus.” E fizeram a travessia, desembarcando em Genesaré” (Mateus 14:23-33).

Jesus Cristo multiplica os pães: “Depois destas coisas, Jesus partiu, atravessando o mar da Galiléia, ou Tiberíades. Mas, seguia-o uma grande multidão, porque observavam os sinais que ele realizava nos enfermos.  Jesus subiu assim a um monte e estava ali sentado com os seus discípulos. Ora, estava próxima a páscoa, a festividade dos judeus.  Portanto, quando Jesus levantou os olhos e observou que uma grande multidão se chegava a ele, disse a Filipe: “Onde vamos comprar pães para estes comerem?” No entanto, dizia isso para prová-lo, pois ele mesmo sabia o que ia fazer. Filipe respondeu-lhe: “Pães no valor de duzentos denários não bastam para eles, para que cada um tenha um pouco.” Um dos seus discípulos, André, irmão de Simão Pedro, disse-lhe: “Há aqui um rapazinho que tem cinco pães de cevada e dois peixinhos. Mas, o que são estes para tantos?” Jesus disse: “Fazei os homens recostar-se como numa refeição.” Ora, havia muita grama no lugar. Os homens recostaram-se assim, cerca de cinco mil em número.  Jesus tomou assim os pães, e, tendo dado graças, distribuiu-os aos recostados, do mesmo modo também os peixinhos, tantos quantos quiseram. Mas, quando ficaram saciados, ele disse aos seus discípulos: “Ajuntai os pedaços que sobraram, para que nada se desperdice.” Eles os ajuntaram, portanto, e encheram doze cestos com os pedaços dos cinco pães de cevada, que foram deixados pelos que haviam comido. Por isso, quando os homens viram os sinais que realizava, começaram a dizer: “Este é certamente o profeta que havia de vir ao mundo.” Jesus, portanto, sabendo que estavam para vir e apoderar-se dele para o fazerem rei, retirou-se novamente para o monte, sozinho”(João 6:1-15). Haverá comida em abundância por toda a terra (Salmos 72:16; Isaías 30:23).

Jesus Cristo ressuscita o filho de uma viúva: "Logo depois disso, ele viajou para uma cidade chamada Naim, e seus discípulos e uma grande multidão viajavam com ele. No momento em que se aproximava do portão da cidade, um morto estava sendo carregado para fora, o filho único de sua mãe. Além disso, ela era viúva. Uma multidão considerável da cidade também a acompanhava. Quando o Senhor a viu, teve pena dela e lhe disse: “Pare de chorar.” Depois se aproximou e tocou no esquife, e os carregadores ficaram parados. Então ele disse: “Jovem, eu lhe digo: Levante-se!” E o morto se sentou e começou a falar, e Jesus o entregou à sua mãe. Todos foram então tomados de temor e começaram a glorificar a Deus, dizendo: “Um grande profeta surgiu em nosso meio”, e: “Deus voltou sua atenção para seu povo.” E essa notícia sobre ele se espalhou por toda a Judeia e por toda a região ao redor" (Lucas 7:11-17).

Jesus Cristo ressuscita a filha de Jairo: "Enquanto ele ainda falava, chegou um representante do presidente da sinagoga, dizendo: “Sua filha morreu. Não incomode mais o Instrutor.” Ouvindo isso, Jesus lhe respondeu: “Não tenha medo, apenas tenha fé, e ela será salva.” Quando chegou à casa, não deixou ninguém entrar com ele, a não ser Pedro, João e Tiago, e o pai e a mãe da menina. Mas todos choravam e batiam no peito de pesar por ela. De modo que ele disse: “Parem de chorar, pois ela não morreu; está dormindo.” Em vista disso, começaram a rir dele com desprezo, porque sabiam que ela havia morrido. Mas ele a pegou pela mão e a chamou: “Menina, levante-se!” E o espírito dela voltou e ela se levantou imediatamente, e ele ordenou que lhe dessem algo para comer. Os pais dela estavam fora de si, mas ele lhes ordenou que não dissessem a ninguém o que tinha acontecido" (Lucas 8:49-56).

Jesus Cristo ressuscita seu amigo Lázaro, que está morto há quatro dias: "Jesus ainda não tinha entrado na aldeia, mas estava no lugar onde Marta o havia encontrado. Quando os judeus que estavam na casa, consolando Maria, viram que ela se levantou depressa e saiu, eles a seguiram, achando que ela estivesse indo ao túmulo para chorar. Quando Maria chegou ao lugar onde Jesus estava e o viu, ela se prostrou aos seus pés e lhe disse: “Senhor, se estivesse aqui, meu irmão não teria morrido.” Vendo que ela e os judeus que a acompanhavam estavam chorando, Jesus se comoveu profundamente e ficou aflito. Ele perguntou: “Onde o colocaram?” Disseram-lhe: “Senhor, venha ver.” E Jesus começou a chorar. Em vista disso, os judeus disseram: “Vejam como ele o amava!” Mas alguns deles diziam: “Não podia este homem, que abriu os olhos do cego, impedir que Lázaro morresse?” Assim, de novo profundamente comovido, Jesus foi ao túmulo. Na realidade, era uma caverna, e havia uma pedra encostada nela. Jesus disse: “Retirem a pedra.” Marta, irmã do falecido, disse-lhe: “Senhor, ele já deve estar cheirando, porque já faz quatro dias.” Jesus respondeu: “Eu não lhe disse que, se você acreditasse, veria a glória de Deus?”  Portanto, retiraram a pedra. Jesus levantou então os olhos para o céu e disse: “Pai, eu te agradeço porque me ouviste. Na verdade, eu sei que sempre me ouves, mas falei por causa da multidão que está ao meu redor, para que acreditem que tu me enviaste.” Depois de dizer isso, ele gritou bem alto: “Lázaro, venha para fora!” O homem que estava morto saiu com os pés e as mãos amarrados com faixas, e com um pano enrolado no rosto. Jesus lhes disse: “Tirem as faixas dele e deixem-no ir.”" (João 11:30-44).

A última pesca milagrosa (pouco depois a ressurreição de Cristo): "No entanto, quando estava amanhecendo, Jesus estava parado na praia, mas os discípulos, naturalmente, não discerniam que era Jesus. Jesus disse-lhes então: “Criancinhas, será que tendes algo para comer?” Responderam-lhe: “Não.” Disse-lhes ele: “Lançai a rede do lado direito do barco e achareis algo.” Lançaram-na então, mas não puderam mais recolhê-la por causa da multidão de peixes. Portanto, aquele discípulo a quem Jesus amava disse a Pedro: “É o Senhor!” Por isso, Simão Pedro, ouvindo que era o Senhor, cingiu-se de sua roupa de cima, pois estava nu, e lançou-se no mar. Mas os outros discípulos vieram no pequeno barco, pois não estavam longe da terra, apenas a cerca de noventa metros, arrastando a rede de peixes" (João 21:4-8).

Jesus Cristo fez muitos outros milagres. Nós permitem fortalecer nossa fé, encorajar-nos e obter uma visão das muitas bênçãos que haverá no paraíso. As palavras escritas do apóstolo João resumem muito bem o prodigioso número de milagres que Jesus Cristo fez, como garantia do que acontecerá no paraíso: "De fato, há também muitas outras coisas que Jesus fez. Se fossem escritas em todos os detalhes, suponho que o próprio mundo não poderia conter os rolos escritos" (João 21:25).